Salonica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:
Grécia Salonica

Θεσσαλονίκη • Thessaloniki

Tessalónica • Tessalônica

 
—  Município  —
Vista aérea da zona do porto de Salonica
Vista aérea da zona do porto de Salonica
Bandeira de Salonica
Bandeira
Salonica está localizado em: Grécia
Salonica
Localização de Salonica na Grécia
Coordenadas 40° 39' N 22° 54' E
Região Macedónia Central
Unidade regional Salonica
Fundação 315 a.C. (2 330 anos)
Fundador Cassandro
Administração
 - Prefeito Giannis Boutaris (2011, ind.)
Área
 - Município 19,307 km²
 - Urbana 111.703 km²
 - Metro 1455.62 km²
Altitude 20 m (66 pés)
Altitude mínima 0 m (0 pés)
População (2011)[1]
 - Município 325 182
    • Densidade 16 842,7/km2 
 - Urbana 788 952
    • Densidade urbana 7 062,94/km2 
 - Metro 1 104 460
    • Densidade metro 758,76/km2 
Código postal 53x xx, 54x xx, 55x xx, 56x xx
Prefixo telefónico 2310
Sítio www.thessaloniki.gr
Muralhas bizantinas

Salonica,[2] também conhecida como Tessalónica (português europeu) ou Tessalônica (português brasileiro) (em grego: Θεσσαλονίκη; transl.: Thessaloníki; "vitória sobre os tessálios") é a segunda maior cidade da Grécia e a principal cidade da região grega da Macedônia. Em 2011, a população, a área metropolitana tinha era 1 104 460, dos quais 788 952 na cidade propriamente dita e 325 182 no município.[1]

O orago santo padroeiro da cidade é São Demétrio de Tessalônica e o seu santuário, a Igreja de São Demétrio (Hagios Demetrios), está classificado como Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO.

História[editar | editar código-fonte]

A cidade foi construída por determinação de Cassandro, em 315 a.C., que lhe deu o nome da sua esposa, Tessalônica, meia-irmã de Alexandre Magno. Esta fora assim chamada por seu pai, Filipe II da Macedónia, por ter nascido no mesmo dia da vitória (νίκη, níkē, em grego antigo) dos macedônios sobre os tessálios.[3]

O nome alternativo Salonica, antigamente mais comum e usado em vários idiomas europeus, deriva da variante Σαλονίκη (Saloníki) em grego popular. Outras denominações historicamente importantes incluem سلانيك, em turco otomano, e Selânik, em turco moderno; Солун (Solun), nas línguas eslavas da região; Sãrunã em aromeno; Selanik em ladino.

Foi a capital de um dos quatro distritos romanos da Macedónia, governada pelo pretor Fabiano, a partir de 146 a.C.

Na sua segunda viagem missionária, São Paulo pregou na sua sinagoga, lançando as bases de uma das mais marcantes igrejas da época, e destinou-lhe duas das suas epístolas.

A animosidade contra Paulo, por parte dos judeus da cidade, levou-o a fugir para Bereia. Posteriormente, escreveu a Primeira Epístola aos Tessalonicenses e a Segunda Epístola aos Tessalonicenses.

Em 388, a cidade foi palco do Massacre de Tessalónica, quando, por ordem do imperador Teodósio I (r. 378–395), 7000 pessoas foram assassinadas por se revoltarem contra o general Buterico e outras autoridades romanas.

Domínio bizantino e veneziano[editar | editar código-fonte]

Desde que foi subtraída à Macedônia, Salonica fez parte do Império Romano e do Império Bizantino, até que Constantinopla foi conquistada na Quarta Cruzada, em 1204. A cidade tornou-se capital do Reino de Salonica, fundado pelos cruzados, até ser capturada pelo Despotado do Épiro, em 1224. É reconquistada pelo Império Bizantino em 1246, mas, sem capacidade para fazer frente às invasões do Império Otomano, o déspota bizantino Andrónico Paleólogo é forçado a vendê-la a Veneza, que a manteve até 1430.

Domínio otomano[editar | editar código-fonte]

Sob domínio do Império Otomano até 1912, a cidade distinguia-se pela sua população maioritariamente judaica de origem sefardita, em consequência da expulsão dos judeus da Espanha depois de 1492 (havia também alguns judeus romaniotas). A língua mais usada na cidade era o ladino (língua derivada castelhano) e o dia de descanso oficial da cidade era o sábado.

Domínio grego moderno[editar | editar código-fonte]

Tessalônica foi o principal "prêmio" da primeira Guerra dos Balcãs em 1912, quando se tornou parte da Grécia. Durante a Primeira Guerra Mundial, um governo provisório foi ali estabelecido e dirigido por Elefthérios Venizélos. Este governo tornou-se aliado dos britânicos e franceses, contra a vontade do rei, que era favorável à neutralidade da Grécia. A maior parte da cidade foi destruída por um incêndio de origem desconhecida (provavelmente um acidente), em 1917. O fogo teve como consequência a diminuição para metade da população judia que emigrou depois de verem as suas casas e seus meios de subsistência destruídos. Muitos foram para a Palestina. Alguns foram no Expresso do Oriente para Paris. Ainda outros foram para a América.

Gregos exilados de Esmirna e de outras áreas da moderna Turquia em 1922, seguindo a derrota do exército grego que invadiu a Ásia Menor, chegaram a Tessalônica e influenciaram a cultura da cidade.

Elefthérios Venizélos proibiu a reconstrução do centro da cidade até que um projeto de modernização da da cidade estivesse pronto.

Apesar dos esforços gregos, quase todos os habitantes judeus da cidade foram assassinados no Holocausto durante a ocupação alemã entre 1941 e 1944.

Atualmente é uma cidade universitária, base da NATO e um importante centro industrial, com refinarias de petróleo, fábricas de maquinaria, têxteis e tabaco.

Monumentos e outros lugares de interesse[editar | editar código-fonte]

Torre Branca

Um marco e um símbolo bem conhecido em Tessalónica é a Torre Branca (em grego: Λευκός Πύργος).

Outros monumentos notáveis são o Arco de Galério, a igreja de São Demétrio e os extensos muros da cidade. O Museu Arqueológico de Tessalônica guarda um rico acervo que abrange desde a Pré-história até o período romano. Tessalônica tem bonitas praças com muitos bares, como a Praça Aristóteles, a Praça Santa Sofia, a Praça Nea Panagia e a Praça Navarino.

Referências

  1. a b [ligação inativa]«Απογραφή Πληθυσμού - Κατοικιών 2011. ΜΟΝΙΜΟΣ Πληθυσμός [Resultados detalhados do censo de 2011]» (XLS) (em grego). www.statistics.gr. 2011. 
  2. No artigo O topó(ô)nimo Salonica (e não "Salónica") do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, F. V. P. da Fonseca afirma que de acordo com o Vocabulário da Língua Portuguesa, de Rebelo Gonçalves, a forma preconizada é unica e exclusivamente Salonica, palavra grave e sem acentuação.
  3. The pocket guide to Saint Paul By Peter E. Lewis, Ron Bolden - Página 118 ISBN 1862545626

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Salonica