Pancreatite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pancreatite
Pâncreas e órgãos envolventes
Especialidade Gastroenterologia, cirurgia geral
Sintomas Dor na parte superior do abdómen, náuseas, vómitos, febre, fezes oleosas[1]
Complicações Infeções, hemorragias, diabetes[1]
Duração Aguda ou crónica[1]
Tipos Pancreatite aguda e pancreatite crónica
Causas Pedras na vesícula, consumo excessivo de álcool, trauma direto, alguns medicamentos, papeira[1]
Fatores de risco Smoking[2][3]
Método de diagnóstico Amilase ou lipase do sangue[1]
Tratamento Terapia intravenosa, analgésicos, antibióticos[1]
Frequência 8,9 milhões (2015)[4]
Mortes 132 700 (2015)[5]
Classificação e recursos externos
CID-10 K85, K86.0K86.1
CID-9 577.0577.1
OMIM 167800
DiseasesDB 24092
MedlinePlus 001144
eMedicine emerg/354
MeSH D010195
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Pancreatite é a inflamação do pâncreas.[1] O pâncreas é um órgão volumoso na parte posterior do estômago que produz enzimas digestivas e uma série de hormonas.[1] Existem dois tipos principais: pancreatite aguda e pancreatite crónica.[1] Os sinais e sintomas de pancreatite mais comuns são dor na parte superior do abdómen, náuseas e vómitos.[1] Em muitos casos a dor espalha-se para as costas e é geralmente muito intensa.[1] Na pancreatite aguda, pode ocorrer febre e os sintomas geralmente desaparecem ao fim de alguns dias.[1] Na pancreatite crónica pode ocorrer perda de peso, fezes oleosas e diarreia.[1] Entre as possíveis complicações estão infeções, hemorragias, diabetes ou problemas que afetam outros órgãos.[1]

As causas mais comuns de pancreatite aguda são Pedras na vesícula e consumo excessivo de álcool.[1] Entre outras possíveis causas estão trauma direto, alguns medicamentos, infeções como a papeira e tumores, entre outras.[1] A pancreatite crónica pode desenvolver-se em resultado de um episódio de pancreatite aguda e geralmente tem origem em consumo excessivo de álcool ao longo de vários anos.[1] Entre outras possíveis causas estão a níveis elevados de lípidos no sangue, níveis elevados de cálcio no sangue, alguns medicamentos e algumas distúrbios genéticos como a fibrose cística.[1] Fumar aumenta o risco de pancreatite, tanto aguda como crónica.[2][3] O diagnóstico de pancreatite aguda tem por base um aumento três vezes superior dos níveis no sangue de amilase ou lipase.[1] Na pancreatite crónica estes valores podem-se apresentar normais.[1] Em alguns casos podem ser realizados exames imagiológicos como ecografias ou tomografias computorizadas.[1]

O tratamento de pancreatite aguda é geralmente realizado com terapia intravenosa, analgésicos e, em alguns casos, antibióticos.[1] Geralmente é proibida a ingestão de alimentos ou bebidas, sendo colocada uma sonda nasogástrica no estômago.[1] Nos casos em que o ducto pancreático se encontra bloqueado, pode ser aberto com um procedimento denominado colangiopancreatografia retrógrada endoscópica.[1] Em pessoas com pedra na vesícula, em muitos casos a vesícula biliar também é removida.[1] Na pancreatite crónica, para além das medidas anteriores pode ser realizada a alimentação temporária através da sonda nasogástrica de modo a providenciar nutrição adequada.[1] Em alguns casos podem ser necessárias alterações na dieta, administração de enzimas pancreáticas ou cirurgia para remover partes do pâncreas.[1]

Em 2015, ocorreram em todo o mundo cerca de 8,9 milhões de casos de pancreatite.[4] A doença foi a causa de 132 700 mortes, um aumento em relação às 83 000 em 1990.[5][6] A incidência da pancreatite aguda é de 30 em cada 100 000 pessoas por ano.[2] Todos os anos, desenvolvem-se novos casos de pancreatite crónica em cerca de 8 em cada 100 000 pessoas.[7] A doença é mais comum entre homens do que em mulheres.[1] Na maior parte dos casos, a pancreatite crónica tem início entre os 30 e 40 anos de idade, sendo rara em crianças.[1] A pancreatite aguda foi descrita pela primeira vez em 1882 e a pancreatite crónica em 1946.[7]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac «Pancreatitis». niddk.nih.gov. 16 de agosto de 2012. Consultado em 1 de março de 2015.. Cópia arquivada em 7 de março de 2015 
  2. a b c Lankisch, PG; Apte, M; Banks, PA (20 de janeiro de 2015). «Acute pancreatitis.». Lancet. 386: 85–96. PMID 25616312. doi:10.1016/S0140-6736(14)60649-8 
  3. a b Yadav, D; Lowenfels, AB (junho de 2013). «The epidemiology of pancreatitis and pancreatic cancer.». Gastroenterology. 144 (6): 1252–61. PMC 3662544Acessível livremente. PMID 23622135. doi:10.1053/j.gastro.2013.01.068 
  4. a b GBD 2015 Disease and Injury Incidence and Prevalence, Collaborators. (8 de outubro de 2016). «Global, regional, and national incidence, prevalence, and years lived with disability for 310 diseases and injuries, 1990–2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015.». Lancet. 388 (10053): 1545–1602. PMC 5055577Acessível livremente. PMID 27733282. doi:10.1016/S0140-6736(16)31678-6 
  5. a b GBD 2015 Mortality and Causes of Death, Collaborators. (8 de outubro de 2016). «Global, regional, and national life expectancy, all-cause mortality, and cause-specific mortality for 249 causes of death, 1980–2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015.». Lancet. 388 (10053): 1459–1544. PMC 5388903Acessível livremente. PMID 27733281. doi:10.1016/s0140-6736(16)31012-1 
  6. GBD 2013 Mortality and Causes of Death, Collaborators (17 de dezembro de 2014). «Global, regional, and national age-sex specific all-cause and cause-specific mortality for 240 causes of death, 1990–2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013.». Lancet. 385: 117–71. PMC 4340604Acessível livremente. PMID 25530442. doi:10.1016/S0140-6736(14)61682-2 
  7. a b Muniraj, T; Aslanian, HR; Farrell, J; Jamidar, PA (dezembro de 2014). «Chronic pancreatitis, a comprehensive review and update. Part I: epidemiology, etiology, risk factors, genetics, pathophysiology, and clinical features.». Disease-a-month : DM. 60 (12): 530–50. PMID 25510320. doi:10.1016/j.disamonth.2014.11.002