Mary Todd Lincoln

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mary Todd Lincoln
Nascimento Mary Ann Todd
13 de dezembro de 1818
Lexington
Morte 16 de julho de 1882 (63 anos)
Springfield
Sepultamento Túmulo de Lincoln
Cidadania Estados Unidos
Progenitores
  • Robert Smith Todd
  • Ann Eliza Parker
Cônjuge Abraham Lincoln
Filho(s) Thomas Lincoln, Edward Baker Lincoln, William Wallace Lincoln, Robert Todd Lincoln
Ocupação primeira-dama
Religião presbiterianismo
Assinatura
Mary Lincoln Signature.svg

Mary Todd Lincoln (13 de dezembro de 1818, Lexington, Kentucky16 de julho de 1882, Springfield, Illinois) foi a esposa do 16º presidente dos Estados Unidos, Abraham Lincoln, e Primeira Dama do país de 1861 a 1865.[1] Ela viu seu esposo morrer assassinado por John Wilkes Booth.

Vida[editar | editar código-fonte]

Mary Lincoln era membro de uma família numerosa e rica proprietária de escravos do Kentucky e era bem educada. Nascida Mary Ann Todd, ela abandonou o nome Ann depois que sua irmã mais nova, Ann Todd (mais tarde Clark), nasceu. Depois de terminar a escola na adolescência, ela se mudou para Springfield, Illinois, onde morou com sua irmã casada, Elizabeth Edwards. Antes de se casar com Abraham Lincoln, ela foi cortejada por seu adversário político de longa data, Stephen A. Douglas. Os Lincoln tiveram quatro filhos, dos quais apenas o mais velho, Robert, sobreviveu aos pais. A casa da família e a vizinhança em Springfield são preservadas no Lincoln Home National Historic Site.[2][3][4][5][6]

Abraham Lincoln com Mary Lincoln e seus filhos

Lincoln apoiou firmemente seu marido durante sua presidência e foi ativa em manter o moral nacional elevado durante a Guerra Civil. Ela atuou como coordenadora social da Casa Branca, redecorou a Casa Branca com grandes despesas; seus gastos foram fonte de muita consternação. Ela estava sentada ao lado de Abraham quando ele foi assassinado no camarote do presidente no Ford's Theatre, na Tenth Street, em Washington, D.C., em 14 de abril de 1865. A morte de seu marido e de três de seus filhos pesou muito sobre ela.[2][3][4][5][6]

Ela trabalhou como enfermeira voluntária porém, não se dedicou a esta profissão.[7][8]

Lincoln sofreu de vários problemas de saúde física e mental durante sua vida. Ela tinha enxaquecas frequentes, que foram exacerbadas por um traumatismo craniano em 1863. Ela ficou deprimida durante grande parte de sua vida; alguns historiadores acham que ela pode ter tido transtorno bipolar. Ela foi brevemente institucionalizado para a doença psiquiátrica em 1875, mas mais tarde retirou-se para a casa de sua irmã.[2][3][4][5][6]

Morte[editar | editar código-fonte]

Durante a década de 1880, Mary Lincoln ficou confinada na residência de sua irmã Elizabeth Edwards em Springfield, Illinois. Morreu em 16 de julho de 1882, com cerca de 63 anos de idade. Foi enterrada no túmulo de Lincoln, no Oak Ridge Cemetery em Springfield ao lado do marido.

Referências

  1. Catherine Clinton, Mrs. Lincoln: A Life (New York: HarperCollins, 2010) ISBN 0-06-076041-9
  2. a b c Catherine Clinton, Mrs. Lincoln: A Life (Harper Perennial, 2010)
  3. a b c Emerson, Jason (2007). The Madness of Mary Lincoln. Carbondale, Illinois: Southern Illinois University Press. pp. 20–22. ISBN 978-08093-2771-3
  4. a b c Daniel Mark Epstein, The Lincolns: Portrait of a Marriage (Ballantine Books, 2008)
  5. a b c McDermott, Stacy Pratt (2015). Mary Lincoln : southern girl, northern woman. New York: Routledge. LCCN 2014030118
  6. a b c «Prizm Cloud Connect | Document Viewer». web.archive.org. 23 de outubro de 2013. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  7. Theory, Nursing. «MARY TODD LINCOLN, VOLUNTEER NURSE». Consultado em 23 de janeiro de 2022 
  8. Enfermagem, Sou (7 de agosto de 2018). «Mary Todd Lincoln». Consultado em 23 de janeiro de 2022