Escândalo Lewinsky

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Clinton fazendo uma declaração a respeito do escândalo sobre sua relação com a estagiária da Casa Branca Monica Lewinsky. Ele negou que tudo fosse verdade.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

O escândalo Lewinsky foi um escândalo político sexual que surgiu por uma suposta relação sexual entre o presidente dos Estados Unidos Bill Clinton e uma estagiária da Casa Branca de 22 anos, Monica Lewinsky, na década de 1990.[1] A notícia deste caso extra-conjugal e as investigações resultantes levaram à destituição do Presidente Clinton em 1998 pela Câmara dos Representantes dos Estados Unidos e sua absolvição posterior de todas as acusações. Mas havia rumores sobre o apetite sexual excessivo de Clinton.[2]

Em outras mídias[editar | editar código-fonte]

  • O caso foi mencionado por Snoop Dogg em sua canção A Bitch I Knew.
  • O rapper Eminem também citou o caso em sua música Rap God.
  • O "Escândalo Lewinski" está nas letras da música de G- Eazy de nome "Monica Lewinski".
  • A cantora Beyoncé cita o nome de Monica Lewinski em sua música "Partition".

Referências

  1. «Escândalo Lewinsky foi um "pesadelo" para Clinton». 22 de junho de 2004 
  2. (em inglês) Jerome Levin Ph.D. (1 de Setembro de 1998). The Clinton Syndrome: The President and the Self-Destructive Nature of Sexual Addiction. Prima Lifestyles. ISBN 978-0761516286.
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.