Eleição presidencial nos Estados Unidos em 1996

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eleição presidencial dos Estados Unidos de 1996
 

1992 ← Flag of the United States.svg → 2000


5 de novembro de 1996
Bill Clinton.jpg Bob Dole, PCCWW photo portrait.JPG RossPerotColor.jpg
Candidato Bill Clinton Bob Dole Ross Perot
Partido Democrata Republicano Reformista
Candidato para Vice-presidente Al Gore Jack Kemp Pat Choate
Colégio eleitoral 379 159 0
Vencedor em 31 + DC 19 0
Votos 47.401.185 39.197.469 8.085.294
Porcentagem 49,2% 40,7% 8,4%
ElectoralCollege1996.svg

Seal of the President of the United States.svg
Presidente dos Estados Unidos

A eleição presidencial nos Estados Unidos em 1996 foi realizada em 5 de Novembro de 1996, em conjunto com eleições para alguns governadores, senadores e todos os representantes. Os principais candidatos foram o presidente Bill Clinton, do Partido Democrata e o senador do Kansas Bob Dole, do Partido Republicano. O empresário Ross Perot, que ganhou 18,9% do voto popular como candidato independente nas eleições de 1992, concorreu como candidato ao Partido da Reforma. Perot recebeu menos atenção da mídia em 1996 e foi excluído dos debates presidenciais.[1]

Clinton e o vice-presidente Al Gore foram renomeados sem incidentes pelo Partido Democrata. Numerosos candidatos entraram nas primárias republicanas de 1996, com Dole considerado o principal candidato da frente. Dole conquistou a indicação depois de derrotar os desafios do editor Steve Forbes e do líder dos paleoconservadores Pat Buchanan. O companheiro de chapa de Dole era Jack Kemp, um ex-congressista e jogador de futebol que havia servido como secretário de Habitação sob o governo do presidente George H. W. Bush.

As chances de vitória de Clinton foram inicialmente consideradas reduzidas no meio de seu mandato, já que seu partido havia perdido a Câmara dos Deputados e o Senado em 1994 pela primeira vez em décadas. Ele conseguiu recuperar terreno quando a economia começou a se recuperar da recessão do início dos anos 90 com um cenário mundial relativamente estável. Clinton ligou Dole a Newt Gingrich, o impopular presidente republicano da Câmara. Dole prometeu uma redução geral de 15% nos impostos federais e atacou Clinton como membro da geração "mimada" de Baby Boomer. A idade de Dole era uma questão persistente nas eleições, e as gafes de Dole exacerbaram a questão para sua campanha.

Clinton manteve uma margem de votação consistente sobre Dole e venceu a reeleição com uma margem substancial no voto popular e no Colégio Eleitoral. Clinton se tornou o primeiro democrata desde Franklin D. Roosevelt a vencer duas eleições presidenciais diretas. Dole ganhou 40,7% dos votos populares e 159 votos eleitorais, enquanto Perot ganhou 8,4% dos votos populares. Apesar da derrota de Dole, o Partido Republicano conseguiu manter a maioria na Câmara dos Deputados e no Senado. A participação foi registrada em 49,0%, a menor para as eleições presidenciais desde 1924.

Contexto[editar | editar código-fonte]

Em 1995, o Partido Republicano estava aproveitando os ganhos significativos obtidos nas eleições intermediárias de 1994. Nessas corridas, os republicanos, liderados por Newt Gingrich, conquistaram a maioria dos assentos na Câmara pela primeira vez em quarenta anos e a maioria dos assentos no Senado pela primeira vez em oito anos. Gingrich tornou-se presidente da Câmara, enquanto Bob Dole passou a ser o líder da maioria no Senado.

Os republicanos do 104º Congresso seguiam uma agenda ambiciosa, destacada por seu "Contrato com a América", mas eram frequentemente forçados a fazer concessões com o presidente Clinton, que exercia o poder de veto. Um impasse orçamentário entre o Congresso e o governo Clinton acabou resultando em um desligamento do governo. Enquanto isso, Clinton foi elogiado por assinar a reforma social do Partido Republicano e outros projetos notáveis, mas foi forçado a abandonar seu próprio plano de assistência médica.

Candidatos[editar | editar código-fonte]

Partido Democrata[editar | editar código-fonte]

Com a vantagem da incumbência, o caminho de Bill Clinton para a renomeação pelo Partido Democrata não teve intercorrências. Na Convenção Nacional Democrata de 1996, Clinton e o vice-presidente em exercício Al Gore foram renomeados com oposição simbólica. O candidato Lyndon LaRouche ganhou alguns delegados do Arkansas que foram barrados na convenção. Jimmy Griffin , ex- prefeito de Buffalo, Nova York, montou uma breve campanha, mas retirou-se após uma fraca exibição nas primárias de New Hampshire. O ex- governador da Pensilvânia Bob Casey contemplou um desafio para Clinton, mas problemas de saúde obrigaram Casey a abandonar suas chances.[2] Clinton venceu facilmente as primárias em todo o país, com margens consistentemente superiores a 80%.[3]

US Democratic Party Logo.svg
Bill Clinton Al Gore
para Presidente para Vice-Presidente
Clintongore1996.gif

Clinton Gore 96.png
Bill Clinton.jpg
Al Gore, Vice President of the United States, official portrait 1994.jpg
42º Presidente dos EUA
(1993–2001)
45º Vice-presidente dos EUA
(1993–2001)
[3]

Partido Republicano[editar | editar código-fonte]

Antes das primárias de 1996, o líder republicano do Senado dos Estados Unidos e o ex-candidato a vice-presidente Bob Dole eram vistos como os vencedores mais prováveis. No entanto, Steve Forbes terminou em primeiro lugar em Delaware e Arizona enquanto paleconservador Pat Buchanan conseguiu vitórias no Alasca e Louisiana, além de um forte segundo lugar nas prévias de Iowa e uma surpreendente vitória na pequena mas fundamental New Hampshire. A vitória de Buchanan em New Hampshire alarmou o "establishment" republicano o suficiente para provocar republicanos proeminentes a se fundirem rapidamente em torno de Dole,[4] que venceu todas as primárias começando em Dakota do Norte e do Sul. Dole renunciou ao cargo no Senado em 11 de junho e a Convenção Nacional Republicana nomeou Dole formalmente em 15 de agosto de 1996 para Presidente.

Republican Disc.png
Bob Dole Jack Kemp
para Presidente para Vice-Presidente
Dolekemp1996.gif

Dole for President 1464120306685.jpg
Bob Dole, PCCWW photo portrait.JPG
Jack Kemp official portrait.jpg
Senador do Kansas
(1969–1996)
Secretário de urbanismo
(1989–1993)

Outros[editar | editar código-fonte]

Partido Reformista[editar | editar código-fonte]

O Partido Reformista dos Estados Unidos teve grande dificuldade em encontrar um candidato disposto a concorrer nas eleições gerais. Lowell Weicker, Tim Penny, David Boren e Richard Lamm estavam entre os que buscaram sua indicação presidencial, embora todos, exceto Lamm, tenham decidido não concorrer; O próprio Lamm chegou perto de retirar seu nome da consideração. Lamm designou Ed Zschau como seu candidato a vice-presidente.

Por fim, o partido nomeou seu fundador Ross Perot do Texas em sua primeira eleição como partido político oficial. Embora Perot tenha ganhado a indicação com facilidade, sua vitória na convenção nacional do partido levou a um cisma, pois os apoiadores de Lamm o acusaram de fraudar o voto para impedir que votassem. Essa facção abandonou a convenção nacional e acabou formando seu próprio grupo, o "Partido da Reforma Americana", e tentou convencer Lamm a concorrer como Independente nas eleições gerais; Lamm recusou, apontando uma promessa que fez antes de concorrer que respeitaria a decisão final do Partido. O economista Pat Choate foi nomeado vice-presidente.

O acesso da cédula para o Partido Reformista
Reform Party Button.jpg
Ross Perot Patrick Choate
para Presidente para Vice-Presidente
Ross Perot 1996 presidential campaign.png
RossPerotColor.jpg
No portrait (male).svg
Empresário do Texas Economista

Resultados[editar | editar código-fonte]

Resultados finais da eleição para presidente dos Estados Unidos em 1996
Candidato a
presidente
Estado de
origem
Candidato a
vice-presidente
Estado de
origem
Partido Voto popular Colégio
Eleitoral
Votos Porcentagem
Bill Clinton Arkansas Al Gore Tennessee Democrata 47 401 185 49,24% 379
Bob Dole Kansas Jack Kemp Nova York Republicano 39 197 469 40,71% 159
Ross Perot Texas Patrick Choate[nota 1] Distrito de Colúmbia Reformista 8 085 294 8,40% 0
Ralph Nader Connecticut Winona LaDuke[nota 2] California Verde 685 297 0,71% 0
Harry Browne Tennessee Jo Jorgensen Carolina do Sul Libertário 485 759 0,50% 0
Howard Phillips Virginia Herbert Titus Oregon Partido da Constituição 184 656 0,19% 0
John Hagelin Iowa Mike Tompkins Massachusetts Partido da Lei Natural 113 670 0,12% 0
Outros 113 667 0,12%
Total 96 277 634 100% 538
Necessários para vencer 270

Notas

  1. Nas cédulas eleitorais da Califórnia, Indiana, Iowa, Kansas, Louisiana, Maine, Maryland, Missouri, Montana, Oregon, Dakota do Sul, Tennessee e Texas, James Campbell, da Califórnia, ex-chefe da Perot na IBM, foi listado como candidato a vice-presidente até Perot decidir que Patrick Choate fosse sua escolha para vice-presidente.
  2. O candidato a vice-presidente do Partido Verde variaram de estado para estado. Winona LaDuke era candidata à vice-presidência em dezoito dos vinte e dois estados em que apareceu nas urnas. Anne Goeke era companheira de chapa de Nader em Iowa e Vermont. Madelyn Hoffman companheira de chapa em Nova Jersey. Muriel Tillinghast era companheiro de chapa em Nova York.

Referências

  1. «Election Dates». Uselectionatlas.org. Consultado em 17 de junho de 2010 
  2. «Anyone left? The search for a Clinton challenger in 1996.». The Progressive. TheFreeLibrary.com. 1 de maio de 1995. Consultado em 6 de dezembro de 2010 
  3. a b «US President – D Primaries Race – Feb 01, 1996». Our Campaigns. Consultado em 17 de junho de 2010 
  4. Julie Hirschfeld Davis (January 26, 2012), "'Stop-Newt' Republicans Confront New Base" Bloomberg News

Ligações externas[editar | editar código-fonte]