Enxaqueca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Enxaqueca
Mulher com dor de cabeça.
Especialidade Neurologia
Sintomas Dores de cabeça, náuseas, sensibilidade à luz, sensibilidade ao som, sensibilidade olfactiva[1][2]
Início habitual Por volta da puberdade[1]
Duração Recorrente, crónica[1]
Causas Factores genéticos e ambientais[3]
Fatores de risco Antecedentes familiares, sexo feminino[4][5]
Condições semelhantes Hemorragia subaracnóidea, trombose venosa, hipertensão intracraniana idiopática, tumor cerebral, cefaleia de tensão, sinusite,[6] cefaleia em salvas[7]
Prevenção Metoprolol, valproato, topiramato[8][9]
Medicação Ibuprofeno, paracetamol, triptanos, ergotaminas[5][10]
Frequência ~15%[11]
Classificação e recursos externos
CID-10 G43
CID-9 346
OMIM 157300
DiseasesDB 8207
MedlinePlus 000709
eMedicine 1142556, 1179268
MeSH D008881
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Enxaqueca é uma cefaleia primária caracterizada por dores de cabeça recorrentes, de moderadas a graves.[1] Geralmente a dor de cabeça afeta apenas um dos lados, é de natureza pulsátil e dura entre 2 e 72 horas.[1] Os principais sintomas associados são náuseas, vómitos e sensibilidade à luz, ao som e ao odor.[2] A dor geralmente agrava-se com a atividade física.[12] Cerca de um terço das pessoas com enxaqueca vêem uma aura – uma perturbação transitória visual, sensorial, motora ou na linguagem, que antecede a ocorrência de uma enxaqueca.[12] Em alguns casos, a aura pode ocorrer sem ser seguida por enxaqueca.[13]

Acredita-se que as enxaquecas sejam causadas por uma combinação de fatores ambientais e genéticos.[3] Cerca de dois terços dos casos são familiares.[5] A alteração dos níveis hormonais pode também ter algum papel, uma vez que as enxaquecas afetam ligeiramente mais rapazes do que moças antes da puberdade, mas cerca de duas a três vezes mais mulheres do que homens adultos.[4][14] O risco de enxaquecas geralmente diminui durante a gravidez.[4] O mecanismo subjacente não é totalmente compreendido.[15] No entanto, acredita-se que envolva os nervos e vasos sanguíneos do cérebro.[5]

O tratamento inicial recomendado consiste em evitar os fatores desencadeantes e na administração de analgésicos comuns como ibuprofeno ou paracetamol para as dores de cabeça, antieméticos para as náuseas.[10] Nos casos em que os analgésicos não são eficazes, podem ser usados triptanos ou ergotaminas.[5] A ingestão de cafeína pode ser eficaz.[16] Vários medicamentos permitem prevenir a ocorrência de ataques, entre os quais metoprolol, valproato e topiramato.[8][9]

As enxaquecas afetam cerca de 15% da população mundial.[11] Geralmente têm início durante a puberdade e são mais intensas durante a meia-idade.[1] Em algumas mulheres a ocorrência diminui após a menopausa.[15] A condição é uma das causas mais comuns de incapacidade.[17] Uma das primeiras descrições médicas consistente com os sintomas de enxaquecas é dada no papiro Ebers, redigido no Antigo Egipto por volta de 1500 a.C.[18]

Classificação[editar | editar código-fonte]

As cefaleias (assim como várias outras doenças) podem ser primárias ou secundárias:

  • Primárias: quando tem características próprias e a recorrência da dor é a principal manifestação da doença.
  • Secundárias: quando são sintomas de outras doenças como infecções (sinusites, meningites), traumas, tumores, aneurismas, alterações metabólicas ou hormonais.

Outra classificação importante é a presença ou ausência de aura. A aura é um fenômeno neurológico que inclui a ocorrência de escotomas (alterações visuais), que em geral começam poucos minutos antes do aparecimento da dor. Nem sempre esse tipo de alteração ocorre - daí a ocorrência da chamada enxaqueca sem aura, por sinal mais comum. Tais alterações ocorreriam por distúrbios elétricos negativos ao nível do córtex cerebral, em especial na região occipital, responsável pela visão.

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

A migrânea é caracterizada por:

  • Dor intensa e pulsante usualmente em apenas um dos lados da cabeça;
  • Náusea e vômitos;
  • Sensibilidade à luz e ao som;
  • Irritabilidade e mau humor;
  • Incapacidade para realização de atividades cotidianas.

Os ataques/crises de enxaqueca variam de pessoa para pessoa, com duração de 4 a 72 horas. Algumas vítimas apresentam manifestações que precedem a crise propriamente dita em várias horas ou até por período superior a 24 horas e podem funcionar como uma espécie de "aviso". Estas manifestações incluem: distúrbios do humor (ansiedade, euforia, depressão), distúrbios do sono (sonolência, insônia), distúrbio intelectivos (embotamento mental, diminuição da concentração) e distúrbios gastrointestinais.

A maior parte dos pacientes apresentam crises de enxaqueca com "aura", que são distúrbios visuais como flashes de luz, pontos escuros na visão ou linhas em ziguezague.

Exemplos de como a visão pode ser afetada em alguns casos:

Também são relatadas alterações como perda de parte da visão em vários pontos e ver vários pontos amarelados, além da perda de foco constante.

Causas[editar | editar código-fonte]

Geralmente a enxaqueca primária é causada pela vasodilatação de artérias e veias cranianas que resulta na compressão de nervos sensitivos,[19] mas pode também estar associado a regulação de serotonina pelo nervo trigêmeo (5o par cranial).[20]

Fatores que favorecem o desenvolvimento de enxaqueca incluem[19]:

  • Vulnerabilidade genética;
  • Estresse prolongado frequente;
  • Poluição e cigarro;
  • Barulho, odores e luzes fortes;
  • Alimentos contendo glutamato monossódico (muitos temperos), nitratos (carnes processadas como salsicha, salame e hambúrguer), tiramina (queijos e carnes processadas), aspartame ou álcool (especialmente vinho);[21]
  • Mudanças hormonais (ovulação, menstruação, pílula anticoncepcional);
  • Irregularidade dos padrões de sono;
  • Falta de cafeína em consumidores frequentes de café;
  • Exercícios pesados em dias quentes ou com baixa umidade;
  • Vasodilatadores;
  • Obesidade.[22]

São mais comuns em mulheres antes do período menstrual, quando o nível de estrógeno é mais baixo. É aconselhável procurar um médico neurologista para obter um diagnóstico correto.

A enxaqueca é uma doença multifatorial, várias são as causas conhecidas pela medicina. A soma de fatores genéticos, ambientais (cigarro, poluição, variação climática, odores de perfumes e produtos químicos), hormonais, comportamentais (alto grau de exigência, oscilação do humor, irritabilidade, ansiedade, depressão), sono (dormir muito, dormir pouco) compõem os aspectos mais importantes. Existem mitos como a enxaqueca ser causada por problemas do fígado, que não são cientificamente comprovados.

Recentemente, estudos mostraram que em torno de metade dos pacientes com enxaqueca com aura apresentavam um desvio (abertura) da direita para a esquerda nas câmaras superiores do coração em virtude de uma condição congênita denominada forame oval.[23][24][25] Uma cirurgia que envolve a inserção pela virilha de um mecanismo que fecha tal orifício cardíaco tem trazido bons resultados para cura do mal em muitos pacientes enxaquecosos portadores de tal falha congênita.[25][26]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Os medicamentos mais usados são triptanos, ergotaminas e analgésicos.

O tratamento consiste em três vertentes principais: diminuição da exposição aos factores desencadeantes, controlo dos sintomas agudos e medicação de prevenção.[5] Quanto mais cedo são administrados os medicamentos durante uma crise, maior é a sua eficácia.[5] No entanto, o recurso frequente à medicação pode resultar em cefaleia por uso excessivo de medicamentos, situação em que as dores de cabeça se tornam mais intensas e frequentes.[12] Isto pode ocorrer com triptanos, ergotaminas e analgésicos, principalmente analgésicos opióides.[12] Dado estes riscos, é recomendada a administração de analgésicos simples até um máximo de três dias por semana.[27]

Analgésicos[editar | editar código-fonte]

O tratamento inicial recomendado em pessoas com sintomas ligeiros a moderados é a administração de analgésicos simples, como os anti-inflamatórios não esteroides diclofenaco ou ibuprofeno, ou a combinação de paracetamol, aspirina e cafeína.[10][28][29] A aspirina pode aliviar dores moderadas a graves, com eficácia idêntica ao sumatriptano.[30] O cetorolaco está disponível em injeção intravenosa.[10]

Outro tratamento eficaz com poucos riscos de efeitos adversos é a administração de paracetamol, tanto sozinho como em combinação com a metoclopramida.[31] A metoclopramida por via intravenosa é também eficaz por si própria.[32][33] Durante a gravidez, tanto o paracetamol como a metoclopramida são considerados seguros até ao terceiro trimestre.[10]

Triptanos[editar | editar código-fonte]

Os triptanos como o sumatriptano são eficazes para o alívio das dores e das náuseas em até 75% das pessoas.[5][34] O sumatriptano é mais eficaz quando administrado em associação com naproxeno.[35] São os fármacos de eleição para o tratamento inicial em pessoas com dores moderadas a graves ou pessoas com sintomas mais ligeiros que não respondem aos analgésicos simples.[10] Os triptanos são comercializados em soluções orais, injectáveis, spray nasal e pastilhas solúveis.[5] A generalidade dos triptanos aparenta ter eficácia e efeitos adversos semelhantes. No entanto, é possível que uma pessoa possa responder melhor a uns do que a outros.[10] A maior parte dos efeitos adversos são ligeiros. No entanto, já ocorreram casos raros de isquémia coronária,[5] pelo que não estão recomendados para pessoas com doenças cardiovasculares,[10] com antecedentes de AVC ou com enxaquecas associadas a problemas neurológicos.[36] Os triptanos devem ainda ser administrados com precaução em pessoas com fatores de risco para doenças vasculares.[36] Embora por precaução não sejam recomendados em pessoas com enxaquecas basilares, não há evidências específicas de malefícios neste grupo que apoiem esta precaução.[37] They are not addictive, but may cause medication-overuse headaches if used more than 10 days per month.[38]

Ergotaminas[editar | editar código-fonte]

A ergotamina e a di-hidroergotamina são medicamentos de antiga geração ainda receitados para enxaquecas, estando o último disponível em spray nasal e em solução para injeção.[5][39] Aparentam ter eficácia semelhante aos triptanos.[40] Os efeitos adversos são geralmente benignos.[41] Aparenta ser também a opção de tratamento mais eficaz para os casos mais graves, como em pessoas com estado enxaquecoso.[41] No entanto, causam angioespamo, incluindo angioespasmo coronário, pelo que estão contra-indicados em pessoas com doença arterial coronária.[42]

Outros[editar | editar código-fonte]

Entre outras possíveis opções de tratamento estão a metoclopramida por via intravenosa, proclorperazina por via intravenosa ou lidocaína por via intranasal.[10][33] A metoclopramida ou a proclorperazina por via intarvenosa são o tratamento recomendado para pessoas admitidas em urgência hospitalar.[10][33] O haloperidol pode também ser benéfico ºara este grupo.[33][39] Acrescentar uma dose única de dexametasona ao tratamento de uma crise de enxaquecas está associado a uma diminuição de 26% na recorrência de dores de cabeça nas 72 horas seguintes.[43]

Não há evidências que apoiem a eficácia da manipulação vertebral no tratamento de enxaquecas.[44] Recomenda-se que não sejam usados opioides ou barbituratos devido à sua eficácia questionável, ao potencial de habituação e ao risco de cefaleia atribuída a uma substância.[10]

Em crianças[editar | editar código-fonte]

O ibuprofeno ajuda a diminuir a dor em crianças com enxaquecas.[45] O paracetamol não aparenta ser eficaz na diminuição da dor.[45] Os triptanos são eficazes, embora apresentam risco de efeitos adversos ligeiros, como perturbações no sabor, sintomas nasais, tonturas, fadiga, falta de energia, náuseas ou vómitos.[45]

Enxaquecas crónicas[editar | editar código-fonte]

Os únicos medicamentos que apresentam evidências de eficácia no tratamento de enxaquecas crónicas são o topiramato e a toxina botulínica.[46] Embora a toxina botulínica seja eficaz no tratamento de enxaquecas crónicas, não é eficaz no tratamento de enxaquecas episódicas.[47][48]

Prognóstico[editar | editar código-fonte]

O prognóstico a longo prazo de pessoas com enxaquecas é variável.[49] Existem quatro principais padrões de evolução da doença: ou os sintomas desaparecem completamente, ou os sintomas diminuem gradualmente com o tempo, ou os sintomas continuam com a mesma intensidade ou as crises tornam-se cada vez mais intensas e frequentes.[49] No entanto, a condição é geralmente benigna[49] e não está associada ao aumento de risco de morte.[50]

As enxaquecas com aura aparentam duplicar o risco de AVC isquémico.[51][52] Por outro lado, as enxaquecas sem aura não aparentam aumentar o risco.[53] Este risco é agravado se a pessoa é um jovem adulto, do sexo feminino, se usa contracepção hormonal ou se é fumadora.[51] A relação das enxaquecas com problemas cardiovasculares é inconclusiva, havendo apenas um estudo que apoia a existência de uma associação.[51] No entanto, a generalidade das enxauecas não aparenta aumentar o risco de morte por AVC ou por doença cardiovascular.[50] A terapêutica de prevenção de enxaquecas em pessoas com enxaquecas com aura pode prevenir a ocorrência de AVCs.[54] As enxaquecas estão também associadas à duplicação do risco de dissecção da artéria vertebral.[55] As pessoas com enxaquecas, principalmente as mulheres, podem desenvolver um número acima da média de lesões cerebrais na substância branca de significado clínico pouco claro.[56]

A maior parte das pessoas com enxaquecas sofre períodos de baixa produtividade resultantes da condição.[5]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

Esperança de vida corrigida pela incapacidade para as enxaquecas por 100 000 habitantes em 2004
  no data
  <45
  45–65
  65–85
  85–105
  105–125
  125–145
  145–165
  165–185
  185–205
  205–225
  225–245
  >245

As enxaquecas afetam cerca de 15% da população mundial, ou cerca de mil milhões de pessoas.[11] É mais comum entre mulheres (19%) do que entre homens (11%).[11] Na Europa, as enxaquecas afetam entre 12 e 28% da população em dado momento da vida. Em cada ano, 6–15% dos homens adultos e 14–35% das mulheres adultas sofrem pelo menos um caso de enxaquecas.[14] A prevalência da doença é ligeiramente menor na Ásia e em África do que nos países ocidentais.[57][58] As enxaquecas crónicas aetam entre 1,4 e 2,2% da população.[59]

A prevalência varia significativamente com a idade. A idade mais comum para o início de enxaquecas é entre os 15 e os 24 anos de idade e são mais frequentes nas pessoas entre os 35 e 45 anos de idade.[5] A condição afeta 1,7% das crianças com 7 anos de idade e 3,9% das crianças entre os 7 e 15 anos de idade. Antes da puberdade, a condição é mais comum entre rapazes.[60] Durante a adolescência, as enxaquecas tornam-se progressivamente mais comuns entre as mulheres.[60] Em idosos, a condição é duas vezes mais comum entre mulheres do que entre homens.[61] Entre mulheres, as enxaquecas sem aura são mais comuns do que as com aura, embora entre homens a frequência seja idêntica.[57] Os sintomas geralmente agravam-se durante a perimenopausa, diminuindo de gravidade a partir daí.[61] Embora em dois terços dos idosos os sintomas desapareçam, entre 3–10% dos casos são persistentes.[62]

História[editar | editar código-fonte]

A origem da palavra enxaqueca é árabe (الشقيقة, ax-xaquica) e significa migrânea. Seu sinônimo, migrânea, vem do grego antigo ημικρανίον (hêmikraníon), "metade do crânio".[63] O termo cefaleia é utilizado para designar qualquer dor de cabeça, podendo ser ou não uma enxaqueca.

Referências

  1. a b c d e f «Headache disorders Fact sheet N°277». Outubro de 2012. Consultado em 15 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2016 
  2. a b Aminoff, Roger P. Simon, David A. Greenberg, Michael J. (2009). Clinical neurology 7 ed. New York, N.Y: Lange Medical Books/McGraw-Hill. pp. 85–88. ISBN 9780071664332 
  3. a b Piane M, Lulli P, Farinelli I, Simeoni S, De Filippis S, Patacchioli FR, Martelletti P (dezembro de 2007). «Genetics of migraine and pharmacogenomics: some considerations». The Journal of Headache and Pain. 8 (6): 334–9. PMC 2779399Acessível livremente. PMID 18058067. doi:10.1007/s10194-007-0427-2 
  4. a b c Lay CL, Broner SW (maio de 2009). «Migraine in women». Neurologic Clinics. 27 (2): 503–11. PMID 19289228. doi:10.1016/j.ncl.2009.01.002 
  5. a b c d e f g h i j k l m Bartleson JD, Cutrer FM (maio de 2010). «Migraine update. Diagnosis and treatment». Minn Med. 93 (5): 36–41. PMID 20572569 
  6. Olesen, Jes (2006). The Headaches (em inglês). [S.l.]: Lippincott Williams & Wilkins. p. 424. ISBN 9780781754002. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  7. «Cluster Headache». American Migraine Foundation. 15 de fevereiro de 2017. Consultado em 23 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 9 de maio de 2018 
  8. a b Armstrong, C; American Academy of, Neurology; American Headache, Society (15 de abril de 2013). «AAN/AHS update recommendations for migraine prevention in adults.». American Family Physician. 87 (8): 584–5. PMID 23668450 
  9. a b Linde M, Mulleners WM, Chronicle EP, McCrory DC (junho de 2013). «Valproate (valproic acid or sodium valproate or a combination of the two) for the prophylaxis of episodic migraine in adults». Cochrane Database Syst Rev (6): CD010611. PMID 23797677. doi:10.1002/14651858.CD010611 
  10. a b c d e f g h i j k Gilmore, B; Michael, M (1 de fevereiro de 2011). «Treatment of acute migraine headache». American Family Physician. 83 (3): 271–80. PMID 21302868 
  11. a b c d Vos, T; Flaxman, AD; Naghavi, M; Lozano, R; Michaud, C; Ezzati, M; Shibuya, K; Salomon, JA; et al. (15 de dezembro de 2012). «Years lived with disability (YLDs) for 1160 sequelae of 289 diseases and injuries 1990–2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010». Lancet. 380 (9859): 2163–96. PMID 23245607. doi:10.1016/S0140-6736(12)61729-2 
  12. a b c d Headache Classification Subcommittee of the International Headache Society (2004). «The International Classification of Headache Disorders: 2nd edition». Cephalalgia. 24 (Suppl 1): 9–160. PMID 14979299. doi:10.1111/j.1468-2982.2004.00653.x  PDF Arquivado em 2010-03-31 no Wayback Machine.
  13. Pryse-Phillips, William (2003). Companion to clinical neurology 2nd ed. Oxford: Oxford university press. p. 587. ISBN 9780195159387. Cópia arquivada em 13 de março de 2017 
  14. a b Stovner LJ, Zwart JA, Hagen K, Terwindt GM, Pascual J (abril de 2006). «Epidemiology of headache in Europe». European Journal of Neurology. 13 (4): 333–45. PMID 16643310. doi:10.1111/j.1468-1331.2006.01184.x 
  15. a b «NINDS Migraine Information Page». National Institute of Neurological Disorders and Stroke. 3 de novembro de 2015. Consultado em 15 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 16 de fevereiro de 2016 
  16. Diener, HC; Charles, A; Goadsby, PJ; Holle, D (outubro de 2015). «New therapeutic approaches for the prevention and treatment of migraine.». The Lancet. Neurology. 14 (10): 1010–22. PMID 26376968. doi:10.1016/s1474-4422(15)00198-2 
  17. GBD 2016 Disease and Injury Incidence and Prevalence, Collaborators. (16 de setembro de 2017). «Global, regional, and national incidence, prevalence, and years lived with disability for 328 diseases and injuries for 195 countries, 1990-2016: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2016.». Lancet. 390 (10100): 1211–1259. PMC 5605509Acessível livremente. PMID 28919117. doi:10.1016/S0140-6736(17)32154-2 
  18. Miller, Neil (2005). Walsh and Hoyt's clinical neuro-ophthalmology. 6 ed. Philadelphia, Pa.: Lippincott Williams & Wilkins. p. 1275. ISBN 9780781748117. Cópia arquivada em 12 de março de 2017 
  19. a b http://www.medicalnewstoday.com/articles/148373.php
  20. http://www.mayoclinic.com/health/migraine-headache/DS00120/DSECTION=causes
  21. http://www.enxaqueca.com.br
  22. http://www.medicalnewstoday.com/articles/265902.php
  23. Da redação (31 de março de 2011). «Enxaqueca pode estar relacionada a defeito no coração». Saúde – revista Veja. Consultado em 15 de julho de 2015 
  24. SCHWERZMANN, M.; et al. (2005). «Prevalence and size of directly detected patent foramen ovale in migraine with aura». US National Library of Medicine – National Institutes of Health. Consultado em 31 de março de 2015 
  25. a b Adm. do sítio web (2011). «Migraine Management». Patient.co.uk. Consultado em 31 de março de 2015 
  26. Adm. do portal (2010). «Percutaneous closure of patent foramen ovale for recurrent migraine». NICE – National Institute for Health and Care Excellence. Consultado em 31 de março de 2015 
  27. «American Headache Society Five Things Physicians and Patients Should Question». Choosing Wisely. Consultado em 24 de novembro de 2013. Arquivado do original em 3 de dezembro de 2013 
  28. Rabbie, Roy; Derry, Sheena; Moore, R Andrew (30 de abril de 2013). «Ibuprofen with or without an antiemetic for acute migraine headaches in adults». The Cochrane Library (4): CD008039. PMC 4161114Acessível livremente. PMID 23633348. doi:10.1002/14651858.CD008039.pub3 
  29. Derry, Sheena; Rabbie, Roy; Moore, R. Andrew (30 de abril de 2013). «Diclofenac with or without an antiemetic for acute migraine headaches in adults». The Cochrane Database of Systematic Reviews (4): CD008783. ISSN 1469-493X. PMC 4164457Acessível livremente. PMID 23633360. doi:10.1002/14651858.CD008783.pub3 
  30. Kirthi, Varo; Derry, Sheena; Moore, R. Andrew (30 de abril de 2013). «Aspirin with or without an antiemetic for acute migraine headaches in adults». The Cochrane Database of Systematic Reviews (4): CD008041. ISSN 1469-493X. PMC 4163048Acessível livremente. PMID 23633350. doi:10.1002/14651858.CD008041.pub3 
  31. Derry, Sheena; Moore, R. Andrew (30 de abril de 2013). «Paracetamol (acetaminophen) with or without an antiemetic for acute migraine headaches in adults». The Cochrane Database of Systematic Reviews (4): CD008040. ISSN 1469-493X. PMC 4161111Acessível livremente. PMID 23633349. doi:10.1002/14651858.CD008040.pub3 
  32. Eken, C (março de 2015). «Critical reappraisal of intravenous metoclopramide in migraine attack: a systematic review and meta-analysis.». The American Journal of Emergency Medicine. 33 (3): 331–7. PMID 25579820. doi:10.1016/j.ajem.2014.11.013 
  33. a b c d Orr, Serena L.; Friedman, Benjamin W.; Christie, Suzanne; Minen, Mia T.; Bamford, Cynthia; Kelley, Nancy E.; Tepper, Deborah (junho de 2016). «Management of Adults With Acute Migraine in the Emergency Department: The American Headache Society Evidence Assessment of Parenteral Pharmacotherapies». Headache: The Journal of Head and Face Pain. 56 (6): 911–940. PMID 27300483. doi:10.1111/head.12835 
  34. Johnston MM, Rapoport AM (agosto de 2010). «Triptans for the management of migraine». Drugs. 70 (12): 1505–18. PMID 20687618. doi:10.2165/11537990-000000000-00000 
  35. Law, Simon; Derry, Sheena; Moore, R. Andrew (20 de abril de 2016). «Sumatriptan plus naproxen for the treatment of acute migraine attacks in adults». The Cochrane Database of Systematic Reviews. 4: CD008541. ISSN 1469-493X. PMID 27096438. doi:10.1002/14651858.CD008541.pub3 
  36. a b «Generic migraine drug could relieve your pain and save you money». Best Buy Drugs. Consumer Reports. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2013 
  37. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Basil2009
  38. Tepper Stewart J., S. J.; Tepper, Deborah E. (abril de 2010). «Breaking the cycle of medication overuse headache». Cleveland Clinic Journal of Medicine. 77 (4): 236–42. PMID 20360117. doi:10.3949/ccjm.77a.09147 
  39. a b Sumamo Schellenberg E, Dryden DM, Pasichnyk D, Ha C, Vandermeer B, Friedman BW, Colman I, Rowe BH (2012). «Acute migraine treatment in emergency settings». PMID 23304741 
  40. Kelley, NE; Tepper, DE (janeiro de 2012). «Rescue therapy for acute migraine, part 1: triptans, dihydroergotamine, and magnesium». Headache. 52 (1): 114–28. PMID 22211870. doi:10.1111/j.1526-4610.2011.02062.x 
  41. a b Morren, JA; Galvez-Jimenez, N (dezembro de 2010). «Where is dihydroergotamine mesylate in the changing landscape of migraine therapy?». Expert Opinion on Pharmacotherapy. 11 (18): 3085–93. PMID 21080856. doi:10.1517/14656566.2010.533839 
  42. Tfelt-Hansen, P; Saxena, PR; Dahlöf, C; Pascual, J; Láinez, M; Henry, P; Diener, H; Schoenen, J; Ferrari, MD; Goadsby, PJ (janeiro de 2000). «Ergotamine in the acute treatment of migraine: a review and European consensus.». Brain : A Journal of Neurology. 123 ( Pt 1): 9–18. PMID 10611116 
  43. Colman I, Friedman BW, Brown MD, et al. (junho de 2008). «Parenteral dexamethasone for acute severe migraine headache: meta-analysis of randomised controlled trials for preventing recurrence». BMJ. 336 (7657): 1359–61. PMC 2427093Acessível livremente. PMID 18541610. doi:10.1136/bmj.39566.806725.BE 
  44. Posadzki, P; Ernst, E (junho de 2011). «Spinal manipulations for the treatment of migraine: a systematic review of randomized clinical trials». Cephalalgia : An International Journal of Headache. 31 (8): 964–70. PMID 21511952. doi:10.1177/0333102411405226 
  45. a b c Richer, Lawrence; Billinghurst, Lori; Linsdell, Meghan A; Russell, Kelly; Vandermeer, Ben; Crumley, Ellen T; Durec, Tamara; Klassen, Terry P; Hartling, Lisa (2016). «Drugs for the acute treatment of migraine in children and adolescents». Cochrane Database of Systematic Reviews. 4: CD005220. PMID 27091010. doi:10.1002/14651858.CD005220.pub2 
  46. Silberstein, SD; Holland, S; Freitag, F; Dodick, DW; Argoff, C; Ashman, E; Quality Standards Subcommittee of the American Academy of Neurology; American Headache Society (abril de 2012). «Evidence-based guideline update: pharmacologic treatment for episodic migraine prevention in adults: report of the Quality Standards Subcommittee of the American Academy of Neurology and the American Headache Society». Neurology. 78 (17): 1337–45. PMC 3335452Acessível livremente. PMID 22529202. doi:10.1212/WNL.0b013e3182535d20 
  47. Jackson JL, Kuriyama A, Hayashino Y (abril de 2012). «Botulinum toxin A for prophylactic treatment of migraine and tension headaches in adults: a meta-analysis». JAMA. 307 (16): 1736–45. PMID 22535858. doi:10.1001/jama.2012.505 
  48. Simpson, D. M.; Hallett, M.; Ashman, E. J.; Comella, C. L.; Green, M. W.; Gronseth, G. S.; Armstrong, M. J.; Gloss, D.; Potrebic, S.; Jankovic, J.; Karp, B. P.; Naumann, M.; So, Y. T.; Yablon, S. A. (18 de abril de 2016). «Practice guideline update summary: Botulinum neurotoxin for the treatment of blepharospasm, cervical dystonia, adult spasticity, and headache: Report of the Guideline Development Subcommittee of the American Academy of Neurology». Neurology. 86 (19): 1818–1826. PMC 4862245Acessível livremente. PMID 27164716. doi:10.1212/WNL.0000000000002560 
  49. a b c Bigal, ME; Lipton, RB (junho de 2008). «The prognosis of migraine». Current Opinion in Neurology. 21 (3): 301–8. PMID 18451714. doi:10.1097/WCO.0b013e328300c6f5 
  50. a b Schürks, M; Rist, PM; Shapiro, RE; Kurth, T (setembro de 2011). «Migraine and mortality: a systematic review and meta-analysis». Cephalalgia : An International Journal of Headache. 31 (12): 1301–14. PMC 3175288Acessível livremente. PMID 21803936. doi:10.1177/0333102411415879 
  51. a b c Schürks, M; Rist, PM; Bigal, ME; Buring, JE; Lipton, RB; Kurth, T (27 de outubro de 2009). «Migraine and cardiovascular disease: systematic review and meta-analysis». BMJ (Clinical Research Ed.). 339: b3914. PMC 2768778Acessível livremente. PMID 19861375. doi:10.1136/bmj.b3914 
  52. Kurth, T; Chabriat, H; Bousser, MG (janeiro de 2012). «Migraine and stroke: a complex association with clinical implications». Lancet Neurology. 11 (1): 92–100. PMID 22172624. doi:10.1016/S1474-4422(11)70266-6 
  53. Kurth, T (março de 2010). «The association of migraine with ischemic stroke». Current Neurology and Neuroscience Reports. 10 (2): 133–9. PMID 20425238. doi:10.1007/s11910-010-0098-2 
  54. Weinberger, J (março de 2007). «Stroke and migraine». Current Cardiology Reports. 9 (1): 13–9. PMID 17362679. doi:10.1007/s11886-007-0004-y 
  55. Rist, PM; Diener, HC; Kurth, T; Schürks, M (junho de 2011). «Migraine, migraine aura, and cervical artery dissection: a systematic review and meta-analysis». Cephalalgia : An International Journal of Headache. 31 (8): 886–96. PMC 3303220Acessível livremente. PMID 21511950. doi:10.1177/0333102411401634 
  56. Hougaard, A; Amin, FM; Ashina, M (junho de 2014). «Migraine and structural abnormalities in the brain.». Current Opinion in Neurology. 27 (3): 309–14. PMID 24751961. doi:10.1097/wco.0000000000000086 
  57. a b The Headaches, pp. 238–40
  58. Wang SJ (2003). «Epidemiology of migraine and other types of headache in Asia». Curr Neurol Neurosci Rep. 3 (2): 104–8. PMID 12583837. doi:10.1007/s11910-003-0060-7 
  59. Natoli, JL; Manack, A; Dean, B; Butler, Q; Turkel, CC; Stovner, L; Lipton, RB (maio de 2010). «Global prevalence of chronic migraine: a systematic review». Cephalalgia : An International Journal of Headache. 30 (5): 599–609. PMID 19614702. doi:10.1111/j.1468-2982.2009.01941.x 
  60. a b Hershey, AD (fevereiro de 2010). «Current approaches to the diagnosis and management of pediatric migraine». Lancet Neurology. 9 (2): 190–204. PMID 20129168. doi:10.1016/S1474-4422(09)70303-5 
  61. a b Nappi, RE; Sances, G; Detaddei, S; Ornati, A; Chiovato, L; Polatti, F (junho de 2009). «Hormonal management of migraine at menopause». Menopause International. 15 (2): 82–6. PMID 19465675. doi:10.1258/mi.2009.009022 
  62. Joseph I. Sirven; Barbara L. Malamut (2008). Clinical neurology of the older adult 2 ed. Philadelphia: Wolters Kluwer Health/Lippincott Williams & Wilkins. p. 197. ISBN 9780781769471. Cópia arquivada em 12 de março de 2017 
  63. Anderson, Kenneth; Anderson, Lois E.; Glanze, Walter D. (1994). Mosby's Medical, Nursing, and Allied Health Dictionary (4 ed.). Mosby. p. 998. ISBN 978-0-8151-6111-0.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]