Edifício da Alfândega

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Edifício da Alfândega de Florianópolis
Fachada frontal do edifício
Nomes alternativos Casa da Alfândega
Estilo dominante neoclássico
Engenheiro Martinho Domiense Pinto Braga
Cel. José Feliciano Alves de Brito
Início da construção 1874
Inauguração 29 de julho de 1876 (146 anos)
Função inicial alfândega
Função atual museu, patrimônio histórico
Website www.casadaalfandega.sc.gov.br
Dimensões
Número de andares 2
Área 1 300 m²
Património nacional
Classificação processo nº 914.T.1974
Geografia
País  Brasil
Cidade Florianópolis
Localidade Centro
Coordenadas 27° 35' 51.4" S 48° 33' 6.6" O
Edifício da Alfândega de Florianópolis está localizado em: Santa Catarina
Edifício da Alfândega de Florianópolis
Geolocalização no mapa: Santa Catarina
Localização do edifício em mapa dinâmico

A Alfândega de Florianópolis ou Edifício da Alfândega é um conjunto arquitetônico localizado no Centro de Florianópolis, no Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

A autorização para construção do novo edifício para Alfândega aconteceu em 1874, durante o governo de João Tomé da Silva como presidente da Província de Santa Catarina, todavia, a inauguração foi feita pelo então presidente da Província, Alfredo d'Escragnolle Taunay, e aconteceu no dia de aniversário da Princesa Isabel.[1][2] O antigo edifício tinha sido destruído pelo fogo em 24 de abril de 1866, tragédia que deixou dez vitimas fatais e três gravemente feridas.[1][2]

As atividades oficiais no prédio só começaram a partir de fevereiro de 1877.[2] Em 1964, a alfândega encerrou as atividades juntamente com o fechamento do porto na capital. [1] Todavia, somente após o aterramento a partir de 1972 (para o Parque Metropolitano Dias Velho ou Aterro da Baía Sul no governo de Colombo Salles) que o mar foi afastado da Alfândega e do Mercado Público, e o Largo da Alfândega foi criado.[3][4]

O conjunto arquitetônico da Casa da Alfândega foi tombado em março de 1974 patrimônio histórico e artístico de Santa Catarina sob o processo nº914.[5]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Para a construção, foi utilizado material de primeira qualidade.[2] O estilo adotado foi o neoclássico. O edifício retangular é composto por três seções (dois armazéns flanqueiam o segmento central). No centro, um sobrado e remate de frontão. Os telhados dos armazéns são independentemente rematados por platibanda, e a característica de ser o madeiramento suportado por uma monumental coluna dórica.[4] No térreo, há repetição do motivo óculo-porta em arco-óculo, cinco vezes nas fachadas principais e também nas laterais, em cadência só distendida na parte mediana, equilibrando com a arcaria de sete portas do andar superior, fechada por varandim corrido.[4]

IPHAN/SC[editar | editar código-fonte]

No andar superior, funciona o escritório técnico do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). [4][6] Porém, a direção regional fica na Praça Getúlio Vargas, também no Centro de Florianópolis.[7]

O Iphan em Santa Catarina iniciou atividades em 1938.[8] Além da Superintendência na Ilha de Santa Catarina, o Iphan/SC conta com dois escritórios técnicos em Laguna e São Francisco do Sul, e uma representação no Vale do Itajaí.[8]

Compete ao Iphan, segundo o Decreto nº 6.844, de 7/05/2009, "a instrução das propostas de tombamento de bens culturais de natureza material e as de registro de bens culturais de natureza imaterial."[7]

Espaço cultural[editar | editar código-fonte]

A galeria da Associação de Artistas Plásticos de Santa Catarina funciona no piso térreo. Um espaço para exposições de artistas regionais.[4] Lá, se encontra também a Loja de Artesanato Catarinense, local repleto de belas lembrancinhas típicas do artesanato local como renda de bilros, cachaças artesanais e panelas de barro, além do Bar da Alfândega. Este é um dos principais pontos turísticos do centro de Florianópolis.[4]

Neste edifício, estão reunidos diversos tipos de saber fazer, do artesanato às expressões populares, sendo um verdadeiro baluarte do folclore e da sabedoria popular catarinense.[9]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Confira como era a Praça da Alfândega de Florianópolis na década de 1960». Hora de Santa Catarina 
  2. a b c d Cunha, Henrique. «FCC - Fundação Catarinense de Cultura - História do Prédio». www.cultura.sc.gov.br. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  3. «Aterro da Baía Sul: A Separação entre o mar e o centro da Capital Catarinense». PET · Engenharia Civil · UFSC. 7 de novembro de 2016 
  4. a b c d e f «Antiga Alfândega - Largo da Alfândega». Guia Floripa 
  5. «Florianópolis – Antiga Alfândega - infopatrimônio». www.infopatrimonio.org. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  6. «Memória de Florianópolis: prédio da Alfândega será revitalizado» 
  7. a b «Página - IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional». portal.iphan.gov.br. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  8. a b «Página - IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional». portal.iphan.gov.br. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  9. User, Super. «FCC - Fundação Catarinense de Cultura - Casa da Alfândega». www.cultura.sc.gov.br. Consultado em 30 de setembro de 2018