Posições políticas de Hillary Clinton

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Hillary Clinton - mais recentemente candidata do Partido Democrata como Presidente dos Estados Unidos na eleição presidencial de 2016 - têm assumido determinadas posições em questões políticas durante sua atuação como Primeira-dama do Arkansas (1979–81; 1983–92), Primeira-dama dos Estados Unidos (1993–2001); como Senadora por Nova Iorque (2001–2009); e durante seu mandato como Secretária de Estado (2009–2013).

De acordo com um longínquo costume, durante seu mandato como Secretária de Estado, Clinton evitou expor suas posições sobre assuntos relativos à política interna do país.[1][2] Em 2015, Clinton anunciou sua candidatura à Casa Branca e eventualmente venceu as primárias do Partido Democrata, sendo escolhida a candidata do partido na Convenção Nacional Democrata subsequente. Contudo, Clinton perdeu no Colégio Eleitoral para Donald Trump, apesar de receber maior número de votos populares.

Ao longo de sua carreira política, Clinton desenvolveu uma imagem de "entusiasta política" que frequentemente consulta especialistas e envolve-se profundamente nos detalhes das estratégias de campanha.[3][4][5] Em agosto de 2016, a campanha presidencial de Clinton havia lançado 38 propostas políticas e 65 fichas informativas, totalizando mais de 112 mil palavras.[6][7]

Política energética e ambiental[editar | editar código-fonte]

Entre as medidas energéticas defendidas por Clinton figuram: conservação energética, liberação de reservas petrolíferas, aumento do número de veículos movidos a hidrogênio e a ratificação do Protocolo de Quioto.[8] De um modo geral, Clinton se opõe à perfuração na região do Refúgio Nacional de Vida Selvagem do Ártico[9][10] e às políticas ambientais adotadas durante a Administração Bush.[11]

Clinton não é uma crítica do comércio de emissões - que permite que companhias globais negociem créditos de carbono -; defende uma redução de 80% da emissão de carbono até 2050 e uma redução das taxas de emissão de seu país até 2020.[12][13] Clinton também defende uma política de emissão zero para órgãos federais até 2030 e solicita elevar os padrões de milhagem de gás a 35 mpg-US (6.7 L / 100 km) em 10 anos e se opõe à perfuração no Atlântico.[11][14]

Mudanças climáticas[editar | editar código-fonte]

Clinton defendeu um maior financiamento do uso de energia limpa pelos países em desenvolvimento durante a Rio+20, em 2012.[15]

Clinton aceita o consenso científico sobre as mudanças climáticas e critica os que a este se opõem "negando o parecer científico sobre as mudanças climáticas".[16] Clinton considerou as mudanças climáticas como "uma ameaça urgente" e "a mais consequente, urgente, vasta coleção de desafios que enfrentamos como uma nação e um planeta".[17]

Em seu livro Hard Choices, Clinton declara ter desempenhado um papel fundamental em sustentar um acordo internacional para redução de emissões de carbono.[18] Em dezembro de 2009, ainda como Secretária de Estado, a democrata empreendeu um plano de adaptação às mudanças climáticas, afirmando: "Os Estados Unidos estão preparados para cooperar com as demais nações em busca de mobilizar 100 bilhões de dólares anuais até 2020 para suprir as necessidades dos países em desenvolvimento".[19][20][21] O compromisso foi bem recebido pela Chanceler alemã Angela Merkel, entre outros líderes estrangeiros, como um primeiro passo na política de mudanças climáticas, apesar da União Europeia elevar a proposta para 100 bilhões de euros anuais (44% acima do valor mencionado por Clinton).[22] À época, a Secretária de Estado não revelou em detalhes quanto os Estados Unidos contribuiriam, porém declarou depender da concordância da República Popular da China e outras nações em "transparência" na verificação de cortes das emissões de gás carbônico.[23]

Em julho de 2015, Clinton anunciou dois novos objetivos climáticos aos Estados Unidos: gerar energia renovável limpa o suficiente para suprir cada lar estadunidense em até dez anos após assumir o governo;[24] e instalar 500 milhões de painéis solares em seu primeiro mandato presidencial.[14] Clinton objetiva adaptar 1/3 da energia produzida nos Estados Unidos em fontes renováveis.[14]

Clinton têm enfatizado a geração de empregos pela energia renovável. "Os Estados Unidos devem usar a energia renovável para criar mais empregos", afirmou a então candidata presidencial em 2016.[25][26] Segundo Clinton, algum país "será a superpotência energética renovável do século XXI.[26] Poderá ser a China, Alemanha ou nós. Quero que sejamos nós, pois haverá muitos empregos, ou seja, isto deve acontecer aqui mesmo na América."[26] Em dezembro de 2015, Clinton afirmou que os Estados Unidos possuíam "mais empregos na energia solar do que na petrolífera"; uma informação posteriormente negada pela PolitiFact, apesar de que o número de trabalhadores na indústria petrolífera decresceu após a elevação das políticas energéticas no país.[27]

Clinton elogiou publicamente o Acordo de Paris, firmado durante a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2015, relatando: "O Acordo de paris é o testemunho da habilidade americana em liderar o mundo na construção de um futuro de energia limpa onde nenhum será deixado de fora ou para trás... como presidente, farei da luta contra as mudanças climáticas uma prioridade de primeiro dia, além de garantir o futuro da América como superpotência renovável." Durante a campanha presidencial, Clinton prometeu fortalecer o comprometimento dos Estados Unidos com o Acordo de Paris.

Política imigratória[editar | editar código-fonte]

Em sua plataforma de governo de 2016, Clinton propôs:[28][29][30][31]

  • Lutar por uma reforma ampla da legislação sobre imigração com caminho à cidadania plena e igualitária.
  • Defender as medidas executivas DACA ("Deferred Action for Childhood Arrivals") e DAPA ("Deferred Action for Parents of Americans and Lawful Permanent Residents") de Obama.
  • Promover a naturalização dos nove milhões de residentes permanentes nos Estados Unidos elegíveis à cidadania estadunidense.
  • Apoiar a integração de imigrantes através da criação de um Escritório de Assuntos dos Imigrantes (Office of Immigrant Affairs).
  • Conduzir cumprimento mais humano e específico da imigração, detendo e deportando indivíduos que ameacem violentamente a segurança pública; encerrando a detenção familiar e fechando centros de detenção de imigrantes.
Em 2006, a então Senadora Clinton votou a favor da construção de uma barreira na fronteira mexicano-americana.[32]

As posições de Clinton sobre a imigração ilegal atenuaram-se ao longo do tempo.[33] Em uma entrevista radiofônica de 2003, Clinton afirmou: "Temos de realizar muito e sou, como vocês sabem, totalmente contra imigrantes ilegais (...) Certamente temos de realizar mais em nossas fronteiras. E o povo deve parar de empregar imigrantes ilegais."[33] Contudo, ainda durante seu mandato como senadora, Clinton apoiou uma anestia à imigrantes ilegais trabalhando no setor agropecuário; apoiou uma lei do senador Edward M. Kennedy que garantia condição de residência permanente a imigrantes no país por pelo menos cinco anos e empregados há pelo menos dois anos; e apoiou uma suspensão na matrícula nas instituições de ensino superior para residentes ilegais no país.[34] Em abril de 2006, diante a Câmara de Comércio Hispânico, Clinton declarou que sua atuação em favor dos habitantes de Nova Iorque poderia afastar-se da "Lei de Proteção à Fronteira, Antiterrorismo e Lei de Imigração Ilegal de 2005", já que parte de seus eleitores são imigrantes ilegais. "Eu percebo que eu também seria uma criminosa. Minha equipe seria criminosa. Nós ajudamos pessoas com todos os tipos de problemas."[35] Em março de 2006, Clinton criticou fortemente a medida "H.R. 4437", aprovada pela Câmara dos Representantes em dezembro do ano anterior e enviada ao Senado, considerando-a "censura ao significado da América" e afirmando que era "um esquema inviável para tentar deportar 11 milhões de pessoas, o que você tem que ter um estado policial para tentar".[36][37]

Em 5 de maio de 2015, Clinton afirmou que permitir o acesso de imigrantes ilegais à cidadania "está no coração como uma questão de família". Clinton também "criticou fortemente os candidatos presidenciais republicanos que favorecem a concessão de status legal para alguns imigrantes indocumentados, mas se opõem à cidadania", afirmando: "Quando falam sobre 'status legal' é um código para 'status de segunda classe'".[38] Clinton declarou total apoio ao "Deferred Action for Childhood Arrivals Program" (DAPA), que garantia a permanência de jovens indocumentados.[38]

Política externa[editar | editar código-fonte]

Oriente Médio[editar | editar código-fonte]

Clinton e George J. Mitchell mediam conversações de paz entre Mahmoud Abbas e Benjamin Netanyahu, setembro de 2010.

Em janeiro de 2017, Clinton declarou apoio à decisão de Obama em manter tropas estadunidenses no Afeganistão.[39] Na ocasião, afirmou que o objetivo primário destas tropas seria apoiar o Exército Nacional Afegão ao invés de iniciar "um combate terrestre".[40] Anos antes, quando questionada sobre uma possível retirada do Afeganistão, Clinton afirmou que isto dependeria de "condições no campo e o que estava sendo exigido."[40] Como Secretária de Estado da Administração Obama, Clinton defendeu políticas mais rígidas quando comparada aos demais membros do gabinete presidencial; a "filosofia mais ativista de Clinton" ocasionalmente entrou em atrito com "instintiva ressalva" de Obama.[40] Clinton apoiou o aumento de tropas no Afeganistão em 2009 e durante a revisão destas tropas no ano seguinte, defendeu a ampliação do quadro de combatentes no país.[40]

Clinton afirmou ser uma "enfática defensora da segurança de Israel".[41] Em 2016, a CNN destacou que Clinton "possui uma longa trajetória de apoio a aos esforços de Israel em encontrar um caminho à solução dos dois Estados desde sua época no Senado e também como Secretária de Estado".[42] Durante a conferência da AIPAC de 2016, Clinton reafirmou seu apoio à negociação do conflito regional como "a única maneira de garantir a sobrevivência de Israel a longo prazo como um forte e democrático Estado judaico."[43] Em 1998, Clinton havia afirmado que tal acordo estaria "nos interesses de longo prazo do Oriente Médio".[44]

Em 2010, como Secretária de Estado, Clinton liderou três sessões de negociações entre o Primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e o Presidente palestino Mahmoud Abbas.[45][46] Em seu discurso na AIPAIC de 2016, Clinton afirmou que caso eleita à Casa Branca, manteria as negociações opondo-se "vigorosamente à qualquer tentativa de partes externas de impor uma solução, incluindo o Conselho de Segurança das Nações Unidas".[47][48]

Combate ao terrorismo[editar | editar código-fonte]

Clinton, parte da equipe de segurança de Barack Obama, acompanha a Operação Lança de Neptuno, que culminou na morte de Osama bin Laden, 2011.

Clinton propõe intensificar a intervenção militar contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante no Iraque e na Síria.[49] No entanto, durante a campanha presidencial de 2016, a então candidata democrata posicionou-se contra táticas terrestres.[49] Em 2014, Clinton havia defendido o armamento moderado de rebeldes na Guerra Civil Síria, declarando que "a falha em ajudar a construir um força combatente popular deixou um grande vácuo, agora preenchido pelos jihadistas."[50] Além disso, declarou seus esforços por uma "estratégia diplomática para o conflito civil sírio e a crise política iraquiana".[51] Clinton manifestou-se contra a colocação de forças terrestres no conflito sírio, mas defendeu uma expansão das operações norte-americanas em apoio às forças locais.[49][52]

Sobre as ações militares estadunidenses contra o Estado Islâmico na Síria, Clinton defende maiores medidas das tomadas por Barack Obama nas campanhas aéreas e no apoio às forças locais.[52] Clinton também propôs o bloqueio de uma zona aérea no norte do país, reforçada pelos Estados Unidos e seus aliados, como forma de fomentar uma zona de ação humanitária para civis.[52][53] Clinton também conclamou nações árabes e do Golfo Pérsico a cessar o financiamento de grupos terroristas: "De uma vez por todas, sauditas, catarenses e outros precisam impedir seus cidadãos de financiar grupos extremistas."[54]

No início de sua presidência, Obama buscou ampliar as relações com a Síria. Para tal, enviou um embaixador ao país[55] (em falta desde o assassinato do primeiro-ministro libanês Rafic Hariri[56]) e diversas delegações do Congresso. Em 2011, Clinton declarou para o programa televisivo Face the Nation que "há um líder diferente na Síria agora. Muitos dos membros do Congresso de ambos os partidos que visitaram a Síria nos meses recentes têm dito acreditar que ele é um reformador." Após ser criticada pela declaração, Clinton rebateu: "Eu referenciei opiniões de terceiros. Não estava falando por mim mesma ou pela Administração." Em investigação, o jornal Washington Post não encontrou evidências de que qualquer republicano havia endossado a declaração de Clinton e concluiu: "De fato, as declarações de Clinton deram uma impressão errônea."[57]

Nações Unidas[editar | editar código-fonte]

Hillary Clinton e o então Secretário-geral Ban Ki-moon em conferência sobre o conflito na Somália, 2012.[58]

Em 13 de fevereiro de 2005, durante a Conferência de Segurança de Munique, Clinton destacou seu apoio ao fortalecimento do Sistema das Nações Unidas:[59]

Durante seu mandato como Senadora por Nova Iorque, Clinton endossou uma resolução "expressando o senso do Senado sobre a importância da membresia dos Estados Unidos na Comissão para os Direitos Humanos".[60]

Políticas sociais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Miller, Jake (29 de janeiro de 2013). «Is Clinton closing the door on politics». CBS News 
  2. «Hillary Clinton to dip her toe into domestic politics». CNN. 23 de setembro de 2013 
  3. Tamara, Keith (30 de janeiro de 2016). «Clinton runs as wonk in chief, trying to win hearts with plans». National Public Radio 
  4. Tankersley, Jim (2 de agosto de 2016). «Hillary Clinton created her plan to America behind the scenes». Washington Post. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  5. Thrush, Glenn (12 de junho de 2016). «Wonk warrior: Inside the relauch of Hillary Clinton». Politico. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  6. «Suddenly unsure on immigration, Trump trying to clear it up» 
  7. Kreutz, Liz; Smith, Candance (7 de novembro de 2016). «Hillary Clinton's and Donald Trump's campaign by the numbers». ABC News. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  8. «Hillary Rondham Clinton on the issues». On The Issues. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  9. Palmer, Brian (13 de julho de 2016). «The Long, Long Battle for the Arctic National Wildlife Refuge». NRDC 
  10. Murphy, Kim (7 de agosto de 1998). «Clinton to OK More Oil Drilling in Alaska Wilds». Los Angeles Times 
  11. a b «Hillary Clinton on the issues». The New York Times. 13 de abril de 2015. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  12. Bastasch, Michael (20 de julho de 2017). «Clinton Broke Her Carbon Neutral Promise». The Daily Caller 
  13. «First on CNN: Clinton campaign pledges to be carbon neutral, aide says». CNN. 28 de julho de 2015. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  14. a b c «In Their Own Words: 2016 Presidential Candidates on Renewable Energy» (PDF). League of Conservation Voters. 10 de maio de 2016. Consultado em 15 de janeiro de 2018. Arquivado do original (PDF) em 3 de dezembro de 2016 
  15. Dias, Wilson (22 de junho de 2012). «Energia renovável é principal assunto de Hillary Clinton em seu único dia na Rio+20». EBC 
  16. Kreutz, Liz (26 de julho de 2015). «Clinton Calls Out GOP Climate Chance Deniers in New 'Stand with Reality' video». ABC News 
  17. Cho, Renee (18 de maio de 2016). «Trump vs. Clinton: What the Election Could Mean for Climate Policy». Universidade Columbia. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  18. «'Hard Choices': A chapter-by-chapter breakdown of Clinton's new book». Washington Post. 9 de junho de 2014 
  19. Friedman, Lisa; Samuelsohn, Darren (17 de dezembro de 2009). «Hillary Clinton Pledges $100B for Developing Countries». The New York Times 
  20. «Apoio dos EUA a fundo de US$ 100 bi dá impulso à COP 15». BBC News. 17 de dezembro de 2009 
  21. «EUA propõem fundo de US$ 100 bi a pobres». Exame. 10 de outubro de 2010. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  22. «Climate finance: the EU delivering on its commitments». Conselho para as Questões Económicas e Financeiras. 9 de outubro de 2015. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  23. Raloff, Janet (17 de dezembro de 2009). «U.S. backs $100-billion-a-year plan for climate adaptation: U.S. Secretary of State Hillary Rodham Clinton arrived at the climate talks December 1». Science News 
  24. Mathiesen, Karl (28 de julho de 2015). «Is Hillary Clinton's ambitious solar energy goal for the US workable?». The Guardian. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  25. Garrett-Peltier, Heidi (18 de outubro de 2016). «Clinton says the 'clean energy economy' will create millions of jobs. Can it?». The Conversation. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  26. a b c Siddiqui, Sabrina (24 de setembro de 2015). «Hillary CLinton unveils her plan to make US 'clean energy superpower'». The Guardian. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  27. «Hillary Clinton claims more U.S. jobs in solar than oil». PolitiFact. 29 de janeiro de 2016. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  28. «Hillary Clinton on immigration reform». HillaryClinton.com 
  29. «Hillary Clinton on Immigration». Council on Foreign Relations 
  30. «Clinton's stance on immigration is a major break from Obama». The Washington Post. 10 de março de 2016 
  31. «U.S. presidential hopeful Clinton calls for easier naturalization». Reuters. 14 de dezembro de 2015 
  32. «Key Vote, Secure Fence Act of 2006». Washington Post. 2006 
  33. a b Kumar, Ana (9 de outubro de 2015). «As she woos Hispanics, Clinton moves left on immigration». McClatchy Washington Bureau 
  34. Hernandez, Raymond; Healy, Patrick D. (13 de julho de 2005). «The Evolution of Hillary Clinton». The New York Times 
  35. «Senator Clinton says immigration bill would make her a criminal». The Jamaica Observer. 7 de abril de 2006 
  36. «'GOP immigration bill would mean police state', says Hillary». NY Daily News. 2006 
  37. «Green Tide» 
  38. a b «A Path to Citizenship, Clinton Says, 'Is at Its Heart a Family Issue'». The New York Times. 5 de maio de 2015 
  39. «Hillary Clinton supports Barack Obama's keep troops in Afghanistan». The Guardian. 17 de outubro de 2015 
  40. a b c d Landler, Mark (24 de abril de 2016). «Hillary Clinton became a 'hawk'». The New York Times 
  41. «The Senate Campaign: Excerpts From the 3rd and Last Debate Between Clinton and Lazio». The New York Times. 28 de outubro de 2000 
  42. Kopan, Tal (24 de junho de 2016). «Hillary Clinton's views on Israel win out in DNC platform, for now». CNN. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  43. «Read Hillary Clinton's speech to AIPAC». Time. 21 de março de 2016. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  44. Gambrell, Jon (17 de junho de 2016). «AP Analysis: Mideast showed Hillary Clinton US power's limit». Associated Press. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  45. «Abbas e Netanyahu trabalham duro nas negociações de paz, diz Clinton». O Estado de S. Paulo. 2010. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  46. Calabresi, Massimo (3 de setembro de 2010). «Hillary's role in Israel-Palestinian Peace Talks». Time. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  47. «After AIPAC speeches, Israelis still prefer Clinton to Trump». The Times of Israel. 5 de abril de 2016. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  48. Woffword, Taylor (21 de março de 2016). «HILLARY CLINTON'S AIPAC SPEECH CHALLENGES TRUMP, ISRAEL BOYCOTTS». Newsweek. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  49. a b c «Clinton: 'No more troops in Syria or Iraq'». Politico. Novembro de 2015. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  50. «Hillary Clinton: Failure to help Syrian rebels led to the rise of ISIS». The Atlantic. Agosto de 2014 
  51. «Hillary Clinton has a real plan to defeat ISIS and prevent another attack like Brussels. Here's how». HillaryClinton.com. Consultado em 15 de janeiro de 2018. Arquivado do original em 25 de julho de 2016 
  52. a b c «Clinton Goes Beyond President Obama's Plans to Defeat ISIS». The New York Times. 20 de novembro de 2015. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  53. «Obama adviser explains why Clinton plan won't work». CNN. 18 de abril de 2016. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  54. Cockburn, Patrick (14 de outubro de 2016). «We finally know what Hillary Clinton knew all along – US allies Saudi Arabia and Qatar are funding Isis». The Independent. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  55. «Obama nominates first ambassador to Syria since 2005». BBC News. 17 de fevereiro de 2010 
  56. «US Cites Syria as factor in Lebanese assassination». The New York Times. 25 de março de 2005 
  57. «Hillary Clinton's uncredible statement on Syria». Washington Post. 1 de abril de 2011 
  58. «London Conference on Somalia: Full coverage» 
  59. «The Future Role of the United Nations Within the Framework of Global Security. Munich Conference on Security Policy. Remarks as Prepared for Delivery». 27 de janeiro de 2006. Consultado em 15 de janeiro de 2018. Arquivado do original em 27 de janeiro de 2006 
  60. «S.Res. 88: A resolution expressing the sense of the Senate on the importance of membership of the United States on the United Nations Human Rights Commission». Senado dos Estados Unidos. Consultado em 15 de janeiro de 2018 [ligação inativa]