Stent

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde maio de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Um estente e seu cateter.

Na medicina, um stent ou estente [1] é uma endoprótese expansível, caracterizada como um tubo (geralmente de metal, principalmente nitinol, aço e ligas de cromo e cobalto) perfurado (em forma de malha) que é inserido em um conduto do corpo para prevenir ou impedir a constrição do fluxo no local causada por entupimento das artérias, ou para reconstruir uma artéria acometida por aneurisma.

Aplicações[editar | editar código-fonte]

A principal proposta do stent é anular as diminuições significativas no diâmetro de vasos ou ductos, as quais ocorrem por depósito no seu interior de substâncias como o colesterol e o cálcio. Os stents são frequentemente utilizados para repor o fluxo (vide classificação TIMI) sanguíneo nos órgãos, fluxo esse que se encontra diminuído devido a uma obstrução, de modo a que as artérias mantenham um aporte adequado de oxigênio e outros nutrientes. Embora o uso mais comum dos stents ocorra nas artérias carótidas, coronárias e ilíacas, eles são amplamente utilizados em estruturas tubulares, como as artérias e veias centrais, ductos biliares, esôfago, cólon, traqueia, ureteres, uretra, coração e cérebro. Embora os stents sejam muito utilizados em cardiologia, eles foram inventados por um urologista.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «estente - Significado no dicionário». nossalinguaportuguesa.com.br. Consultado em 4 de dezembro de 2016.