Vida antes da Vida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Vida Antes da Vida)
Ir para: navegação, pesquisa
Life Before Life: A Scientific Investigation of Children's Memories of Previous Lives
Vida antes da vida: Uma pesquisa científica das lembranças que as crianças têm de vidas passadas
Autor(es) Jim B. Tucker
Idioma Inglês
País  Estados Unidos
Editora St. Martin's Press
Lançamento 2005
Páginas 251
ISBN 0-312-32137-6
Edição brasileira
Tradução Gilson César Cardoso de Souza
Editora Editora Pensamento
Lançamento 2007
Páginas 208
ISBN 978-85-315-1505-7

Vida antes da vida: Uma pesquisa científica das lembranças que as crianças têm de vidas passadas é a tradução do livro escrito em 2005 pelo psiquiatra Jim B. Tucker Life Before Life: A Scientific Investigation of Children's Memories of Previous Lives.[1] Apresenta uma visão geral a mais de 40 anos de investigação sobre a reencarnação na Divisão de Estudos da Personalidade da Universidade de Virginia, sobre relatórios de meninos que recordam vidas anteriores. O livro também examina marcas e defeitos de nascimento que coincidem com as de uma pessoa falecida identificada previamente pelo menino".[2] Vida antes da vida tem sido traduzido a dez idiomas[3] e o prólogo do livro está escrito por Ian Stevenson.[4]

O livro desafia a noção de que a consciência é unicamente o resultado do funcionamento do cérebro. Sugere que a consciência pode ser considerada de forma separada do cérebro, o que proporcionaria uma base para afirmar a ideia da reencarnação.[2] O livro também trata as objeções à reencarnação: A escassez de pessoas que realmente dizem recordar uma vida passada, a fragilidade das lembranças, a explosão demográfica, o problema mente-corpo, fraude, e outras.[4]

Tucker reconhece que nenhum dos casos examinados é perfeito, e que "a memória defeituosa dos informantes" ver-se-ia como a "melhor explicação normal para muitos dos casos" analisados no livro.[5] Tucker analisa isto referindo a vários estudos relevantes realizados, e argumenta que não há respaldo para concluir que os informantes recordem declarações ou eventos de forma incorreta.[5]

Tucker está basicamente de acordo com Ian Stevenson, que afirma que "a reencarnação é a melhor explicação, —ainda que não a única—, para os casos mais sólidos pesquisados".[6] Tucker reconhece que para alguns leitores pode parecer uma "afirmação incrível" o que "as lembranças, as emoções e as lesões físicas possam às vezes levar de uma vida à seguinte".[6] No entanto, argumenta que não é mais incrível que muitas ideias aceitadas actualmente em física, que pareciam o ser quando foram originariamente propostas.[6]

Escreveram-se análises sobre o livro em várias publicações, incluindo o Journal of Parapsychology,[7] Journal of Scientific Exploration,[8] Philosophical Practice,[9] e PsycCRITIQUES.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Outros dois livros com o mesmo título e temática similar são Life Before Life de Helen Wambach (1984) e Life Before Life: Origins of the Soul...Knowing Where You Came From and Who You Really Are (2000) de Richard Eyre.
  2. a b c Butziger, R. "A Scientific Look at Reincarnation", PsycCRITIQUES, 51(22), 31 de Maio de 2006, pág. 282.
  3. Cedar Creek Institute Board Members: Jim B. Tucker
  4. a b Jim B. Tucker (2005). Life Before Life: A scientific Investigation of Children's Memories of Previous Lives, St. Martin's Press, Nova York, 256 págs. ISBN 0-312-32137-6.
  5. a b Jim B. Tucker (2005). Life Before Life: A scientific Investigation of Children's Memories of Previous Lives, St. Martin's Press, New York, págs. 205-209.
  6. a b c Jim B. Tucker (2005). Life Before Life: A scientific Investigation of Children's Memories of Previous Lives, St. Martin's Press, Nova York, p. 211.
  7. Journal of Parapsychology, 69(1): 188-194, 2005.
  8. Michael Levin, Book Review: Life Before Life, Journal of Scientific Exploration, Vol 19, Nº 4, 2005.
  9. Naomi Thomas, "Life Before Life: A Scientific Investigation of Children's Memories of Previous Lives", Philosophical Practice, 2(2): 131-133, 2006.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]