Marielle Franco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Marielle Franco
Marielle em setembro de 2016.
Vereadora do Rio de Janeiro
Período 1º de janeiro de 2017
até 14 de março de 2018
Dados pessoais
Nome completo Marielle Francisco da Silva
Nascimento 27 de julho de 1979
Rio de Janeiro, RJ
Morte 14 de março de 2018 (38 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileira
Alma mater Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro[1]
Universidade Federal Fluminense[1]
Partido PSOL[1]
Profissão socióloga
Website mariellefranco.com.br

Marielle Francisco da Silva, conhecida como Marielle Franco[2] (Rio de Janeiro, 27 de julho de 1979Rio de Janeiro, 14 de março de 2018), foi uma socióloga e política brasileira.[3]

Filiada ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), elegeu-se vereadora do Rio de Janeiro para a Legislatura 2017-2020, durante a eleição municipal de 2016, com a quinta maior votação.[4]

Marielle defendia o feminismo, os direitos humanos, e criticava a intervenção federal no Rio de Janeiro e a Polícia Militar, tendo denunciado vários casos de abuso de autoridade por parte de policiais contra moradores de comunidades carentes.

Em 14 de março de 2018, foi assassinada a tiros junto de seu motorista, Anderson Pedro Mathias Gomes, no Estácio, Região Central do Rio de Janeiro.[5][6]

Juventude[editar | editar código-fonte]

Marielle Franco era filha de Marinete Francisco e Antonio da Silva Neto. Com criação católica,[7] nasceu e cresceu em uma favela do Complexo da Maré, no subúrbio carioca, e se apresentava com orgulho como "cria da Maré".[7][8] Em 1990, aos 11 anos de idade, começou a trabalhar junto dos pais como camelô, juntando dinheiro para ajudar a pagar seus estudos.[7] Aos dezoito anos deixou a função de vendedora ambulante e começou exercer a função de educadora infantil em uma creche, onde ficou por dois anos.[9] Na adolescência, dos 14 aos 17, foi dançarina da equipe de funk Furacão 2000.[7]

Em 1998, deu à luz a sua primeira e única filha, Luyara, fruto de um relacionamento temporário.[7][8] Naquele mesmo ano, matriculou-se na primeira turma de pré-vestibular comunitário oferecido aos jovens das favelas do Complexo da Maré.[10] Em 2000, começou a militar pelos direitos humanos, depois de uma de suas amigas ser atingida fatalmente por uma troca de tiros entre policiais e traficantes na Maré.[7][8]

Educação[editar | editar código-fonte]

Em 2002, ingressou na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, graduando-se em ciências sociais com uma bolsa de estudos integral obtida pelo Programa Universidade para Todos (Prouni).[8] Após se graduar em Ciências Sociais, concluiu um mestrado em administração pública pela Universidade Federal Fluminense (UFF), onde defendeu a dissertação intitulada "UPP - A redução da favela a três letras: uma análise da política de segurança pública do Estado do Rio de Janeiro".[11][12][13][14]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Assessora parlamentar[editar | editar código-fonte]

Franco em agosto de 2016.

Na eleição estadual carioca de 2006, Franco integrou a equipe de campanha que elegeu Marcelo Freixo à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ).[12] Com a posse de Freixo, foi nomeada assessora parlamentar do deputado, trabalhando com ele por dez anos.[12]

Franco assumiu a coordenação da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da ALERJ, onde prestou auxílio jurídico e psicológico a familiares de vítimas de homicídios ou policiais vitimados.[15]

Um dos casos que ela ajudou a solucionar foi o de um policial civil assassinado por um colega. De acordo com um ex-comandante da Polícia Militar que trocava informações com Franco sobre policiais mortos, "É uma bobagem dizer que não defendia policiais".[16]

Vereadora[editar | editar código-fonte]

Em 2016, na sua primeira disputa eleitoral, foi eleita vereadora na capital fluminense pela coligação Mudar é possível, formada pelo PSOL e pelo PCB. Com mais de 46 mil votos, foi a quinta candidata mais votada no município e a segunda mulher mais votada ao cargo de vereadora em todo o país, atrás apenas de Rosa Fernandes.[1][17]

Franco em um debate em setembro de 2016.

Na Câmara Municipal, presidiu a Comissão de Defesa da Mulher e integrou uma comissão composta por quatro pessoas, cujo objetivo era monitorar a intervenção federal no Rio de Janeiro, sendo escolhida como sua relatora em 28 de fevereiro de 2018.[18][19] Era crítica da intervenção federal, assim como criticava e denunciava constantemente abusos policiais e violações aos direitos humanos.[20][21][22]

Como vereadora, Franco também trabalhou na coleta de dados sobre a violência contra as mulheres, pela garantia do aborto nos casos previstos por lei e pelo aumento na participação feminina na política. Em pouco mais de um ano, redigiu e firmou dezesseis projetos de lei, dois dos quais foram aprovados: um que regulou o serviço de mototáxi e a Lei das Casas de Parto, visando a construção desses espaços cujo objetivo era fornecer a realização de partos normais.[23][24]

Suas proposições legislativas buscavam garantir apoio aos direitos das mulheres, à população LGBT, aos negros e moradores de favelas.[18][24][25][26] Em agosto de 2017, os vereadores cariocas rejeitaram, por 19 a 17, sua proposta para incluir o Dia da Visibilidade Lésbica no calendário municipal.[27]

Assassinato[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Assassinato de Marielle Franco
Velório de Marielle Franco na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, em 15 de março de 2018.

Marielle chegou à Casa das Pretas, na rua dos Inválidos, na Lapa, para mediar um debate promovido pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) com jovens negras, por volta das dezenove horas. Segundo imagens obtidas pela polícia, um Cobalt com placa de Nova Iguaçu, município da Baixada Fluminense, estava parado próximo ao local.[28]

Por volta das vinte e uma horas, Marielle deixou a Casa das Pretas com uma assessora e um motorista, sendo logo seguida por um carro do mesmo modelo que estava parado próximo ao local. Por volta das vinte e uma horas e trinta minutos, na Rua Joaquim Paralhes, no Estácio, região central da cidade, um veículo emparelha com o carro de Marielle e faz treze disparos. Nove acertam a lataria e quatro acertam o vidro.[28]

A vereadora foi atingida por três tiros na cabeça e um no pescoço[28] e o motorista Anderson Pedro Mathias Gomes levou ao menos três tiros nas costas, o que causou a morte de ambos. A assessora foi atingida por estilhaços, levada a um hospital e liberada. A polícia declarou acreditar que o carro dela foi perseguido por cerca de quatro quilômetros. Os executores fugiram do local sem levar quaisquer bens.[29][30][31]

Após ser velado na Câmara Municipal carioca, com a presença de milhares de pessoas, o corpo de Franco foi enterrado em 15 de março, no Cemitério São Francisco Xavier, no Rio de Janeiro.[32][33]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Passeata realizada em Vitória, Espírito Santo por conta dos assassinatos em 15 de março de 2018
Projeção de foto de Marielle no Congresso Nacional do Brasil no Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, 24 de julho de 2020
Protesto "Quem mandou matar Marielle?" na Avenida Paulista, em São Paulo, 14 de março de 2019

O assassinato dela motivou reações nacionais e internacionais, como a organização de diversos protestos em todo o território brasileiro[28][34][35][36] e oposição de parte dos eurodeputados à negociação econômica entre União Europeia e Mercosul.[37]

O então presidente Michel Temer afirmou que o crime era "inaceitável" e que "não ficaria impune", enquanto a Câmara dos Deputados realizou sessão solene em sua homenagem, bem como todos os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) proferiram discursos de pesar.[38][39][40]

De outro lado, figuras públicas ligadas à direita e a extrema-direita brasileira, como os jornalistas Reinaldo Azevedo[41] e Augusto Nunes,[42] acusaram a esquerda de explorar politicamente o assassinato de Marielle.[43] Em Salvador, durante o Fórum Social Mundial, Dilma Roussef chegou a afirmar que o assassinato "fez parte de um dos atos deste golpe que desencadearam no Brasil".[44]

Em acréscimo, pessoas e grupos representativos da direita, como o Movimento Brasil Livre e o deputado Alberto Fraga (DEM), publicaram mensagens caluniosas nas redes sociais que afirmavam que Marielle, teria uma suposta ligação com traficantes.[45][46][47][48] Nas semanas seguintes, o poder judiciário, por meio de sentenças proferidas por magistrados distintos, sob pena de ter de pagar indenizações, determinou a remoção de publicações do MBL contendo conteúdo calunioso ou falso sobre Franco no Facebook e no YouTube.[49][50][45]

Investigação[editar | editar código-fonte]

A principal linha de investigação das autoridades competentes é que seu assassinato se tratou de uma execução, embora não descartem outros potenciais motivos.[51] No entanto, segundo investigações a respeito da direção dos tiros e sobre o fato de haver um outro carro dando possível cobertura aos atiradores, a hipótese de um crime premeditado se fortalece.[52][53] De acordo com a Human Rights Watch, o assassinato dela relacionou-se à "impunidade existente no Rio de Janeiro" e ao "sistema de segurança falido" do estado.[54]

Em agosto de 2018 a polícia passou a investigar o possível envolvimento da milícia chamada Escritório do Crime no caso.[55][56][57] Em 12 de março de 2019, a Polícia Civil prendeu um ex-policial militar e um policial militar reformado acusados de terem assassinado a vereadora e seu motorista. De acordo com a Polícia, o policial reformado Ronnie Lessa atirou contra a vereadora e o ex-militar Élcio Vieira de Queiroz dirigia o carro que perseguia Marielle.[58]

Em 28 de julho de 2021, o miliciano Almir Rogério Gomes da Silva foi preso, acusado de ser o mandante do assassinato de Marielle, de acordo com o depoimento de Júlia Lotufo, a viúva de Adriano da Nóbrega.[59][60][61]

Legado[editar | editar código-fonte]

Escadão Marielle Franco em Pinheiros, São Paulo

Em março de 2018, recebeu postumamente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ) a Medalha Tiradentes por seu trabalho em "ações de justiça social, promoção da cidadania, valorização da mulher e da comunidade negra, combate à pobreza e à violência nas favelas, promoção da saúde da mulher e da população LGBT e fim dos crimes por motivações raciais e sexuais."[62] Em julho de 2018, a ALERJ também aprovou a Lei 8054/2018 que consolidou 14 de março ao Calendário Oficial do Estado do Rio de Janeiro como o "Dia Marielle Franco – Dia de Luta contra o genocídio da Mulher Negra".[63]

Em novembro de 2018, a Anistia Internacional incluiu o nome de Franco em sua campanha para aqueles que escreveram pelos direitos humanos e perderam suas vidas,[64] enquanto que em dezembro do mesmo ano um tributo online listou Franco entre mais de 400 principais defensores dos direitos das mulheres pela Associação para os Direitos da Mulher no Desenvolvimento.[65]

Uma oficina de arte digital foi realizada em Nairóbi, Quênia, intitulada "Retratos de Marielle: Criando Pontes entre o Quênia e o Brasil" com a participação de jovens artistas quenianos, sendo que as obras foram exibidas no Museu da Maré no Rio de Janeiro em 10 de novembro de 2018.[66]

Em março de 2019, Marielle foi postumamente agraciada pelo Congresso Nacional do Brasil com o Diploma Bertha Lutz, concedidos a mulheres que tenham oferecido relevante contribuição na defesa dos direitos da mulher e questões do gênero no Brasil.[67] No mesmo mês, o auditório II do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) recebeu o nome de Marielle Franco.[68]

Marielle também foi homenageada pela escolas de samba Vai-Vai e Estação Primeira de Mangueira durante os desfiles do Carnaval de São Paulo e do Carnaval do Rio de Janeiro de 2019, respectivamente.[69][70] Em setembro de 2019, a cidade de Paris, na França, inaugurou um jardim suspenso de 2,6 mil m² e mais de 70 árvores em homenagem a Marielle Franco no 10° distrito da cidade.[71]

Uma série de documentos intitulada Marielle - O Documentário foi lançada pela Globoplay em 13 de março de 2020.[72] A versão 19 do antiX, uma distribuição Linux baseada no Debian Stable, leva o nome de Marielle Franco.[73] A editora Contracorrente também passou a promover, em 2020, o Prêmio Marielle Franco de Ensaios Feministas, cujo objetivo é reverenciar a memória e a luta da ex-vereadora por meio do incentivo ao pensamento feminista.[74]

Instituto Marielle Franco[editar | editar código-fonte]

O Instituto Marielle Franco foi criado por sua família, com o intuito de buscar justiça sobre o caso, além de defender a memória da vereadora e articular a formação política para mulheres, população negra e favelada.[75] Anielle Franco, irmã de Marielle, é diretora do Instituto.

Ações:

  • Março por Marielle — Durante o mês de março de 2020, o Instituto Marielle Franco organizou diversas atividades para lembrar os dois anos do Assassinato de Marielle Franco e incentivou a manifestação de ações espontâneas e coletivas. Ao todo foram 270 atividades cadastradas. Uma delas foi em parceria com a Anistia Internacional.[76] Por meio de um financiamento coletivo, foi possível o funcionamento da Casa Marielle, um espaço de formação política e atividades culturais.[77][78] O espaço foi localizado no Largo de São Francisco da Prainha, região portuária do Rio de Janeiro. Com a pandemia do Coronavírus as atividades foram finalizadas em 12 de março.
  • Mapa Corona nas Periferias — Uma iniciativa conjunta com o portal Favela em Pauta e do Twitter Brasil, atuaram na criação de um mapa para dar visibilidade às iniciativas de combate contra o coronavírus da COVID-19 nas favelas e periferias do Brasil.[79]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Franco se identificava como bissexual.[80][81] Em 2017, mudou-se para o bairro carioca da Tijuca com sua companheira, Mônica Tereza Benício, e sua filha Luyara Santos, então com 18 anos de idade.[82][83] Marielle e Mônica se conheceram em uma viagem com amigas quando tinham 18 e 24 anos, respectivamente. Já namoravam há 13 anos, embora a relação muitas vezes fosse interrompida devido à não aceitação de familiares e amigos. Nessa época, Mônica se relacionava com outras mulheres e homens e Marielle com outros homens.[81] As duas planejavam se casar em setembro de 2018.[84]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Venturini, Lilian (15 de março de 2018). «O assassinato de Marielle Franco num Rio sob intervenção em 4 pontos centrais». Nexo Jornal. Consultado em 15 de março de 2018. Cópia arquivada em 15 de março de 2018 
  2. «Saiba quem era Marielle Franco, vereadora assassinada a tiros no Rio». Estado de Minas. Diários associados. 16 de março de 2018. Consultado em 16 de março de 2018 
  3. «Nascida na Maré e formada na PUC-Rio, Marielle Franco é a 5ª vereadora mais bem votada». Jornal da PUC. Consultado em 15 de março de 2017 
  4. «Perfil da vereadora Marielle Franco». Câmara do Rio. Consultado em 15 de março de 2017 
  5. «Marielle Franco, vereadora do PSOL, é assassinada no Rio». Uol - Notícias - Cotidiano 
  6. Marreiro, Flávia (15 de março de 2018). «Marielle Franco, vereadora do PSOL, é assassinada no centro do Rio na saída de evento que reunia ativistas negras». EL PAÍS 
  7. a b c d e f Marco Aurélio Canônico (15 de março de 2018). «Da Maré, vereadora fazia parte do 'bonde de intelectuais da favela'». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de março de 2018 
  8. a b c d Júlia Dias Carneiro (16 de março de 2018). «Mulher, negra, favelada, Marielle Franco foi de 'cria da Maré' a símbolo de novas lutas políticas no Rio». BBC. Consultado em 16 de março de 2018 
  9. Jacqueline Saraiva (15 de março de 2018). «Quem era Marielle Franco, vereadora assassinada a tiros no Rio de Janeiro?». Correio Braziliense. Consultado em 16 de março de 2018 
  10. Marcos Candido (16 de março de 2018). «'Já era atuante', diz ex-professor de Marielle Franco em cursinho na Maré». Uol. Consultado em 16 de março de 2018 
  11. Marielle Franco (29 de setembro de 2014). «UPP – a redução da favela a três letras : uma análise da política de segurança pública do estado do Rio de Janeiro» (PDF). Repositório Institucional da Universidade Federal Fluminense. Consultado em 21 de março de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 21 de março de 2018 
  12. a b c «Da Maré, Marielle Franco chega à Câmara como a quinta mais votada». O Globo. 4 de outubro de 2016. Consultado em 15 de março de 2017 
  13. Bruna Fantti (18 de março de 2018). «Direitos de policiais também foi luta de Marielle Franco». O Dia. Consultado em 18 de março de 2018 
  14. «REPOSITÓRIO DA UFF DISPONIBILIZA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DE MARIELLE FRANCO». Biblioo. 16 de março de 2018. Consultado em 16 de março de 2018 
  15. «Vereadores que queremos: Marielle Franco». Vereadores que queremos. Consultado em 15 de março de 2017 
  16. Gabriel Barreira (17 de março de 2018). «Mãe de policial assassinado relembra ajuda de Marielle Franco no caso: 'Foi imbatível'». G1. Consultado em 17 de março de 2018 
  17. «Dados pessoais de Marielle». TSE. Consultado em 15 de março de 2017 
  18. a b «Negra da Maré e socióloga, Marielle foi a 5ª vereadora mais votada do Rio». G1. 15 de março de 2018. Consultado em 16 de março de 2018. Arquivado do original em 15 de março de 2018 
  19. Felipe Betim (16 de março de 2018). «Assassinato político de Marielle Franco reativa as ruas e desafia intervenção no Rio». El País. Consultado em 16 de março de 2018 
  20. Fernanda Odilla (16 de março de 2018). «Em posts e projetos de lei: pelo que lutava Marielle Franco, vereadora assassinada no Rio». BBC. Consultado em 16 de março de 2018 
  21. «Imprensa internacional destaca morte de Marielle: 'ataque direcionado' e 'crítica da violência policial'». Uol. 15 de março de 2018. Consultado em 16 de março de 2018 
  22. Jacqueline Saraiva (15 de março de 2018). «Saiba quem era Marielle Franco, vereadora assassinada a tiros no Rio». Em. Consultado em 16 de março de 2018 
  23. Carolina Barbosa (15 de março de 2018). «Conheça os projetos de lei de Marielle Franco». Veja. Consultado em 17 de março de 2018 
  24. a b Gabriel Barreira (16 de março de 2018). «Em mandato na Câmara, Marielle Franco defendeu minorias». G1. Consultado em 16 de março de 2018 
  25. «Pelo que lutava Marielle Franco». Vice. 15 de março de 2018 
  26. «Marielle Franco: negra, moradora da Maré e a quinta vereadora mais votada do Rio». Extra. 15 de março de 2018. Consultado em 16 de março de 2018 
  27. Rangel Querino (21 de agosto de 2017). «Câmara do Rio rejeita projeto de lei por data da visibilidade lésbica». ObservatórioG. Consultado em 17 de março de 2018 
  28. a b c d Daniela Amorim, Fábio Grellet e Luiz Fernando Toledo; Cleusa Duarte, Leonardo Augusto e Monica Bernardes (15 de março de 2018). «Manifestantes vão às ruas do País após morte de Marielle e Anderson». Estadão - Brasil. Consultado em 16 de março de 2018. Cópia arquivada em 16 de março de 2018 
  29. «Assassinato de Marielle Franco: o que se sabe sobre o crime». G1. 15 de março de 2018. Consultado em 16 de março de 2018 
  30. Dia, O (15 de março de 2018). «Milhares de pessoas vão à Câmara Municipal para velório de vereadora». O Dia - Rio de Janeiro 
  31. «Vereadora Marielle Franco é assassinada a tiros na região central do Rio». O Globo. 14 de março de 2018 
  32. «Velório de Marielle mobiliza milhares de pessoas na Cinelândia». Extra. 15 de março de 2018. Consultado em 16 de março de 2018 
  33. «Marielle Franco é enterrada sob forte comoção no Rio». Uol. 15 de março de 2018. Consultado em 16 de março de 2018 
  34. «Atos de protesto por Marielle Franco estão marcados em mais de 10 capitais». Justificando. 15 de março de 2018. Cópia arquivada em 15 de março de 2018 
  35. «Milhares protestam no Rio e em SP contra assassinato de Marielle». Folha de S.Paulo. 15 de Março de 2018. Consultado em 15 de Março de 2018 
  36. «Manifestantes protestam pelo país contra a morte de Marielle Franco». G1. 15 de Março de 2018. Consultado em 15 de Março de 2018 
  37. Jamil Chade (15 de março de 2018). «Diante de morte de Marielle, deputados europeus pedem suspensão de negociação com Mercosul». Estadão. Consultado em 16 de março de 2018. Cópia arquivada em 16 de março de 2018 
  38. «'Covardia que não ficará impune', promete Temer sobre morte de vereadora no Rio». iG. 15 de março de 2018. Consultado em 16 de março de 2018 
  39. «Câmara dos Deputados realiza homenagem à vereadora Marielle Franco». Agência Brasil. Correio do Povo. 15 de março de 2018. Consultado em 16 de março de 2018 
  40. Ana Pompeu (15 de março de 2018). «Ministros do Supremo lamentam assassinato da vereadora do Rio de Janeiro». Consultor Jurídico. Consultado em 16 de março de 2018 
  41. Reinaldo Azevedo (15 de março de 2018). «A MORTE DE MARIELLE 1: Assassinato interessa ao crime organizado, que se opõe à intervenção, como fazem o PT e o PSOL». Rede TV. Consultado em 16 de março de 2018 
  42. «Debate: A exploração política do cadáver de Marielle». YouTube. 15 de março de 2018. Consultado em 3 de julho de 2018 
  43. «Marielle continua a ser assassinada por comentaristas, blogs sujos e o PT». O Antagonista. 15 de março de 2018. Consultado em 16 de março de 2018 
  44. YouTube - Dilma Rousseff diz que morte de Marielle faz parte do "golpe". Publicado em 16 de mar de 2018. Acessado em 30/07/2018.
  45. a b «Calúnias a Marielle Franco poderão render multa de R$ 100 mil ao Facebook». Tecmundo. 16 de agosto de 2018. Consultado em 15 de dezembro de 2021 
  46. Heloísa Mendonça e Flávia Marreiro (19 de março de 2018). «MBL e deputado propagam mentiras contra Marielle Franco em campanha difamatória». El País. Consultado em 21 de março de 2018. Cópia arquivada em 21 de março de 2018 
  47. «PSOL processará desembargadora que acusou Marielle de se engajar com crime». Folha de S.Paulo. 17 de março de 2018 
  48. «Após assassinato de Marielle, vereadora é atacada na internet». Fantástico. 18 de março de 2018. Consultado em 19 de março de 2018 
  49. «Justiça determina que YouTube retire do ar 16 vídeos com ofensas a Marielle Franco». G1. 22 de março de 2018. Consultado em 28 de março de 2018 
  50. «Juiz dá 24 horas para Facebook retirar posts com informações falsas sobre Marielle». G1. 22 de março de 2018. Consultado em 28 de março de 2018 
  51. Marcela Lemos (15 de março de 2018). «Principal linha de investigação aponta para "execução" de vereadora no Rio». Uol. Consultado em 16 de março de 2018 
  52. «Direção dos tiros contra Marielle reforça hipótese de ataque premeditado». ISTOÉ Independente. 15 de março de 2018. Consultado em 16 de março de 2018 
  53. «Outro carro teria dado cobertura a assassinos de Marielle, diz polícia». MSN. 15 de março de 2018. Consultado em 16 de março de 2018 
  54. «Declaração da Human Rights Watch sobre a morte da vereadora Marielle Franco e Anderson Pedro Gomes». Human Rights Watch. 15 de março de 2018 
  55. Brasil, Equipe VICE; Maleronka, André (20 de agosto de 2018). «159 dias sem ela: Escritório do Crime sob investigação no caso Marielle». Vice. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  56. «Escritório do Crime usa técnica policial para matar por encomenda». Extra Online. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  57. «Entenda a conexão do Escritório do Crime com a morte de Marielle». Metrópoles. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  58. «PM reformado e ex-PM são presos suspeitos de participação nos assassinatos de Marielle e Anderson». G1. Consultado em 12 de março de 2019 
  59. «Polícia da PB prende miliciano acusado de ordenar morte de Marielle Franco». Congresso em Foco. 28 de julho de 2021. Consultado em 29 de julho de 2021 
  60. «Preso na Paraíba suspeito de envolvimento na morte de Marielle Franco». ISTOÉ Independente. 29 de julho de 2021. Consultado em 29 de julho de 2021 
  61. «Polícia da PB prende miliciano acusado de ordenar morte de Marielle Franco». Congresso em Foco. 28 de julho de 2021. Consultado em 29 de julho de 2021 
  62. Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, ed. (20 de março de 2018). «Projeto de Resolução nº 612/2018». Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  63. «LEI ORDINÁRIA Nº 8054 DE 17 DE JULHO DE 2018.». 18 de julho de 2018. Consultado em 5 de outubro de 2018 
  64. «Amnesty International launches world's biggest human rights campaign» (em inglês). Amnesty International. 29 de novembro de 2018. Consultado em 1 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 29 de novembro de 2018 
  65. Ford, Liz (29 de novembro de 2018). «Women's rights take centre stage as murdered activists are remembered». the Guardian (em inglês). Consultado em 1 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2018 
  66. Villalobos, Chloe (22 de novembro de 2018). «Building Bridges Between Favelas in Kenya and Brazil Through 'Artivism'» (em inglês). RioOnWatch. Consultado em 1 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2018 
  67. «Diploma Bertha Lutz será entregue nesta manhã». Câmara Notícias. Consultado em 26 de março de 2019 
  68. Sarah Brito (12 de março de 2019). ACidadeON Campinas, ed. «Unicamp dá nome de Marielle Franco a auditório». Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  69. Henrique Coelho (5 de março de 2019). G1, ed. «Desfile da Mangueira 'ressignifica' assassinato de Marielle Franco, diz viúva». Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  70. Glauco Araújo e Luísa Melo (3 de março de 2019). G1, ed. «Irmã e filha de Marielle Franco homenageiam vereadora na Vai-Vai: 'Ela estava ao lado do povo negro'». Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  71. G1, ed. (21 de setembro de 2019). «Jardim em homenagem a Marielle Franco é inaugurado em Paris». Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  72. G1, ed. (6 de março de 2020). «'Marielle - O Documentário' estreia no dia 13 de março no Globoplay». Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  73. «antiX-19 isos available. – antiX Linux». antixlinux.com. Consultado em 12 de novembro de 2019 
  74. Prêmio Marielle Franco de Ensaios Feministas (ed.). «Apresentação». Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  75. «Quem Somos?». Instituto Marielle Franco. Consultado em 25 de abril de 2020 
  76. «14 de março: 2 anos sem Marielle Franco, 2 anos sem respostas por parte das autoridades». Anistia Internacional. Consultado em 25 de abril de 2020 
  77. «Casa Marielle é inaugurada com exposição permanente sobre a história da vereadora». O Globo. Consultado em 25 de abril de 2020 
  78. «Casa Marielle é inaugurada no centro do Rio de Janeiro». Catraca Livre. Consultado em 25 de abril de 2020 
  79. «Projeto 'Mapa Corona nas Periferias' ajuda comunidades do RJ a receberem doações». Diário do Rio. Consultado em 25 de abril de 2020 
  80. Lígia Mesquita (15 de março de 2018). «Os últimos momentos de Marielle Franco antes de ser morta com quatro tiros na cabeça». globo.com. Consultado em 29 de maio de 2018 
  81. a b Dias Carneiro, Júlia (30 de março de 2018). «Rejeição da família, pedido de casamento e luto: a história de amor interrompida de Marielle e Monica». bbc.com. Rio de Janeiro: BBC. Consultado em 29 de maio de 2018 
  82. «Marielle, 'cria' do Parque Esperança». O Dia. 16 de março de 2018. Consultado em 17 de março de 2018 
  83. Glenn Greenwald (19 de março de 2018). «Just as U.S. Media Does With MLK, Brazil's Media Is Trying to Whitewash and Exploit Marielle Franco's Political Radicalism». The Intercept. Consultado em 19 de março de 2018 
  84. «Viúva de Marielle conta que vereadora estava despreocupada dias antes do assassinato». O Estado de S. Paulo. 18 de março de 2018. Consultado em 23 de março de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Marielle Franco