The Intercept

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
The Intercept
The Intercept logo.svg
Periodicidade Jornal on-line
Sede  Estados Unidos
Fundação Fevereiro de 2014
Fundador(es) Pierre Omidyar
Editor Glenn Greenwald, Laura Poitras e Jeremy Scahill
Idioma Inglês e português
Página oficial https://theintercept.com/

The Intercept é uma publicação, na forma de jornal on-line, lançada em fevereiro 2014 pela First Look Media. A organização de notícias foi criada e financiada por Pierre Omidyar, fundador da eBay, e os seus editores são Glenn Greenwald, advogado norte-americano, especialista em direito constitucional e ex-jornalista do The Guardian; Laura Poitras, cineasta, documentarista e escritora e Jeremy Scahill, jornalista investigativo norte-americano, especialista em assuntos de segurança nacional e autor do livro Blackwater: The Rise of the World's Most Powerful Mercenary Army.[2] A versão brasileira entrou no ar dia 2 de agosto de 2016.[3] O editorial brasileiro da publicação foi descrito por alguns jornalistas como sendo parte da esquerda política.[4][5][6]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Edward Snowden, responsável pela revelação do esquema de vigilância global Agência de Segurança Nacional (NSA)

A publicação serviu como uma plataforma para informar sobre os documentos divulgados por Edward Snowden, no curto prazo, e para "produzir jornalismo destemido e contraditório em uma ampla gama de questões" no longo prazo. Greenwald e Poitras eram as duas únicas pessoas que tinham posse de todos os inúmeros documentos referentes aos programas de vigilância global da Agência de Segurança Nacional (NSA). Através da publicação desses documentos, iniciada em 2013, foi trazida ao conhecimento publico a vasta dimensão do sistema de vigilância global norte-americano.[7]

First Look Media e The Intercept[editar | editar código-fonte]

Em 16 de outubro de 2013, Pierre Omidyar anunciou que iria financiar o novo meio de comunicação de Glenn Greenwald, Laura Poitras e Jeremy Scahill com doação de 250 milhões de dólares americanos.[8] Pierre Omidyar investiu no empreendimento quantia igual ao investimento de Jeff Bezos, fundador da Amazon.com ao adquirir o jornal The Washington Post.[9] A primeira edição do Intercept publicou fotos secretas da NSA reveladas pela primeira vez.[10] A meta de longo prazo, segundo Greenwald, é "produzir um jornalismo corajoso, confrontando uma ampla gama de tópicos como corrupção ou política financeira ou violação de liberdades civis ."

Versão brasileira[editar | editar código-fonte]

Jornalista Glenn Greenwald, um dos editores do site.

Em agosto de 2016, o site lançou uma versão brasileira, The Intercept Brasil, editada em português, voltada para o noticiário político brasileiro e produzida por uma equipe de jornalistas brasileiros. O Intercept Brasil também apresenta notícias traduzidas da edição em inglês.[11]

Quando do lançamento da versão brasileira da publicação, no seu perfil no Facebook, Greenwald disse:

"Com o intuito de ajudar a preencher essa lacuna, anunciamos hoje o lançamento do The Intercept Brasil. Para este projeto piloto, reunimos uma excelente equipe de jornalistas e editores brasileiros que produzirão matérias originais sobre as questões políticas, econômicas, sociais e culturais a serem publicadas na versão em português de nosso site. Também trabalharemos com jornalistas freelance de destaque e outros veículos independentes. Além disso, vamos traduzir nossos artigos de interesse internacional para o inglês, além de publicar outras traduções de matérias do Intercept em português. Neste mês, nosso foco inicial será o julgamento e a votação final do impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado Federal, assim como matérias sobre os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Além da publicação de conteúdo original, vamos implementar os mesmos princípios de proteção de fontes que ocupam um espaço central na missão do Intercept. As mesmas tecnologias adotadas para que nossas fontes forneçam informações confidenciais contando com a máxima proteção contra vigilância e ataques online (como o SecureDrop) também serão disponibilizadas para nossas fontes de informação brasileiras".

Publicações de destaque[editar | editar código-fonte]

Programas de vigilância dos Estados Unidos na mídia[editar | editar código-fonte]

Greenwald foi o jornalista americano que iniciou a publicação dos documentos denunciando os inúmeros programas de Vigilância global pela (NSA) americana. Os documentos foram revelados por Edward Snowden. Através da publicação desses documentos foi trazida ao conhecimento publico a vasta dimensão do sistema de vigilância global americano.[12][13][14]

Vazamento de conversas envolvendo a Operação Lava Jato[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Vaza Jato

Em 9 de junho de 2019, uma série de reportagens revelou trocas de mensagens entre membros da Operação Lava Jato e o juiz Sérgio Moro, justificando a hipótese de haver motivação política na operação.[15]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2016, o The Intercept ganhou um National Magazine Award por colunas e comentários do escritor Barrett Brown, e foi finalista na categoria de interesse público de uma série de Sharon Lerner chamada Teflon Toxin, que expôs como a DuPont prejudicou o público e seus trabalhadores com produtos químicos tóxicos.[16] Em abril de 2016, o The Intercept ganhou o prêmio de melhor site de notícias no Webby Awards.[17] Em maio de 2016,ganhou três prêmios no New York Press Club Awards. O site foi premiado na categoria "reportagem especial" por suas reportagens investigativas sobre o programa norte-americano de drones, a categoria "humor" para uma série de colunas do escritor Barrett Brown e a categoria "documentário" para um curta chamado "The Surrender", sobre o ex-analista de inteligência norte-americano Stephen Jin-Woo Kim - produzido por Stephen Maing, Laura Poitras e Peter Maass.[18] No Online News Awards de 2016, o The Intercept ganhou o prêmio de Jornalismo de Dados Investigativos da Universidade da Flórida por sua série 'Drone Papers", uma investigação de documentos secretos detalhando um programa secreto de assassinato no exterior promovido pelo governo dos Estados Unidos.[19][20]

No Online News Awards de 2017, o Intercept ganhou dois prêmios: o primeiro por uma reportagem sobre os esforços do FBI para se infiltrar na família Bundy, e o segundo, um jornalismo de investigação por "Trial and Terror", um projeto documentando as pessoas processadas por terrorismo nos Estados Unidos desde os ataques de 11 de setembro de 2001.[21] No mesmo ano, o The Intercept ganhou um Prêmio Hillman de Jornalismo na Web para uma série de investigações de Jamie Kalven, denunciando a criminalidade no Departamento de Polícia de Chicago.[22] A organização de notícias também ganhou um prêmio de 2017 no Awards for Reporting on The Environment. Os juízes do prêmio ambiental elogiaram a autora Sharon Lerner por sua obra "O Estranho Caso de Tennie White", que descreveram como "uma investigação minuciosa e perturbadora sobre contaminação e injustiça perto de uma fábrica de produtos químicos no Mississippi".[23]

Críticas e controvérsias[editar | editar código-fonte]

Vocabulário e vazamentos[editar | editar código-fonte]

Erik Wemple, escrevendo para o Washington Post, notou a recusa conspícua de The Intercept de usar o termo "assassinatos seletivos" para se referir ao programa de drones dos Estados Unidos, em vez disso referindo-se aos ataques de drones como "assassinatos". Wemple incluiu a explicação de Greenwald de que o assassinato é "o termo preciso em vez do termo eufemístico que o governo quer que usemos"; Greenwald observou ainda que "quem é assassinado deliberadamente longe de um campo de batalha para fins políticos está sendo assassinado".[24] O Tech Crunch se referiu a história como evidência clara de "oposição descarada aos falcões de segurança".[25] Em janeiro de 2015, Benjamin Wittes, editor-chefe da Lawfare, argumentou que, essencialmente, o The Intercept estava convidando indivíduos e organizações a roubar documentos e divulgá-los no The Intercept por publicar um guia "How to Leak to the Intercept" ("Como Vazar para o The Intercept").[26] Wittes escreveu: "Se eu fosse uma agência de inteligência estrangeira, eu estaria vendo isso como uma ótima maneira de enviar documentos atraentes, talvez até mesmo reais, que contêm alguns pedaços bacanas de código executável que ofereciam visibilidade para mim sobre as atividades de pessoas com acesso aos materiais de Snowden, pessoas que estão conversando e recrutando outros vazadores. Ou talvez eu deixasse cair alguns arquivos de pote de mel, alguns arquivos que balizam sua localização. Ou talvez eu apenas usasse a oportunidade de deixar desinformações sobre jornalistas que mostraram que acreditarão em qualquer coisa se for um desprestígio da inteligência dos Estados Unidos."[26] Wittes também questionou a capacidade do Intercept para proteger aqueles que vazam à publicação on-line.[26]

Escândalo de Juan M. Thompson[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2016, o site acrescentou longas correções a cinco matérias do repórter Juan M. Thompson e retratou uma sexta, sobre o atirador da igreja de Charleston, Dylann Roof, escrito no ano anterior, focado na comunidade afro-americana. Pouco depois, uma nota do editor Betsy Reed indicou que Thompson havia sido demitido recentemente depois que seus editores descobriram "um padrão de decepção" em suas reportagens. De acordo com Reed, ele havia "fabricado várias citações em suas histórias e criado contas de e-mail falsas que ele usou para representar pessoas, uma das quais era uma conta do Gmail em meu nome".[27] Reed pediu desculpas aos leitores e aos que foram mal citados. Ela observou que alguns dos trabalhos de Thompson, a maioria deles usando fontes públicas, eram verificáveis. Os editores alertaram os usuários das histórias afetadas, e prometeram tomar medidas similares caso novas informações surgissem.[27]

Thompson sugeriu que o problema maior era o racismo no campo da mídia. Ele inventou pseudônimos para algumas de suas fontes, a quem descreveu como "negros pobres que não queriam seus nomes no público diante das situações" e não teriam falado com um repórter de outra forma. "O jornalismo que cobre as experiências de pessoas negras pobres e o jornalismo de outros, como você e o First Look, são usados ​​para diferir drasticamente", argumentou. Ele também alegou que sentiu a necessidade de "exagerar minha merda pessoal para provar meu valor" nos incidentes de viés racial que ele disse ter testemunhado ali. Quando Gawker publicou seu e-mail, Reed disse que essas alegações não estavam na versão que ele enviou a ela.[28] Ele foi demitido pelo Intercept no início de 2016 e, segundo Reed, não colaborou com a investigação de suas ações.[29]

Exposição e detenção de uma fonte confidencial[editar | editar código-fonte]

No início de junho de 2017, o Intercept publicou um documento da National Security Agency, que afirma que a inteligência russa hackeou com sucesso uma empresa americana de registro de eleitores e pesquisas de software, e utilizou informações colhidas para phishing autoridades eleitorais. O documento foi enviado por correio de uma fonte dentro da NSA, que não revelou sua identidade para o Intercept.[30] Uma hora após a publicação, o Reality Winner, um funcionário contratado pela NSA de 25 anos, foi preso pelo Federal Bureau of Investigation e acusado pela Espionage Act de 1917.[31] O artigo reforçou a suspeita pública de que a Rússia interferiu na eleição de 2016. Também chamou a atenção por estar em desacordo com as opiniões do editor Glenn Greenwald, que publicamente ridicularizou ou rejeitou as alegações de conluio entre a campanha de Trump e a Rússia,[32] chamando-as de "teorias radicais de conspiração".[33] Greenwald alegou em uma entrevista ao Democracy Now! que o Partido Democrata hiperbolizou as evidências que apóiam as queixas de conluio sobre Trump, a fim de transferir a culpa pela eleição de Trump como presidente do Partido Democrata.[34] O documento explica que a inteligência russa tentou decifrar as informações de login dos funcionários de um fornecedor fornecendo software de registro de eleitores e bancos de dados para os estados usarem em seus sistemas eleitorais. Alegou que os russos foram bem sucedidos o suficiente para que pudessem enviar por e-mail 122 funcionários eleitorais, fazendo-se passar por empregados do vendedor. De acordo com David Folkenflik do National Public Radio, um reporter do Intercept compartilhou uma foto dos jornais com uma fonte, um contratado do governo em quem ele confiava, procurando validá-lo. A impressão incluiu um carimbo postal de Augusta, na Geórgia, e microdots, uma espécie de impressão digital computadorizada. O empreiteiro disse a seus chefes, que informaram o FBI.[35] A NSA rapidamente identificou o vazamento dos documentos.[36][37][38]

A cadeia de evidências levou à prisão de Winner, um jovem veterano da Força Aérea que trabalhava na Geórgia para a Pluribus International Corporation, uma contratada da NSA, quando o documento foi enviado para o The Intercept.[39] O Intercept foi criticado por manejo não profissional do documento e indiferença à segurança da fonte.[40][41] Após a prisão de Winner, o Intercept publicou uma declaração dizendo que "não tinha conhecimento da identidade da pessoa que nos forneceu o documento". Alegações do FBI sobre Vencedor, acrescentou, foram "afirmações e especulações não comprovadas destinadas a servir a agenda do governo e, como tal, garantem ceticismo".[42] John Kiriakou e Whistleblower da NSA Joseph Hickman, detentor do acampamento de detenção da Baía de Guantánamo, acusaram o mesmo repórter de revelar a identidade de Winner, Matthew Cole, como tendo participado da exposição, o que, no caso de Kiriakou, levou à sua detenção.[43][44] Em 11 de julho de 2017, o The Intercept anunciou que sua empresa controladora, a First Look Media, por meio de seu Fundo de Defesa da Liberdade de Imprensa, forneceria US $ 50.000 em fundos equivalentes à Stand with Reality, uma campanha de financiamento coletivo para apoiar a defesa legal do Winner, além de uma concede a contratação de uma segunda firma de advocacia para auxiliar os principais advogados da Winner, a Bell & Brigham, sediada em Augusta. Além disso, escreveu a editora-chefe Betsy Reed, "o advogado da First Look, Baruch Weiss, da firma Arnold & Porter Kaye Scholermay, apóia os esforços de defesa, continuando a representar os interesses da First Look".[45]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Paglen, Trevor (10 de fevereiro de 2014). «New Photos of the NSA and Other Top Intelligence Agencies Revealed for First Time: New Photos of the NSA and Other Top Intelligence Agencies Revealed for First Time» 
  2. «Jornalista que denunciou espionagem da NSA lança site». 10 de fevereiro de 2014 
  3. «The Intercept Brasil entra no ar – Meio & Mensagem». www.meioemensagem.com.br. Consultado em 3 de setembro de 2018 
  4. «O Intercept entre o jornalismo e a narrativa | Joel Pinheiro da Fonseca». EXAME. Consultado em 17 de novembro de 2019 
  5. «Jornalista americano usa site para alavancar carreira do marido». R7.com. 15 de outubro de 2018. Consultado em 17 de novembro de 2019 
  6. «Quem é Pierre Omidyar, o bilionário que financia o site Intercept». Gazeta do Povo. Consultado em 17 de novembro de 2019 
  7. «Entenda o caso de Edward Snowden, que revelou espionagem dos EUA». 2 de julho de 2013 
  8. «Jornalista que denunciou espionagem da NSA lança site Glenn Greenwald lançou site The Intercept e diz que fará mais denúncias». G1. 10 de fevereiro de 2014. Consultado em 14 de março de 2014 
  9. «Fundador da Amazon compra jornal The Washington Post por 250 milhões de dólares Jeff Bezos comprou a título pessoal, sem envolver a Amazon, e prometeu que os valores do jornal não irão mudar». CartaCapital. 6 de agosto de 2013. Consultado em 14 de março de 2014 
  10. «New Photos of the NSA and Other Top Intelligence Agencies Revealed for First Time». theintercept. 10 de fevereiro de 2014. Consultado em 10 de Fevereiro de 2014. Arquivado do original em 18 de março de 2014 
  11. a b Glenn Greenwald (2 de agosto de 2016). The Intercept, ed. «Bem-vindo ao The Intercept Brasil». Consultado em 10 de junho de 2019 
  12. «Entenda o caso de Edward Snowden, que revelou espionagem dos EUA». G1. 2 de julho de 2013. Consultado em 14 de março de 2014 
  13. «Brasil é um grande alvo. Documentos revelados neste fim de semana mostram que o governo dos Estados Unidos espionou milhões de telefonemas e e-mails de brasileiros». G1. 7 de julho de 2013. Consultado em 14 de março de 2014 
  14. «Jornalista que denunciou espionagem da NSA lança site Glenn Greenwald lançou site 'The Intercept' e diz que fará mais denúncias». G1. 10 de fevereiro de 2014. Consultado em 14 de março de 2014 
  15. «Mensagens vazadas revelam que Moro orientou investigações da Lava Jato». noticias.uol.com.br. Consultado em 10 de junho de 2019 
  16. «2016 National Magazine Awards». American Society of Magazine Editors. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  17. Spangler, Todd. «Webby Awards 2016 Winners: Netflix, HBO, the Onion, Tyler Oakley, Michelle Obama Pick Up Awards». Variety. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  18. «2016 Journalism Awards Winners» (PDF). NY Press Club. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  19. «The Intercept and the Orlando Sentinel Win 2016 ONA Investigative Data Journalism Awards». University of Florida. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  20. «Breaking News, Intercept, Quartz, New York Magazine take home 2016 Online Journalism Awards». Journalists.org. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  21. Mizgata, Jennifer (10 de outubro de 2017). «2017 Online Journalism Awards winners include Le Temps, The Washington Post and STAT». Journalists.org. Consultado em 5 de dezembro de 2017 
  22. Foundation, Hillman (6 de junho de 2017). «2017 Hillman Prizes». Hillman Foundation. Consultado em 5 de dezembro de 2017 
  23. SEJ (6 de junho de 2017). «Winners: SEJ 16th Annual Awards for Reporting on the Environment». Society of Environmental Journalists. Consultado em 5 de dezembro de 2017 
  24. Wemple, Erik (10 de fevereiro de 2014). «Glenn Greenwald and the U.S. 'assassination' program». Washington Post. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  25. Ferenstein, Gregory (10 de fevereiro de 2014). «eBay Founder's News Site, The Intercept , Launches with NSA Revelations». Tech Chrunch. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  26. a b c Wittes, Benjamin (29 de janeiro de 2015). «The Intercept's Invitation to Criminality—and to Intelligence Agencies». Lawfare. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  27. a b Reed, Betsy (6 de fevereiro de 2016). «A Note to Readers». The Intercept. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  28. Trotter, J.K. (2 de fevereiro de 2016). «Reporter Fabricated Quotes, Invented Sources at The Intercept». Gawker. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  29. Wong, Julia Carrie (2 de fevereiro de 2016). «The Intercept admits reporter fabricated stories and quotes». The Guardian. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  30. Cole, Matthew; Esposito, Richard; Biddle, Sam; Grim, Ryan (5 de junho de 2017). «TOP-SECRET NSA REPORT DETAILS RUSSIAN HACKING EFFORT DAYS BEFORE 2016 ELECTION». The Intercept. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  31. Grynbaum, Michael M.; Koblin, John (7 de junho de 2017). «After Reality Winner's Arrest, Media Asks: Did 'Intercept' Expose a Source?». New York Times. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  32. Greenwald, Glenn (4 de janeiro de 2017). «WashPost Is Richly Rewarded for False News About Russia Threat While Public Is Deceived». The Intercept. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  33. Goodman, Amy; Greenwald, Glenn (5 de janeiro de 2017). «Glenn Greenwald: Mainstream U.S. Media is Culpable for Disseminating Fake & Deceitful News on Russia». The Intercept. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  34. Goodman, Amy; Greenwald, Glenn (10 de novembro de 2016). «Glenn Greenwald: Why Did Trump Win? Blame the Failed Policies of the Democratic Party». Democracy Now!. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  35. «Did 'Intercept' Out Its Intelligence Source?». Consultado em 2 de agosto de 2019 
  36. Graham, Robert (6 de junho de 2017). «How The Intercept Outed Reality Winner». Erratic. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  37. Lewis, Helen (1 de junho de 2015). «When Is it Ethical to Publish Stolen Data?». Consultado em 2 de agosto de 2019 
  38. Han, Ted; Norton (7 de junho de 2017). «Protecting Your Sources When Releasing Sensitive Documents». Consultado em 2 de agosto de 2019 
  39. «Federal Government Contractor in Georgia Charged With Removing and Mailing Classified Materials to a News Outlet». Consultado em 2 de agosto de 2019 
  40. McLaughlin, Aidan (6 de junho de 2017). «Intercept Editors Face Mounting Criticism for Possibly Outing Leaker». Consultado em 2 de agosto de 2019 
  41. «The Intercept's Russian hacking report also seems to be a good example of how not to handle leaks». Consultado em 2 de agosto de 2019 
  42. «Statement on Justice Department Allegations». 6 de junho de 2017. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  43. The Peter Collins Show (30 de junho de 2017). «In-Depth Interview: Whistleblowers Joe Hickman and John Kiriakou on Abu Zubaydeh,Torture and a Dangerous Reporter». Consultado em 2 de agosto de 2019 
  44. «Ex-CIA whistleblower blasts reporters for not protecting alleged NSA leaker Reality Winner". CBC Radio». 6 de junho de 2017. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  45. «First Look to Support Defense of Reality Winner in Espionage Act Prosecution». 11 de julho de 2017. Consultado em 2 de agosto de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]