Janet Yellen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Janet Yellen
78ª Secretária do Tesouro dos Estados Unidos
Período 25 de janeiro de 2021
até a atualidade
Presidente Joe Biden
Antecessor(a) Steven Mnuchin
15ª Presidente da Reserva Federal dos Estados Unidos
Período 3 de fevereiro de 2014
a 3 de fevereiro de 2018
Presidente Barack Obama
Donald Trump
Antecessor(a) Ben Bernanke
Sucessor(a) Jerome Powell
Vice-presidente da Reserva Federal
Período 4 de outubro de 2010
a 3 de fevereiro de 2014
Presidente Barack Obama
Antecessor(a) Donald Kohn
Sucessor(a) Stanley Fischer
Dados pessoais
Nome completo Janet Louise Yellen
Nascimento 13 de agosto de 1946 (75 anos)
Brooklyn, Nova Iorque,
Estados Unidos
Alma mater Universidade Brown (AB)
Universidade Yale (MA, PhD)
Cônjuge George Akerlof
Filhos 1
Partido Democrata
Profissão Economista
Assinatura Assinatura de Janet Yellen

Janet Louise Yellen (Brooklyn, Nova Iorque, EUA, 13 de agosto de 1946) é uma economista e professora norte-americana que atualmente serve como Secretária do Tesouro dos Estados Unidos, sendo a primeira mulher no cargo. Em 9 de outubro de 2013, ela tornou-se a sucessora de Ben Bernanke à frente do Federal Reserve Board (FED), nomeada a partir do 1 de fevereiro de 2014. Em 6 de janeiro de 2014 foi aprovada pelo Senado dos Estados Unidos por 56 votos a favor e 26 contra.[1]

Em novembro de 2020, Yellen foi apontada pelo presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, para servir como Secretária do Tesouro no seu gabinete.[2] Foi confirmada, pelo Senado dos Estados Unidos a 25 de janeiro de 2021.[3][4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Yellen nasceu em uma família judia, em Brooklyn, Nova Iorque, filha de Anna (née Blumenthal) e Julius Yellen, um médico.

Antes da sua nomeação como Vice-Presidente da Reserva Federal, Yellen atuou como Presidente e Chief Executive Officer da XII Distrito Federal Reserve Bank, em São Francisco. Yellen é professora emérita da Universidade da Califórnia em Berkeley e tem sido um membro do corpo docente desde 1980.

Janet Yellen é membro tanto do Conselho de Relações Exteriores e da Academia Americana de Artes e Ciências. Ela atuou como presidente da Associação Econômica Ocidental, vice-presidente da American Economic Association e Fellow da Yale Corporation. Janet Yellen formou summa cum laude pela Universidade Brown com uma licenciatura em Economia em 1967, e recebeu seu Ph.D. pela Universidade Yale em 1971.

Professora assistente na Universidade Harvard entre 1971-1976, Yellen era a 'número dois' do Banco Central dos Estados Unidos e serviu como Economista no Conselho de Governadores da Reserva Federal em 1977 e 1978, e no corpo docente da London School of Economics 1978-1980. Janet Yellen tem escrito sobre uma grande variedade de questões macroeconômicas, enquanto especializada em causas, mecanismos e implicações do desemprego.[5]

Janet Yellen se despediu de Berkeley por cinco anos a partir agosto de 1994. Ela atuou como membro do Conselho de Governadores do Sistema da Reserva Federal até fevereiro de 1997 e, em seguida, deixou o Federal Reserve para se tornar presidente do Conselho de Assessores Econômicos até agosto de 1999. Ela também presidiu o Comité de Política Económica da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico 1997 - 1999.

Além de sua trajetória acadêmica, desempenhou cargos na Administração como presidente do Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca sob o mandato de Bill Clinton entre 1997 e 1999, antes de sua ampla experiência no âmbito do Federal Reserve.[6]

Yellen é casada com George Arthur Akerlof, um ganhador do Prêmio Nobel, economista e professor emérito da Universidade da Califórnia, Berkeley. Seu filho, Robert Akerlof, é professor assistente na Universidade de Warwick.[7]

Caracteristicas e tarefas[editar | editar código-fonte]

Yellen era uma firme defensora das medidas agressivas do Fed para impulsionar a economia dos EUA, à medida que o país se esforçou para sair de uma severa recessão econômica. No fim de 2008, o Fed cortou as taxas de juros para perto de zero e desde então conduziu uma série de programas de grandes compras de títulos com o objetivo de manter os custos de empréstimos baixos.

O resultado tem sido a queda da taxa de desemprego do país, que atingiu 7 por cento em novembro, mínima em cinco anos, enquanto o ritmo de crescimento econômico também acelerou. A principal tarefa de Yellen será guiar o banco central na saída de seu estímulo extraordinário, reduzindo seu atual programa de compra de títulos. O banco central norte-americano reduziu o programa para 75 bilhões de dólares ao mês, ante 85 bilhões, no mês passado.[8] Em 2009 ela se tornou uma crítica do socorro financeiro.[9][10]

Secretária do Tesouro dos Estados Unidos (2021-presente)[editar | editar código-fonte]

O presidente Joe Biden e a vice-presidente Kamala Harris recebem um briefing económico da secretária Yellen no Salão Oval a 29 de janeiro de 2021.

Nomeação e confirmação[editar | editar código-fonte]

A 30 de novembro de 2020, o presidente eleito Joe Biden anunciou que nomearia Yellen para servir como secretária do Tesouro.[11] O Comitê de Finanças do Senado aprovou por unanimidade a confirmação de Yellen a 22 de janeiro de 2021.[12] O Senado dos EUA confirmou a sua nomeação com uma votação de 84-15 (com um senador não votando)[13] a 25 de janeiro de 2021.[14][15] 

Tomando posse com a vice-presidente Kamala Harris no dia seguinte, a secretária Yellen tornou-se a primeira mulher a servir como secretária do Tesouro dos EUA e a primeira pessoa na história americana a liderar os três órgãos econômicos mais poderosos do governo federal dos Estados Unidos: o Departamento do Tesouro, o Federal Reserve e o White Conselho de Consultores Econômicos da Câmara.[16][17]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Senado confirma primeira mulher a dirigir Reserva Federal Arquivado em 7 de janeiro de 2014, no Wayback Machine. DN Online, 7 de janeiro 2014
  2. «Biden escolhe Janet Yellen como secretária do Tesouro». G1. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  3. «EUA: Senado confirma Janet Yellen como primeira mulher secretária do Tesouro». www.jornaldenegocios.pt. Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  4. Observador. «EUA. Senado norte-americano oficializa (com unanimidade) Janet Yellen como primeira secretária do Tesouro». Observador. Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  5. http://portugues.notimerica.com/economia/noticia-janet-yellen-presidira-reserva-federal-dos-estados-unidos-apos-alcancar-um-amplo-apoio-no-senado-20140107133557.html
  6. «Cópia arquivada». Consultado em 8 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 8 de janeiro de 2014 
  7. http://www2.warwick.ac.uk/fac/soc/economics/staff/academic/akerlof/
  8. «Cópia arquivada». Consultado em 8 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 8 de janeiro de 2014 
  9. In 2009 Janet Yellen Advocated For Breaking Up Big Banks, As Issue Becomes Salient Today[ligação inativa]
  10. Yellen: Wall Street Banks Breaking Up "Exactly What We Want To See Happen"
  11. Homan, Timothy R. (30 de novembro de 2020). «Biden names Janet Yellen as his Treasury nominee». TheHill (em inglês). Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  12. Guida, Victoria. «Yellen clears Senate committee, heads for final vote to be Treasury secretary». POLITICO (em inglês). Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  13. «U.S. Senate: U.S. Senate Roll Call Votes 117th Congress - 1st Session». www.senate.gov. Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  14. Staff, Reuters (25 de janeiro de 2021). «Majority of U.S. Senate votes to confirm Yellen as Treasury chief, voting continues». Reuters (em inglês). Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  15. Business, Anneken Tappe and Matt Egan, CNN. «Janet Yellen is confirmed as the first female Treasury secretary in US history». CNN. Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  16. «Janet L. Yellen Sworn In As 78th Secretary of the United States Department of the Treasury | U.S. Department of the Treasury». home.treasury.gov. Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  17. Business, Anneken Tappe and Matt Egan, CNN. «Janet Yellen is confirmed as the first female Treasury secretary in US history». CNN. Consultado em 26 de fevereiro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]