Pancreatite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Medicina.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde julho de 2016.

Pancreatite
Esquematização do pâncreas
Classificação e recursos externos
CID-10 K85, K86.0-K86.1
CID-9 577.0-577.1
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Pacreatite é um processo inflamatório pancreático, de aparecimento súbito (agudo) e etiologia variada, geralmente acompanhada de importante comprometimento sistêmico. Cessada a causa que desencadeou a inflamação, a enfermidade poderá evoluir para a regeneração do órgão, com recuperação clínica, anatômica e fisiológica ou, então, marchar para sequelas decorrentes da cicatrização do parênquima. Em determinados casos pode provocar a morte.

Geralmente decorrente da ação de enzimas inadequadamente ativadas, que resulta em edema, hemorragia e até necrose pancreática e peripancreática.[1]


Classificação[editar | editar código-fonte]

Esquematização de um pâncreas, entre o duodeno e o baço. Sua principal função é a produção de enzimas digestivas e regulação do açúcar no organismo.

Pode ser classificada como Aguda ou Crônica. Na crônica a dor é causada pelo comprometimento dos nervos do sistema nervoso simpático e obstrução canícular (litiase pancreática).

Há três tipos que diferem nas causas e nos sintomas:

  • Aguda: se for o primeiro episódio.
  • Crônica: se persistir mesmo depois de sua causa ter sido removida.
  • Hereditária: se a principal causa for genética.

Tipos de infecção[editar | editar código-fonte]

Células pancreáticas.

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

  • Dor abdominal;
  • Dificuldade de urinar e defecar;
  • Amilase e lipase no sangue mais de 3 vezes maior que o normal[2].

Causas[editar | editar código-fonte]

Sinal de Grey Turner indicando pancreatite hemorrágica em mulher de 40 anos.

Existem várias possíveis causas, sendo as mais comuns:

Outras possíveis causas são:

Mulheres grávidas são mais sensíveis a desenvolverem problemas com o excesso de triglicerídeos. O consumo excessivo de refrigerantes e cafeína também está associado a danos ao pâncreas.

Prevenção[editar | editar código-fonte]

  • Moderação na ingestão de álcool. Quanto maior o volume ingerido, maior a toxidade, e o álcool é especialmente prejudicial ao pâncreas; Não consumir álcool é importante para não agravar o quadro e evitar a progressão da pancreatite;
  • Procure assistência médica se sentir uma dor forte na parte superior do abdômen que se espalha para as costas. Diagnóstico e início precoce do tratamento são fundamentais para a cura ou controle da doença.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Sinal de Cullen, hemorragia abdominal e inchaço ao redor do umbigo em homem adulto.

O tratamento depende das causas e dos objetivos desse tratamento:

1 Limitar a intensidade da inflamação pancreática

  • Inibidores da secreção pancreática
  • Inibidores das enzimas pancreáticas
  • Inibidores dos mediadores intimatórios

2 Interromper a alimentação do paciente para evitar complicações

3 Medidas de suporte e tratamento das complicações

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

A incidência por ano de pancreatite aguda está em torno de 18 a cada 100.000 habitantes nos EUA e 16 a cada 100.000 habitantes na Europa.[3] A mortalidade no primeiro caso é menor que 1%, porém caso a pancreatite persista (passando a ser crônica) a mortalidade aumenta para 17-20% em menos de 3 anos após o diagnóstico e para 41% após 5 anos, sendo pior entre diabéticos.[4]

Costuma aparecer após os 40 anos, sendo a idade média do primeiro diagnóstico aos 48 anos. É cerca de seis vezes mais comum em homens adultos. Casos mal prognósticados estão relacionados com a persistência ao uso abusivo de álcool (em cerca de 60% dos casos), ao tabagismo, mau controle glicêmico e dor resistente a analgésicos.[5]

Referências

  1. TARCISIO TRIVIÑO, GASPAR DE JESUS LOPES FILHO e FRANZ ROBERT APODACA TORREZ. Pancreatite aguda: o que mudou? Disciplina de Gastroenterologia Cirúrgica do Departamento de Cirurgia da Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo
  2. Banks P, Freeman M (2006). "Practice guidelines in acute pancreatitis". Am J Gastroenterol 101 (2379–400): 2379–400. doi:10.1111/j.1572-0241.2006.00856.x .
  3. Eland IA, Sturkenboom MJ, Wilson JH, Stricker BH (2000). "Incidence and mortality of acute pancreatitis between 1985 and 1995". Scand. J. Gastroenterol. 35 (10): 1110–6. doi:10.1080/003655200451261. PMID 11099067.
  4. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16680228
  5. Seicean A, Tantău M, Grigorescu M, Mocan T, Seicean R, Pop T. Mortality risk factors in chronic pancreatitis. J Gastrointestin Liver Dis. 2006 Mar;15(1):21-6.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Aula médica sobre pancreatite aguda: [1]