Miguel Lombardi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Miguel Lombardi
Deputado federal por São Paulo
Período 1 de fevereiro de 2015
até a atualidade
Vereador de Limeira
Período 1 de janeiro de 1997
até 1 de fevereiro de 2015[1]
Dados pessoais
Nascimento 29 de janeiro de 1964 (54 anos)[2]
Limeira, São Paulo[2]
Alma mater Uninter[3]
Partido PR (2002—presente)[3]

Miguel Lombardi (Limeira, 29 de janeiro de 1964)[2] é um deputado federal pelo estado de São Paulo. Atua em defesa de Limeira e do interior paulista no Congresso Nacional. Lombardi é filiado ao Partido da República (PR).[3] Foi eleito deputado federal pelo estado de São Paulo nas eleições de 2014.[4] Antes de ser escolhido pelo povo paulista como um dos seus representantes na Câmara Federal, ele exerceu quatro mandatos consecutivos como vereador no município de Limeira.

Vida pública[editar | editar código-fonte]

Em 1996, iniciou a vida pública na cidade de Limeira. Foi candidato a vereador e obteve 1.049 votos, conquistando a 1ª suplência. Nos anos de 1997 a 2000, assessorou o vice-prefeito Paulo Brasil Batistella. No ano 2000, voltou a disputar o pleito para vereador, sendo eleito com 1.635 votos, e foi reeleito em 2004, 2008 e 2012. Elaborou as seguintes leis: Bolsa-Creche, Fecha-Bar, Proibição da Cobrança da Taxa de Religação de Água, Parcelamento das Taxas de Alvarás e Vigilância Sanitária.

Lombardi foi membro da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados do Brasil por oito anos e presidiu a comissão por seis vezes. Teve um papel destacado na Comissão Permanente de Saúde. Ele também presidiu a histórica Comissão Processante (CP) que, pela primeira vez na história da cidade, cassou o mandato de um prefeito. Em 2014, foi eleito deputado federal com a maioria dos votos dos limeirenses, após duas décadas sem representante no Congresso Nacional.

Miguel Lombardi iniciou o mandato no dia 1 de fevereiro de 2015. Atualmente, é titular da Comissão da Seguridade Social e Família e integra a Subcomissão de Reestruturação da Organização, Funcionamento e Financiamento do SUS; a Subcomissão de Saúde e a Subcomissão da Política Agrícola. No primeiro ano de mandato, apresentou seis projetos de lei. Notabilizou-se por registrar 100% de presença nos dias de votação. Foi eleito deputado federal em 2014, para a 55.ª legislatura (2015-2019), pelo PR.

Posicionamento político[editar | editar código-fonte]

Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[5] Já durante o Governo Michel Temer, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[5] Em abril de 2017 foi favorável à Reforma Trabalhista.[5][6] Em agosto de 2017, votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do presidente Michel Temer, ajudando a arquivar a denúncia do Ministério Público Federal.[5][7] Na sessão do dia 25 de outubro de 2017, o deputado, mais uma vez, votou contra o prosseguimento da investigação de Temer, acusado pelos crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa. O resultado da votação livrou o Michel Temer de uma investigação por parte do Supremo Tribunal Federal (STF).[8]

Referências

  1. Zampar, Lígia (7 de outubro de 2014). «Miguel Lombardi é eleito deputado federal». Jornal de Limeira. Consultado em 16 de fevereiro de 2015. 
  2. a b c «MIGUEL LOMBARDI». UOL. Consultado em 16 de fevereiro de 2015. 
  3. a b c «MIGUEL LOMBARDI - PR/SP». Câmara dos Deputados do Brasil. Consultado em 16 de fevereiro de 2015. 
  4. «Miguel Lombardi 2277». Eleições 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2015.. Miguel Lombardi foi candidato a Deputado Federal por São Paulo pelo Partido da República e foi eleito. Obteve 32.080 votos (0.15%) 
  5. a b c d G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017. 
  6. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017. 
  7. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017. 
  8. «Como votou cada deputado sobre a 2ª denúncia contra Temer». Terra 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]