Láudano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Frasco inglês de 100ml

Láudano (do latim laudare, louvar) é o termo usado na literatura médica para designar um medicamento, originalmente à base de vinho branco, açafrão, cravo, canela e ópio, desenvolvido pelo alquimista Paracelso, no século XVI, embora haja dúvidas se o láudano de Paracelso continha ópio.[1] Já no século XIX, na Inglaterra vitoriana, a mistura podia conter whisky, em vez de vinho.

O láudano foi usado até o início do século XX para tratar todo tipo de dor ou mal-estar. [2][1]

Propriedades farmacológicas[editar | editar código-fonte]

O álcool e o ópio têm efeito sedativo e analgésico, causando bem-estar, sem todavia tratar a causa da doença, que pode seguir avançando. Como o álcool, o ópio causa maior perda de líquidos e dependência química. O ópio também causa diminuição do ritmo cardíaco e da respiração. Pacientes com sudorese e vômitos morriam por desidratação; pacientes com problemas respiratórios morriam por insuficiência respiratória e aqueles com déficit cardíaco morriam por insuficiência cardíaca e infecções que podiam avançar e causar sepse ou outras complicações. Para piorar, o láudano era muito usado por grávidas (causando problemas fetais). Como calmante, era usado por crianças agitadas e por mulheres, no tratamento da histeria e melancolia.[3]

Tipos[editar | editar código-fonte]

A partir do século XVII, os principais tipos eram:[4]:

  • Láudano de Sydenham (clássico): ópio, açafrão, cravo, canela e vinho.
  • Láudano de Rousseau: ópio cozido e fermentado com mel e cerveja.
  • Láudano vitoriano: ópio diluído em whisky ou gin.

Muitos médicos famosos tinham um láudano com o seu nome. O láudano de Sydenham foi a principal preparação líquida contendo ópio, usada na Inglaterra no século XVII e teve grande aceitação na Europa e nas Américas até o início do século XX. [1]

O láudano na arte e cultura popular[editar | editar código-fonte]

  • Em Os Maias, Carlos da Maia considera a possibilidade de se matar com uma sobredosagem de láudano.
  • No filme Tombstone - A Justiça está chegando, dirigido por George P. Cosmatos, estrelando Kurt Russel e Val Kilmer.
  • Em Razão e sensibilidade é usado como analgésico.
  • Na série de TV American Horror Story, láudano era usado por uma médico para sedar suas pacientes ante de suas cirurgias "macabras".
  • No filme From hell, o ator Johnny Depp utiliza esse medicamento para ter visões acerca dos crimes que ele investiga.
  • No filme O último pistoleiro, o personagem de John Wayne toma láudano para amenizar as dores do câncer que está matando o velho pistoleiro Books.
  • No filme O estranho que nós amamos, de 1961, com Clint Eastwood, o personagem vivido por ele toma láudano antes de se submeter a uma cirurgia.
  • Em As Desaparecidas, com Tommy Lee Jones e Cate Blanchett, o médico refere-se à mistura de ópio e álcool.
  • No filme Entrevista com o Vampiro, Cláudia (Kirsten Dunst) ministra láudano a dois gêmeos e os entrega ao vampiro Lestat (Tom Cruise) para que se alimente deles, o que o deixa intoxicado.
  • No livro Cem Anos de Solidão, de Gabriel Garcia Márquez, a personagem Amaranta, movida pela inveja e pelo ressentimento, cogita envenenar sua irmã de consideração, Rebeca, colocando láudano em seu café.
  • No livro Noites do Sertão, de Guimarães Rosa, no conto "Dão-Lalalão", Soropita cita láudano como um remédio.
  • No livro de Mary Shelley, Frankenstein, o doutor Vitor Frankenstein toma láudano para dormir.
  • No 3º episódio da 1ª temporada do seriado de TV americano American Horror Story, o láudano é citado como um anestésico usado em cirurgias, mas, por ter como efeito colateral uma séria perda de memória, foi banido em 1934.
  • A série The Knick (8º episódio da segunda temporada) mostra o uso do cloridrato de láudano como sedativo, na preparação de uma cirurgia, já no início do século XX, mas a paciente vem a óbito devido a uma parada cardiorrespiratória.
  • Na série Penny Dreadful, 7º episódio da 1ª Temporada, Vanessa Ives descreve como a mãe da amiga se desfazia em prantos por preocupação e angústia por causa do pai, e que recorria ao láudano para dormir.
  • No livro O Homem de São Petersburgo, de Ken Follet, os personagens usam láudano para dormir e como sedativo para dor de cabeça.
  • No filme Chocolate, sobre a vida do palhaço "Chocolat" (representado por Omar Sy), primeiro artista circense negro na França e grande sucesso no sec XIX, o personagem torna-se um consumidor habitual de láudano, que bebia da garrafinha de bolso.
  • Na série de televisão Deadwood, o láudano era ministrado aos pacientes, como sedativo, pelo médico da cidade ("Brad Dourif").
  • No jogo Amnesia, o láudano é usado pelo personagem para repor a sua sanidade mental, perdida ao longo do jogo.
  • Na série espanhola que se passa em 1906, Gran Hotel, é citada como um sedativo.

Referências

  1. a b c Uma breve história do ópio e dos opióides. Por Danilo Freire Duarte. Revista Brasileira de Anestesiologia vol.55 nº 1 Campinas, janeiro-fevereiro de 2005 ISSN 1806-907X
  2. El láudano, la sustancia "cura-todo" de Paracelso. 17 de dezembro de 2012.
  3. Victorian Web. Victorian Drug Use. Por Andrzej Diniejko.
  4. A. W. Chase, Dr. Chase's Recipes. Ann Arbor, Michigan: Published by R. A. Beal, 1870, p. 133.