Câncer esofágico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Câncer esofágico
Ilustração do cancro do esófago em estádio avançado com metástases no fígado
Classificação e recursos externos
CID-10 C15
CID-9 150
OMIM 133239
DiseasesDB 9150
MedlinePlus 000283
eMedicine article/277930 article/368206
MeSH D004938

O cancro do esófago (português europeu) ou câncer esofágico (português brasileiro) é o cancro que tem origem no esófago, o canal alimentar entre a garganta e o estômago.[1] Os sintomas muitas vezes incluem dificuldade em engolir e perda de peso. Entre outros sintomas estão dor ao engolir, alteração na voz, aumento dos gânglios linfáticos em volta da clavícula, tosse seca e possibilidade de tossir ou vomitar sangue.[2]

Os dois principais sub-tipos da doença são o carcinoma de células escamosas do esófago, que é mais comum em países em vias de desenvolvimento, e o adenocarcinoma do esófago, que é mais comum em países desenvolvidos.[1] Existem também outros tipos menos comuns.[1] Os carcinomas de células escamosas têm origem nas células epiteliais que revestem o esófago.[3] Os adenocarcinomas têm origem nas células glandulares presentes no terço inferior do esófago. Em muitos casos, estas células transformam-se em células intestinais, uma condição denominada síndrome de Barrett.[1][4] As causas mais comuns do tipo de células escamosas são o tabagismo, o consumo de bebidas alcoolicas e de bebidas muito quentes e uma dieta inadequada.[5] As causas mais comuns do tipo adenocarcinoma são o tabagismo, a obesidade e o refluxo gastroesofágico.[5]

A doença é diagnosticada por biópsia de uma amostra recolhida por endoscopia.[6] A prevenção inclui deixar de fumar e adotar uma dieta saudável.[1][2] A escolha do tratamento tem por base a localização e o estádio do cancro, assim como da condição geral da pessoa e preferências individuais. Os cancros de células escamosas pequenos e localizados podem ser tratados exclusivamente com cirurgia, sendo expectável a cura. Na maior parte dos outros casos, para além da cirurgia pode ser usada quimioterapia com ou sem radioterapia.[6] O crescimento dos tumores de maior dimensão pode ser atrasado com quimioterapia e radioterapia.[1] Na presença de metástases ou no caso do doente não se encontrar apto a submeter-se a uma cirurgia, recomenda-se muitas vezes a administração de cuidados paliativos.[6] O prognóstico é influenciado pela extensão da doença e por doenças que ocorrem em simultâneo, mas geralmente tende a ser pouco positivo, uma vez que o diagnóstico é muitas vezes feito em estádios já avançados.[1][7] As taxas de sobrevivência a cinco anos são de 13 a 18%.[2][8]

Em 2012, o cancro do esófago era o oitavo cancro mais comum em todo o mundo. No mesmo ano surgiram 456 000 novos casos[1] e a doença provocou a morte a 400 000 pessoas, um aumento em relação às 345 000 em 1990.[1][9] A prevalência varia significativamente entre países. Metade de todos os casos ocorre na China. É três vezes mais comum em homens do que em mulheres.[1]


Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

A disfagia (dificuldade para engolir) e odinofagia (dor ao engolir) são os sintomas mais comuns do câncer de esôfago, sendo que a disfagia é o primeiro sintoma em muitos pacientes. Alimentação com líquidos e alimentos leves geralmente é tolerada, enquanto alimentos sólidos (como pão ou carne) causam mais dificuldade. A má nutrição leva a perda de peso considerável. A dor pode ser severa e agravada pela deglutição e, ainda, espasmódica. Um dos primeiros sinais pode ser voz rouca.

A presença do tumor pode perturbar o peristaltismo (organizado reflexo da deglutição), levando a náuseas e vômitos, regurgitação de alimentos, tosse e aumento do risco de pneumonia aspirativa. A superfície do tumor pode ser frágil e sangrar, causando hematêmese (vômito com sangue). Compressão de estruturas locais ocorre no estágio avançado da doença, levando a problemas como a obstrução das vias aéreas superiores e a síndrome da veia cava superior. Fístulas podem se desenvolver entre o esôfago e a traquéia, aumentando a risco de pneumonia. Essa condição geralmente também está relacionada a tosse e febre.[7]

Se a doença se espalhar para outras partes do corpo, podem surgir sintomas relacionados com: metástase no fígado, que pode causar icterícia e ascite, e metástase no pulmão, que pode causar falta de ar, derrame pleural, etc.

Causas[editar | editar código-fonte]

Aumento de riscos[editar | editar código-fonte]

O esôfago de Barrett é considerado um fator de risco para o adenocarcinoma de esôfago. Alguns subtipos de câncer estão ligados a fatores de risco particular:

  • A maioria dos doentes têm mais de 60 anos e é mais comum em homens;
  • A probabilidade é maior em pessoas que têm parentes próximos com câncer;
  • Tabagismo e álcool aumentam o risco de desenvolvimento de câncer de esôfago e, juntos, parecem aumentar o risco mais do que individualmente;
  • Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) e o consequente esôfago de Barrett aumentam o risco de câncer devido à irritação crônica da mucosa (adenocarcinoma é mais comum nessa condição, enquanto todos os outros fatores de risco mais predispõem para o carcinoma de células escamosas).[10];
  • Presença do papilomavírus humano (HPV)[11];
  • Ferimento corrosivo no esôfago por ingestão de soda cáustica ou ácidos;
  • Histórico de outros cânceres de cabeça e pescoço aumenta a chance de desenvolver um segundo câncer nessa região, incluindo câncer de esôfago;
  • Síndrome de Tylosis e Howel-Evans (engrossamento hereditário da pele das palmas das mãos e plantas dos pés);
  • A obesidade aumenta o risco de adenocarcinoma quádrupla.[13] Suspeita-se que o maior risco de refluxo pode estar por trás dessa associação.[10][14]
  • Lesão térmica por ingerir bebidas muito quentes[15][16].
  • Consumo de álcool por indivíduos que apresentam vermelhidão facial ao ingerí-lo.[17]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Os cânceres de esôfago são carcinomas - como também são chamados os cânceres - que surgem a partir do epitélio, que é o revestimento da superfície do esôfago. A maioria dos cânceres de esôfago se enquadram em uma das duas classes: os carcinomas de células escamosas, que são semelhantes aos de cabeça e pescoço em sua aparência e sua associação com o consumo de tabaco e álcool, e os adenocarcinomas, que são frequentemente associados com histórico de doença do refluxo gastroesofágico e esôfago de Barrett.

O diagnóstico é feito com endoscopia, o que implica a passagem de um tubo flexível pelo esôfago e a visualização da parede do esôfago. São realizadas biópsias das lesões suspeitas e examinadas histologicamente para descobrir se os tumores são malignos.

Geralmente são realizados testes adicionais para estimar o estágio do tumor. A tomografia computadorizada do tórax, abdômen e pélvis, pode avaliar se o câncer se espalhou para tecidos adjacentes ou órgãos distantes (principalmente fígado e gânglios linfáticos). A sensibilidade da tomografia é limitada por sua capacidade de detectar massas geralmente maiores que 1 cm.

A maioria dos tumores do esôfago são malignos, apenas 0,5% são benignos. Uma pequena proporção menos de 10%) é o leiomioma (tumor do músculo liso) ou tumor estromal gastrointestinal (GIST). Os tumores malignos são geralmente adenocarcinomas, carcinomas espinocelular e, ocasionalmente, carcinomas de pequenas células.

Prevenção[editar | editar código-fonte]

  • Risco parece ser menor em pacientes em uso de aspirina ou drogas afins ( AINEs ).[19]
  • O papel do Helicobacter pylori na progressão para adenocarcinoma de esôfago ainda é incerta, mas, com base em dados da população, pode realizar um efeito protetor. [20][21] Acredita-se que H. pylori previne a gastrite crônica, que é um fator de risco para refluxo que, por sua vez, é um fator de risco para o adenocarcinoma de esôfago.[22]
  • Segundo o National Cancer Institute "dietas ricas em repolho, brócolis e couve-flor, e frutas e legumas verde e amarelo estão associadas a um risco menor de câncer de esôfago."[23]
  • Moderado consumo de café também está associado a um risco menor.[24]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Antes de dpois de uma esofagectomia total.
Linhas de cicatrização dos dois principais métodos cirúrgicos.

O tratamento é geralmente gerido por uma equipa multidisciplinar constituída pelas várias especialidades médicas envolvidas.[25][26] Os fatores que influenciam as decisões de tratamento incluem o estádio, o tipo celular do cancro, a condição geral da pessoa e a eventual presença de outras doenças.[27]

De forma geral, o tratamento com a intenção de curar a doença só se realiza quando o cancro é localizado e quando ainda não existem metástases distantes. Neste caso, é geralmente considerado o recurso a cirurgia. Quando a doença se espalhou, apresenta metástases ou é recorrente, é tratada com cuidados paliativos. Neste caso, pode ser usada quimioterapia para prolongar a esperança de vida, enquanto a radioterapia e a aplicação de um stent permitem aliviar os sintomas e facilitar a deglutição. O tratamento deve ainda assegurar a correta nutrição e tratamento dentário do doente.[27]

Cirurgia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Esofagectomia

Uma esofagectomia é um procedimento cirúrgico que consiste na remoção de um segmento ou da totalidade do esófago. Uma vez que isto diminui o comprimento do restante esófago, geralmente desloca-se também uma parte do trato digestivo em direção ao peito e sobrepõe-se. Esta parte é geralmente o estômago ou parte do intestino grosso ou do jejuno. A união do estômago ao esófago encurtado é denominada "anastomose esófago-gástrica".[28] No entanto, este procedimento é difícil e apresenta um risco relativamente elevado de mortalidade ou de dificuldades pós-operatórias.[25][28] A ressecção endoscópica da mucosa é uma técnica cirúrgica que consiste na remoção de pequenos tumores situados apenas na mucosa ou no revestimento do esófago.[29]

A esofagectomia pode ser considerada no tratamento de adenocarcinomas em estádios iniciais. No caso dos carcinomas de células escamosas em estádios iniciais, os benefícios da cirurgia são menos claros. Estão disponíveis várias opções cirúrgicas e a melhor escolha para determinadas situações é ainda objeto de discussão e investigação.[25][28][30] Quando o cancro apresenta metástases noutras partes do corpo, geralmente não é realizada esofagectomia.[28][31]

A qualidade de vida esperada após o tratamento é um fator de decisão relevante quando se considera a cirurgia.[32] A esofagectomia pode ser realizada através de vários métodos. A escolha da abordagem cirúrgica depende das características e localização do tumor e da preferência do cirurgião. Há ainda poucas evidências de ensaios clínicos sobre que abordagens produzem os melhores resultados em diferentes circunstâncias.[28] O prognóstico da cirurgia tem tendência a ser melhor em centros clínicos de grande dimensão em que os procedimentos são feitos de forma rotineira.[28]

Quimioterapia e radioterapia[editar | editar código-fonte]

A quimioterapia pode ser adjuvante (realizada após a cirurgia para diminuir o risco de recorrência), neoadjuvante (antes da cirurgia) ou quando não é possível realizar cirurgia. O fármaco depende do tipo de tumor. Geralmente tem por base a administração de cisplatina (ou carboplatina ou oxaliplatina) a cada três semanas com fluorouracila (5-FU), quer de forma contínua quer também a cada três semanas.[33]

A radioterapia pode ser realizada antes, durante ou depois da quimioterapia ou da cirurgia. Em alguns casos pode ser realizada isoladamente para controlar os sintomas. Em pessoas com a doença localizada, a radioterapia pode ser usada com o objetivo de cura.

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

Mortes por cancro do esófago por milhão de pessoas em 2012
  0-4
  5-6
  7-10
  11-15
  16-26
  27-36
  37-45
  46-59
  60-75
  76-142

O cancro do esófago é o oitavo cancro mais comum em todo o mundo.[1] Devido ao prognóstico geralmente negativo, é a sexta causa mais comum de mortes por cancro.[34] Em 2012 a doença foi responsável pela morte de 400 000 pessoas, o que corresponde a 5% de todas as mortes por cancro. No mesmo ano, foram diagnosticados 456 000 novos casos, o que representa 3% de todos os cancros.[1] O carcinoma de células escamosas corresponde a 60–70% dos casos, enquanto que o adenocarcinoma corresponde a 20–30%.[35] A incidência dos dois principais tipos varia significativamente entre as diferentes regiões geográficas.[36] Regra geral, o carcinoma de células escamosas é mais comum em países em vias de desenvolvimento, enquanto que os adenocarcinomas são mais comum em países desenvolvidos.[1]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m Montgomery, EA; et al. (2014). «Oesophageal Cancer». In: Stewart, BW; Wild, CP. World Cancer Report 2014 World Health Organization [S.l.] pp. 528–543. ISBN 9283204298. 
  2. a b c Ferri, FF, : (2012). «Esophageal Tumors». Ferri's clinical advisor 2013 (Philadelphia, PA: Mosby (Elsevier)). pp. 389–391. ISBN 9780323083737. 
  3. Kelsen, David (2007). Gastrointestinal oncology: principles and practices 2nd ed. (Philadelphia, Pa.: Lippincott Williams & Wilkins). p. 4. ISBN 9780781776172. 
  4. Whittemore, edited by David Schottenfeld, Joseph F. Fraumeni Jr.; associate editors, Graham A. Colditz, Jonathan M. Samet, Alice S. (2006). Cancer epidemiology and prevention 3rd ed. (Oxford: Oxford University Press). p. 697. ISBN 9780199747979. 
  5. a b Zhang, HZ; Jin, GF; Shen, HB (Jun 2012). «Epidemiologic differences in esophageal cancer between Asian and Western populations.». Chinese journal of cancer [S.l.: s.n.] 31 (6): 281–6. doi:10.5732/cjc.011.10390. PMC 3777490. PMID 22507220. 
  6. a b c Stahl, M; Mariette, C; Haustermans, K; Cervantes, A; Arnold, D; ESMO Guidelines Working, Group (Oct 2013). «Oesophageal cancer: ESMO Clinical Practice Guidelines for diagnosis, treatment and follow-up.». Annals of Oncology [S.l.: s.n.] 24 Suppl 6: vi51–6. doi:10.1093/annonc/mdt342. PMID 24078662. 
  7. a b Enzinger PC, Mayer RJ (2003). «Esophageal cancer» (PDF). N. Engl. J. Med. [S.l.: s.n.] 349 (23): 2241–52. doi:10.1056/NEJMra035010. PMID 14657432. 
  8. «SEER Stat Fact Sheets: Esophageal Cancer». National Cancer Institute. Consultado em 18 June 2014. 
  9. Lozano, R; Naghavi, M; Foreman, K; Lim, S; Shibuya, K; Aboyans, V; Abraham, J; Adair, T; et al. (Dec 15, 2012). «Global and regional mortality from 235 causes of death for 20 age groups in 1990 and 2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010». Lancet [S.l.: s.n.] 380 (9859): 2095–128. doi:10.1016/S0140-6736(12)61728-0. PMID 23245604. 
  10. a b Lagergren J, Bergström R, Lindgren A, Nyrén O (1999). «Symptomatic gastroesophageal reflux as a risk factor for esophageal adenocarcinoma». N. Engl. J. Med. [S.l.: s.n.] 340 (11): 825–31. doi:10.1056/NEJM199903183401101. PMID 10080844. 
  11. Syrjänen KJ (2002). «HPV infections and oesophageal cancer». J. Clin. Pathol. [S.l.: s.n.] 55 (10): 721–8. doi:10.1136/jcp.55.10.721. PMC 1769774. PMID 12354793. 
  12. Green PH, Fleischauer AT, Bhagat G, Goyal R, Jabri B, Neugut AI (2003). «Risk of malignancy in patients with celiac disease». Am. J. Med. [S.l.: s.n.] 115 (3): 191–5. doi:10.1016/S0002-9343(03)00302-4. PMID 12935825. 
  13. Merry AH, Schouten LJ, Goldbohm RA, van den Brandt PA (2007). «Body Mass Index, height and risk of adenocarcinoma of the oesophagus and gastric cardia: a prospective cohort study». Gut [S.l.: s.n.] 56 (11): 1503–11. doi:10.1136/gut.2006.116665. PMC 2095659. PMID 17337464. 
  14. Layke JC, Lopez PP (2006). «Esophageal cancer: a review and update». American Family Physician [S.l.: s.n.] 73 (12): 2187–94. PMID 16836035. 
  15. Islami F, Pourshams A, Nasrollahzadeh D; et al. (2009). «Tea drinking habits and oesophageal cancer in a high risk area in northern Iran: population based case-control study». BMJ [S.l.: s.n.] 338: b929. doi:10.1136/bmj.b929. PMID 19325180. 
  16. Whiteman DC (2009). «Hot tea and increased risk of oesophageal cancer.». BMJ [S.l.: s.n.] 338: b610. doi:10.1136/bmj.b610. PMID 19325178. 
  17. Brooks PJ, Enoch MA, Goldman D, Li TK, Yokoyama A (2009). «The alcohol flushing response: An unrecognized risk factor for esophageal cancer from alcohol consumption». PLOS Medicine [S.l.: s.n.] 6 (3): 191–5. doi:10.1371/journal.pmed.1000050. PMC 2659709. PMID 19320537. 
  18. Park W, Vaezi M (2005). «Etiology and pathogenesis of achalasia: the current understanding». Am J Gastroenterol [S.l.: s.n.] 100 (6): 1404–14. doi:10.1111/j.1572-0241.2005.41775.x. PMID 15929777. 
  19. Corley DA, Kerlikowske K, Verma R, Buffler P. Protective association of aspirin/NSAIDs and esophageal cancer: a systematic review and meta-analysis. Gastroenterology 2003;124:47–56. PMID 12512029. See also NCI - "Esophageal Cancer (PDQ): Prevention".
  20. Wong A, Fitzgerald RC (2005). «Epidemiologic risk factors for Barrett's esophagus and associated adenocarcinoma». Clin. Gastroenterol. Hepatol. [S.l.: s.n.] 3 (1): 1–10. doi:10.1016/S1542-3565(04)00602-0. PMID 15645398. 
  21. Ye W, Held M, Lagergren J; et al. (2004). «Helicobacter pylori infection and gastric atrophy: risk of adenocarcinoma and squamous-cell carcinoma of the esophagus and adenocarcinoma of the gastric cardia». J. Natl. Cancer Inst. [S.l.: s.n.] 96 (5): 388–96. doi:10.1093/jnci/djh057. PMID 14996860. 
  22. Nakajima S, Hattori T (2004). «Oesophageal adenocarcinoma or gastric cancer with or without eradication of Helicobacter pylori infection in chronic atrophic gastritis patients: a hypothetical opinion from a systematic review». Aliment. Pharmacol. Ther. [S.l.: s.n.] 20 Suppl 1: 54–61. doi:10.1111/j.1365-2036.2004.01975.x. PMID 15298606. 
  23. NCI (2002). «Prevention: Dietary Factors, based on Chainani-Wu N. Diet and oral, pharyngeal, and esophageal cancer». Nutr Cancer [S.l.: s.n.] 44 (2): 104–26. PMID 12734057.  Ligação externa em |title= (Ajuda)
  24. Tavani, A; Bertuzzi M, Talamini R, Gallus S, Parpinel M, Franceschi S, Levi F, La Vecchia C. (2003). «Coffee and tea intake and risk of oral, pharyngeal and esophageal cancer». Oral Oncol. [S.l.: s.n.] 39 (7): 695–700. doi:10.1016/S1368-8375(03)00081-2. PMID 12907209. 
  25. a b c Tobias, Jeffrey S.; Hochhauser, Daniel (2010). Cancer and its Management 6th ed. [S.l.: s.n.] p. 257. ISBN 1118713257. 
  26. Berry 2014, p. S292
  27. a b Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Pennathur-2013
  28. a b c d e f «Ch 79, "Treatment"». DeVita, Hellman, and Rosenberg's Cancer: Cancer: Principles & Practice of Oncology 9th ed. Lippincott Williams & Wilkins [S.l.] 2011. ISBN 9781451105452.  Online edition, with updates to 2014
  29. Wang KK, Prasad G, Tian J (September 2010). «Endoscopic mucosal resection and endoscopic submucosal dissection in esophageal and gastric cancers». Curr. Opin. Gastroenterol. [S.l.: s.n.] 26 (5): 453–8. doi:10.1097/MOG.0b013e32833e4712. PMC 3215503. PMID 20703112. 
  30. Berry, MF (May 2014). «Esophageal cancer: staging system and guidelines for staging and treatment.». Journal of thoracic disease [S.l.: s.n.] 6 (Suppl 3): S289–97. doi:10.3978/j.issn.2072-1439.2014.03.11. PMID 24876933. 
  31. Berry 2014, p. S293
  32. Parameswaran R, McNair A, Avery KN, Berrisford RG, Wajed SA, Sprangers MA, Blazeby JM (September 2008). «The role of health-related quality of life outcomes in clinical decision making in surgery for esophageal cancer: a systematic review». Annals of Surgical Oncology [S.l.: s.n.] 15 (9): 2372–9. doi:10.1245/s10434-008-0042-8. PMID 18626719. 
  33. Ross P, Nicolson M, Cunningham D, et al. (April 2002). «Prospective randomized trial comparing mitomycin, cisplatin, and protracted venous-infusion fluorouracil (PVI 5-FU) With epirubicin, cisplatin, and PVI 5-FU in advanced esophagogastric cancer». Journal of clinical oncology [S.l.: s.n.] 20 (8): 1996–2004. doi:10.1200/JCO.2002.08.105. PMID 11956258. 
  34. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Zhang2013
  35. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Conteduca-2012
  36. Napier KJ, Scheerer M, Misra S (May 2014). «Esophageal cancer: A Review of epidemiology, pathogenesis, staging workup and treatment modalities». World Journal of Gastrointestinal Oncology [S.l.: s.n.] 6 (5): 112–20. doi:10.4251/wjgo.v6.i5.112. PMC 4021327. PMID 24834141. 
  • Gallus S, Bosetti C, Negri E, Talamini R, Montella M, Conti E, Franceschi S, La Vecchia C. Does pizza protect against cancer? Int J Cancer 2003;107:283–4. PMID 12949808. Cited and qtd. by WebMD and BBC News.