Fausto Pinato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fausto Pinato
Deputado federal por  São Paulo
Período 1 de fevereiro de 2015
a atualidade
Dados pessoais
Nome completo Fausto Ruy Pinato
Nascimento 1 de junho de 1977 (40 anos)
Fernandópolis, SP
Partido PRB (2013—2016), PP (2016-presente)
Profissão Advogado
Website Website oficial

Fausto Ruy Pinato (Fernandópolis, 1 de junho de 1977) é um advogado[1] e político brasileiro, atualmente filiado ao Partido Progressista (PP).[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filiado ao PP, Pinato foi eleito deputado federal por São Paulo, nas eleições estaduais de 2014[1][2] por conta da votação de Celso Russomanno.[3]

Foi designado relator do processo de quebra de decoro parlamentar, no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, contra o deputado Eduardo Cunha, então presidente da Câmara,[4]mas renunciou à vaga de membro titular, sob o argumento de que o lugar pertencia ao PRB, partido que ele deixou ao migrar para o PP.[5]

Em março de 2016, Pinato deixou o PRB e se filiou ao PP.[6]

Em julho de 2016, lançou sua candidatura para concorrer a vaga de Presidente da Câmara dos Deputados do Brasil no entanto desistiu horas antes da votação.[7]

Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[8] Já durante o Governo Michel Temer, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[8] Em abril de 2017 foi favorável à Reforma Trabalhista.[8] [9] Em agosto de 2017 votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do então presidente Michel Temer, ajudando a arquivar a denúncia do Ministério Público Federal.[8][10]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Entre as empresas doadoras em sua campanha eleitoral estão: Constran, Construcap e Queiroz Galvão, todas investigadas na Operação Lava Jato. O seu patrimônio declarado em 2014, foi de R$ 117 mil.[11]

Referências

  1. a b «Fausto Pinato 1023». Eleições 2014. Consultado em 23 de fevereiro de 2015 
  2. a b Pontes, Jorge (6 de outubro de 2014). «Fausto Pinato se elege com mais de 22 mil votos». Consultado em 23 de fevereiro de 2015 
  3. «Votação de Russomanno elege deputado apoiado por ex-líder da Telexfree». iG. 16 de outubro de 2014. Consultado em 23 de fevereiro de 2015 
  4. «Pinato é escolhido relator do processo de Cunha no Conselho de Ética». G1. 5 de novembro de 2015. Consultado em 6 de novembro de 2015 
  5. Fernanda Calgaro (12 de abril de 2016). «Primeiro relator do caso de Cunha renuncia ao Conselho de Ética». G1. Globo. Consultado em 6 de maio de 2016 
  6. «Deputado Fausto Pinato anuncia». A Tribuna. 15 de março de 2016. Consultado em 5 de maio de 2016 
  7. Gustavo Garcia e Fernanda Calgaro. «Pinato desiste de concorrer, e eleição da Câmara terá 14 candidatos». G1. Globo. Consultado em 14 de julho de 2016 
  8. a b c d G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  9. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  10. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  11. «Quem é Fausto Pinato, relator do processo contra Cunha?». Exame. Abril. Consultado em 13 de novembro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.