Revelações da vigilância global (2013–presente)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde junho de 2014). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.

As revelações da vigilância global referem-se à divulgação, a partir de 2013, de informações sobre fatos e organizações relacionados com a prática de espionagem e vigilância globalizada - isto é, além das fronteiras internacionais - e com capacidade de intromissão nos meios de comunicações de todo o mundo.[1][2][2][3]

A partir de junho de 2013, revelações acerca de um sistema de vigilância global organizado pelos Estados Unidos, através da sua agência de segurança NSA, receberam atenção do público em todo o mundo. As revelações[4] baseiam-se em documentos confidenciais expostos pelo americano Edward Snowden[5][6] e mostram detalhes acerca das atividades de vigilância da NSA e sobre programas até então desconhecidos do público mas que têm grandes implicações na privacidade dos indivíduos.[7][8]

Na ocasião, tornou-se de conhecimento público o fato de que os Estados Unidos vêm operando sistemas de monitoramento e vigilância das comunicações eletrônicas em todo o mundo. Os programas de vigilância global têm vários objetivos e capacidades, entre elas a de interceptar comunicações por e-mail, voz, vídeo, fac-símile e qualquer outro meio de comunicação em qualquer parte do mundo.[9]

A montagem do sistema de vigilância global coincide com a construção da hegemonia norte-americana a partir da segunda metade do século XX. Com a perda do poderio econômico estadunidense, a CIA e a NSA, passaram também a espionar empresas estrangeiras[10] e a repassar informações privilegiadas obtidas pelo Echelon às corporações americanas e aos aliados no monitoramento global, os membros do grupo chamado "Cinco Olhos", composto por Reino Unido, Estados Unidos, Austrália, Canadá e Nova Zelândia,[11] que e um sistema geopolítico de espionagem eletrônica dos EUA, controlado pela NSA, Agência de Segurança Nacional americana.[12]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Barton Gellman, jornalista vencedor do Prêmio Pulitzer que fez a cobertura do The Washington Post acerca das revelações de Snowden, resumiu o ocorrido da seguinte maneira:

Em conjunto, as revelações trouxeram à luz um sistema de Vigilância global que desfez muitas de suas restrições históricas depois dos ataques de 11 de setembro de 2001. Autoridades legais secretas delegaram poderes a NSA para realizar uma varredura nos registros telefônicos, de Internet e de localização da população em geral.

Os vazamentos revelaram detalhes específicos sobre a cooperação íntima da Agência de Segurança Nacional (NSA) com agências federais dos EUA, como o FBI (FBI)[14][15] e a CIA,[16][17] além dos pagamentos até então desconhecidos que a NSA efetuou a vários parceiros comerciais e a companhias de telecomunicações,[18][19][20] bem como as relações que ela mantinha em segredo com seus sócios internacionais, tais como Reino Unido,[21][22] França[23][24] e Alemanha,[25][26] e seus tratados secretos firmados recentemente com governos estrangeiros para o compartilhamento de dados interceptados de cidadãos desses países.[27][28][29][30] Todas essas informações foram tornadas públicas pela imprensa de muitos países ao longo de vários meses, desde junho de 2013, a partir de documentos confidenciais vazados pelo ex-contratado da NSA, Edward J. Snowden,[31] o qual teve acesso ao material enquanto trabalhava para a empresa estadunidense Booz Allen Hamilton, um dos maiores prestadores de serviços dirigidos a órgãos de defesa e inteligência dos Estados Unidos.[32]

George Brandis, procurador-geral da Austrália, afirmou que a descoberta de Snowden é o "mais grave retrocesso para a inteligência ocidental desde a Segunda Guerra Mundial".[33]

Vigilância global[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Vigilância global

Desde dezembro de 2013, os programas de vigilância global incluem:

Programas de vigilância global
Programa Colaboradores e/ou parceiros internacionais Parceiros comerciais
Estados Unidos PRISM
Estados Unidos XKeyscore
Reino Unido Tempora
Reino Unido MUSCULAR
Alemanha Project 6
Stateroom
Lustre

A NSA também obtia dados diretamente de empresas de telecomunicações de codinomes Artifice, Lithium, Serenade, SteelKnight e X. Suas verdadeiras identidades não foram incluídas na lista de documentos vazados por Snowden, pois estavam protegidas como Informação Excepcionalmente Controlada, o que previne a sua ampla difusão até mesmo para aqueles que, assim como Snowden, possuem a autorização de segurança necessária.[54][55]

Informações reveladas[editar | editar código-fonte]

Documentos secretos de 2012 contendo as projeções orçamentais e contas consolidadas de 2011 a 2017 das agências de inteligência, de ramos do exército dos Estados Unidos (marinha, exército terrestre, marines e forças aéreas) e de outras agências de segurança norte-americanas. (Para visualizar em PDF: [7])

Embora o tamanho exato dos documentos revelados por Snowden seja desconhecido, vários funcionários do governo apresentaram as seguintes estimativas:

  • Pelo menos 15 000 arquivos da inteligência da Austrália, segundo funcionários desse país.[33]
  • Pelo menos 58 000 arquivos da inteligência do Reino Unido, segundo funcionários desse país.[56]
  • Cerca de 1,7 milhão de arquivos da inteligência dos Estados Unidos, segundo declarações concedidas à imprensa pelo Departamento de Defesa desse país.[57][58]

Como ex-contratado da NSA, Snowden obteve acesso autorizado a documentos do governo norte-americano e a informações ultrassecretas de governos aliados, através da exclusiva aliança Cinco Olhos.[59] Snowden afirma que atualmente não tem mais posse material de nenhum desses documentos, depois de ter entregado todas as cópias aos jornalistas com quem se encontrou em Hong Kong.[60]

Segundo seu advogado, Snowden comprometeu-se em não liberar qualquer documento enquanto estivesse na Rússia, deixando essa responsabilidade unicamente nas mãos dos jornalistas.[61] A partir de 2014, os seguintes veículos de notícias tiveram acesso a alguns dos materiais fornecidos por Snowden: Australian Broadcasting Corporation, Canadian Broadcasting Corporation, Channel 4, Der Spiegel, El Pais, El Mundo, L'espresso, Le Monde, NBC, NRC Handelsblad, Dagbladet, O Globo, South China Morning Post, Süddeutsche Zeitung, Sveriges Television, The Guardian, The New York Times e The Washington Post.

Contexto histórico[editar | editar código-fonte]

Na década de 1970, um analista da NSA chamado Perry Fellwock, sob o pseudônimo de "Winslow Peck", revelou a existência do Tratado de Segurança UK-USA, que forma as bases da rede ECHELON, cuja existência foi revelada em 1988 por Margaret Newsham, ex-funcionária da antiga corporação Lockheed.[62][63] Meses antes do ataque terrorista de 11 de setembro e nos dias que o sucederam, vários indivíduos divulgaram mais informações sobre o aparato de vigilância global, como o ex-funcionário do MI5 britânico, David Shayler, e o jornalista James Bamford.[64][65] Depois deles, seguiram-se outros:

  • William Binney e Thomas Andrews Drake, funcionários da NSA, declararam que a agência está expandindo rapidamente suas operações de vigilância.[66][67]
  • Em 2003, por meio do jornal britânico The Observer, Katharine Gun tornou público um plano da NSA de colocar microfones escondidos nos corpos de representantes de vários países diante das Nações Unidas, pouco antes da Guerra do Iraque[68] (seis países cujos votos seriam decisivos para que a ONU aprovasse a invasão norte-americana ao Iraque: Angola, Bulgária, Camarões, Chile, Guiné e Paquistão). Depois de sua revelação, o GCHQ a demitiu e o governo britânico a acusou, em 13 de novembro de 2003, conforme a seção 1 da Lei de Segredos Oficiais de 1989. O caso chegou aos tribunais em 25 de fevereiro de 2004; por motivos desconhecidos, a acusação não apresentou provas, e ela ficou livre depois de somente meia hora.
  • Clare Short, que compôs o gabinete britânico entre os anos 1997 e 2003, declarou em 2004 que o Reino Unido havia espionado o secretário-geral da ONU Kofi Annan.[69]
  • Russ Tice, ex-analista de inteligência da NSA, deu início à controvérsia sobre a vigilância sem garantias da NSA após dizer que o governo de George W. Bush havia espionado cidadãos americanos sem a aprovação da justiça.[70][71]
  • Leslie Cauley, jornalista do USA Today, revelou em 2006 que a NSA mantém um enorme banco de dados de chamadas telefônicas de cidadãos dos EUA.[72]
  • Em 2006, o ex-técnico da AT&T, Mark Klein, tornou pública a existência da Sala 641A, uma unidade de interceptação de telecomunicações operada pela companhia para a NSA, cujas atividades se iniciaram em 2003.[73]
  • Em 2011, os ativistas Julian Assange e Chelsea Manning revelaram a existência de uma indústria de vigilância em massa.[74]
  • Michael Hastings, jornalista americano, publicou em 2012 que manifestantes do movimento Occupy Wall Street estavam sob vigilância.[75]

Depois das revelações de Snowden, o Pentágono concluiu que ele havia praticado o maior roubo de segredos dos Estados Unidos em toda a história do país.[57] Na Austrália, o governo de coalização considerou que os vazamentos causaram os danos mais graves da história contra a inteligência australiana.[33] Sir David Omand, ex-diretor do GCHQ, do Reino Unido, afirmou que as ações de Snowden tinham sido a "perda mais catastrófica nunca antes vista contra a inteligência britânica".[76]

Cronologia das Revelações da Vigilância Global[editar | editar código-fonte]

The Mira Hotel em Hong Kong, onde Edward Snowden se encontrou pela primeira vez com Glenn Greenwald, Laura Poitras, e o jornalista Ewen MacAskill do The Guardian

1970 a 2013[editar | editar código-fonte]

2013 em diante[editar | editar código-fonte]

As revelações sobre o sistema de vigilância global iniciadas em junho de 2013, com base em documentos revelados por Edward Snowden, continuam sendo publicadas ao redor do globo e a cada dia novos programas são expostos ao público. Em abril de 2014, o jornal The Guardian avalia foram publicados ate então, menos de 2 por cento do dos documentos fornecidos por Edward Snowden aos órgãos de imprensa a quem ele escolheu disponibilizar os documentos.

2013[editar | editar código-fonte]

Em 5 de junho de 2013, Glenn Greenwald, através do The Guardian e juntamente com vários outros jornais incluindo o The New York Times, The Washington Post, Der Spiegel, iniciou as publicações com as revelações de vigilância eletrônica global americana executada pela Agência de Segurança Nacional NSA, baseadas em documentos vazados pelo ex-contratado da NSA, o analista de segurança de redes Edward Snowden.[9][77]

Plataforma da Petrobras

No Brasil, o programa Fantástico do dia 8 de Setembro de 2013, baseado em documentos fornecidos por Snowden a Greenwald, revelou que a NSA vem espionando a Petrobrás com fins de beneficiar os americanos nas transações com o Brasil.[78]

Ainda em 2013, em reportagem com a jornalista Sônia Bridi Grenwald revelou que além de grandes empresas como a Petrobrás, a ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff, foi espionada pelo governo americano,[79]

A partir de então, as revelações têm se tornado mais alarmantes a cada dia e têm provocado reação em todos os países do mundo e na comunidade de especialistas em proteção da Internet.[80][81] Elas vão desde a participação nos programas de vigilância de empresas como Google, Facebook, Microsoft,[82] à contaminação de computadores no mundo todo e a quebra dos códigos de criptografia da internet, fazendo toda a internet vulnerável a ataques tanto pela NSA americana como por predadores e criminosos.[83]

A seguir, uma lista de eventos relacionados às revelações dos programas de vigilância global, conforme vêm sendo trazidos à público desde as primeiras publicações em 5 de junho de 2013:

Junho[editar | editar código-fonte]

O jornal Washington Post publicou que a NSA obteve pelo menos algumas das informações através do FBI, que instalou equipamentos do governo nas empresas de propriedade privada participantes . Afirma ainda que a partir desta intervenção do FBI, a NSA passou a ter acesso em tempo real as comunicações ao redor do mundo através de envio de avisos que alertando quando um indivíduo alvo esta conectado ou enviado um e-mail ou conectado utilizando serviços de voz ou texto também em tempo real. Tudo em tempo real, ou seja, quando as comunicações estão ocorrendo.[86][87]

A apresentação em Microsoft PowerPoint sobre o programa, datada de abril de 2013 é publicada e mostra que o PRISM dá às agencias envolvidas no programa, a capacidade de coletar dados de e-mails , vídeos , fotos, chamadas de voz e vídeo, detalhes de redes sociais, log-ins e outros dados em poder de uma série de empresas de internet. Segundo a apresentação que veio a público, nove das grandes corporações e serviços de Internet participam do programa que envolve vasta coleta de Inteligência de sinais a nível mundial : Microsoft, Google, Facebook, Yahoo!, Apple, YouTube, AOL, Paltalk e Skype.[89] Um boicote às empresas colaboradoras da NSA é sugerido na mídia mas considerado impossível.[90] Tais revelações são publicadas pelo jornal O Globo em 8 de julho de 2013.[91]

Mapa-múndi feito com a ferramenta de visualização de dados do BOUNDLESS INFORMANT, mostrando que, durante um período de 30 dias, 97.000 milhões de registros de dados da Internet (DNI) e 124 bilhões de registros de dados de telefonia (DNR) foram coletados

Palavras do ex-administrador de sistemas da CIA Edward Snowden, que revelou pela primeira vez ao mundo os documentos que detalhavam o programa de espionagem online dos Estados Unidos. Snowden falou ainda dos motivos pelos quais tais programas de vigilância em massa precisam ser revelados ao mundo.[103]

"O público precisa ser quem decide sobre estes programas".

"Sentado em meu escritório, eu tinha a capacidade de analisar qualquer um, desde um contador até um juiz federal, incluindo o presidente, desde que eu tenha o seu email pessoal"

"O que levaria alguém a deixar para trás uma vida paradisíaca que eu tinha no Havai?

"Meu maior medo é de que nada mude e que vai ser criado mais controle da Sociedade em todo o mundo e na América."

  • 12 de junho de 2013, imediatamente após as revelações, o Senado americano faz uma audiência pública, gravada pela C-SPAN, onde vários membros do governo de Obama testemunham sobre a importância fundamental dos programas de vigilância da NSA para defender os Estados Unidos.[104] Várias emissoras de televisão americanas se alinham na defesa dos programas de vigilância em massa, entre elas CNN, FOX e CBS.[105]
Obama defende as atividades afirmando serem ferramenta fundamental para proteger a nação de ameaças terroristas

A administração de Obama defende as atividades afirmando serem:

"uma ferramenta fundamental para proteger a nação de ameaças terroristas

Alega também que a coleta se refere exclusivamente a metadados dos telefonemas e não o conteúdo das próprias chamadas. Metadados se assemelham ao "envelope" de uma ligação telefônica ou de um e-mail mas contendo informações mais detalhadas do que apenas destinatário e remetente com respectivos endereços. Metadados contêm as informações detalhadas sobre a comunicação, seja e-mail, ligação telefônica, mensagem de texto etc...metadados informam em detalhes, por exemplo, destino, a duração de uma chamada, data,localização da origem de onde foi iniciada a comunicação, localização do usuário que iniciou e do recipiente , tipo de computador ou telefone usado etc...[106] A coleta de metadados, foi no passado, parte fundamental do sistema de vigilância da Alemanha Oriental. Documentos históricos, obtidos apenas após a queda do regime, mostram que coleta de metadados um dos instrumentos utilizados pela Stasi,[107] a polícia secreta da Alemanha Oriental, para determinar as conexões sociais de indivíduos considerados perigosos para o regime da RDA. Documentos publicados pela ProPublica em 11 de fevereiro de 2014, mostram uma análise de redes sociais, feita através de metadados de um escritor que estava sendo vigiado pela Stasi[108]

Após as primeiras publicações na imprensa, especialistas em tecnologia e defensores de direitos civis imediatamente apontam para o fato da Casa Branca minimizar a importância de metadados que, na verdade, fornecem informações mais detalhadas sobre a vida de indivíduos do que o próprio conteúdo uma vez que podem ser usados para traçar o perfil das relações e atividades pessoais com maior abrangência. Jameel Jaffer, diretor jurídico da União Americana pelas Liberdades Civis, disse:[106]

"Do ponto de vista das liberdades civis, o programa não poderia ser mais alarmante. É um programa em que um número incontável de pessoas inocentes foram colocados sob a vigilância constante de agentes do governo americano. É além de orwelliano, e fornece uma evidência adicional da dimensão em que direitos democráticos básicos estão sendo destruídos em segredo para atender as demandas dos órgãos de inteligência irresponsáveis​​".

Dois senadores americanos, Ron Wyden e Mark Udall, membros do Comitê de Inteligência do Senado, refutam as alegações de que a vigilância em massa tenha impedido qualquer ataque contra os Estados Unidos.

A senadora democrata Dianne Feinstein, presidente da Comissão de Inteligência do Senado americano e a favor da expansão das atividades de vigilância da NSA, afirma que ainda em junho de 2013, o diretor da NSA, o general Keith Alexander, iria fornecer informações sobre "os mais de 50 casos em que isso (a vigilância global) preveniu um ataque terrorista, tanto nos Estados Unidos como no exterior", segundo palavras da senadora.[109][110][111]

O general Keith Alexander defende vigorosamente os programas de vigilância em massa, apesar de evidências factuais que confirmem suas afirmativas não serem apresentadas, conforme noticiaram alguns órgãos da imprensa.[112] Em 18 de junho de 2013, 12 dias após as primeiras publicações sobre os programas de vigilância global, em audiência a Comissão de Inteligência do Senado, Alexander afirma que 54 atentados terroristas em 20 países, foram desvendados graças aos programas de vigilância da NSA e condena veementemente a revelação dos programas de vigilância global.[113]

Em 31 de julho de 2013 ele faz uma apresentação em Las Vegas, reafirmando que 54 atentados terroristas forma prevenidos ao redor do mundo através de informações obtidas pelos programas de vigilância em massa da NSA. As imagens da tela da apresentação de Alexander foram publicadas pela redatora independente ProPublica. Nas imagens da tela ele apresentou o mapa mundial onde tais atentados terroristas teriam sido resolvidos através dos programas da NSA.[114]

A falta de consistência das afirmativas de Keith Alexander e o histórico de abusos cometidos[86][115][116][117] e de escândalos acobertados[118] pelas agencias de inteligência americana, fez com que algumas organizações iniciassem pesquisas para buscar evidências de casos em que os programas da NSA teriam levado à investigações bem sucedidas de casos ligados ao terrorismo, conforme Alexander e aliados da NSA na Câmara e do Senado afirmavam haver ocorrido.

  • 18 de dezembro de 2013, a imprensa americana publica o relatório do Grupo Presidencial para Revisão em Inteligência e Tecnologia de Comunicações, um grupo criado por Obama, logo após as revelações dos programas, para rever as atividades de vigilância do governo, composto por membros indicados pela presidência.,[119][120] O painel, que teve um limitado escopo e cujos membros eram diretamente ligados à administração de Obama [121] concluiu que o programa de vigilância da NSA "não é essencial para a prevenção de ataques terroristas". O título do relatório é: Liberdade e Segurança em um mundo em mudança.[122][123] Concluiu ainda que as informações obtidas em casos envolvendo terrorismo,

"poderiam facilmente ser obtidas em tempo hábil, usando meios convencionais."

Em 12 de janeiro de 2014, o Washington Post e outros jornais, publicaram relatório de investigação feita pelo New America Foundation,[124] um instituto sem fins lucrativos, apartidário e especializado em pesquisas em políticas públicas americanas. Os resultados da investigação contradizem as afirmações de Keith Alexander.[125][126]

Após o exame de 225 casos de investigações terroristas[124] feitas a partir de 11 de setembro de 2001, a conclusão final foi de que não haviam evidência de que os programas de vigilância global da NSA tivessem gerado resultado significativo na prevenção ou resolução de qualquer atentado terrorista, e que a coleta a granel de registros telefônicos por parte da Agência Nacional de Segurança

"não teve qualquer impacto discernível sobre prevenção de atos de terrorismo."

,concluiu a investigação feita pelo Instituto.

Concluiu também que em um único caso, a coletada em massa de dados feita pela NSA contribuiu parcialmente para iniciar uma investigação terrorista: o caso de um taxista de San Diego chamado Basaaly Moalin, que foi condenado por enviar dinheiro para um grupo na Somália considerado terrorista pelo governo americano. Peter Bergen,[127] diretor do instituto e especialista em terrorismo, afirmou no relatório que:

"O problema dos oficiais americanos da área de contraterrorismo não é o fato de que eles precisam de enorme quantidades de informação obtidas através dos programas de vigilância em massa, mas sim o fato de que eles não são suficientemente capazes de para compreender nem de compartilhar as informações que eles já possuem, que foi obtida por meio de técnicas convencionais de coleta de inteligência usadas pelas forcas policiais."

  • 13 de junho de 2013 - Washington pressiona Hong Kong para entregar Snowden ao governo americano..[128] Snowden revela que os Estados Unidos tem atacado as redes de Hong Kong e da China por anos.[129][130]
  • 17 de junho de 2013 - Edward Snowden aparece em chat ao vivo, e responde à perguntas dos leitores do The Guardian..[131] Devido à preocupações de segurança de Snowden e também o acesso a uma conexão de internet segura o Guardian advertiu aos leitores que Snowden ia aparecer e desaparecer de forma intermitente, por isso, levaria algum tempo para responder as perguntas.
Implante para vigilância escondido em USB - Operações de acesso adaptado (TAO) NSA slide
  • Revelado que o GCHQ interceptou as comunicações dos líderes políticos estrangeiros em reunião de cúpula dos G-20 em 2009.[132] O Guardian publicou os documentos do GCHQ com alvos diplomáticos.[133] O Primeiro Ministro da África do Sul também foi um alvo do GCHQ.[134]
  • 21 de junho de 2013 - revelado que o GCHQ, agência de espionagem britânica, secretamente ganhou o acesso à rede de cabos que transportam telefonemas e tráfego de internet de todo o mundo e começou a processar grandes fluxos de informação pessoal compartilhada com a NSA. A operação foi denominada TEMPORA, e slides da apresentação com os detalhes de como funciona o sistema revelam o projeto do GCHQ denominado Dominando a Internet (programa de vigilância).[135] O projeto Dominando a Internet (programa de vigilância) havia sido mencionado pela imprensa britânica já em 2009 sob o mesmo título ("Mastering the Internet, em inglês)[136]
  • 23 de junho de 2013 - com a ajuda de Sarah Harrison, Snowden parte de Hong Kong[137] com destino a América Latina[138] mas e impedido de seguir viagem quando os Estados Unidos revoga seu passaporte e emite um pedido para sua extradição.[139][140] Snowden e Sarah Harrison permanecem na Rússia.[141]
  • 27 de junho de 2013 - são revelados pelo The Guardian programas da NSA executados pelo departamento Operações de Fonte Especial (SSO), que coletam gigantescas quantidades de metadados online.[142] Entre eles os programas Evil Olive e Shell Trumpet, que em dezembro de 2012, revelam os documentos, havia coletado 1 trilhão de metadados. Outro programa da SSO, o Transient Thurible, passa os metadados coletados pelo GCHQ para os sistemas da NSA.
  • Revelado que o Stellar Wind para coletar metadados usado no governo de George W. Bush desde outubro de 2001 continuou até 2011 sob a presidência de Barack Obama. O Stellar Wind foi parcialmente revelado por William Binney, considerado um dos melhores Matemáticos e criptoanalistas na História da NSA e que trabalhou para a Agência por 32 anos e demitiu-se ao ver o que estava sendo feito como o Stellar Wind, usado em substituição ao Thin Thread que, segundo Binney, protegia os americanos da vigilância global.[143]
  • 29 de junho - o Der Spiegel publica matériamateria de Laura Poitras e outros,revelando que a NSA espionava Escritórios da União Europeia.[144][145]
  • 30 de junho de 2013 - Der Spiegel revela que a NSA colhe dados de milhões pessoas inocentes na Alemanha.[146]
Julho[editar | editar código-fonte]
  • 4 de Julho de 2013 - Le Monde revela que a agência de inteligência da França vem coletando dados dos franceses por anos.[147]
  • 6 de julho de 2013 - revelados parceiros da NSA - participação da Austrália é exposta.[148] Posteriormente é revelado que também são participantes de outros países[149] no sistema de vigilância global juntamente com países membros do grupo chamado Cinco Olhos, a saber: Reino Unido, Estados Unidos, Austrália, Canadá e Nova Zelândia. O sistema geopolítico de espionagem eletrônica e comandado pela NSA, Agência de Segurança Nacional americana.[12]
  • Segunda parte da entrevista de Snowden é publicada Online pelo The Guardian.[150]
      • Iniciam-se publicações no Brasil sobre Programas de Vigilância
  • 6 julho de 2013 - O jornal O Globo inicia a publicação de informações reveladas por Edward Snowden,[151] com matéria sobre a espionagem de milhões de e-mails e ligações de brasileiros..[152] Revelado o programa XKeyscore. A existência do XKeyscore[153] foi revelada em 6 julho de 2013 pelo Jornal O Globo e pelo The Sydney Morning Herald australiano, com base nos documentos da NSA expostos por Edward Snowden
  • Um artigo no O Globo de co-autoria do jornalista do Guardian Glenn Greenwald revela que através do Fairview, a NSA tem acesso aos dados da Internet e de telefone dos cidadãos brasileiros, por meio de parcerias das empresas de telecomunicações brasileiras com empresas de telecomunicações americanas. O Fairview é um programa de vigilância em massa da NSA, que amplia a capacidade da coleta de dados de telefone, internet e e-mail, acessando os dados diretamente de computadores e telefones celulares dos cidadãos dos países estrangeiros.[154]
  • 8 de julho de 2013 - Publicações na imprensa brasileira:

-NSA e CIA mantiveram no Brasil, incluindo em Brasília, equipes dedicadas a programa de coleta de informações de dados filtrados de satélite.[155] -O Globo revela que escritórios da NSA e da CIA foram instaladas em Bogotá, Caracas, Cidade do México e Cidade do Panamá.[156] -Revelado que nove das grandes corporações e serviços de Internet participam do programa que envolve vasta coleta de Inteligência de sinais a nível mundial : Microsoft, Google, Facebook, Yahoo!, Apple, YouTube, AOL, Paltalk e Skype[82][91][157]

De acordo com documentos da NSA revelados por Edward Snowden, em um único dia, em 2012, a NSA coletou listas de contatos de e-mails de:

Diariamente, a NSA coleta cerca de 500.000 listas de contatos em serviços de bate-papo ao vivo e de caixas de entrada de contas de webmails como o Gmail, por exemplo. No seu conjunto, os dados permitem que a NSA crie perfis detalhados de vida de uma pessoa com base em suas relações pessoais, profissionais, religiosas e políticas.

Embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Thomas Shannon, desmente os artigos publicados pelo O GLOBO[162] e afirma que:

"eles apresentam uma uma imagem do nosso programa que não é correta"

  • 9 de julho de 2010 - jornal O Globo publica mais informações sobre a espionagem na América Latina.[163][164]
  • 11 de julho de 2013 - revelado que a Microsoft tem colaborado estreitamente com os serviços de inteligência dos Estados Unidos, inclusive dando acesso a Agência de Segurança Nacional a própria criptografia da empresa.[165]
Centro de Processamento de Dados da NSA em Bluffdale, Utah
Agosto[editar | editar código-fonte]
  • 1° de agosto de 2013 - NSA pagou cerca de 1 milhão de libras britânicas ao GCHQ para espionagem.[178]
  • 31 de agosto de 2013 - Der Spiegel revela que NSA espionou as comunicações da Al Jazeera.[179]
Bullrun-Exploração da tecnologia de criptografia da Internet pela NSA
Programa de decriptografia Bullrun - Guia de classificação
Setembro[editar | editar código-fonte]

Em 5 de setembro de 2013, foi revelada a existência do programa Bullrun (Programa de de-criptografia), um programa secreto da NSA cujo objetivo é descriptografar qualquer mensagem, burlando a segurança e quebrando as diversas tecnologias de criptografia usadas em redes de comunicação.[180][181][182][183]

Foi revelado ainda que a NSA, com o GCHQ britânico, está trabalhando, com sucesso, não apenas para decodificar sistemas de encriptação nos quais se baseia a segurança em redes de informática[184] mas também para sabotá-los.

A NSA vem executando atividades que vão desde conluio com o NIST para enfraquecer os padrões de criptografia usados globalmente,[185][186][187][188] colaborando na sabotagem de vários sistemas e padrões de criptologia e proteção da Internet à interceptação de compras feitas online, abrindo pacotes e implantando malwares em produtos antes de serem entregues aos compradores. A divisão da NSA chamada TAO esta a cargo de inúmeras atividades de sabotagem à nível mundial.[189][190][191]

Os documentos revelados por Edward Snowden mostram que na sabotagem dos padrões de sistemas de encriptação adotados mundialmente, a NSA contou também com a colaboração do serviço canadense CSEC, uma vez que o mesmo faz parte do grupo que opera em conjunto, sob o comando da NSA, conhecido como Cinco Olhos, (The Five Eyes, em inglês),[192][193] do qual fazem parte Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Reino Unido e os Estados Unidos.[194][195]

Dezembro[editar | editar código-fonte]
  • 3 de dezembro de 2013 - o editor do The Guardian Alan Rusbridger, foi questionado por uma comissão parlamentar na Inglaterra[196] e defendeu vigorosamente sua decisão de publicar uma série de artigos com base nos arquivos secretos vazados por Edward Snowden, apesar da intimidação que o jornal vem sofrendo pelo GCHQ.[197] E declarou que o direito de continuar publicando os fatos, atinge diretamente o coração da liberdade de imprensa e democracia na Grã-Bretanha. Afirmou também que apenas cerca de 1 por cento dos documentos dos 58.000 documentos fornecidos ao Guardian por Snowden foram até então publicados, em dezembro de 2013.[198]

2014[editar | editar código-fonte]

Março[editar | editar código-fonte]

Abril[editar | editar código-fonte]

  • 8 de abril de 2014 - Snowden revela que Estados Unidos espionou grupos de Direitos Humanos..[201] Por videoconferência a partir de Moscou, Snoweden prestou depoimeto ao Conselho da Europa em Estrasburgo, órgão máximo de direitos humanos da Europa, e apresentou provas de que a Agência de Segurança Nacional deliberadamente espionou em órgãos como a Anistia Internacional e Human Rights Watch.[201]

Maio[editar | editar código-fonte]

O livro contém informações sobre a vigilância global da NSA ainda não publicadas pela imprensa até maio de 2014, incluindo revelações da parceria da NSA com empresas americanas, de fornecimento ou fabricação de equipamentos distibuidos já com backdoors que facilitem a vigilância mundial e a implantaçāo de spywares em computadores ao redor do mundo.[205] Entre elas está a Verizon bem como a Qualcomm[206] que fabrica e vende no mercado mundial equipamentos com backdoors para os malwares que facilitam a espionagem. Outras empresas reveladas como parceiras da NSA são: Cisco, Oracle, Intel, Qwest, EDS, AT&T, Verizon,Microsoft, IBM.

A Qualcomm, é uma das empresas principais no fornecimento de chipsets e outras tecnologias incluindo processadores para dispositivos móveis como por exemplo, telefones celulares, bem como de hardware e software distribuídos ao redor do mundo e em parceria direta com a NSA, fabricando e vendendo no mercado mundial equipamentos com backdoors para os malwares que facilitam a espionagem da NSA;[207] seus equipamentos[190] tem papel fundamental no espionagem americana em vários países, incluindo mas não se limitando a: Brasil, Japão, Coreia do Sul, França, Alemanha. A presidência da empresa não quis comentar sobre o assunto ainda em janeiro de 2014 quando surgiram as primeiras informações sobre a parceria da Qualcomm com a NSA, documentadas em maio de 2014.[208][209][210]

  • 15 de maio de 2014 publicados documentos mostrando as atividades da NSA de interceptação de produtos adquiridos online. A agência americana abre pacotes e implanta malwares em produtos antes de serem entregues aos compradores. Tais atividades haviam sido expostas anteriormente pelo Der Spiegel em dezembro de 2013.[211] mas as fotos de uma apresentação da NSA mostrando os pacotes sendo abertos e sendo então empacotados para entrega foram publicadas por em maio de 2014[212] A divisão da NSA chamada TAO esta a cargo de inúmeras atividades de sabotagem à nível mundial.[189][190][191]

2015[editar | editar código-fonte]

Abril[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Tomgram: Alfred McCoy, It's About Blackmail, Not National Security. Por Alfred W. McCoy, TomDispatch, 19 de Janeiro de 2014 (em inglês)
  2. a b Webb, Maureen (2007). Illusions of Security: Global Surveillance and Democracy in the Post-9/11 World 1. ed. ed. San Francisco: City Lights Books. ISBN 0872864766 
  3. Documentos da NSA files decodificados: As revelações de Edward Snowden explicadas (em inglês) como a vigilância global afeta sua vida- vigilância global explicada | World news | theguardian.com
  4. NSA violou normas e lei de espionagem milhares de vezes Espionagem dos Estados Unidos:Cronologia- VEJA - 16 de agosto de 2013
  5. Snowden gains support from protesters in Hong Kong - video | World news | theguardian.com
  6. Edward Snowden is a 'traitor' and possible spy for China – Dick Cheney | World news | theguardian.com
  7. «Brasil sabe desde 2001 que os EUA espionam internet». Folha de S. Paulo. 11 de julho de 2013. Consultado em 21 de março de 2014 
  8. Barton Gellman (24 de dezembro de 2013). «Edward Snowden, after months of NSA revelations, diz que sua missao foi bem sucedida». The Washington Post. Consultado em 17 de março de 2014 
  9. a b «Entenda o caso de Edward Snowden, que revelou espionagem dos EUA». G1. 2 de julho de 2013. Consultado em 14 de março de 2014 
  10. «As origens da espionagem». CartaCapital. 11 de dezembro de 2013. Consultado em 21 de março de 2014 
  11. Farrell, Paul. «History of 5-Eyes – explainer». the Guardian. Consultado em 22 de outubro de 2015 
  12. a b «Os "Cinco Olhos" e os cegos». Carta Capital. 11 de novembro de 2013. Consultado em 17 de março de 2014 
  13. Barton Gellman (24 de dezembro de 2013). «Edward Snowden, after months of NSA revelations, says his mission's accomplished». The Washington Post. Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  14. a b Chan, Edwin (11 de julho de 2013). «Microsoft helped NSA, FBI access user info: Guardian». Reuters. Consultado em 15 de novembro de 2016 
  15. a b Glenn Greenwald, Ewen MacAskill, Laura Poitras, Spencer Ackerman and Dominic Rushe (11 de julho de 2013). «Revealed: how Microsoft handed the NSA access to encrypted messages». The Guardian (em inglês). London. Consultado em 15 de novembro de 2016 
  16. «Report: NSA and CIA collaborate on drone strikes» (em inglês). Associated Press. 17 de outubro de 2013. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  17. Doug Gross (10 de dezembro de 2013). «Leak: Government spies snooped in 'Warcraft,' other games» (em inglês). CNN. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  18. Craig Timberg; Barton Gellman (3 de setembro de 2013). «NSA paying U.S. companies for access to communications networks». The Washington Post (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2016 
  19. Michael Winter (23 de agosto de 2013). «NSA reimbursed tech firms millions for data». USA Today (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2016 
  20. Brian Fung. «The NSA paid Silicon Valley millions to spy on taxpayers». The Washington Post (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2016 
  21. Rob Williams (2 de agosto de 2013). «Americans pay GCHQ £100m to spy for them, leaked NSA papers from Edward Snowden claim». The Independent (em inglês). London. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  22. Kiran Stacey (1 de agosto de 2013). «US paid GCHQ £100m for UK intelligence, say leaked documents». Financial Times (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2016 
  23. Jacques Follorou. «La France, précieux partenaire de l'espionnage de la NSA». Le Monde (em francês). Consultado em 21 de novembro de 2016 
  24. «Espionnage: les services secrets français précieux partenaires de la NSA américaine» (em francês). Radio France Internationale. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  25. a b c Hubert Gude; Laura Poitras; Marcel Rosenbach (5 de agosto de 2013). «German intelligence Sends Massive Amounts of Data to the NSA». Der Spiegel (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2016 
  26. «SPIEGEL Reveals Cooperation Between NSA and German BND». Der Spiegel (em inglês). 8 de julho de 2013. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  27. Glenn Greenwald; Laura Poitras; Ewen MacAskill (11 de setembro de 2013). «NSA shares raw intelligence including Americans' data with Israel». The Guardian (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2016 
  28. Ball, James (21 de novembro de 2013). «US and UK struck secret deal to allow NSA to 'unmask' Britons' personal data». The Guardian (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2016 
  29. Philip Dorling (12 de setembro de 2013). «US shares raw intelligence on Australians with Israel». The Sydney Morning Herald (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2016 
  30. Ewen MacAskill; James Ball; Katharine Murphy (2 de dezembro de 2013). «Revealed: Australian spy agency offered to share data about ordinary citizens». The Guardian (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2016 
  31. David E.Sanger; Thom Shanker (14 de janeiro de 2014). «N.S.A. Devises Radio Pathway into Computers». The New York Times (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2014 
  32. «Who holds security clearances?». The Washington Post (em inglês). 10 de junho de 2013. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  33. a b c Cameron Stewart; Paul Maley (5 de dezembro de 2013). «Edward Snowden stole up to 20,000 Aussie files». The Australian. Consultado em 1 de fevereiro de 2014 
  34. Philip Dorling (13 de junho de 2013). «Australia gets 'deluge' of US secret data, prompting a new data facility». The Sydney Morning Herald (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2016 
  35. Nick Hopkins (7 de junho de 2013). «UK gathering secret intelligence via covert NSA operation». The Guardian (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2016 
  36. Olmer, Bart. «Ook AIVD bespiedt internetter». De Telegraaf (em Dutch). Consultado em 15 de novembro de 2016. Niet alleen Amerikaanse inlichtingendiensten monitoren internetters wereldwijd. Ook Nederlandse geheime diensten krijgen informatie uit het omstreden surveillanceprogramma 'Prism'. 
  37. Brandon Griggs (13 de julho de 2013). «Report: Microsoft collaborated closely with NSA» (em inglês). CNN. Consultado em 15 de novembro de 2016. And Microsoft also worked with the FBI this year to give the NSA easier access to its cloud storage service SkyDrive 
  38. a b c Greenwald, Glenn; MacAskill, Ewen (7 de junho de 2013). «NSA Prism program taps in to user data of Apple, Google and others» (em inglês). The Guardian. Consultado em 15 de novembro de 2016 
  39. a b René Pfister, Laura Poitras, Marcel Rosenbach, Jörg Schindler and Holger Stark (22 de julho de 2013). «German Intelligence Worked Closely with NSA on Data Surveillance». Der Spiegel (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2016 
  40. Gunnar Rensfeldt. «FRA has access to controversial surveillance system» (em inglês). Sveriges Television. Consultado em 15 de novembro de 2016 
  41. Gunnar Rensfeldt. «Read the Snowden Documents From the NSA» (em inglês). Sveriges Television. Consultado em 15 de novembro de 2016 
  42. Nick Hopkins; Julian Borger (1 de agosto de 2013). «Exclusive: NSA pays £100m in secret funding for GCHQ». The Guardian (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2016 
  43. Rob Williams (2 de agosto de 2013). «Americans pay GCHQ £100m to spy for them, leaked NSA papers from Edward Snowden claim». The Independent (em inglês). London. Consultado em 15 de novembro de 2016 
  44. a b c d e f g James Ball; Luke Harding; Juliette Garside. «BT and Vodafone among telecoms companies passing details to GCHQ». The Guardian (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2016 
  45. Gellman, Barton; Soltani, Ashkan; Peterson, Andrea (4 de novembro de 2013). «How we know the NSA had access to internal Google and Yahoo cloud data». The Washington Post (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2016 
  46. Matthias Gebauer; Hubert Gude; Veit Medick; Jörg Schindler; Fidelius Schmid (9 de setembro de 2013). «CIA Worked With BND and BfV in Neuss on Secret Project». Der Spiegel (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2016 
  47. Philip Dorling (31 de outubro de 2013). «Exposed: Australia's Asia spy network». The Sydney Morning Herald. Consultado em 15 de novembro de 2016 
  48. a b c d «Photo Gallery: Spies in the Embassy». Der Spiegel (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2016 
  49. Colin Freeze (29 de outubro de 2013). «Canadian embassies eavesdrop, leak says». The Globe and Mail (em inglês). Toronto. Consultado em 15 de novembro de 2016 
  50. a b Duncan Campbell, Cahal Milmo, Kim Sengupta, Nigel Morris, Tony Patterson (5 de novembro de 2013). «Revealed: Britain's 'secret listening post in the heart of Berlin'». The Independent (em inglês). London. Consultado em 15 de novembro de 2016 
  51. Duncan Campbell; Cahal Milmo (5 de novembro de 2013). «Exclusive: RAF Croughton base 'sent secrets from Merkel's phone straight to the CIA'». The Independent. London. Consultado em 15 de novembro de 2016 
  52. a b Jacques Follorou (30 de outubro de 2013). «Surveillance : la DGSE a transmis des données à la NSA américaine». Le Monde (em French). Consultado em 15 de novembro de 2016 
  53. a b «Espionnage : la France aurait collaboré avec la NSA» (em francês). Le Parisien. 29 de outubro de 2013. Consultado em 15 de novembro de 2016 
  54. Ewen Macaskill; Gabriel Dance; Feilding Cage; Greg Chen (1 de novembro de 2013). «NSA files decoded: Edward Snowden's surveillance revelations explained». The Guardian (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2016 
  55. Ewen MacAskill; Dominic Rushe. «Snowden document reveals key role of companies in NSA data collection». The Guardian (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2016 
  56. «David Miranda row: Seized files 'endanger agents'». BBC. 30 de agosto de 2013. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  57. a b «Pentagon Says Snowden Took Most U.S. Secrets Ever» (em inglês). 9 de janeiro de 2014. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  58. Leopold, Jason (4 de junho de 2015). «Exclusive: Inside Washington's Quest to Bring Down Edward Snowden». Vice News. Consultado em 21 de novembro de 2015 
  59. Corera, Gordon (29 de outubro de 2013). «Spying scandal: Will the 'five eyes' club open up?». BBC. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  60. Risen, James (17 de outubro de 2013). «Snowden Says He Took No Secret Files to Russia». The New York Times (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2016 
  61. Timothy Heritage; Steve Holland (1 de agosto de 2013). «Russia gives Snowden asylum, Obama-Putin summit in doubt». Reuters. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  62. «U.S. Electronic Espionage: A Memoir». Ramparts. Agosto de 1972. pp. 35–50. The SIGINT community was defined by a TOP SECRET treaty signed in 1947. It was called the UKUSA treaty. The National Security Agency signed for the U.S. and became what's called First Party to the Treaty. 
  63. Campbell, Duncan (12 de agosto de 1988). «Somebody's Listening». New Statesman. Cópia arquivada em 20 de abril de 2013. The Congressional officials were first told of the Thurmond interception by a former employee of the Lockheed Space and Missiles Corporation, Margaret Newsham, who now lives in Sunnyvale, California. 
  64. «Shayler: Whistleblower or traitor?» (em inglês). BBC. 3 de março de 2000. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  65. JOSEPH FINDER (29 de abril de 2001). «Bugging the World». The New York Times (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2016 
  66. «NSA Whistleblowers William (Bill) Binney and J. Kirk Wiebe» (em inglês). Government Accountability Project. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2013 
  67. Ellen Nakashima (14 de julho de 2010). «Former NSA executive Thomas A. Drake may pay high price for media leak». The Washington Post. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  68. Davies, Ben (27 de novembro de 2003). «Interview: Whistleblower Katharine Gun» (em inglês). BBC. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  69. «UK 'spied on UN's Kofi Annan'» (em inglês). BBC. 26 de fevereiro de 2004. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  70. JAMES RISEN; ERIC LICHTBLAU (16 de dezembro de 2005). «Bush Lets U.S. Spy on Callers Without Courts». The New York Times. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  71. Brian Ross (10 de janeiro de 2006). «NSA Whistleblower Alleges Illegal Spying» (em inglês). ABC News. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  72. Leslie Cauley (11 de maio de 2006). «NSA has massive database of Americans' phone calls». USA Today (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2016 
  73. «Wiretap Whistle-Blower's Account». Wired. 6 de abril de 2006. Consultado em 28 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2014 
  74. «Wikileaks disclosure shines light on Big Brother» (em inglês). CBS News. 1 de dezembro de 2011. Consultado em 11 de abril de 2015 
  75. Hastings, Michael (28 de fevereiro de 2012). «Exclusive: Homeland Security Kept Tabs on Occupy Wall Street». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2016 
  76. «Snowden leaks 'worst ever loss to British intelligence'». BBC. 11 de outubro de 2013. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  77. «Brasil é um grande alvo. Documentos revelados neste fim de semana mostram que o governo dos Estados Unidos espionou milhões de telefonemas e e-mails de brasileiros». G1. 7 de julho de 2013. Consultado em 14 de março de 2014 
  78. «Petrobras foi espionada pelos EUA, apontam documentos da NSA Confirmação da espionagem está em documentos ultrassecretos, vazados por Edward Snowden, ao qual o Fantástico teve acesso exclusivo». G1. 8 de Setembro de 2013. Consultado em 14 de março de 2014 
  79. «Documentos da NSA apontam Dilma Rousseff como alvo de espionagem». G1. 1 de setembro de 2013. Consultado em 14 de março de 2014 
  80. «Revelações mostram que NSA pode quebrar barreiras de proteção da internet». G1. 5 de setembro de 2013. Consultado em 14 de março de 2014 
  81. «NSA violava privacidade milhares de vezes por ano». G1. 16 de agosto de 2013. Consultado em 14 de março de 2014 
  82. a b CPI da Espionagem vai ouvir Google, Facebook e empresas de telefonia — Senado Federal - Portal de Notícias
  83. «NSA capta dados de rede social para traçar perfil de americanos. Agência do governo dos EUA reúne informações telefônicas e bancárias. "New York Times" obteve novos documentos de Edward Snowden». G1. 28 de setembro de 2013. Consultado em 14 de março de 2014 
  84. Glenn Greenwald, um jornalista no caminho de Obama - Jornal O Globo
  85. NSA collecting phone records of millions of Verizon customers daily | World news | The Guardian
  86. a b Everything you need to know about the NSA’s phone records scandal
  87. PRISM allows NSA, FBI to track anyone's movements, contacts | WJLA.com
  88. a b NSA slides explain the PRISM data-collection program - The Washington Post
  89. NSA Prism program taps in to user data of Apple, Google and others | World news | The Guardian
  90. The NSA has us snared in its trap – and there's no way out | Technology | The Observer
  91. a b Empresas de tecnologia negam colaboração com espionagem dos EUA - Jornal O Globo
  92. GCHQ-NSA revelations - Hague responds: politics blog | Politics | theguardian.com
  93. Data snooping: law abiding citizens have 'nothing to fear', says Hague – video | UK news | theguardian.com
  94. Obama orders US to draw up overseas target list for cyber-attacks | World news | theguardian.com
  95. Obama tells intelligence chiefs to draw up cyber target list – full document text | World news | theguardian.com
  96. G1 - Ministério de Minas e Energia foi alvo de espionagem do Canadá - notícias em Política
  97. Boundless Informant: NSA explainer – full document text | World news | theguardian.com
  98. Boundless Informant NSA data-mining tool – four key slides | World news | theguardian.com
  99. Boundless Informant: the NSA's secret tool to track global surveillance data | World news | theguardian.com
  100. EUA podem espionar quase tudo que internauta faz, revelam documentos — CartaCapital
  101. Glenn Greenwald on security and liberty + Boundless Informant | Comment is free | The Guardian
  102. NSA whistleblower Edward Snowden: 'I don't want to live in a society that does these sort of things' – video | World news | theguardian.com
  103. «Como funciona a ferramenta dos EUA para monitorar a web». BBC. 2 de agosto de 2013. Consultado em 19 de março de 2014 
  104. NSA Chief Testifies Cybersecurity Hearing | Video | C-SPAN.org
  105. How the NSA’s Claim on Thwarted Terrorist Plots Has Spread
  106. a b Anger swells after NSA phone records court order revelations | World news | The Guardian
  107. Quem mais coletava Metadados? A Stasi - (original em inglês:You Know Who Else Collected Metadata? The Stasi.) - ProPublica
  108. Stasi Social Network Analysis
  109. NSA to release details of attacks it claims were foiled by surveillance | World news | theguardian.com
  110. N.S.A. Chief Says Phone Logs Halted Terror Threats - NYTimes.com
  111. Dianne Feinstein News - The New York Times
  112. Claim on “Attacks Thwarted” by NSA Spreads Despite Lack of Evidence - ProPublica
  113. NSA Chief Testifies Damage Surveillance Leaks | Video | C-SPAN.org
  114. Us 13 Alexander Keynote - ProPublica
  115. 13inmate_ProjectMKULTRA.pdf
  116. http://www2.gwu.edu/~nsarchiv/radiation/dir/mstreet/commeet/meet4/trnsct04.txt
  117. Iran Contra Committee Key Findings
  118. Jewel v. NSA | Electronic Frontier Foundation
  119. Who’s on the panel reviewing the NSA’s actions? - The Washington Post
  120. White House Picks Panel to Review NSA Programs - ABC News
  121. Obama’s ‘outside experts’ for NSA review are former intel and White House staffers
  122. NSA review board's report - The Washington Post
  123. NSA shouldn’t keep phone database, review board recommends - The Washington Post
  124. a b Do NSA's Bulk Surveillance Programs Stop Terrorism? | The National Security Program
  125. Coleta da NSA faz pouco na prevencao de ataque terrorista (NSA phone record collection does little to prevent terrorist attacks) - The Washington Post
  126. Report suggests NSA surveillance has not stopped terrorism | Al Jazeera America
  127. Peter Bergen | NewAmerica.org
  128. Washington is bullying Hong Kong to extradite me, says Edward Snowden | South China Morning Post
  129. Edward Snowden: US government has been hacking Hong Kong and China for years | South China Morning Post
  130. EXCLUSIVE: US hacked Pacnet, Asia Pacific fibre-optic network operator, in 2009 | South China Morning Post
  131. Edward Snowden: NSA whistleblower answers reader questions | World news | theguardian.com
  132. GCHQ intercepted foreign politicians' communications at G20 summits | UK news | The Guardian
  133. GCHQ surveillance – the documents | UK news | theguardian.com
  134. How GCHQ stepped up spying on South African foreign ministry | World news | The Guardian
  135. GCHQ taps fibre-optic cables for secret access to world's communications | UK news | The Guardian
  136. Jacqui's secret plan to 'Master the Internet' The Register
  137. G1 - Conheça Sarah Harrison, militante do WikiLeaks que ajuda Snowden - notícias em Mundo
  138. Avião onde viaja Snowden já aterrou em Moscovo - Globo - DN
  139. Statement from Edward Snowden in Moscow
  140. Edward Snowden's letter to the president of Ecuador – full text | World news | theguardian.com
  141. Um terremoto chamado Snowden - Carta Maior
  142. How the NSA is still harvesting your online data | World news | theguardian.com
  143. [1] Assista o documentário "O Programa" - Em inglês - The National Security Agency’s Domestic Spying Program - NYTimes.com
  144. NSA Spied on European Union Offices - SPIEGEL ONLINE
  145. Secret NSA Documents Show How the US Spies on Europe and the UN - SPIEGEL ONLINE
  146. NSA Spies on 500 Million German Data Connections - SPIEGEL ONLINE
  147. La totalité de nos communications espionnées par un supercalculateur
  148. Edward Snowden reveals Australia's Links To Secret US Spy Program
  149. França também espiona, diz ‘Le Monde’ - Jornal O Globo
  150. Edward Snowden: 'The US government will say I aided our enemies' – video interview | World news | theguardian.com
  151. G1 - Entenda o caso de Edward Snowden, que revelou espionagem dos EUA - notícias em Mundo
  152. EUA espionaram milhões de e-mails e ligações de brasileiros - Jornal O Globo
  153. «Como funciona a ferramenta dos EUA para monitorar a web». BBC Brasil. 2 de agosto de 2013. Consultado em 15 de março de 2014 
  154. «FAIRVIEW: Programa que amplia a capacidade da coleta de dados-Mapa mostra volume de rastreamento do governo americano Brasil é o país mais monitorado da América Latina». O Globo. 11 de junho de 2013. Consultado em 19 de março de 2014 
  155. NSA e CIA mantiveram em Brasília equipe para coleta de dados filtrados de satélite - Jornal O Globo
  156. Capitais de 4 países também abrigaram escritório da NSA e CIA - Jornal O Globo
  157. EUA têm acesso direto aos servidores de Google, Facebook e Apple, dizem jornais — CartaCapital
  158. NSA capturou 250 milhões de endereços de e-mails em 2012
  159. NSA recolhe milhões de listas de contactos a partir de e-mails e mensagens - PÚBLICO
  160. NSA coleta contatos de e-mails e chats - Link Estadão – Cultura Digital - Estadao.com.br
  161. NSA coletou milhões de listas de contatos de e-mails pessoais - Jornal O Globo
  162. [2] Embaixador americano rebate denúncias de espionagem dos EUA - O Globo]
  163. Espionagem dos EUA se espalhou pela América Latina - Jornal O Globo
  164. «Mapa mostra volume de rastreamento do governo americano Brasil é o país mais monitorado da América Latina». O Globo. 11 de junho de 2013. Consultado em 19 de março de 2014 
  165. Microsoft handed the NSA access to encrypted messages | World news | The Guardian
  166. The Agency That Could Be Big Brother - New York Times
  167. The Pulitzer Prizes | Citation
  168. BBCBrasil.com | Notícias | Bush admite pela 1ª vez prisões da CIA fora dos EUA
  169. CIA Holds Terror Suspects in Secret Prisons
  170. Terrorismo e segurança nacional - opiniao - versaoimpressa - Estadão
  171. Democracia Política e novo Reformismo: 11/10/2011
  172. ‘Top Secret America’: A look at the military’s Joint Special Operations Command - The Washington Post
  173. Top Secret America | washingtonpost.com
  174. Words Dana Priest | Video | C-SPAN.org
  175. EUA expandem o aparato de vigilância continuamente - Jornal O Globo
  176. Welcome to Utah, the NSA's desert home for eavesdropping on America | World news | theguardian.com
  177. XKeyscore: NSA tool collects 'nearly everything a user does on the internet' | World news | theguardian.com
  178. Exclusive: NSA pays £100m in secret funding for GCHQ | UK news | The Guardian
  179. NSA Spied on Al Jazeera Communications: Snowden Document - SPIEGEL ONLINE
  180. EUA e Reino Unido ‘derrotaram’ criptografia na internet - Carta Maior - 7 de setembro de 2009 [3]
  181. NSA e GCHQ têm capacidade de quebrar a segurança e criptografia da Internet - 6 de setembro de 2013- TECHNET TecheNet - tecnologia, Internet, ciência, redes sociais, design
  182. Revelações de Snowden põem fórmula de segurança digital em xeque Jornal O Globo - 20 de setembro de 2013
  183. Documents Reveal N.S.A. Campaign Against Encryption - Documents - NYTimes.com - 5 de setembro de 2013 [4]
  184. Correio Braziliense: Empresas dos EUA de cibersegurança são vítimas colaterais do caso Snowden - Economia - Correio Braziliense
  185. Wired.com: New Snowden Leak Reports 'Groundbreaking' NSA Crypto-Cracking NSA quebrando a criptologia -Wired - agosto de 2013
  186. The Washington Post: ‘Black budget’ summary details U.S. spy network’s successes, failures and objectives Black Budget - resumo de sucessos dos espiões (inglês) - The Washington Post 29 de agosto de 2013
  187. usatoday.com: NSA usa supercomputadores para destruir a criptografia do WEB,mostram os documentos USAToday - 5 de setembro de 2013
  188. ProPublica: [5] A campanha secreta da NSA para quebrar a criptografia, enfraquecer a Internet (em ingles) - ProPublica - 5 de setembro de 2013
  189. a b DailyTech - Report: NSA Intercepts PC Deliveries, Pays Cybercriminals to Spy on Americans Mercadorias interceptadas pela NSA e adulteradas no caminho de entrega aos consumidores (Original em inglês:Consumer electronics goods are reportedly regularly diverted to secret workshops where they are modified)- Daily Tech - 30 de dezembro de 2013
  190. a b c Report: NSA Intercepting Laptops Ordered Online, Installing Spyware NSA - Interceptando Laptops comprados online para instalar spyware - Forbes 29 de dezembro de 2013
  191. a b DailyTech - Tax and Spy: How the NSA Can Hack Any American, Stores Data 15 Years NSA vídeo de palestra explicativa de documentos - Daily Tech - 31 dezembro de 2013
  192. Folha de S.Paulo: Cinco olhos, todos em você - 09/07/2013 - Clóvis Rossi - Colunistas - Folha de S.Paulo
  193. «Os "Cinco Olhos" e os cegos». Carta Capital. 11 de novembro de 2013. Consultado em 17 de março de 2014 
  194. The strange connection between the NSA and an Ontario tech firm A estranha conexão da NSA com a empresa de tecnologia de Ontário (em inglês)- The Globe and Mail - 20 de janeiro de 2014
  195. CSEC Handed Over Control Of Encryption Standards To NSA: Report Communications Security Establishment Canada deu controle de criptologia para a NSA (em inglês) - The Huffington Post - 9 de novembro de 2013
  196. ▶ Guardian editor Alan Rusbridger appears before MPs by theguardian.com
  197. Q & A with Alan Rusbridger, editor of the Guardian - The Washington Post
  198. Guardian editor defends publication of Snowden files - The Washington Post
  199. por Ryan Gallagher e Peter Maass (22 de março de 2014). «Esforços secretas da NSA para caçar administradores de sistema» 🔗. The Interceptar. Consultado em 22 de março de 2014 
  200. «Eu caço Sys Admins». O Intercept. 20 de março de 2014 
  201. a b Edward Snowden: US government spied on human rights workers | World news | The Guardian
  202. Leia com exclusividade mais trechos do livro de Glenn Greenwald Sem lugar para se esconder Jornal O Globo 11 de maio de 2014
  203. Jornalista do caso Snowden lança livro com novas espionagens da NSA - notícias em O Programa TV Globo - Programa do Jô - 13 de maio de 2014
  204. Jornalista relata bastidores do caso Snowden em livro Sem Lugar para se esconder: Edward Snowden, a NSA e a espionagem do governo americano - Estadão - 14 de maio de 2014 No place to Hide -pag 25 e 57 - (ISBN 9780771036781)
  205. No Place To Hide-Documentos-Compressed.pdf Documentos publicados por Glenn Greenwald no livro Sem lugar para se esconder , ISBN 9788543100951 - Companhias parceiras estratégicas da NSA- página 102 - 14 de maio de 2014
  206. DailyTech - CES 2014: Qualcomm CEO on NSA "We Can't Comment on That" DailyTech -6 de janeiro de 2014
  207. NSA plantou malware em 50.000 redes, diz relatório Jornal O Globo - 25 de novembro de 2013
  208. DailyTech - CES 2014: Qualcomm CEO on NSA "We Can't Comment on That" DailyTech -6 de janeiro de 2014
  209. NSA-Partners1.jpg (JPEG Image, 885 × 651 pixels) - Scaled (98%) Slide da apresentaçāo da NSA mostrando as empresas fabricantes parceiras chave - 14 de maio de 2014
  210. Direct NSA Partners: AT&T, Verizon, Microsoft, Cisco, IBM, Oracle, Intel, Qualcomm, Qwest & EDS Washington's Blog 14 de maio de 2014
  211. NSA Secret Toolbox: ANT Unit Offers Spy Gadgets for Every Need Operações de acesso adaptado (TAO) NSA - Der Spiegel 30 de dezembro de 2013
  212. [6] Documentos publicados por Glenn Greenwald no livro Sem lugar para se esconder , ISBN 9788543100951 - Companhias parceiras estratégicas da NSA-pagina 149- 14 de maio de 2014
  213. U.S. secretly tracked billions of calls for decades por Brad Heath no jornal "USA TODAY" em 8 de abril de 2015

Ligações externas[editar | editar código-fonte]