Doença cardiovascular

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Doença cardiovascular
Micrografia de um coração com fibrose (amarelo) e amiloidose (castanho). Coloração de Movat.
Classificação e recursos externos
CID-10 I51.6
CID-9 429.2
DiseasesDB 28808
MeSH D002318
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Doenças cardiovasculares são uma classe de doenças que afetam o coração ou os vasos sanguíneos.[1] Entre estas doenças estão as doenças arteriais coronárias, como a angina de peito e o enfarte agudo do miocárdio,[1] acidentes vasculares cerebrais (AVC), cardiopatia hipertensiva, febre reumática, miocardiopatia, arritmia cardíaca, cardiopatia congénita, valvulopatias, cardite, aneurisma da aorta, doença arterial periférica e trombose venosa.[1][2]

Os mecanismos subjacentes variam de acordo com a doença em questão. A doença arterial coronária, os acidentes vasculares cerebrais e a doença arterial periférica envolvem aterosclerose, que pode ser causada por hipertensão arterial, tabagismo, diabetes, falta de exercício físico, obesidade, colesterol elevado, dieta inadequada e consumo excessivo de bebidas alcoólicas. A hipertensão arterial é a causa de 13% das mortes por doenças cardiovasculares, o tabaco de 9%, a diabetes de 6%, a falta de exercício de 6% e a obesidade de 5%. A febre reumática cardíaca pode ter origem numa faringite estreptocócica que não tenha sido tratada.[1]

Estima-se que 90% dos casos de doenças cardiovasculares possam ser evitados com medidas de prevenção.[3] A prevenção da aterosclerose pode ser feita diminuindo os fatores de risco, através de medidas como seguir uma alimentação saudável, praticar exercício físico, evitar a exposição ao fumo de tabaco e limitando o consumo de álcool.[1] O tratamento da hipertensão arterial e da diabetes também é benéfico.[1] O tratamento das pessoas com faringite estreptocócica com antibióticos pode diminuir o risco de febre reumática.[4] Ainda não é claro o benefício do uso de aspirina em pessoas de outra forma saudáveis.[5][6] O United States Preventive Services Task Force recomenda que a aspirina não seja usada como medida de prevenção em mulheres com menos de 55 e homens com menos de 45 anos de idade, embora seja recomendada em alguns indivíduos mais idosos.[7] O tratamento de pessoas com doenças cardiovasculares melhora o prognóstico.[1]

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte em todo o mundo, exceto em África.[1] Em conjunto, foram responsáveis pela morte de 17,3 milhões de pessoas em 2013 (31,5%), um aumento em relação às 12,3 milhões em 1990 (25,8%).[2] Quando padronizadas para a idade, as mortes por doenças cardiovasculares são mais comuns e têm vindo a aumentar em grande parte dos países em vias de desenvolvimento, enquanto nos países desenvolvidos têm vindo a diminuir desde a década de 1970.[8][9] A doença arterial coronária e o AVC são responsáveis por 80% das mortes por doenças cardiovasculares em homens e 75% em mulheres.[1] As doenças cardiovasculares são progressivamente mais comuns com o avanço da idade. Nos Estados Unidos, apenas 11% das pessoas entre os 20 e 40 anos têm doenças cardiovasculares, 37% entre os 40 e 60 anos de idade, 71% entre os 60 e 80 anos de idade e 85% em pessoas com mais de 80 anos.[10] A idade média de morte por doença arterial coronária em países desenvolvidos é de 80 anos, enquanto que nos países em desenvolvimento é de 68 anos.[8] A doença manifesta-se em média sete a dez anos mais cedo em homens do que em mulheres.[11]

Referências

  1. a b c d e f g h i Shanthi Mendis; Pekka Puska; Bo Norrving; World Health Organization (2011). Global Atlas on Cardiovascular Disease Prevention and Control (PDF). World Health Organization in collaboration with the World Heart Federation and the World Stroke Organization. pp. 3–18. ISBN 978-92-4-156437-3 
  2. a b GBD 2013 Mortality and Causes of Death, Collaborators (17 December 2014). «Global, regional, and national age-sex specific all-cause and cause-specific mortality for 240 causes of death, 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013.». Lancet. 385 (9963): 117–71. doi:10.1016/S0140-6736(14)61682-2. PMC 4340604Acessível livremente. PMID 25530442  Verifique data em: |date= (ajuda)
  3. McGill HC, McMahan CA, Gidding SS (March 2008). «Preventing heart disease in the 21st century: implications of the Pathobiological Determinants of Atherosclerosis in Youth (PDAY) study». Circulation. 117 (9): 1216–27. doi:10.1161/CIRCULATIONAHA.107.717033. PMID 18316498  Verifique data em: |date= (ajuda)
  4. Spinks, A; Glasziou, PP; Del Mar, CB (5 November 2013). «Antibiotics for sore throat.». The Cochrane database of systematic reviews. 11: CD000023. doi:10.1002/14651858.CD000023.pub4. PMID 24190439  Verifique data em: |date= (ajuda)
  5. Sutcliffe, P; Connock, M; Gurung, T; Freeman, K; Johnson, S; Ngianga-Bakwin, K; Grove, A; Gurung, B; Morrow, S; Stranges, S; Clarke, A (2013). «Aspirin in primary prevention of cardiovascular disease and cancer: a systematic review of the balance of evidence from reviews of randomized trials.». PLOS ONE. 8 (12): e81970. doi:10.1371/journal.pone.0081970. PMID 24339983 
  6. Sutcliffe, P; Connock, M; Gurung, T; Freeman, K; Johnson, S; Kandala, NB; Grove, A; Gurung, B; Morrow, S; Clarke, A (September 2013). «Aspirin for prophylactic use in the primary prevention of cardiovascular disease and cancer: a systematic review and overview of reviews.». Health technology assessment (Winchester, England). 17 (43): 1–253. doi:10.3310/hta17430. PMID 24074752  Verifique data em: |date= (ajuda)
  7. US Preventive Services Task, Force (17 March 2009). «Aspirin for the prevention of cardiovascular disease: U.S. Preventive Services Task Force recommendation statement.». Annals of Internal Medicine. 150 (6): 396–404. doi:10.7326/0003-4819-150-6-200903170-00008. PMID 19293072  Verifique data em: |date= (ajuda)
  8. a b Fuster, Board on Global Health; Valentin; Academies, Bridget B. Kelly (2010). Institute of Medicine of the National, eds. Promoting cardiovascular health in the developing world : a critical challenge to achieve global health. Washington, D.C.: National Academies Press. pp. Chapter 2. ISBN 978-0-309-14774-3 
  9. Moran, AE; Forouzanfar, MH; Roth, GA; Mensah, GA; Ezzati, M; Murray, CJ; Naghavi, M (8 April 2014). «Temporal trends in ischemic heart disease mortality in 21 world regions, 1980 to 2010: the Global Burden of Disease 2010 study.». Circulation. 129 (14): 1483–92. doi:10.1161/circulationaha.113.004042. PMID 24573352  Verifique data em: |date= (ajuda)
  10. Go, AS; Mozaffarian, D; Roger, VL; Benjamin, EJ; Berry, JD; Borden, WB; Bravata, DM; Dai, S; Ford, ES; Fox, CS; Franco, S; Fullerton, HJ; Gillespie, C; Hailpern, SM; Heit, JA; Howard, VJ; Huffman, MD; Kissela, BM; Kittner, SJ; Lackland, DT; Lichtman, JH; Lisabeth, LD; Magid, D; Marcus, GM; Marelli, A; Matchar, DB; McGuire, DK; Mohler, ER; Moy, CS; Mussolino, ME; Nichol, G; Paynter, NP; Schreiner, PJ; Sorlie, PD; Stein, J; Turan, TN; Virani, SS; Wong, ND; Woo, D; Turner, MB; American Heart Association Statistics Committee and Stroke Statistics, Subcommittee (1 January 2013). «Heart disease and stroke statistics--2013 update: a report from the American Heart Association.». Circulation. 127 (1): e6-e245. doi:10.1161/cir.0b013e31828124ad. PMID 23239837  Verifique data em: |date= (ajuda)
  11. Mendis, Shanthi; Puska,, Pekka; Norrving, Bo (2011). Global atlas on cardiovascular disease prevention and control 1 ed. Geneva: World Health Organization in collaboration with the World Heart Federation and the World Stroke Organization. p. 48. ISBN 9789241564373 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]