Shlomo Alkabetz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Shlomo Alkabetz
Nascimento 1505
Salônica
Morte 1584 (79 anos)
Safed
Cidadania Império Otomano
Ocupação poeta, escritor, rabino
Magnum opus Lechá Dodi
Religião Judaísmo

Shlomo ben Moshe ha-Levi Alkabetz em hebraico: שלמה בן משה הלוי אלקבץ; rabbi Salomão ben Moisés Alkabetz ou Shlomo ha-Levi Alkabetz ou Elqabetz, Alqabitz, Alkabetz, Alqabes, conhecido poeta e cabalista; compositor da canção Leká Dodi. Ele nasceu no início do século XV, aprox. em 1505 em Tessalônica e depois morou em Adrianópolis e morreu em 1580 aprox., foi enterrado em Safed.[1]

Panorama geral[editar | editar código-fonte]

vida[editar | editar código-fonte]

Rabbi Shlomo cresceu e foi educado e casou-se em Salônica, mas, era de uma família dos judeus deportados da Espanha. Em 1517 a Turquia assumiu o controle do Egito e da Terra de Israel, e assim o país fazia parte do reino turco, judeus de todo o reino turco começaram imigrar para Eretz Israel.[1] 'Elqabetz foi um estudante da Yeshivá do rabbi Tàytàtzaq (um dos líderes da diáspora espanhola no século 16 sob o Império Otomano em geral e na Grécia em particular).

Em 1529, aos 25 anos casou-se com a filha do rico Yitzhak Cohen de Salônica;[Notas 1] depois disso, foi para Adrianópolis, durante sua estada em Adrianópolis, ele começou a se engajar intensivamente na cabalá, em seus livros e piyutim, escritos daquele período, havia considerável influência cabalística. Naquela época, ele escreveu outros livros: Beit Hashem , Avotot Ahava , Ayelet Ahavim e Brit HaLevi; este último dedicado aos discípulos de Adrianópolis. Entre sues alunos estavam: Rabbi Shmuel Ozida (autor do Midrash Shmuel no Pirke Avot), Avraham Galante (autor de Yareach Yakar no Zohar). Em seu círculo incluíam-se Moshe Alshik e Yosef Q'ro, assim como seu famoso cunhado Moshe Cordovero.

Em 1535, 'Elqabetz concluiu sua jornada, chegando em Safed. Estando lá, seguindo a prática descrita no Zohar de recitar passagens bíblicas conhecidas como Tikūn na noite de Shavuot , o rabino Shlomo e o rabino Yosef ficaram acordados durante toda a noite lendo. Durante a recitação dos textos exigidos, o rabino Yosef teve uma experiência mística: a Shekiná apareceu como uma maggid,[Notas 2] elogiando o círculo e dizendo-lhes para se mudarem para a Terra de Israel. Quando eles voltaram a subir a segunda noite de Shavuot, a Shekiná foi inflexível sobre a sua mudança para a terra de Israel. O conto foi registrado por Elqabetz em "Introdução ao livro, Magid Mesharim."

Obras[editar | editar código-fonte]

Entre suas obras impressas:

  • Lecha Dodi (1579), um hino místico para inaugurar o Shabat.
  • Manot HaLevi (concluído em 1529, publicado em 1585) no O Meguilá.
  • Ayalet Ahavim (concluído em 1532, publicado em 1552) no Shir HaShirim.
  • Shoresh Yishai (concluído em 1552, publicado em 1561) no Livro de Rut.
  • Brit HaLevi (1563), um comentário cabalístico sobre a Ággadá de Páscoa.
  • Ou Tzadikim , um livro de sermões.

Entre as existentes em manuscrito estão:

  • Divrei Shlomo, na seção da Escritura conhecida como Escritos.
  • Naim Zemirot, em Tehilim.
  • Sukkat Shalom, Avotot Ahavah , na Torá.
  • Pitzei Ohev, no livro de 'Yob.
  • Apiryon Shlomo , Beit Hashem , Beit Tefilla , interpretações das orações.
  • Lechem Shlomo , sobre as diretrizes para a santificação de refeições, de acordo com a cabalá.
  • Mittato shel Shlomo , sobre o significado místico da união sexual.
  • Shomer Emunim , sobre os princípios fundamentais da fé.

Doutrina[editar | editar código-fonte]

Suas obras escritas em Adrianópolis centram-se na santidade do povo de Israel, na Terra de Israel , e no especialismo das mitsvot. Elqabetz aceita a tradição de que Ester era casada com Mordekai antes de ser levada ao palácio do rei e tornar-se rainha, e até continuou seu relacionamento com Mordekai depois de ocupar seu posto real. A visão do midrash articulada por Alkabetz e outros membros da escola de Tàytàtzaq representa uma extensão da visão da autoridade da lei oral e midrash halákico para midrash ággadista assim conduz à santificação e quase canonização de expansões ággadistas da narrativa bíblica.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Veja: Introdução ao Manot HaLevi
  2. «Maggid». Wikipedia (em inglês). 31 de março de 2018. ...se manifesta como uma voz entregando segredos místicos a um cabalista, ou às vezes falando através das bocas dos escolhidos. 

Referências

  1. a b A fonte do valor: Baseado no tesouro das leis e costumes de Eretz Yisrael Eisenstein. «Shlomo ben Moshe HaLevi Elqabetz» (em hebraico). Enciclopédia Judaica. Consultado em 22 de abril de 2018 

Ligações externa[editar | editar código-fonte]