Scheilla (espírito)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde fevereiro de 2015).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde fevereiro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Scheilla (espírito)
Sta. Joana de Chantal

Scheilla é o nome de um suposto espírito ao qual médiuns espíritas brasileiros como Chico Xavier e João Nunes Maia atribuem a autoria de certas obras psicografadas.

História[editar | editar código-fonte]

Segundo relatos espíritas [1][2], em uma de suas vidas passadas, Scheila teria vivido na França, como Joana Francisca Frémiot (Dijon, 28 de Janeiro de 1572 - Moulins, 13 de Dezembro de 1641). Foi desposada, aos 20 anos de idade, pelo barão de Chantal. Em 1604, tendo ouvido pregar em Dijon, o bispo de Genebra, São Francisco de Salles, submeteu-se à sua direção espiritual. Juntos fundaram, em Annecy, a Congregação da Visitação de Maria (1610), que, à data de sua morte, já contava com 87 conventos e, no primeiro século de existência, com 6.500 religiosos. A baronesa de Chantal dirigiu, como superiora, de 1612 a 1619 a casa que fundou em Paris, no bairro de Santo Antônio. Deixou o cargo de superiora da Ordem da Visitação e voltou a Annecy, onde ficava a casa-mãe da ordem. Foi canonizada em 1767 pela Igreja Católica como Santa Joana de Chantal[3].

Em uma outra encarnação, sob o nome de Scheilla, teria vivido na Alemanha, à época da Segunda Guerra Mundial. Aos 28 anos de idade, quando exercia as funções de enfermeira em Hamburgo, faleceu durante um bombardeio Aliado, em 1943[4].

De acordo com algumas versões, o espírito teria se materializado pela primeira vez através do médium Francisco Peixoto Lins (Peixotinho), em Macaé, no estado do Rio de Janeiro, por volta de 1943, ainda durante a Segunda Guerra Mundial[5]. Outras referem essa data como 1948, nas reuniões do Centro Espírita André Luís na cidade do Rio de Janeiro[6].

Segundo a literatura espírita, os espíritos Cairbar Schutel e Scheilla dirigem a Colônia Espiritual Alvorada Nova, onde Scheilla coordena o hospital Casa de Repouso.[7][8].

Obras[editar | editar código-fonte]

  • "A Mensagem do Dia" (psicografia de Clayton B. Levy)
  • "Chão de Rosas" (psicografia de João Nunes Maia)
  • "Flor de Vida" (psicografia de João Nunes Maia)
  • "Mãos Marcadas" (coletânea de 41 mensagens por espíritos diversos, pela psicografia de Francisco Cândido Xavier, 1972)
  • "Digna Estrela" (psicografia de Jairo Avellar)
  • "Superando Desafios" (psicografia de Jairo Avellar)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SCHEILLA; GROSSO, José (psicografia de João Nunes Maia). Páginas Esparsas III. Belo Horizonte: Fonte Viva, 1994.
  • GLASER, Abel. Alvorada Nova, pelo Espírito Cairbar Schutel. Matão: Casa Editora O Clarim, 1992.
  • GLASER, Abel. Conversando sobre Mediunidade - Retratos de Alvorada Nova, pelo Espírito Cairbar Schutel. Matão: Casa Editora O Clarim, 1993.
  • GLASER, Abel. Eustáquio - Quinze séculos de uma trajetória, pelo Espírito Cairbar Schutel. Matão: Casa Editora O Clarim, 1995.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]