Alberto Fraga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde setembro de 2016) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Alberto Fraga
Alberto Fraga
Deputado federal do  Distrito Federal
Período 1 de fevereiro de 2003
até atualidade
(Dois mandatos consecutivos)
Dados pessoais
Nascimento 2 de junho de 1956 (61 anos)
Estância, SE
Partido PMDB (19972003)
PFL (20032007)
DEM (2007—presente)
Profissão Militar aposentado, Político
linkWP:PPO#Brasil

João Alberto Fraga Silva (Estância, 2 de junho de 1956) é um político brasileiro.

Fraga é coronel da reserva da Polícia Militar do Distrito Federal. Formado em direito, administração e educação física, é mestre em Segurança Pública. É casado com Mirta Fraga e tem três filhos: Diego, Bruna e Thiago.  Aos 10 anos muda-se para Brasília. Em 1974 ingressa na Polícia Militar do Distrito Federal. Em 1996, é promovido a Tenente-Coronel por merecimento.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Em 1997 Fraga torna-se assessor parlamentar das polícias militares na Câmara dos Deputados e também presidente do clube dos oficiais da PM. A proximidade com a vida política o conduz às eleições de 1998, quando foi eleito suplente de deputado federal pelo PMDB, com 21.244 votos. Mas logo no início assumiu uma cadeira na Câmara, sendo eleito mais duas vezes.

Em 2002, seria eleito com 27.939 votos e reeleito em 2006 com 95.514 votos, pelo então PFL. Durante os mandatos foi vice-líder do PMDB, em 2003, vice-líder do PFL, entre julho de 2005 e janeiro de 2007, e vice-líder do DEM.

Foi o líder da Frente Parlamentar pelo Direito à Legítima Defesa, que comandou a campanha do NÃO, vencedora no Referendo das Armas de 2005 sobre a proibição da venda de armas e munições no Brasil.

Licenciou-se do cargo de deputado no período de 2007 a 2010, quando ocupou o cargo de Secretário de Transportes do Distrito Federal. Teve como principais projetos o Brasília Integrada e a extinção do transporte irregular.

Foi candidato derrotado nas eleições de 2010 para senador pelo DEM.

No ano de 2014 foi condenado em 1ª Instância em ação ajuizada pelo MPDFT. O órgão ministerial denunciou Alberto Fraga por possuir e manter em depósito, em um apartamento do Hotel Golden Tulip, um revólver calibre 357 Magnum, de uso restrito, marca Smith e Wesson, municiado com seis projéteis e 283 munições, também de uso restrito (145 de calibre 9mm, marca Magtech; 92 de .40, marcas CBC e Magtech; e 46 calibre 357 Magnum), bem como 1.112 munições de arma de fogo de uso permitido.[1] Ainda que mantida a condenação na segunda instância, Fraga não deixará de cumprir os requisitos da Lei da Ficha Limpa, uma vez que o crime a ele imputado não consta do rol da Lei Complementar n. 135/2010.

Mandato para a 55ª legislatura (2015-2019)[editar | editar código-fonte]

Foi novamente eleito deputado federal em 2014, para a 55.ª legislatura (2015-2019).

Em 2015, após uma discussão e troca de agressões entre Roberto Freire e Jandira Feghali, Fraga afirmou "Ninguém pode se prevalecer da posição de mulher para querer agredir quem quer que seja. E eu digo sempre que mulher que participa da política e bate como homem, tem que apanhar como homem também.".[2]

Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[3] Posteriormente, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos,[3] bem como a Reforma Trabalhista.[3][4]

Em agosto de 2017 votou pelo arquivamento da denúncia de corrupção passiva do presidente Michel Temer. [5]

Referências

  1. «Turma mantém condenação de ex-secretário de transportes do DF». TJDFT. 3 de julho de 2014. Consultado em 26 de outubro de 2017 
  2. «Jandira Feghali vai processar deputado Alberto Fraga». Jornal do Brasil. 7 de maio de 2015. Consultado em 26 de outubro de 2017 
  3. a b c «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». G1. 2 de agosto de 2017. Consultado em 26 de outubro de 2017 
  4. «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». 27 de abril de 2017. Consultado em 26 de outubro de 2017 
  5. «Veja como votaram os deputados do DF na análise da denúncia contra Temer». G1 Distrito Federal. 2 de agosto de 2017. Consultado em 26 de outubro de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.