Eleição presidencial nos Estados Unidos em 2000

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Eleição presidencial dos Estados Unidos em 2000
 

1996 ← Flag of the United States.svg → 2004


7 de novembro de 2000
GeorgeWBush.jpg Al Gore, Vice President of the United States, official portrait 1994.jpg
Candidato George W. Bush Al Gore
Partido Republicano Democrata
Candidato para Vice-presidente Dick Cheney Joe Lieberman
Colégio eleitoral 271 266
Vencedor em 30 20 + DC
Votos 50.460.110 51.003.926
Porcentagem 47,87% 48,38%
ElectoralCollege2000.svg

Seal Of The President Of The United States Of America.svg
Presidente dos Estados Unidos

Titular
Bill Clinton
Democrata

Eleito
George W. Bush
Republicano

A eleição presidencial dos Estados Unidos de 2000 foi uma disputa entre o candidato republicano George W. Bush, então Governador do Texas e filho do ex-presidente George H. W. Bush (1989-1993) e o candidato democrata Al Gore, então Vice-presidente. O presidente titular Bill Clinton, estava deixando o cargo depois de ter concluído dois mandatos permitidos pela Vigésima Segunda Emenda. Bush ganhou as eleições de 7 de Novembro por uma margem estreita, com 271 votos no Colégio Eleitoral contra os 266 de Gore (com um eleitor a abster-se na contagem oficial).

Esta eleição ficou conhecida devido à controvérsia sobre a concessão dos 25 votos no Colégio Eleitoral da Flórida[1][2]e o subsequente processo de recontagem nesse estado, em que Bush ganhou com a pequena diferença de 537 votos, uma margem de 0,009%.[3] Foi a quarta eleição em que o vencedor do voto no Colégio Eleitoral não recebeu também a pluralidade do voto popular, o que não acontecia desde 1888.[4][5]

Contexto[editar | editar código-fonte]

O Artigo Dois da Constituição dos Estados Unidos determina que o Presidente e o Vice-Presidente dos Estados Unidos devem ser cidadãos natos dos Estados Unidos, com pelo menos 35 anos de idade, e residentes nos Estados Unidos por um período de pelo menos 14 anos.

O presidente Bill Clinton, um democrata e ex- governador do Arkansas , ficou inelegível para buscar a reeleição para um terceiro mandato devido à Vigésima Segunda Emenda; de acordo com a Seção  1 da Vigésima Alteração , seu mandato expirou ao meio-dia do Horário Padrão do Leste em 20 de janeiro de 2001.

Indicação do Partido Republicano[editar | editar código-fonte]

Republican Party (United States)
Partido Republicano
George W. Bush Dick Cheney
Presidente Vice Presidente
GeorgeWBush.jpg
Dick Cheney.jpg
46ºGovernador do Texas(1995–2000) 17ºSecretário de Defesa dos EUA(1989–1993)
Campanha
Bush Cheney 2000 campaign logo.svg

Primárias[editar | editar código-fonte]

Bush se tornou o favorito desde o início, obtendo financiamento sem precedentes e uma ampla base de apoio de liderança com base em seu governo do Texas e no reconhecimento do nome da família Bush e conexões na política americana. O ex-membro do gabinete George Shultz desempenhou um papel importante no início de garantir o apoio republicano para Bush. Em abril de 1998, ele convidou Bush para discutir questões políticas com especialistas, incluindo Michael Boskin , John Taylor e Condoleezza Rice, que mais tarde se tornou sua secretária de Estado . O grupo, que estava "à procura de um candidato para o ano 2000 com bons instintos políticos, alguém com quem pudesse trabalhar", ficou impressionado e Shultz encorajou-o a entrar na corrida.[6]

Total de delegados
  • Governador George W. Bush 1526
  • Senador John McCain 275
  • Embaixador Dr. Alan Keyes 23
  • Empresário Steve Forbes 10
  • Gary Bauer 2
  • Nenhum dos nomes mostrados 2
  • Não comprometido 1

Indicação do Partido Democrata[editar | editar código-fonte]

Democratic Party (United States)
Partido Democrata
Al Gore Joe Lieberman
Presidente Vice Presidente
Al Gore, Vice President of the United States, official portrait 1994.jpg
Joe Lieberman official portrait 2 (cropped 2).jpg
45ºVice Presidente dos EUA(1993–2001) Senadorpor Connecticut

(1989–2013)

Campanha
Gore Lieberman 2000 logo.svg

Primárias[editar | editar código-fonte]

Al Gore, do Tennessee, foi um candidato consistente à indicação. Outros democratas proeminentes mencionados como possíveis candidatos incluem Bob Kerrey[7], o representante do Missouri Dick Gephardt, o senador de MinnesotaPaul Wellstone e o ator e diretor Warren Beatty . Destes, apenas Wellstone formou um comitê.[8]


Totais de delegados:

  • Vice-presidente Albert Gore Jr. 4328
  • Abstenções 9

Resultados[editar | editar código-fonte]

Com exceção da Flórida e do estado natal de Gore, o Tennessee, Bush ganhou nos estados do Sul por margens confortáveis ​​(incluindo o estado natal do então presidente Bill Clinton, o Arkansas) e também assegurou vitórias no Ohio, Indiana, na maioria dos estados rurais do Centro-Oeste, a maioria dos estados das Montanhas Rochosas e o Alasca. Gore balanceou Bush por ganhar os estados do nordeste dos Estados Unidos (com a única exceção de New Hampshire, que Bush ganhou por pouco), a maior parte dos estados rurais da região Centro-Oeste Superior e todos os estados da Costa do Pacífico (Washington, Oregon e Califórnia) e ganhou também no Havaí.

À medida que a noite eleitoral avançava, os resultados num punhado de estados de pequeno e médio tamanho, incluindo no Wisconsin e Iowa, estavam extremamente próximos; no entanto, seria o estado da Flórida que deixaria claro o vencedor da eleição. Com os resultados finais nacionais registrados na manhã seguinte, Bush tinha claramente ganho um total de 246 votos eleitorais, enquanto Gore tinha ganho 255 votos. 270 votos eram necessários para vencer. Dois estados menores - Novo México (5 votos no Colégio Eleitoral) e Oregon (7 votos) - ainda estavam demasiado próximos para se tirarem conclusões.

Foi na Flórida (25 votos eleitorais), no entanto, que os meios de comunicação social concentraram a sua atenção. Matematicamente, os 25 votos eleitorais da Flórida tornaram-se a chave para uma vitória eleitoral para qualquer candidato. Embora os estados do Novo México e Oregon tenham sido declarados em favor de Gore nos dias seguintes, a votação em todo o estado da Flórida tornou-se no centro das atenções, porque o vencedor daquele estado acabaria por ganhar a eleição. O resultado da eleição ainda não era conhecido mais de um mês após a votação devido ao longo processo de contagem e depois de recontagem dos votos das eleições presidenciais da Flórida.

Recontagem da Flórida[editar | editar código-fonte]

Mesa de votação e urna eleitoral do Condado de Palm Beach em 2000

Por volta das 07:50 EST, no dia da eleição, 10 minutos antes do fecho das urnas na zona de maioria republicana da Flórida, Panhandle, que está no fuso horário Central, algumas redes de notícias de televisão, declararam que Gore tinha ganho os 25 votos eleitorais da Flórida. Eles basearam esta previsão, substancialmente, nas sondagens. No entanto, na contagem de votos real, Bush começou a assumir a liderança cedo, na Flórida, e às 22:00 EST essas redes tinha retirado essa previsão e colocado a Flórida de volta para a coluna de estados "indecisos". Por volta das 2h30, com cerca de 85% dos votos apurados na Flórida e com Bush liderando por mais de 100.000 votos, as redes declararam que Bush havia ganho a Flórida e, portanto, tinha sido eleito Presidente. No entanto, a maioria dos votos restantes a serem contados na Flórida foram localizados em três condados fortemente democratas - Broward, Miami-Dade e Palm Beach - e à medida que os seus votos foram sendo apurados, Gore começou a ganhar vantagem em relação a Bush. Por volta das 4h30, depois de todos os votos contados, Gore tinha reduzido a margem de Bush para pouco mais de 2.000 votos, e as redes tinham retirado as suas previsões de que Bush tinha ganho a Flórida e a presidência. Gore, que tinha em privado concedido a eleição para Bush, retirou a sua concessão. O resultado final na Flórida era magro o suficiente para exigir uma recontagem obrigatória (por máquina) sob a lei estadual; a vantagem de Bush tinha diminuído para cerca de 300 votos no momento em que foi concluída no final daquela semana. Uma contagem de votos dos militares no exterior aumentou depois a sua margem para cerca de 900 votos.[9]

A maior parte da controvérsia pós-eleitoral girou em torno de pedido de Gore para recontagens manuais em quatro condados (Broward, Miami Dade, Palm Beach e Volusia), conforme previsto na lei estadual da Flórida. A Secretária de Estado da Flórida, Katherine Harris, anunciou que ela iria rejeitar quaisquer revisões dos totais daqueles condados se não fossem entregues até 14 de Novembro, o prazo regulamentar para resultados alterados. A Suprema Corte da Flórida estendeu o prazo para 26 de Novembro, uma decisão posteriormente anulada pela Suprema Corte dos EUA. Miami-Dade parou mesmo a sua recontagem e resubmeteu o seu total original para o conselho de prospecção do Estado ("state canvassing board"), enquanto que Palm Beach County não conseguiu cumprir o prazo prorrogado. Em 26 de Novembro, o conselho de prospecção do estado certificou Bush como o vencedor dos "grandes eleitores" da Flórida por 537 votos. Gore contestou formalmente os resultados certificados, mas uma decisão judicial do estado ignorando Gore foi revertida pela Suprema Corte da Flórida, que ordenou a recontagem de mais de 70.000 votos anteriormente rejeitada por contadores de máquinas. A Suprema Corte dos EUA suspendeu a ordem rapidamente.[10]

Em 12 de Dezembro, A Suprema Corte dos EUA decidiu numa votação de 7-2 que a decisão do Suprema Corte da Flórida exigindo uma recontagem dos votos em todo o estado era inconstitucional, e num voto de 5-4 que as recontagens na Flórida não podiam ser concluídas antes de um prazo que fosse um "porto seguro" a 12 de Dezembro, pelo que deviam cessar e o total previamente certificado devia manter-se. A decisão da Suprema Corte foi uma decisão não assinada ou "Per curiam"; a decisão foi "limitada às circunstâncias atuais" e não poderia ser citada como precedente.

Votação final[editar | editar código-fonte]

Candidatos Partido Votos no
colégio eleitoral
Voto popular
George W. Bush/Dick Cheney Partido Republicano 271 50.460.110 (47,9%)
Al Gore/Joe Lieberman Partido Democrata 266 51.003.926 (48,4%)
Ralph Nader/Winona LaDuke Partido Verde 0 2.883.105 (2,7%)
Pat Buchanan/Ezola Foster Partido Reformista 0 449.225 (0,4%)
Harry Browne/Art Olivier Partido Libertário 0 384.516 (0,4%)
outros partidos 0 236.593 (0,2%)

Depois da eleição[editar | editar código-fonte]

Maquinas de votação[editar | editar código-fonte]

Como as eleições presidenciais de 2000 foram tão apertadas na Flórida, o governo federal e os governos estaduais pressionaram para que a reforma eleitoral fosse preparada até a eleição presidencial de 2004 . Muitos dos problemas da noite da eleição de 2000 na Flórida resultaram do design da cédula com os sistemas de votação, incluindo a " potencialmente confusa cédula borboleta" . Muitos eleitores tiveram dificuldades com o cartão de papel perfurado em urnas eletrônicas e não conseguiram entender o processo de votação ou executá-lo. Isso resultou em um número incomum de excessivas votações (votando em mais candidatos do que o permitido) e insuficientemente votando (votando em menos candidatos do que o mínimo, incluindo nenhum). Muitas notas baixas foram causadas por erro do eleitor, cabines de votação com cartão perfurado sem manutenção ou erros relacionados meramente com as características das cédulas com cartão perfurado

Uma solução proposta para esses problemas foi a instalação de modernas urnas eletrônicas . A eleição presidencial de 2000 estimulou o debate sobre a reforma eleitoral e eleitoral, mas não o encerrou.

No rescaldo da eleição, o Help America Vote Act (HAVA) foi aprovado para ajudar os estados a atualizarem sua tecnologia eleitoral na esperança de prevenir problemas semelhantes em futuras eleições. Mas os sistemas de votação eletrônica que muitos estados adquiriram para cumprir o HAVA realmente causaram problemas na eleição presidencial de 2004.[11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «2000 OFFICIAL PRESIDENTIAL GENERAL ELECTION RESULTS». www.fec.gov 
  2. «Em 2000, eleição nos EUA foi judicializada e resultado levou mais de um mês». noticias.uol.com.br. Consultado em 21 de novembro de 2021 
  3. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 18 de março de 2016. Consultado em 21 de novembro de 2021 
  4. Pruitt, Sarah. «8 Most Contentious US Presidential Elections». HISTORY (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2021 
  5. Haddad, Ken (7 de novembro de 2016). «5 of the closest Presidential elections in US history». WDIV (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2021 
  6. «Transcript | The Choice 2004 | FRONTLINE | PBS». www.pbs.org. Consultado em 21 de novembro de 2021 
  7. «Nebraska's Kerrey bows out of 2000 presidential race - December 13, 1998». www.cnn.com. Consultado em 21 de novembro de 2021 
  8. «Wellstone Launches Presidential Exploratory Committee - April 8, 1998». www.cnn.com. Consultado em 21 de novembro de 2021 
  9. Barstow, David; Jr, Don van Natta (15 de julho de 2001). «EXAMINING THE VOTE; How Bush Took Florida: Mining the Overseas Absentee Vote». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 21 de novembro de 2021 
  10. http://election2000.law.stanford.edu/wp-content/uploads/2012/09/00-949x.pdf
  11. Freeman, Steven & Bleifuss, Joel. A eleição de 2004 foi roubada ?: urnas eleitorais, fraude eleitoral e a contagem oficial. Seven Stories Press, 2006, p. 68-83.