Válvula mitral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Estenose mitral)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Diagrama do coração humano

Válvula mitral, valva mitral, válvula bicúspide ou valva atrioventricular esquerda[1] é a valva cardíaca que separa o átrio esquerdo (aurícula esquerda) do ventrículo esquerdo, impedindo que o sangue recue para a aurícula após ser bombeado desta para o ventrículo.

Anatomia[editar | editar código-fonte]

É composta de um anel de sustentação, que fixa dois componentes ou cúspides. Estes são ancorados à parede do ventrículo através de dois conjuntos de pequenos tendões (cordas tendíneas), um por cúspide, ligados a um músculo papilar.

Ciclo cardíaco[editar | editar código-fonte]

Esta válva, juntamente com a tricúspide, do lado direito do coração, fecha-se quando ocorre a sístole ventricular, fazendo com que o sangue continue o seu percurso unidirecional seguindo pela artéria aorta e não recuando à aurícula. Esta válvula abre-se novamente quando ocorre sístole atrial, de modo a que o sangue passe para o ventrículo. A bicúspide possui também a designação "mitral".

Ela se encontra aberta na diástole cardíaca, permitindo a passagem do sangue do átrio para o ventrículo. Quando ocorre a contração do ventrículo, na sístole cardíaca, esta válvula se fecha, impedindo o refluxo do sangue.

Significado clínico[editar | editar código-fonte]

Doenças[editar | editar código-fonte]

Existem algumas valvopatias que afetam a valva mitral. A estenose mitral é um estreitamento da válvula.[2]

O prolapso da válvula mitral é causado por um excesso de tecido conjuntivo que engrossa a camada esponjosa da cúspide e separa os feixes de colágeno na fibrose. Isso enfraquece as cúspides e o tecido adjacente, resultando em aumento da área da cúspide e alongamento das cordas tendinosas. O alongamento das cordas tendinosas muitas vezes causa ruptura, geralmente às cordas conectadas à cúspide posterior. Lesões avançadas — também comumente envolvendo o folheto posterior — levam ao dobramento, à inversão e ao deslocamento do folheto em direção ao átrio esquerdo.[3]

Um prolapso de válvula pode resultar em insuficiência mitral, que é uma regurgitação ou refluxo de sangue devido ao fechamento incompleto da válvula.

A doença cardíaca reumática frequentemente afeta a valva mitral. A valva também pode ser afetada por endocardite infecciosa.

A cirurgia pode ser realizada para substituir ou reparar uma válvula danificada.[2] Um método menos invasivo é o da valvoplastia mitral, que utiliza um cateter balão para abrir uma válvula estenótica.

Raramente pode haver uma forma grave conhecida como calcificação caseosa da válvula mitral que pode ser confundida com massa intracardíaca ou trombo.[4]

Referências

  1. Sobre a terminologia a adoptar, "valva" ou "válvula". Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2002
  2. a b «Doenças da válvula mitral». mymedfarma.com 
  3. Playford, David; Weyman, Arthur (2001). «Mitral valve prolapse: time for a fresh look». Reviews in Cardiovascular Medicine. 2 (2): 73–81. PMID 12439384. Consultado em 2 de março de 2019. Arquivado do original em 3 de setembro de 2014 
  4. Kosior, Dariusz A. (2014). «Mitral annulus caseous calcification mimicking cardiac mass in asymptomatic patient – multimodality imaging approach to incidental echocardiographic finding». Polish Journal of Radiology. 79: 88–90. PMC 4005861Acessível livremente. doi:10.12659/PJR.889830 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Anatomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.