Ponte Hercílio Luz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ponte Hercílio Luz
Ponte Hercílio Luz
Arquitetura e construção
Material Aço, sustentado por barras de olhal
Estilo arquitetônico Art déco
Design Ponte pênsil
Início da construção 14 de novembro de 1922
Data de abertura 13 de maio de 1926 (93 anos)
30 de dezembro de 2019 (reabertura)
Data de encerramento 1ª vez: 22 de janeiro de 1982
2ª vez: 13 de abril de 1991
Comprimento total 821 m
Altura 74 m
Maior vão livre 339 m
Geografia
Cruza Oceano Atlântico
Localização Florianópolis,  Santa Catarina,  Brasil
Coordenadas 27° 35' 38" S 48° 33' 58" O
Nome oficial: Ponte Hercílio Luz
Classificação: Infraestrutura ou equipamento urbano
Processo: 1137-T-85
Livro do tombo: Histórico
Número do registro: 547
Data de registro: 5 de agosto de 1998
Nome oficial: Ponte Hercílio Luz
Processo: 082/96
Legislação: Decreto nº 1.830, de 13 de maio de 1997
Patrimônio Municipal
Nome oficial: Ponte Hercílio Luz
Processo: 03/92
Legislação: Decreto nº 637/92, de 4 de agosto de 1992

A Ponte Hercílio Luz é uma ponte pênsil localizada em Florianópolis, no estado brasileiro de Santa Catarina, a mais antiga das três que ligam as partes insular e continental da capital catarinense. É a maior ponte suspensa do Brasil, com 821 metros - sendo a maior ponte pênsil sustentada por um sistema de barras de olhal ainda existente[1] - e possui o 132º maior vão pênsil do mundo, com 339 metros. Apelidada de "Velha Senhora", é o símbolo mais famoso da cidade e do estado, sendo a imagem mais reconhecida de ambos. O mirante situado à cabeceira insular proporciona uma das mais belas vistas panorâmicas do centro da cidade. Na área também está situado o Parque da Luz.[2]

Teve sua construção iniciada em 14 de novembro de 1922 e foi inaugurada em 13 de maio de 1926 com o objetivo de ligar a capital do estado, que na época era apenas na ilha de Santa Catarina, à São José, cidade vizinha, visando substituir o antigo serviço de ligação por balsas e reforçando a importância da cidade como capital.[3][4] Foi a única ligação rodoviária entre ilha e continente até 1975. Em 1982, o trânsito na ponte foi interditado após inspeções de segurança. Entre 1988 e 1991, foi reaberta para pedestres, bicicletas, motocicletas e veículos de tração animal, e permaneceu interditada por 28 anos.

A ponte foi tombada como patrimônio histórico, artístico e arquitetônico do município de Florianópolis em 4 de agosto de 1992 através do decreto de número 637/92. Na data em que comemoraram-se os 71 anos de sua construção, 13 de maio de 1997, o tombamento da ponte Hercílio Luz foi homologado pelo governo estadual através do decreto de número 1830, e no ano seguinte, em 5 de agosto de 1998, veio o tombamento em nível federal.[5]

Esses tombamentos permitiram que a ponte sobrevivesse as ideias de demolição, entretanto, a restauração consumiu recursos e teve diversas polêmicas quanto ao tempo e efetividade das obras, permanecendo por duas décadas sem grandes mudanças.[6] Na década de 2010, as obras finalmente avançaram, levando a reabertura da ponte no dia 30 de dezembro de 2019.[7]

História[editar | editar código-fonte]

Projeto e construção[editar | editar código-fonte]

A ponte em 1940.
Ponte Hercílio Luz em 1958. Arquivo Nacional.

A ponte foi projetada e construída durante o governo de Hercílio Luz para ser a primeira ligação terrestre entre a ilha e o continente. O idealizador não viu seu sonho ser concluído, pois morreu em 1924, doze dias depois de inaugurar uma réplica de madeira, construída na Praça XV especialmente para o ato simbólico. O nome da obra seria Ponte da Independência, o qual foi mudado após a morte de seu idealizador, em póstuma homenagem.

O projeto é de autoria dos engenheiros norte-americanos Robinson e Steinman, e todo o material nela empregado foi trazido dos Estados Unidos, tendo sido construída por equipe composta de dezenove técnicos especializados norte-americanos e operários catarinenses.

A inauguração da ponte Hercílio Luz, numa tarde chuvosa, em 13 de maio de 1926, acabou com um antigo sofrimento dos então 40 mil habitantes de Florianópolis: depender de balsas para atravessar da ilha ao continente ou vice-versa. Monopolizado, o serviço sequer oferecia cobertura para proteger os passageiros do sol ou da chuva.

O governador Hercílio Luz resolveu construir a ponte para consolidar Florianópolis como capital de Santa Catarina. Àquela altura, as outras cidades do estado consideravam a ilha muito distante para ser o centro administrativo e político do estado e, em consequência, havia um movimento pregando a mudança da capital para Lages.

Depois de obter empréstimo equivalente a dois orçamentos anuais do Estado de Santa Catarina, o governo finalmente iniciou a construção da ponte em 1922. Todo o material foi trazido pelos norte-americanos, os engenheiros Robinson e Steinmann. O pagamento dos empréstimos, feitos junto a bancos norte-americanos, só foi concluído em 1978, mais de 50 anos após a inauguração da ponte.

Desde o princípio, o processo de financiamento foi complicado. O primeiro banco que havia emprestado os 20 mil contos de réis ao governo catarinense faliu. Assim, um novo empréstimo teve que ser obtido, atrasando as obras. Além disso, uma manobra dos banqueiros norte-americanos fez com que o Estado de Santa Catarina se responsabilizasse por dívidas da instituição falida. Ao final, o custo atingiu 14 milhões, 478 mil, 107 contos e 479 réis — praticamente o dobro do orçamento do Estado à época.

Florianópolis, até então uma pequena cidade com ar provinciano, mudou seu destino com a nova ponte. Mais do que afastar o risco de perder o status de capital, o surgimento da Hercílio Luz mudou os costumes, os negócios e a forma de viver na cidade, e impulsionou o rodoviarismo e o avanço urbano. Os carros se tornam protagonistas e os ônibus se tornam, em cerca de dez anos após a inauguração, o transporte coletivo mais usado, substituindo primeiro os bondes e logo também as balsas.[3][4][8][9]

Até 1935 um pedágio no custo de um tostão (cem réis) por pessoa foi cobrado na cabeceira continental. Em 1944, Florianópolis anexa parte do município de São José, que se torna a parte continental da capital catarinense. Desde então a ponte deixa de ser uma ligação entre cidades e passa a ser uma ligação interna de Florianópolis, entretanto, o governo estadual permanece com a jurisdição da estrutura.

Nas décadas seguintes, o piso de madeira, barulhento, deu lugar ao asfalto, mais suave para os carros, mas também mais pesado, e a ponte não recebia manutenção devida. O trânsito era cada vez maior, e congestionamentos começaram a se tornar comuns. No fim de 1967, um alerta veio dos Estados Unidos.[10][11]

Interdições[editar | editar código-fonte]

Imagem aérea da ponte.

A necessidade de se averiguar o estado da ponte Hercílio Luz tornou-se óbvia com uma tragédia no Hemisfério Norte: a queda da Silver Bridge, sua irmã mais nova, uma ponte de concepção estrutural similar sobre o rio Ohio, entre Point Pleasant e Gallipolis, nos Estados Unidos. O colapso da Silver Bridge em 15 de dezembro de 1967 causou 46 mortes. Esse acidente levou a desconfiança sobre a estrutura da Hercílio Luz.[12]

Uma perícia realizada em 3 de dezembro de 1981 pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo (IPT) verificou que as barras de olhal estavam deterioradas, o que comprometia a segurança de seus transeuntes.[5] A descoberta de uma trinca de 5cm de abertura no olhal de uma das barras localizada na altura do topo do pilar do lado sul da ilha fez com que o departamento de Estradas de Rodagem do Estado levasse a recomendação do relatório do IPT a cabo, interditando a ponte ao tráfego pela primeira vez em 22 de janeiro de 1982.[12] Na época a ponte absorvia 43,8 % do tráfego de veículos.[5] A ponte Colombo Salles, aberta ao tráfego em março de 1975, passou a ser a única ligação da ilha ao continente.[12]

Posteriormente, em 15 de março de 1988, a ponte foi reaberta ao tráfego para pedestres, bicicletas, motocicletas e veículos de tração animal. Em fevereiro de 1990 foi concluída a primeira etapa da análise de viabilidade da reabertura da ponte ao tráfego, o que levou à segunda interdição da mesma, em 15 de julho de 1991. A subsequente retirada do piso asfáltico do vão central resultou em um alívio da ordem de 400 toneladas na carga suportada pela ponte.[9]

Anos de abandono e restauração[editar | editar código-fonte]

Após anos fechada e apenas sendo mantida, uma parceria entre o Governo Federal, Governo do Estado e a Prefeitura de Florianópolis em 2005 proporcionou o início das obras de restauração da ponte Hercílio Luz. Em 2008, o Consórcio Florianópolis Monumento passou a ser o responsável pela manutenção e restauração. O prazo máximo para a entrega da restauração era 13 de maio de 2012, quando a ponte completasse 86 anos, mas impedimentos burocráticos, aliados à mudança no comando do governo do estado, fizeram com que a obra atrasasse. O novo prazo de entrega ficou para a metade de 2013, o que também não se efetivou, e o Consórcio foi afastado pelo Governo do Estado.[13]

Vão central suspenso por guindastes em fevereiro de 2017.

O tempo de obras, os gastos e as denuncias de corrupção fizeram parte da opinião pública se voltar contra a ponte, e muitos moradores de Santa Catarina defendiam abertamente a derrubada do maior símbolo do estado e construção de uma nova ponte - o que não poderia acontecer já que é um patrimônio histórico tombado.[14][6][15] O Governo do Estado cria então um contrato emergencial, e a empresa portuguesa Teixeira Duarte assume as obras.[16] Em março de 2016, a obra prosseguia já somando mais de 500 milhões de reais gastos, com previsão de mais 500 milhões.[17][13]

A ponte em 2018, no período em que as barras de olhal estavam sendo trocadas.

O término da primeira etapa de restauração da ponte foi finalmente agendado para o início de 2017. Foi feita a suspensão do vão central em 10,0 cm através de 27 macacos hidráulicos para um alívio de carga de 20% do peso total nas torres (aproximadamente 800 toneladas), permitindo instalação das estruturas auxiliares superiores, estruturas essa que servirão para desmontagem das barras de olhal. A operação foi realizada na noite do dia 11 de fevereiro, sofrendo um atraso de 50 minutos por causa da chuva e do vento, tendo seu início por volta das 23h. Por causa do risco de desabamento da estrutura, todo o trânsito nas proximidades foi interrompido, estabelecimentos comerciais foram fechados, e moradores próximos foram alojados em hotéis. Cerca de 200 homens participaram da operação, incluindo o Corpo de Bombeiros para o caso de acidente. A operação, prevista para terminar até às 7:00 do dia seguinte, foi finalizada às 3:48, com sucesso.[18][19]

No início de outubro de 2017, o vão central da ponte foi elevado mais 50 cm, o que representa 100% da carga, aliviando a tensão nas barras de olhal e dos pendurais permitindo sua remoção. Na metade do mês de outubro, os pendurais foram removidos, a partir de então já na primeira semana de novembro, as barras de olhal que ligam as duas torres foram removidas o que transformou o visual do cartão postal da cidade. Em agosto de 2019, após a troca das barras, o vão é recolocado no lugar e a ponte volta a se sustentar sozinha, e a partir daí as obras chegam perto do final, com a pintura, nova pavimentação de metal e iluminação. Já perto da reabertura, um último teste de carga foi feito com 48 caminhões carregados em cima da ponte.[20][21] Paralelamente ao fim das obras, uma CPI foi feita na Assembleia Legislativa de Santa Catarina para investigar irregularidades nos 28 anos de interdição.[22]

Reabertura[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2019 o governo do estado confirmou a reabertura do trânsito na ponte, o que aconteceu no dia 30 de dezembro do mesmo ano. O dia da reinauguração foi marcado por uma grande festa com a presença de mais de 200 mil pessoas.[23] O fim das obras, entretanto, só acontecerá em 2020, com a retirada das estruturas auxiliares sob o vão central, encerrando o contrato com a Teixeira Duarte, e a a instalação da iluminação cênica.[7][24]

Inicialmente, apenas pedestres e ciclistas poderão transitar, mas a previsão é a liberação de linhas de ônibus a partir de janeiro de 2020, junto com viaturas e veículos de emergência. Outros veículos devem ser liberados a partir de março.[25]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Detalhes estruturais.

A ponte tem 821,005 m de comprimento total, sendo formada pelos viadutos de acesso do continente, com 222,504 m, da ilha, com 259,08 m, e pelo vão central pênsil, que tem 339,471 m de extensão.[5] A estrutura de aço tem o peso aproximado de cinco mil toneladas, e os alicerces e pilares consumiram 14 250  de concreto. As duas torres principais têm 74,21 m de altura. O vão pênsil tem uma altura média de 30,86 m em relação ao nível do mar e a carga total nas cadeias de barras de olhal é de 4 000 toneladas-força.[5][12]

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

A Ponte Hercílio Luz é o maior símbolo de Florianópolis desde sua construção, e também é o símbolo estadual mais reconhecido pelos moradores catarinenses - em uma pesquisa realizada pelo Instituto Mapa, ela é mais citada do que a própria capital e que as praias do litoral catarinense.[2][26]

Por esse simbolismo, a ponte está presente - seja na sua forma ou no nome - em comércios, logos e diversos usos em Florianópolis[27][28] ou fora dela, e é recorrente que obras como filmes, séries e novelas que estejam locadas ou façam referência a Florianópolis mostrem a ponte, como as novelas Como Uma Onda e Insensato Coração. No âmbito musical, destacam-se como referências a música "Ponte Hercílio Luz", de Luiz Henrique Rosa, que já foi regravada também por Martinho da Vila[29], e o samba-enredo da Embaixada Copa Lord de 2004, "Sob a luz da ponte".[30]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Restauração da Ponte Hercílio Luz reconstitui cartão-postal catarinense». AECWeb 
  2. a b «Ponte Hercílio Luz é eleita principal cartão-postal de SC». Portal Making of. 17 de Abril de 2019 
  3. a b «Como era Florianópolis antes da Ponte Hercílio Luz». NSC Total. 22 de dezembro de 2019 
  4. a b «Conheça a história de um dos símbolos de Florianópolis». Ministério do Turismo 
  5. a b c d e «Histórico da Ponte Hercílio Luz». Departamento Estadual de Infraestrutura de Santa Catarina. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  6. a b «Em meio a histórias e polêmicas, Ponte Hercílio Luz completa 90 anos». Diário Catarinense. 13 de maio de 2016 
  7. a b G1, ed. (13 de dezembro de 2019). «Reinauguração da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis: Veja o cronograma de liberação do tráfego». Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  8. VEIGA, Eliane (2004). Transporte Coletivo em Florianópolis: Origens e Destinos de uma Cidade à Beira-mar. Florianópolis: Insular. 519 páginas. ISBN 8574742341 
  9. a b «Conheça a história da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis». G1 
  10. «Pedágio não é novidade em Florianópolis». Floripamanhã 
  11. «Dez curiosidades sobre a Ponte Hercílio Luz». NSC Total 
  12. a b c d Marcellino, Narbal A. «Histórico da Ponte Hercílio Luz» (PDF). Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de Santa Catarina. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  13. a b Silva, Ânderson. «Contrato do Estado com consórcio domina depoimento de Colombo na CPI da ponte Hercílio Luz». NSC Total 
  14. Silva, Ânderson. «O 30 de dezembro será um dia ruim para quem defendia a derrubada da ponte Hercílio Luz». NSC Total 
  15. Notícias do Dia, ed. (14 de Dezembro de 2015). «Governo espera abrir ponte Hercílio Luz ao tráfego em abril de 2018». Consultado em 21 de Dezembro de 2015. Arquivado do original em 22 de dezembro de 2015 
  16. «Os portugueses e a ponte de Floripa». O Estado de S.Paulo 
  17. «Ponte considerada símbolo de Florianópolis corre risco de cair». Folha de S.Paulo 
  18. «Transferência de 20% da carga da Ponte Hercílio Luz é concluída». G1. 12 de fevereiro de 2017. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  19. «Operação da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, é concluída». Diário Catarinense. 12 de fevereiro de 2017. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  20. «Após teste de carga, Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, passará por ajustes de sinalização». G1 
  21. «Última etapa da transferência de carga da Ponte Hercílio Luz começa em Florianópolis». G1 
  22. «Deputados estaduais aprovam CPI da Ponte Hercílio Luz». G1 
  23. «Ponte Hercílio Luz já recebeu 200 mil visitantes». CBN 
  24. «Ponte símbolo de Santa Catarina, Hercílio Luz reabrirá após 28 anos». Folha de S.Paulo 
  25. «Reinauguração da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis: Veja o cronograma de liberação do tráfego». G1 
  26. «Ponte Hercílio Luz é maior símbolo e cartão-postal de SC, diz pesquisa». G1 
  27. «Catarinense: Com ajuda da torcida, Figueirense apresenta novos uniformes para 2020». Futebol Interior 
  28. «Avaí lança camisas de goleiro em homenagem à cidade de Florianópolis». Esporte - iG. 5 de novembro de 2012 
  29. «Ponte Hercílio Luz - Martinho da Vila». Letras 
  30. «Sob a luz da ponte (2004)». Letras 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Jornal Folha de Cultura
  • Fundação Franklin Cascaes
  • Jornal Diário Catarinense - caderno especial (13/05/1997)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ponte Hercílio Luz