Mike Pompeo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mike Pompeo
70º Secretário de Estado dos Estados Unidos
Período 26 de abril de 2018
até a atualidade
Presidente Donald Trump
Antecessor Rex Tillerson
Diretor da Agência Central de Inteligência
Período 23 de janeiro de 2017
a 26 de abril de 2018
Presidente Donald Trump
Antecessor John O. Brennan
Sucessor Gina Haspel
Membro da Câmara dos Representantes
pelo 4º distrito do Kansas
Período 3 de janeiro de 2011
a 23 de janeiro de 2017
Antecessor Todd Tiahrt
Sucessor Ron Estes
Dados pessoais
Nome completo Michael Richard Pompeo
Nascimento 30 de dezembro de 1963 (56 anos)
Orange, Califórnia, Estados Unidos
Progenitores Mãe: Dorothy Mercer
Pai: Wayne Pompeo
Alma mater Academia Militar dos Estados Unidos em West Point
Universidade Harvard
Esposa(s) Leslie Libert (c. 1986; divorciado)
Susan (c. 2000)
Filhos 1
Partido Republicano
Religião Presbiterianismo
Ocupação Político
Serviço militar
Serviço/ramo Exército dos Estados Unidos
Anos de serviço 1986–1991
Graduação Capitão
Unidade 7º Regimento de Cavalaria
4ª Divisão de Infantaria

Michael Richard Pompeo (Orange, 30 de dezembro de 1963) é um empresário e político estadunidense, filiado ao Partido Republicano.[1] Pompeo foi o Diretor da Agência Central de Inteligência (CIA) de 23 de janeiro de 2017[2] a 12 de março de 2018, quando assumiu a liderança do Departamento de Estado após nomeação de Donald Trump.[3] Anteriormente, entre 2011 e 2016, Pompeo havia sido Membro da Câmara dos Representantes pelo estado do Kansas. É membro também do Movimento Tea Party[4][1] e integrou o Comitê Ítalo-Americano do Congresso dos Estados Unidos.[5]

Em 13 de março de 2018, Trump anunciou sua intenção de nomear Pompeo como novo Secretário de Estado, sucedendo Rex Tillerson.[6][7] Em 26 de abril de 2018, o Senado dos Estados Unidos confirma o nome de Mike Pompeu, e ele toma posse como 70º Secretário de Estado.[8] Em 2019 em uma conferência na Universidade do Texas A&M sobre seu trabalho como diretor da CIA ele confessou: "Mentimos, enganamos, roubamos. Temos cursos inteiros sobre isso. Isso te lembra o excepcionalismo norte-americano''.[9]

Ele é descrito como um dos "falcões" em relação ao Irã e à Venezuela.[10]

Secretário de Estado (2018-presente)[editar | editar código-fonte]

Nomeação e confirmação[editar | editar código-fonte]

Pompeo foi anunciado como Secretário de Estado por Donald Trump em 13 de março de 2018, sucedendo a Rex Tillerson, que deixaria o cargo em 31 de março do mesmo ano.

Em 23 de abril, o Comitê de Relações Externas do Senado dos Estados Unidos aprovou por 11 votos contra 9 o prosseguimento da nomeação de Pompeo para o voto aberto no plenário, numa eleição que inclui um voto de "presente" por Chris Coons e "sim pelo partido" por Johnny Isakson. Visando poupar o tempo do comitê, Coons decidiu votar "presente", já que a votação seria empatada caso ele votasse contrário por conta da ausência de Isakson. O voto em plenário ocorreu em 26 de abril e Pompeo foi confirmado pelo Senado por 57 votos contra 42; incluindo os votos de cinco dos dez senadores democratas que concorreram nas eleições de 2018 nos estados em que Trump venceu.

Mandato[editar | editar código-fonte]

Pompeo assumiu o cargo em 26 de abril de 2018.[11] No juramento perante o Senado, Pompeo prometeu priorizar o aprimoramento das questões morais no Departamento de Estado.[11]

Pompeo teve papel singular nas negociações que culminaram na Cúpula de Singapura de 2018, que reuniu os chefes de Estado dos Estados Unidos e da Coreia do Norte pela primeira vez na história de ambos os países.[12] Após o evento diplomático, Pompeo liderou a delegação estadunidense nas reuniões de negócios entre ambas as nações, obtendo o retorno dos restos mortais de soldados estadunidenses, além de uma reunião de negócios com Kim Jong-un em Pyongyang.[13][14]

Em agosto de 2018, Pompeo agradeceu a Mohammad bin Salman, Príncipe herdeiro da Arábia Saudita, pelo "apoio saudita à urgente estabilização de recursos no nordeste da Síria".[15] Na ocasião, Pompeo e Salman discutiram também a situação da Guerra Civil Iemenita.[15][16]

Referências

  1. a b «Mike Pompeo: Trump's loyalist new diplomat and ex-spymaster». BBC News. 13 de março de 2018 
  2. Buncombe, Andrew (18 de novembro de 2016). «Donald Trump appoints Congressman Mike Pompeo as CIA Director». The Independent 
  3. Baker, Peter; Harris, Gardiner; Landler, Mark (13 de março de 2018). «Trump Fires Rex Tillerson, Will Replace Him With C.I.A. Chief Pompeo». The New York Times 
  4. «Tea-Party Power Endures». National Review. 7 de agosto de 2014 
  5. «Members of the Italian American Congressional Delegation for the 112th Congress» 
  6. «Trump fires Secretary of State Rex Tillerson». BBC News. 13 de março de 2018 
  7. Parker, Ashley; Rucker, Philip (13 de março de 2018). «Trump ousts Tillerson, will replace him as secretary of state with CIA chief Pompeo». Washington Post 
  8. «Senado dos Estados Unidos confirma Mike Pompeo como secretário de Estado». G1. 26 de abril de 2018 
  9. «Ex-CIA director Pompeo: 'We lied, we cheated, we stole'» 
  10. «Is Latin America Still the US's "Backyard"?». América Latina en movimiento (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2018 
  11. a b «Pompeo confirmed as Secretary of State». CBS News. 26 de abril de 2018 
  12. «Joint Statement of President Donald J. Trump of the United States of America and Chairman Kim Jong Un of the Democratic People's Republic of Korea at the Singapore Summit». Casa Branca. 12 de junho de 2018 
  13. Rosenfeld, Everett (12 de junho de 2018). «Document signed by Trump and Kim includes four main elements related to 'peace regime'». CNBC News 
  14. «Mike Pompeo viaja a Pyongyang para se reunir com Kim Jong Un». O Estado de S. Paulo. 7 de outubro de 2018 
  15. a b «Mike Pompeo and Saudi Crown Prince discuss Syria, Iraq and Afghanistan». Reuters. 13 de agosto de 2018 
  16. «Pompeo, Trump mum on Saudi-led airstrike that hit Yemen school bus». CNN. 13 de agosto de 2018