Analogia do relojoeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Parte de uma série de artigos sobre
Design inteligente
Um relógio de bolso do tipo savonette
Conceitos

Complexidade Irredutível
Complexidade especificada
Universo bem afinado
Designer inteligente
Realismo teísta
Criacionismo
Tedeísmo

Movimento
do design inteligente

Cronologia
Discovery Institute
Center for Science and Culture
Estratégia da cunha
Análise Crítica da Evolução
Ensine a Controvérsia
Design inteligente na política
Kitzmiller v. Dover Area School District

Reações

Judaísmo · Católica Romana
Organizações científicas

Portal do Criacionismo

A analogia do relojoeiro é um argumento teleológico através do qual tenta-se se demonstrar que a natureza (i.e. o universo) foi criado por uma inteligência superior (como Deus). A analogia, que data de Cícero, é mais famosa pelo trabalho Natural Theology do teólogo e clérigo anglicano inglês William Paley a começos do século XIX. Segundo este argumento, todo desenho implica um desenhista. A analogia é usada para sustentar alguns argumentos teleológicos, mas passou a ser menos utilizada desde a proposição da seleção natural por Charles Darwin. Ainda é defendida por proponentes do Desenho Inteligente.

A analogia do relojoeiro consiste na comparação da complexidade da natureza que nos rodeia com um relógio: ao observar este, conclui-se que a sua complexidade é indício da existência de um ou vários relojoeiros; em consequência, o universo também foi criado por um 'Criador'.

Ao comparar uma pedra a um relógio, concluiu que "o relógio requer um projetista: que, em algum tempo e em algum lugar, tem de ter existido um artífice, ou artífices, que o fez com o propósito para o qual descobrimos que ele realmente responde; que compreendia a construção do relógio e projetou o seu uso".

Por isso, Paley acreditava que, da mesma maneira como o relógio sugeria um relojoeiro, também o projeto das coisas vivas sugeria um projetista. Embora acreditasse em um Deus que fez todas as coisas, o Deus dele era um hábil projetista que, agora, está distante de sua criação.

Crítica[editar | editar código-fonte]

Entre as refutações propostas à analogia encontram-se a observação de que se trata de uma falsa analogia; a refutação a partir de sua natureza estética arbitrária; e a contra-argumentação de que um criador não-criado é uma idéia pelo menos tão arbitrária quanto a de um universo sem criador.

Algumas destas críticas já foram respondidas por teólogos, mas atualmente a maior parte dos apologistas não utiliza-se da analogia por causa da evolução que, na opinião da maior parte da comunidade científica, foi a responsável pela criação da complexidade analisada na analogia do relojoeiro.

O título do livro O Relojoeiro Cego, por Richard Dawkins, é uma referência a essa analogia.

No entanto, a analogia do relojoeiro é uma dentre várias analogias utilizadas pelos defensores do Designer Inteligente e pelas diversas correntes teóricas de criacionismo na atualidade. Outro embasamento muito utilizado por estes teóricos é o mimetismo, onde diz-se basicamente que além de existir uma inteligência intrínseca na natureza, esta inteligência coopera para a preservação e manutenção desta vida inteligente. O livro Criacionismo Verdade ou mito de Ken Ham é uma das fontes mais utilizadas para se explicar a analogia do relojeiro e seu verdadeiro emprego nas teorias criacionistas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Teologia ou sobre um teólogo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.