Primeira-dama

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ex-Primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva e Lula da Silva ex-presidente do Brasil em foto oficial do casal presidencial brasileiro em 2007.

Primeira-dama é o título que se dá à esposa de um governante em várias esfera do poder.[1] Refere-se sobretudo à esposa do presidente de um país, mas também quando o homem é eleito governador ou prefeito.[1] O marido da mulher que é eleita para um cargo político, por sua vez, é chamado de primeiro-cavalheiro.[2]

A criação do título é creditada ao ex-presidente dos Estados Unidos Zachary Taylor (1849–1850), o qual chamou Dolley Madison, esposa de James Madison, de «primeira-dama» (First Lady, em inglês) durante o funeral desta, em 12 de julho de 1849, enquanto recitava um elogio escrito por ele mesmo.[3]

Primeiras-damas no mundo[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, recebem o título de primeira-dama as esposas do presidente da república, dos governadores e dos prefeitos.[1] Junto ao cargo utiliza-se via de regra o título «Dona» antes de seus nomes.

Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal, a legislação não prevê a existência do título de «primeira-dama», embora informalmente a esposa do presidente da república receba essa deferência. A ausência do título advém da presunção de que uma vez que não foi eleita é apenas uma cidadã comum, mesmo sendo esposa do presidente.

Em Portugal, são sobretudo os jornalistas televisivos, por facilidade de expressão ou por desconhecimento, que usam o termo «primeira-dama» ao se referir à esposa do presidente.

Outros países[editar | editar código-fonte]

Em países como os Estados Unidos da América, os candidatos à presidência são avaliados por sua postura familiar, não tendo direito a qualquer privacidade. De modo completamente diferente, na Europa os episódios da vida íntima, mesmo os casos extraconjugais de políticos famosos, como Francisco Sá Carneiro e François Mitterrand, são propositalmente ignorados pela imprensa (supostamente por obrigação da própria ética profissional dos jornalistas), só vindo a lume anos depois.

A chamada imprensa sensacionalista quebra muitas vezes esta regra, sobretudo no Reino Unido.

Referências

  1. a b c Edição do Aulete (2007). «Verbete: «primeira-dama»». Dicionário Caldas Aulete. Consultado em 23/02/2014. 
  2. Redação (2010). «Masculino de «primeira-dama»». Nossa Língua Portuguesa — TV Cultura. Consultado em 23/02/2014. 
  3. «First Lady Biography: Dolley Madison». The National First Ladies' Library (USA). 2003. Consultado em 23/02/2014. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.