Sérgio Besserman Vianna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde Agosto de 2012) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Sérgio Besserman Vianna
Conhecido(a) por Economista e Ambientalista
Nascimento 8 de outubro de 1957 (60 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade brasileiro
Cidadania Rio de Janeiro, Brasil
Progenitores Mãe: Fátima Besserman Vianna
Pai: Guilherme Besserman Vianna
Ocupação Economista
Magnum opus Irmãos: Cláudio Besserman Vianna (Bussunda)
Marcos Besserman Vianna

Sérgio Besserman Vianna (Rio de Janeiro, 8 de outubro de 1957)[1] é um economista brasileiro, graduado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Foi presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ganhador do Prêmio BNDES de Economia de 1987 com sua tese sobre a política econômica do segundo governo Vargas[2], orientado pelo professor e também economista Winston Fritsch, Besserman se tornou funcionário do BNDES em 1988.

Fez carreira executiva chegando a diretor de planejamento.[3] Trabalhou ao lado de diversos presidentes do BNDES, entre eles Eduardo Modiano, Persio Arida e Luiz Carlos Mendonça de Barros, no processo de reforma modernizante do aparelho de estado brasileiro e reestruturação da indústria, que incluiu corte de gastos e privatização de empresas estatais. Foi o primeiro diretor da área social do BNDES, quando ela foi recriada em 1997.

No segundo mandato do governo Fernando Henrique Cardoso (1999 - 2003) foi presidente do IBGE, quando comandou a realização do Censo 2000.[1] Em Brasília, ficara conhecido como o louco do IBGE, depois de trocar a carreira segura de diretor do BNDES pela panela de pressão do IBGE, que à época contava com uma estrutura precária.[4]

Ambientalista, é membro do conselho diretor da WWF Brasil[5] e trabalha no tema Mudanças Climáticas desde 1992, tendo sido membro da missão diplomática brasileira em duas Conferencia das Partes da ONU. Foi presidente do Instituto Pereira Passos da cidade do Rio de Janeiro e preside a Câmara Técnica de Desenvolvimento Sustentável e de Governança Metropolitana da cidade. É professor de economia brasileira na PUC-Rio, comentarista de sustentabilidade na Globonews e da cidade na rádio CBN.

É um dos irmãos do falecido humorista Bussunda (Cláudio Besserman Vianna) {falecido em 17 de junho de 2006}.[6]

Referências

  1. a b «História Oral». IBGE. Consultado em 7 de fevereiro de 2011 
  2. Teses premiadas dos alunos do departamento de economia da PUC-Rio
  3. «Memória IBGE». IBGE 
  4. Fiuza, Guilherme, 3.000 dias no Bunker. Rio de Janeiro: Record, 2006. Pág. 272.
  5. WFF - http://www.wwf.org.br/wwf_brasil/organizacao/conselho/conselho_diretoria/
  6. Estadão, Bussunda é enterrado no Rio de Janeiro, Domingo, 18 de junho de 2006 [em linha]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Simon Schwartzman
Presidente do IBGE
1999 — 2003
Sucedido por
Eduardo Pereira Nunes


Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Sérgio Besserman Vianna
Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.