John B. Taylor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
John B. Taylor
Nascimento 8 de dezembro de 1946 (72 anos)
Yonkers
Cidadania Estados Unidos
Alma mater Universidade de Princeton, Universidade Stanford
Ocupação economista, professor universitário
Empregador Universidade Stanford

John Brian Taylor (8 de dezembro de 1946) é um economista novo-keynesiano dos Estados Unidos. Ele é professor da Universidade de Stanford, onde também recebeu o título de PhD.

Desde os anos 1970, Taylor tem publicado trabalhos no campo da economia monetária e financeira. Ele é um dos acadêmicos envolvidos no Novo Consenso.

Taylor contribuiu para a evolução do modelo IS-LM sob expectativas racionais, com uma hipótese sobre a trajetória da taxa de juros básica da economia: a Regra de Taylor. Em particular, ele desenvolveu um princípio simples que explicava o comportamento das taxas de juros do Banco Central dos EUA, as quais não eram explicitamente anunciadas.

A crise financeira de 2008-2009 foi, segundo Taylor, resultado de políticas incorretas implementadas pelo seu amigo, o ex-presidente do Fed Alan Greenspan. Sob esta análise, as taxas de juros dos EUA, excessivamente baixas, deturparam a tomada de decisão dos agentes, causando uma queda artificial das expectativas; a discussão teórica é orientada pelo Modelo da Preferência de Liquidez de Tobin.

John B. Taylor trabalhou em três governos republicanos dos EUA: os de Gerald Ford, George H. W. Bush e George W. Bush. Ele integrou o Council of Economic Advisers.


Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) economista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.