Valproato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Valproato
Alerta sobre risco à saúde
Valproic acid.svg
Valproic acid3Dan.gif
Nome IUPAC 2-propylpentanoic acid
Identificadores
Número CAS 99-66-1
PubChem 3121
DrugBank APRD00256
ChemSpider 3009
Código ATC N03AG01
SMILES
Propriedades
Fórmula química C8H16O2
Massa molar 144.2 g mol-1
Farmacologia
Biodisponibilidade Rápida absorção
Via(s) de administração Oral e intravenoso
Metabolismo Hepaticglucuronide conjugation 30–50%, mitochondrial β-oxidation over 40%
Meia-vida biológica 9–16 horas
Ligação plasmática Dependente da concentração, de 90% em 40 µg/mL a 81.5% em 130 µg/mL
Excreção Menos de 3% excretados inalterados em urina.
Classificação legal


POM (UK) ? (US)

Riscos na gravidez
e lactação
X Teratogênico
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

O valproato (VPA; nomes comerciais: Depakote, Depakene, entre outros) e suas formas ácido valproico, valproato de sódio e valproato semissódico são medicamentos usados principalmente para o tratamento de epilepsia e transtorno bipolar e para a prevenção de enxaquecas. Eles são úteis para a prevenção de convulsões em pessoas com crises de ausência, convulsões parciais e convulsões generalizadas. Esses medicamentos podem ser administrados por via intravenosa ou oral e, na forma de comprimidos, em formulações de ação curta ou prolongada.[1]

Os efeitos colaterais comuns do valproato incluem náuseas, vômitos, sonolência e boca seca. Os efeitos colaterais graves podem incluir insuficiência hepática; portanto, recomenda-se o monitoramento regular dos testes de função hepática. Outros riscos graves incluem pancreatite e um risco aumentado de suicídio.[1] O valproato também pode causar anormalidades graves em bebês se for administrado durante a gravidez,[2] e, como tal, não é normalmente recomendado para mulheres em idade fértil com enxaqueca.[1]

O mecanismo de ação preciso do valproato não é claro,[1][3] mas sugere-se que pode estar relacionado à modulação dos níveis de GABA, ao bloqueio dos canais de sódio dependentes de voltagem e à inibição das histonas desacetilases.[4][5]

O valproato, um ácido graxo de cadeia curta ramificada (SCFA, em inglês) derivado do ácido valérico, foi fabricado pela primeira vez em 1881, tendo entrado em uso médico em 1962.[6] Ele está na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial de Saúde,[7] além de estar disponível como medicamento genérico.[1] Em 2018, era o 131.º medicamento mais prescrito nos Estados Unidos, com mais de 5 milhões de prescrições.[8][9]

Terminologia[editar | editar código-fonte]

O ácido valproico (VPA) é um ácido orgânico fraco, cuja base conjugada é o valproato. O sal de sódio do ácido é o valproato de sódio, e o complexo de coordenação entre os dois é conhecido como valproato semissódico.[10]

O valproato existe em duas variantes moleculares principais: valproato de sódio e ácido valproico sem sódio (frequentemente referido apenas por valproato). Uma mistura entre os dois é denominada valproato semissódico. Não está claro se há alguma diferença na eficácia entre essas variantes, exceto pelo fato de que é necessária cerca de 10% mais massa de valproato de sódio em comparação ao ácido valproico sem sódio para compensar a presença de sódio.[11]

Usos médicos[editar | editar código-fonte]

O valproato é usado principalmente para tratar a epilepsia e o transtorno bipolar, embora também seja usado para prevenir enxaquecas.[12]

Epilepsia[editar | editar código-fonte]

O valproato tem um amplo espectro de atividade anticonvulsivante, embora seja usado principalmente como tratamento de primeira linha para crises tônico-clônicas, crises de ausência e crises mioclônicas; e como tratamento de segunda linha para crises parciais e espasmos infantis.[12][13] Também já foi administrado com sucesso por via intravenosa para o tratamento do estado de mal epiléptico.[14][15]

Transtornos mentais[editar | editar código-fonte]

Transtorno bipolar[editar | editar código-fonte]

O valproato e seus derivados também são usados para tratar episódios maníacos ou mistos de transtorno bipolar.[16][17]

Esquizofrenia[editar | editar código-fonte]

Uma revisão sistemática de 2016 comparou a eficácia do valproato como um complemento para o tratamento de pessoas com esquizofrenia. Neste estudo, constatou-se que há evidências limitadas de que a adição de valproato aos antipsicóticos pode ser eficaz para a resposta geral e também para sintomas específicos, especialmente em termos de excitação e agressão. O valproato foi associado a uma série de eventos adversos, entre os quais sedação e tontura apareceram com mais frequência do que nos grupos de controle.[18]

Síndrome de desregulação da dopamina[editar | editar código-fonte]

Com base em cinco estudos de caso, o ácido valproico pode ter eficácia no controle dos sintomas da síndrome de desregulação da dopamina que surgem do tratamento da doença de Parkinson com levodopa.[19][20][21]

Enxaqueca[editar | editar código-fonte]

O valproato também é usado para a prevenção de enxaquecas. Como este medicamento pode ser potencialmente prejudicial ao feto, seu uso deve ser considerado apenas após os riscos terem sido discutidos.[22]

Usos off-label[editar | editar código-fonte]

Em 2012, a empresa farmacêutica Abbott pagou 1,6 bilhão de dólares em multas aos governos federal e estadual dos Estados Unidos pela promoção ilegal de usos off-label de Depakote, incluindo para a sedação de residentes em lares de idosos.[23][24]

Alguns estudos sugerem que o valproato pode reabrir o período crítico de aprendizado do ouvido absoluto e possivelmente outras habilidades, como a linguagem.[25][26]

Outros[editar | editar código-fonte]

O medicamento foi testado no tratamento da AIDS e do câncer, devido aos seus efeitos inibidores da histona-desacetilase.[27]

Farmacodinâmica[editar | editar código-fonte]

Tal como a fenitoína e a carbamazepina, o valproato bloqueia as descargas repetidas e prolongadas dos neurônios, que estão por trás de uma crise epilética. Estes efeitos devem-se, em doses terapêuticas, à diminuição da condutância dos canais de sódio voltagem-dependentes e à inibição da GABA transaminase, enzima que realiza a degradação do GABA, neurotransmissor inibitório.[28]

Contraindicações[editar | editar código-fonte]

Não deve ser usado por grávidas nem por lactantes, devendo ser substituído por outro anticonvulsivo. Pode inibir a cicatrização (trombocitopénia), especialmente quando acompanhado de um anti-inflamatório não esteroidal ou heparina. Não deve ser usado por pacientes com hepatotoxicidade ou distúrbio no ciclo da ureia.[28]

Inibe o CYP2C9, a glucuronil transferase e o epóxido hidroxilase. Interage medicamentosamente com vários anticoagulantes, ansiolíticos, antidepressivos, antipsicóticos, anticonvulsivantes e com a zidovudina. Potencializa os efeitos do álcool. Nunca deve ser usado junto com amifampridina.[28]

Efeitos adversos[editar | editar código-fonte]

Com relação aos seus efeitos secundários, os agudos incluem náuseas, vómitos, dor abdominal, aumento de peso, dor na barriga e alopecia. O ácido valproico tem um alerta de caixa preta para hepatotoxicidade, pancreatite e anomalias fetais.[29]

O valproato causa defeitos de nascença;[30] a exposição durante a gravidez está associada a cerca de três vezes mais anormalidades graves do que de costume, principalmente espinha bífida, com os riscos relacionados à concentração da medicação usada e ao uso de mais de um medicamento.[31][32] Mais raramente, pode também causar outros defeitos, incluindo a chamada "síndrome do valproato".[33] As características da síndrome de valproato incluem características faciais como trigonocefalia, testa alta com estreitamento bifrontal, pregas epicânticas, deficiência medial das sobrancelhas, ponte nasal plana, raiz nasal larga, narinas antevertidas, filtro raso, lábio superior longo com bordas vermelhas finas, lábio inferior grosso e boca pequena voltada para baixo.[34] Embora o atraso no desenvolvimento geralmente esteja associado a características físicas alteradas (características dismórficas), nem sempre esse é o caso.[35]

Referências

  1. a b c d e «Valproic Acid». The American Society of Health-System Pharmacists. Consultado em 23 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 31 de julho de 2017 
  2. «Valproate banned without the pregnancy prevention programme». GOV.UK. Consultado em 26 de abril de 2018 
  3. Owens MJ, Nemeroff CB (2003). «Pharmacology of valproate». Psychopharmacol Bull. 37 Suppl 2: 17–24. PMID 14624230 
  4. Ghodke-Puranik Y, Thorn CF, Lamba JK, Leeder JS, Song W, Birnbaum AK, Altman RB, Klein TE (abril de 2013). «Valproic acid pathway: pharmacokinetics and pharmacodynamics». Pharmacogenet. Genomics. 23: 236–241. PMC 3696515Acessível livremente. PMID 23407051. doi:10.1097/FPC.0b013e32835ea0b2 
  5. «Valproic acid». DrugBank. University of Alberta. 29 de julho de 2017. Consultado em 30 de julho de 2017. Cópia arquivada em 31 de julho de 2017 
  6. Scott, D.F. (1993). The history of epileptic therapy: an account of how medication was developed 1. publ. ed. Carnforth u.a.: Parthenon Publ. Group. ISBN 9781850703914 
  7. World Health Organization model list of essential medicines: 21st list 2019. Geneva: World Health Organization. 2019. WHO/MVP/EMP/IAU/2019.06. License: CC BY-NC-SA 3.0 IGO 
  8. «The Top 300 of 2021». ClinCalc. Consultado em 18 de fevereiro de 2021 
  9. «Divalproex Sodium - Drug Usage Statistics». ClinCalc. Consultado em 18 de fevereiro de 2021 
  10. Brayfield (ed.). Martindale: The Complete Drug Reference. London: Pharmaceutical Press. Consultado em 3 de março de 2018 
  11. David Taylor; Carol Paton; Shitij Kapur (2009). The Maudsley Prescribing Guidelines, Tenth Edition 10, revised ed. [S.l.]: CRC Press. ISBN 9780203092835 
  12. a b Rossi, S, ed. (2013). Australian Medicines Handbook 2013 ed. [S.l.]: The Australian Medicines Handbook Unit Trust. ISBN 978-0-9805790-9-3 
  13. Löscher W (2002). «Basic pharmacology of valproate: a review after 35 years of clinical use for the treatment of epilepsy». CNS Drugs. 16: 669–694. PMID 12269861. doi:10.2165/00023210-200216100-00003 
  14. Olsen KB, Taubøll E, Gjerstad L (2007). «Valproate is an effective, well-tolerated drug for treatment of status epilepticus/serial attacks in adults». Acta Neurol. Scand. Suppl. 187: 51–4. PMID 17419829. doi:10.1111/j.1600-0404.2007.00847.x 
  15. Kwan SY (2010). «The role of intravenous valproate in convulsive status epilepticus in the future» (PDF). Acta Neurol Taiwan. 19: 78–81. PMID 20830628 
  16. «Valproate Information». Fda.gov. Consultado em 24 de abril de 2015. Cópia arquivada em 3 de maio de 2015 
  17. Jochim, Janina; Rifkin-Zybutz, Raphael; Geddes, John; Cipriani, Andrea (7 de outubro de 2019). «Valproate for acute mania». Cochrane Database of Systematic Reviews. 10: CD004052. PMC 6797024Acessível livremente. PMID 31621892. doi:10.1002/14651858.CD004052.pub2 
  18. Wang, Y; Xia, J; Helfer, B (2016). «Valproate for schizophrenia». Cochrane Database of Systematic Reviews. 11: CD004028.pub4. PMC 6734130Acessível livremente. PMID 27884042. doi:10.1002/14651858.CD004028.pub4. Consultado em 27 de julho de 2017. Cópia arquivada em 29 de julho de 2017 
  19. Pirritano D, Plastino M, Bosco D, Gallelli L, Siniscalchi A, De Sarro G (2014). «Gambling disorder during dopamine replacement treatment in Parkinson's disease: a comprehensive review». Biomed Res Int. 2014: 1–9. PMC 4119624Acessível livremente. PMID 25114917. doi:10.1155/2014/728038 
  20. Connolly B, Fox SH (2014). «Treatment of cognitive, psychiatric, and affective disorders associated with Parkinson's disease». Neurotherapeutics. 11: 78–91. PMC 3899484Acessível livremente. PMID 24288035. doi:10.1007/s13311-013-0238-x 
  21. Averbeck BB, O'Sullivan SS, Djamshidian A (2014). «Impulsive and compulsive behaviors in Parkinson's disease». Annu Rev Clin Psychol. 10: 553–80. PMC 4197852Acessível livremente. PMID 24313567. doi:10.1146/annurev-clinpsy-032813-153705 
  22. «Depakote- divalproex sodium tablet, delayed release». Consultado em 10 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 5 de março de 2016 
  23. Aizenman, N. C. (7 de maio de 2012). «Abbott Laboratories to pay $1.6 billion over illegal marketing of Depakote». Washington Post. Consultado em 27 de junho de 2018 
  24. Schmidt, Michael; Thomas, Katie (8 de maio de 2012). «Abbott settles marketing lawsuit». New York Times. Consultado em 27 de junho de 2018 
  25. Gervan; et al. (2013). «Valproate reopens critical-period learning of absolute pitch». Frontiers of System Neuroscience. 7: 102. PMID 24348349. Consultado em 8 de maio de 2021 
  26. Thomson, Helen. «Learning drugs reawaken grown-up brain's inner child». New Scientist. New Scientist Ltd. Consultado em 8 de maio de 2021 
  27. Činčárová L, Zdráhal Z, Fajkus J (2013). «New perspectives of valproic acid in clinical practice». Expert Opin Investig Drugs. 22: 1535–1547. PMID 24160174. doi:10.1517/13543784.2013.853037 
  28. a b c «TGA eBS - Product and Consumer Medicine Information Licence». www.ebs.tga.gov.au. Consultado em 19 de maio de 2021 
  29. «Depakote- divalproex sodium tablet, delayed release». Consultado em 10 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 5 de março de 2016 
  30. New evidence in France of harm from epilepsy drug valproate Arquivado em 2017-04-21 no Wayback Machine. BBC, 2017
  31. Koch S, Göpfert-Geyer I, Jäger-Roman E, et al. (fevereiro de 1983). «[Anti-epileptic agents during pregnancy. A prospective study on the course of pregnancy, malformations and child development]». Dtsch. Med. Wochenschr. (em alemão). 108: 250–7. PMID 6402356. doi:10.1055/s-2008-1069536 
  32. Moore SJ, Turnpenny P, Quinn A, et al. (julho de 2000). «A clinical study of 57 children with fetal anticonvulsant syndromes». J. Med. Genet. 37: 489–97. PMC 1734633Acessível livremente. PMID 10882750. doi:10.1136/jmg.37.7.489 
  33. Ornoy A (2009). «Valproic acid in pregnancy: how much are we endangering the embryo and fetus?». Reprod. Toxicol. 28: 1–10. PMID 19490988. doi:10.1016/j.reprotox.2009.02.014 
  34. Kulkarni ML, Zaheeruddin M, Shenoy N, Vani HN (2006). «Fetal valproate syndrome». Indian J Pediatr. 73: 937–939. PMID 17090909. doi:10.1007/bf02859291 
  35. Adab N, Kini U, Vinten J, et al. (novembro de 2004). «The longer term outcome of children born to mothers with epilepsy». J. Neurol. Neurosurg. Psychiatry. 75: 1575–83. PMC 1738809Acessível livremente. PMID 15491979. doi:10.1136/jnnp.2003.029132. This argues that the fetal valproate syndrome constitutes a real clinical entity that includes developmental delay and cognitive impairments, but that some children might exhibit some developmental delay without marked dysmorphism. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]