Sigismundo Gonçalves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sigismundo Gonçalves
Morte 1915
Cidadania Brasil
Ocupação político

Sigismundo Antônio Gonçalves (Barras, 29 de setembro de 184521 de maio de 1915) foi um jornalista, magistrado e político brasileiro.

Durante o regime republicano, foi nomeado ministro do Supremo Tribunal de Justiça. Foi chefe de polícia, deputado provincial de 1868 a 1869 e deputado geral por duas legislaturas (1878 - 1881 e fevereiro - setembro de 1885).

Foi presidente da província de Pernambuco, de 14 a 15 de novembro de 1889. Também governou o estado de Pernambuco por duas vezes, em 1899 - 1900 e de 7 de abril de 1904 a 7 de abril de 1908, sendo, também, senador pelo estado por duas vezes, no período 1900 - 1903 e 1908 - 1915.

Notabilizou-se, entre outras coisas, por ter mandado a polícia de Pernambuco atear, deliberadamente, fogo ao Derby, um moderno centro comercial no Recife, no dia 2 de janeiro de 1900, por orientação de seu mentor político o Conselheiro Rosa e Silva, destruindo aquele empreendimento pioneiro recém criado por Delmiro Gouveia, de quem era inimigo político, com o objetivo de levá-lo à falência. O jornal do Recife A Província publicou, em 4 de janeiro de 1900, um telegrama atribuído ao então governador Sigismundo Gonçalves para o Conselheiro Rosa e Silva: "Mercado incendiado. Delmiro preso. Saudações, Sigismundo Gonçalves".[1]

Referências


Precedido por
Manuel Alves de Araújo
Presidente da província de Pernambuco
1889
Sucedido por
José Cerqueira de Aguiar Lima
Precedido por
Joaquim Correia de Araújo
Presidente de Pernambuco
1899 — 1900
Sucedido por
Antônio Gonçalves Ferreira
Precedido por
Antônio Gonçalves Ferreira
Presidente de Pernambuco
1904 — 1908
Sucedido por
Herculano Bandeira de Melo


Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Sigismundo Gonçalves