Lamiya Aji Bashar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lamiya Aji Bashar
Nascimento 1998 (21 anos)
Cidadania Iraque
Ocupação ativista de direitos humanos
Prêmios Prêmio Sakharov
Religião yazidismo

Lamiya Aji Bashar (em árabe: لمياء حجي بشار; c. 1998) é uma ativista de direitos humanos yazidi. Ela foi premiada com o Prémio Sakharov, em conjunto com Nadia Murad, em 2016.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aji Bashar é de Kocho, perto de Sinjar, Iraque. Em agosto de 2014, junto com Nadia Murad, ela foi raptada pelo grupo terrorista Estado Islâmico do Iraque e do Levante da aldeia e forçadas à escravidão sexual.[2][3] Ela também foi forçada a fazer coletes de suicídio.[2]

Ajudada por sua família, que pagou contrabandistas locais, ela fugiu em abril de 2016 e foi ferida por uma mina terrestre no processo. Ela recebeu tratamento médico na Alemanha.[3] Em outubro de 2016, ela e Murad foram, conjuntamente, premiadas com o Prémio Sakharov; a cerimônia de premiação ocorrerá em dezembro de 2016.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Sakharov prize: Yazidi women win EU freedom prize». BBC News. 27 de outubro de 2016. Consultado em 27 de outubro de 2016 
  2. a b Kamali Dehghan, Saeed; Graham-Harrison, Emma (27 de outubro de 2016). «Yazidi women who escaped from Isis win EU human rights prize». The Guardian. Consultado em 27 de outubro de 2016 
  3. a b c «Nadia Murad and Lamiya Aji Bashar winners of 2016 Sakharov Prize». Parlamento Europeu. 27 de outubro de 2016. Consultado em 27 de outubro de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.