Síndrome da veia cava superior

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Síndrome da veia cava superior
Diagrama do coração humano
Classificação e recursos externos
CID-10 I87.1
CID-9 459.2
DiseasesDB 12711
MedlinePlus 001097
eMedicine emerg/561
MeSH D013479

A Síndrome da Veia Cava Superior (SVCS) é caracterizada pela obstrução do fluxo sanguíneo da veia cava superior em direção ao átrio direito. Antigamente era mais comum por doenças infecciosas,

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

A obstrução do fluxo da veia cava pode provocar[1]:

  • Edema no rosto (pletora facial) matutino,
  • Edema de pescoço e braços,
  • Dificuldade para respirar,
  • Ingurgitamento de vasos cervicais,
  • Dor torácica,
  • Circulação sanguínea colateral visível na parte superior do tórax,
  • Tosse,
  • Desmaio,
  • Disfonia,
  • Dor de cabeça,
  • Tontura e cansaço,
  • Disfagia.

Causas[editar | editar código-fonte]

Raio X de um câncer de pulmao causando compressao da veia cava superior.

Atualmente, a principal causa de Síndrome da Veia Cava Superior é o câncer de pulmão broncogênico em 70% das vezes.[2] Antigamente era mais comum ser causado por doenças infecciosas como sífilis e tuberculose. Outras possíveis causas incluem[3]:

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Principalmente clínico, a causa da obstrução deve ser investigada com punção aspirativa para biópsia linfonodal e mediastinal ou exames de imagem como raio X de tórax com contraste ou tomografia computadorizada. [4]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O tratamento da síndrome inclui é feito com elevação da cabeceira do leito, máscara de oxigênio, diuréticos para reduzir a pressão arterial e corticosteroides para reduzir o inchaço. Quando o tumor que obstruí a veia cava não pode ser removido ou quando os sintomas são muito severos e persistentes pode ser feito um enxerto ou uma angioplastia percutânea com inserção de stent metálico expansível ou de balões infláveis capazes de expandir o interior da veia cava, mantendo assim um bom fluxo e sua permeabilidade.[1]

Referências

  1. a b SAMUEL ZUÍNGLIO DE BIASI CORDEIRO, PAULO DE BIASI CORDEIRO. Síndrome de veia cava superior. http://www.scielo.br/pdf/jpneu/v28n5/a09v28n5.pdf
  2. Cecil, Tratado de Medicina Interna 22ªedição; Doenças do diafragma, pleura e mediastino.
  3. ARRIBALZAGA F, Eduardo; AGUIRRE V, Marcos y CORCHUELO P, Cristian. CONDUCTA EN EL SÍNDROME DE VENA CAVA SUPERIOR (SVCS). Rev Chil Cir [online]. 2014, vol.66, n.1 [citado 2016-09-22], pp.71-77. Disponible en: <http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0718-40262014000100012&lng=es&nrm=iso>. ISSN 0718-4026. http://dx.doi.org/10.4067/S0718-40262014000100012.
  4. Parker, Robert; Catherine Thomas; Lesley Bennett (2007). Emergencies in Respiratory Medicine. Oxford. pp. 96–7. ISBN 978-0-19-920244-7.