Hercílio Luz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Hercílio Luz (desambiguação).


Hercílio Pedro da Luz
Hercílio Pedro da Luz
Governador de Santa Catarina Bandeira de Santa Catarina.svg
Período 28 de setembro de 1894
28 de setembro de 1898
Antecessor(a) Antônio Moreira César
Sucessor(a) Polidoro Olavo de São Tiago
Governador de Santa Catarina Bandeira de Santa Catarina.svg
Período 28 de setembro de 1918
16 de agosto de 1922
Antecessor(a) Filipe Schmidt
Sucessor(a) Raulino Horn
Governador de Santa Catarina Bandeira de Santa Catarina.svg
Período 28 de setembro de 1922
9 de maio de 1924
Antecessor(a) Raulino Horn
Sucessor(a) Antônio Pereira da Silva e Oliveira
Vida
Nascimento 29 de maio de 1860
Florianópolis
Morte 20 de outubro de 1924 (64 anos)
Florianópolis
Dados pessoais
Profissão Político

Hercílio Pedro da Luz (Desterro, 29 de maio de 1860Florianópolis, 20 de outubro de 1924) foi um engenheiro e político brasileiro.

Vida[editar | editar código-fonte]

Filho de Jacinto José da Luz e Joaquina Anania Neves da Luz, filha de Joaquim Xavier Neves.

Órfão de pai aos 9 anos de idade, fez seus primeiros estudos em sua cidade natal e seguiu depois para o Rio de Janeiro, então capital do Império, onde fez os preparatórios e ingressou na Escola Politécnica.

Completou os estudos superiores na Universidade de Liège, na Bélgica, formando-se engenheiro e retornando ao Brasil em 1883. Em 1885 assumiu o cargo de juiz comissário de terras em Lajes (SC), no qual permaneceu até 1886.

Casou em primeiras núpcias com Etelvina Cesarina Ferreira da Luz. Tiveram quatorze filhos, dentre os quais Abelardo Venceslau da Luz, Alfredo Filipe da Luz, Celia da Luz Simões e Carmem Maria Ferreira da Luz, que casou com Joe Collaço.

Hercília Catharina da Luz foi a última de suas filhas a falecer, em 11 de setembro de 2011.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Engenheiro de obras públicas[editar | editar código-fonte]

Nomeado engenheiro de obras públicas da Província de Santa Catarina em 1888. Foi mantido como engenheiro do estado após a Proclamação da República.

Chefe da Comissão de Terras de Blumenau[editar | editar código-fonte]

Foi nomeado Chefe da Comissão de Terras em Blumenau por Lauro Müller em 1891.

Revolução Federalista[editar | editar código-fonte]

Tornou-se em Blumenau, o líder da reação republicana contra a Junta governativa catarinense de 1891. Participou, em 14 de julho, da chamada Revolução Republicana de Tijucas e, foi proclamado oito dias depois, em Blumenau, governador provisório de Santa Catarina.

Governador[editar | editar código-fonte]

Foi governador de Santa Catarina por três vezes: 1894-1898, 1918-1922 e 1922-1924. Tomou posse como primeiro governador republicano do estado eleito pelo voto direto, assumindo pela primeira vez no dia 28 de setembro de 1894, tendo Polidoro Olavo de São Tiago como vice-governador.

Em agosto de 1918 foi eleito vice-governador de Santa Catarina na chapa encabeçada por Lauro Müller, que não assumiu.

Nesse período, quando da cisão do Partido Republicano Federal (PRF), acompanhou Francisco Glicério e José Gomes Pinheiro Machado, rompeu politicamente com o presidente Prudente de Morais(1894-1898) afastou-se de Lauro Müller, e passou a apoiar as posições de Rui Barbosa no cenário nacional.

Florianópolis[editar | editar código-fonte]

Três dias depois de sua posse, sancionou projeto aprovado pelo Legislativo que alterava o nome de Desterro para Florianópolis, em homenagem a Floriano Peixoto.

Linha Telegráfica[editar | editar código-fonte]

Sob seu governo, em 1886 , foi instalada e inaugurada na região do Contestado a linha telegráfica entre Joinville e São Bento.

Iluminação Pública[editar | editar código-fonte]

Tentou criar o primeiro sistema de iluminação pública de Florianópolis e, para tanto, foi organizada uma sociedade integrada por Joaquim Manuel da Silva, Francisco José Ramos e Paul Darché, que recebeu a concessão municipal de luz elétrica em 8 de setembro de 1897, sendo inaugurada em 25 de setembro de 1910, tanto na capital como em Blumenau e em Joinville.

Sistema Viário Estadual[editar | editar código-fonte]

Fez várias intervenções no sistema viário estadual e adotou medidas para melhorar o transporte marítimo e fluvial.

Partido Republicano Catarinense (PRC)[editar | editar código-fonte]

Eem 1897 cuidou da organização do Partido Republicano Catarinense (PRC), juntamente com Lauro Müller, com quem acertou a composição dos principais diretórios municipais.

Ponte Hercílio Luz[editar | editar código-fonte]

Assinou entre 1920 a 1922 o contrato de construção da ponte pênsil que ligaria a capital Catarinense ao continente para consolidar Florianópolis como capital de Santa Catarina. Àquela altura, as outras cidades do estado consideravam a ilha muito distante para ser o centro administrativo e político do estado e, em consequência, havia um movimento pregando a mudança da capital para Lages. Iniciou-se a construção da ponte em 1922. Faleceu antes do fim do mandato, em 20 de outubro de 1924, e não chegou a assistir à inauguração da ponte, que receberia seu nome e seria inaugurada em maio de 1926.

Senador da República[editar | editar código-fonte]

Foi Senador da República em 1900, 1905 e 1915. Assumiu o mandato de senador na vaga deixada por Antônio Justiniano Esteves. Foi terceiro secretário da Mesa Diretora do Senado e membro das Comissões de Saúde Pública, Estatística e Colonização e de Obras Públicas e Empresas Privilegiadas.

Descendentes[editar | editar código-fonte]

Teve como um de seus principais colaboradores, Edmundo da Luz Pinto, neto do Marechal e Deputado Geral Francisco Carlos da Luz. A seu respeito, escreveu Edmundo, iniciado por Hercílio na política:

Há uma tutela invisível dos mortos sobre os vivos. É, por isso mesmo que eu, que lhe devi o começo de minha vida pública, abençoada paternalmente pela sua generosidade, no dia de seu centenário de nascimento, como que estou a vê-lo belo, varonil, a tez morena, que as cãs não envelheceram, com o seu firme olhar de comando, mostrando à Santa Catarina os caminhos radiosos do seu destino (em A Gazeta, Florianópolis, 29 de maio de 1960).

Turismo[editar | editar código-fonte]

A casa de campo de Hercílio Luz, é uma atração turística da localidade de Taquaras, no município de Rancho Queimado.

Em 1911, o então governador de Santa Catarina, Hercílio Pedro da Luz, por motivos de saúde, adquiriu a edificação para utilizá-la como residência de lazer e repouso, em função do clima e altitude amenos na região,

O museu, conhecido por Casa de Campo, também está registrado no Instituto Brasileiro de Museus – IBRAM, participando ativamente com exposições permanentes e temporárias, eventos culturais, entre outros.

Atualmente a Casa apresenta sala de exposição permanente – denominada Memorial Hercílio Luz – com mobília e louças originais da época que pertenceu a Hercílio Luz.

Referências

  • ABRANCHES, Dunshee de. Governos congressos dos Estados Unidos do Brasil. São Paulo, 1918.
  • LEITE NETO, Leonardo (org.) Catálogo Biográfico dos Senadores Brasileiros 1826-1986. Brasília, Centro Gráfico do Senado Federal, 1986, vol. II, p. 1897/8.
  • PAULI, Evaldo. “Hercílio Luz, governador inconfundível.
  • PIAZZA, Walter (org.). Dicionário Político Catarinense. Florianópolis, Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1985.
  • STOETERAU, Ligia de Oliveira. A trajetória do poder legislativo catarinense (1835 a 2000). Florianópolis, IOESC, 2000.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Antônio Moreira César
Presidente de Santa Catarina
1894 — 1898
Sucedido por
Filipe Schmidt
Precedido por
João Guimarães Pinho
Presidente de Santa Catarina
1918 — 1922
Sucedido por
Raulino Horn
Precedido por
Raulino Horn
Presidente de Santa Catarina
1922 — 1925
Sucedido por
Antônio Pereira da Silva e Oliveira


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.