Atos 16

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Atos 16
Codex laudianus.jpg
Trecho de Atos dos Apóstolos no Codex Laudianus
Livro Atos dos Apóstolos
Categoria Histórico
Parte da Bíblia Novo Testamento
Precedido por: Atos 15
Sucedido por: Atos 17

Atos 16 é o décimo-sexto capítulo dos Atos dos Apóstolos no Novo Testamento da Bíblia. Continua o relato sobre a segunda viagem missionária de Paulo e Silas iniciada no capítulo anterior. Em Listra, Timóteo se junta aos dois[1][2].

A partir de Atos 16:10, a narrativa passa a ser feita na primeira pessoa do plural ("nós").

Manuscritos[editar | editar código-fonte]

Atos 16 foi originalmente escrito em grego koiné e dividido em 40 versículos. Alguns dos manuscritos a conter o texto são:

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Timóteo, o novo companheiro de Paulo e Silas na segunda viagem missionária.
Séc. XII. Vitral no Musée de Cluny.

Timóteo e a visão de Paulo[editar | editar código-fonte]

O relato começa (Atos 16:1-5) com Paulo e Silas passando por Derbe e Listra, onde a eles se juntou Timóteo, que era filho de pai grego e, por isso, foi circuncidado. Em todas as cidades que passavam, entregavam as decisões da igreja tomadas em Jerusalém (como o Decreto Apostólico). O grupo viajou por toda a Ásia Menor, passando pela Frígia, Galácia, Mísia, descendo dali para a Trôade. Lá, Paulo teve uma visão de um homem chamando-o a ir para a Macedônia e, concluindo que «Deus nos havia chamado para aí pregarmos o Evangelho» (Atos 16:10), para lá seguiu com os companheiros.

Macedônia[editar | editar código-fonte]

Paulo e Silas presos no tronco, um dos episódios de Atos 16.
Séc. XVIII. Azulejo em Roterdã.

Exorcismo e prisão[editar | editar código-fonte]

A partir da Trôade, os missionários passaram pela Samotrácia, Neápolis e finalmente chegaram em Filipos, na Macedônia. Ali conheceram Lídia, uma vendedora de púrpura, e se hospedaram na casa dela depois de a batizarem. Depois de exorcizarem um «espírito adivinhador» (Atos 16:16) de uma moça e enfurecer o seus mestres, que perderam uma boa fonte de renda, Paulo e Silas foram presos, levados perante os pretores da cidade e acusados de perturbar a paz da cidade. Depois que a multidão se revoltou, os dois foram açoitados com varas e aprisionados com os pés presos num tronco (Atos 16:6-24).

Libertação e a conversão do carcereiro[editar | editar código-fonte]

Numa noite, um "terremoto" abalou os alicerces da prisão e «se abriram todas as portas e foram soltas as correntes de todos» (Atos 16:26). O carcereiro, desesperado imaginando que todos haviam fugido, ia se suicidar quando Paulo o interrompeu. Atônito, ele perguntou o que poderia fazer para ser salvo, ao que Paulo respondeu:

«Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e a tua casa.» (Atos 16:31)

Na mesma noite, o carcereiro e toda a sua casa foram batizados e os missionários ali se hospedaram. No dia seguinte, os pretores mandaram soltar Paulo e Silas, mas Paulo não quis ser libertado em segredo, pois foi açoitado mesmo sendo cidadão romano, o que era ilegal. Os pretores então foram diretamente até eles, temerosos, e se reconciliaram pedindo-lhes que fossem embora. Os dois foram à casa de Lídia uma vez mais para dar-lhes notícias e partiram.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Precedido por:
Atos 15
Capítulos da Bíblia
Atos dos Apóstolos
Sucedido por:
Atos 17

Referências

  1. Halley, Henry H. Halley's Bible Handbook: an abbreviated Bible commentary. 23rd edition. Zondervan Publishing House. 1962.
  2. Holman Illustrated Bible Handbook. Holman Bible Publishers, Nashville, Tennessee. 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]