Eleições estaduais em São Paulo em 2014

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 2010 Brasil 2018
Eleições estaduais em São Paulo em 2014
5 de outubro de 2014
(Decisão em primeiro turno)
Geraldo Alckmin em dezembro de 2016.png Paulo skaf.jpg Alexandre padrilha ministro.jpg
Candidato Geraldo Alckmin Paulo Skaf Alexandre Padilha
Partido PSDB MDB PT
Natural de Pindamonhangaba, SP São Paulo, SP São Paulo, SP
Vice Márcio França José Roberto Batochio Nivaldo Santana
Votos 12.230.807 4.594.708 3.888.584
Porcentagem 57,31% 21,53% 18,22%
Resultados da eleição para governador de São Paulo em 2014 por cidades.png
Resultado da eleição para governador no primeiro turno por cidades.
  Municípios onde Alckmin obteve maior votação



Brasão do estado de São Paulo.svg
Governador de São Paulo

As eleições estaduais em São Paulo em 2014 ocorreram em 5 de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal e em 26 estados. Foram eleitos o governador, o vice-governador, um senador, setenta deputados federais e 94 estaduais. Como o candidato mais votado superou a metade mais um dos votos válidos o pleito terminou em primeiro turno e conforme a Carta Magna a posse do governador e do vice-governador se daria em 1º de janeiro de 2015 para quatro anos de mandato.[1][2][3][nota 1]

O governador Geraldo Alckmin (PSDB), tendo como vice-governador Márcio França (PSB), foi reeleito com 57,3% dos votos válidos. Alckmin derrotou outros oito candidatos, sendo Paulo Skaf (PMDB) e Alexandre Padilha (PT) os mais votados. O ex-governador José Serra (PSDB) foi eleito para o Senado Federal, ganhando a cadeira que Eduardo Suplicy (PT) ocupava desde 1991.

O PSDB e o PT elegeram as maiores bancadas para a Câmara dos Deputados. Quatorze tucanos e dez petistas foram eleitos deputados federais. O PRB elegeu oito deputados federais, o PR elegeu seis, enquanto DEM, PSB e PSD elegeram quatro cada um, PSC, PP e PV elegeram três deputados cada, com as vagas restantes sendo preenchidas pelos demais partidos. Celso Russomanno (PRB) e Tiririca (PR) foram eleitos para a Câmara Baixa do Parlamento brasileiro com mais de um milhão de votos cada um, garantindo a eleição de outros seis deputados federais (quatro para o PRB e dois para o PR).

A nova composição da Assembleia Legislativa ficou formada por 22 assentos para o PSDB, quinze para o PT, oito para o DEM, seis para o PV, seis para o PSB, cinco para o PMDB, quatro para o PRB e quatro para o PSD. Os outros 21 deputados estaduais eleitos nesta eleição eram filiados a doze partidos.

Pesquisas de opinião[editar | editar código-fonte]

Governador[editar | editar código-fonte]

Período da pesquisa Instituto Margem
de erro
Candidato Brancos ou Nulos Nenhum ou Não sabe
Geraldo Alckmin (PSDB) Paulo Skaf (PMDB) Alexandre Padilha (PT) Gilberto Natalini (PV) Gilberto Maringoni (PSOL) Laércio Benko (PHS) Raimundo de Jesus (PCO) Wagner Farias (PCB) Walter Ciglioni (PRTB)
06/06 a 07/06/2013 Datafolha[4] ±2% 52% 16% 3% 14% 5%
1º de julho de 2013 Datafolha[carece de fontes?] 40% 19% 4% 6%
28/11 a 29/11/2013 Datafolha[5] ±2% 43% 19% 4% 17% 9%
11 de março de 2014 Datafolha[carece de fontes?] 43% 19% 4% 17% 9%
03/06 a 05/06/2014 Datafolha[6] ±2% 44% 21% 3% 1% 1% 16% 10%
01/07 a 05/07/2014 Veritá[7] ±2,16% 56,4% 17,2% 4,5% 0,7% 0,5% 16,2% 4,6%
15/07 a 16/07/2014 Datafolha[8] ±2% 54% 16% 4% 1% 1% 1% 1% 13% 10%
26/07 a 28/07/2014 Ibope[9] ±3% 50% 11% 5% 1% 1% 1% 1% 1% 15% 14%
12/08 a 13/08/2014 Datafolha[10] ±2% 55% 16% 5% 1% 1% 1% 12% 7%
23/08 a 25/08/2014 Ibope[11] ±3% 50% 20% 5% 1% 1% 1% 10% 11%
30/08 a 01/09/2014 Ibope[12] ±2% 47% 23% 7% 1% 1% 1% 8% 11%
02/09 a 03/09/2014 Datafolha[13] ±2% 53% 22% 7% 1% 1% 1% 8% 7%
06/09 a 08/09/2014 Ibope[14] ±2% 48% 18% 8% 1% 1% 1% 11% 11%
08/09 a 09/09/2014 Datafolha[15] ±2% 49% 22% 9% 1% 1% 8% 9%
20/09 a 22/09/2014 Ibope[16] ±2% 49% 17% 8% 1% 12% 11%
25/09 a 26/09/2014 Datafolha[17] ±2% 51% 22% 9% 1% 1% 9% 7%
27/09 a 29/09/2014 Ibope[18] ±2% 45% 19% 11% 1% 13% 10%
29/09 a 30/09/2014 Datafolha[19] ±2% 49% 23% 10% 1% 1% 8% 6%
01/10 a 02/10/2014 Datafolha[20] ±2% 50% 22% 11% 1% 1% 1% 7% 7%
03/10 a 04/10/2014 Datafolha[21] ±2% 51% 21% 11% 1% 1% 1% 8% 7%
01/10 a 04/10/2014 Ibope[22] ±2% 45% 19% 11% 1% 1% 11% 10%

Senador[editar | editar código-fonte]

Período da pesquisa Instituto Margem de erro Candidato Brancos ou Nulos Nenhum ou Não sabe
José Serra (PSDB) Eduardo Suplicy (PT) Gilberto Kassab (PSD) Marlene Campos Machado (PTB) Kaká Werá (PV) Ana Luiza (PSTU) Fernando Lucas (PRP) Juraci Garcia (PCO) Edmilson Costa (PCB) Ricardo Fláquer (PRTB) Genildo Moreira (PSB)[nota 2]
7 de junho de 2014 Datafolha[6] 41% 32%
16% 6%
9 de julho de 2014 Veritá[7] 34,4% 24,7% 7,9% 2,5% 0,9% 2,7%
19,4% 7,4%
17 de julho de 2014 Datafolha[8] 34% 29% 7% 2%
4% 1%
1%
12% 10%
30 de julho de 2014 Ibope[9] 30% 23% 5% 1% 1% 3% 1% 1%
1%
14% 20%
16 de agosto de 2014 Datafolha[23] 33% 30% 7% 2% 1% 3% 1%
1%
1% 12% 9%
26 de agosto de 2014 Ibope[24] 33% 24% 7% 1% 1% 2% 1%
1% 12% 18%
30/08 a 01/09/2014 Ibope[25] 33% 28% 8% 1% 1% 2%
10% 15%
02/09 a 03/09/2014 Datafolha[26] 35% 32% 8% 1%
2% 1%
8% 11%
06/09 a 08/09/2014 Ibope[27] 33% 27% 7% 1%
1%
12% 17%
08/09 a 09/09/2014 Datafolha[28] 34% 31% 9% 2% 1% 2% 1%
9% 10%
20/09 a 22/09/2014 Ibope[29] 34% 25% 5% 1% 1% 2%
13% 17%
25/09 a 26/09/2014 Datafolha[30] 37% 30% 10% 2%
1%
9% 10%
29/09 a 30/09/2014 Datafolha[31] 39% 30% 9% 2%
1%
9% 9%
01/10 a 02/10/2014 Datafolha[32] ±2% 39% 33% 8% 2% 1% 1% 9% 8%
03/10 a 04/10/2014 Datafolha[33] ±2% 41% 30% 7% 1% 1% 1% 1% 9% 8%
01/10 a 04/10/2014 Ibope[34] ±2% 36% 27% 7% 1% 1% 2% 11% 13%

Debates na TV[editar | editar código-fonte]

Para governador[editar | editar código-fonte]

Em 22 de agosto de 2014, o candidato à reeleição Geraldo Alckmin foi internado no Incor devido a uma infecção intestinal aguda, e no dia do debate na Rede Bandeirantes continuava internado em tratamento.[35]

Data Organizadores Mediador Alckmin (PSDB) Skaf (PMDB) Padilha (PT) Natalini (PV) Maringoni (PSOL) Laércio (PHS) Raimundo (PCO) Wagner (PCB) Ciglioni (PRTB)
23 de agosto de 2014[36] Rede Bandeirantes Boris Casoy Ausente Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidado Presente
25 de agosto de 2014[37] SBT, Folha de S.Paulo
Jovem Pan, UOL
Carlos Nascimento Presente Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidado Presente
26 de setembro de 2014[38] Rede Record, R7 Eduardo Ribeiro Presente Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidado Presente
30 de setembro de 2014[39] Rede Globo, G1 César Tralli Presente Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidado Presente

Eleição para o governo estadual[editar | editar código-fonte]

Governador eleito[editar | editar código-fonte]

Geraldo Alckmin, reeleito governador em 2014.

Vitorioso na eleição para governador, o médico Geraldo Alckmin tornou-se recordista ao conquistar três mandatos à frente do Palácio dos Bandeirantes dentre os seis triunfos consecutivos obtidos pelo PSDB no estado mais rico e populoso da federação.[nota 3] Nascido em Pindamonhangaba, graduou-se pela Universidade de Taubaté e chefiou o Departamento de Anestesiologia da Santa Casa de Misericórdia da cidade. Como membro do MDB, elegeu-se vereador em 1972 e prefeito de sua cidade natal em 1976. Após ingressar no PMDB elegeu-se deputado estadual em 1982 e deputado federal em 1986.[40] A segunda fase de sua carreira política tem início com a criação do PSDB e posterior subscrição da Constituição de 1988, fatos que garantiram sua reeleição em 1990.[41][42] Eleito e reeleito vice-governador na chapa de Mário Covas em 1994 e 1998, perdeu a eleição à prefeitura de São Paulo no ano 2000. Em 6 de março de 2001 a morte de Covas fez de Alckmin o novo governador, cargo para o qual seria reeleito em 2002. Derrotado por Luiz Inácio Lula da Silva no segundo turno da eleição presidencial de 2006, perdeu também a eleição para prefeito de São Paulo em 2008. Nomeado secretário de Desenvolvimento Econômico por José Serra no início do ano seguinte, foi eleito governador de São Paulo em 2010.[43][44][45][nota 4]

Vice-governador eleito[editar | editar código-fonte]

Márcio França, ao centro, foi eleito vice-governador.

Formado na Universidade Católica de Santos, o advogado Márcio França nasceu em São Vicente e iniciou sua atividade política ainda no movimento estudantil e antes de sua graduação trabalhou como oficial de justiça durante nove anos a partir de 1983. Sempre filiado ao PSB, foi eleito vereador em 1988 e 1992 e depois prefeito de São Vicente em 1996 e 2000, o que lhe permitiu assumir a presidência do Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista em seu último ano de mandato. Eleito deputado federal em 2006 e 2010, aproximou-se de Geraldo Alckmin, de quem foi secretário de Turismo. Companheiro de chapa do referido político, elegeu-se vice-governador em 2014 e, a convite de Alckmin, acumulou o mandato eletivo com o cargo de secretário de Desenvolvimento Econômico.[46]

Resultados[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral houve 21.341.222 votos nominais (82,92%), 2.020.613 votos em branco (7,85%) e 2.374.946 votos nulos (9,23%) resultando no comparecimento de 25.736.781 eleitores.[1][47]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Geraldo Alckmin
PSDB
Márcio França
PSB
45
Aqui é São Paulo
(PSDB, PSB, DEM, PRB, SD, PSC, PPS, PTC, PTN, PSL, PMN, PEN, PSDC, PTdoB)
12.230.807
57,31%
Paulo Skaf
PMDB
José Roberto Batochio
PDT
15
São Paulo quer o Melhor
(PMDB, PDT, PSD, PP, PROS)
4.594.708
21,53%
Alexandre Padilha
PT
Nivaldo Santana
PCdoB
13
Pra mudar de verdade
(PT, PCdoB, PR, PTB)
3.888.584
18,22%
Gilberto Natalini
PV
Maria Lúcia Haidar
PV
43
PV (sem coligação)
260.696
1,22%
Gilberto Maringoni
PSOL
Hildete Nepomuceno
PSOL
50
Frente de esquerda
(PSOL, PSTU)
187.487
0,88%
Laércio Benko
PHS
Sérgio Contente
PHS
31
Unidos por São Paulo
(PHS, PRP)
132.042
0,62%
Walter Ciglioni
PRTB
Marcelo Ayres Duarte
PRTB
28
PRTB (sem coligação)
22.822
0,11%
Wagner Farias
PCB
Ivan Hermine
PCB
21
PCB (sem coligação)
12.958
0,06%
Raimundo Sena
PCO
Ulisses Coelho
PCO
29
PCO (sem coligação)
11.118
0,05%
  Eleito

Eleição para o Senado Federal[editar | editar código-fonte]

Senador eleito[editar | editar código-fonte]

José Serra foi eleito para representar São Paulo no Senado.

Aluno da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, José Serra nasceu em São Paulo sendo eleito presidente da União Nacional dos Estudantes em 1963.[48] Partícipe do Comício das Reformas realizado na Central do Brasil em março de 1964, exilou-se na França com a instauração do Regime Militar de 1964. A seguir viveu em Santiago e fez o mestrado em Economia pela Universidade do Chile deixando o país rumo aos Estados Unidos tão logo houve a instalação de uma ditadura militar naquele país. Doutor em Economia na Universidade de Cornell em 1976, lecionou em Princeton durante um biênio até voltar ao Brasil como professor da Universidade Estadual de Campinas.[49] A convite de Franco Montoro foi secretário de Planejamento de São Paulo e em 1986 elegeu-se deputado federal pelo PMDB. Durante o mandato subscreveu a criação do PSDB e também a Constituição de 1988, além de ter se candidatado, sem sucesso, a prefeito de São Paulo no ano em questão.[nota 5][50][51] Reeleito deputado federal em 1990, conquistou um mandato de senador em 1994.[52][42] Nomeado ministro do Planejamento pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, renunciou para disputar a prefeitura paulistana em 1996, no entanto foi derrotado em primeiro turno. Em 1998 assumiu o cargo de ministro da Saúde e nele ficou até 2002 quando candidatou-se a presidente da República e foi derrotado por Lula.[53] Escolhido presidente nacional do PSDB no ano seguinte, venceu a eleição para prefeito de São Paulo em 2004 e para governador do estado em 2006. Derrotado por Dilma Rousseff na eleição presidencial de 2010, foi vencido ao almejar a prefeitura paulistana em 2012.[54] Ao ser eleito para o Senado em 2014, Serra derrotou o senador petista Eduardo Suplicy, que ocupava este assento desde 1991.[55]

Resultados[editar | editar código-fonte]

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral houve 18.988.081 votos nominais (73,78%), 2.895.289 votos em branco (11,25%) e 3.853.411 votos nulos (14,97%) resultando no comparecimento de 25.736.781 eleitores.[1][47][nota 6]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
José Serra
PSDB
José Aníbal
PSDB
Atílio Francisco
PRB
456
Aqui é São Paulo
(PSDB, PSB, DEM, PRB, SD, PSC, PPS, PTC, PTN, PSL, PMN, PEN, PSDC, PTdoB)
11.105.874
58,49%
Eduardo Suplicy
PT
Tadeu Candelária
PR
Rozane Maria de Sena
PT
131
Pra mudar de verdade
(PT, PCdoB, PR, PTB)
6.176.499
32,53%
Gilberto Kassab
PSD
Alda Marco Antônio
PSD
Alfredo Cotait
PSD
555
São Paulo quer o Melhor
(PMDB, PDT, PSD, PP, PROS)
1.128.582
5,94%
Marlene Campos Machado
PTB
Antônio Alves da Silva[nota 7]
PTB
José Francisco Viddoto
PTB
140
PTB (sem coligação)
330.302
1,74%
Fernando Lucas
PRP
José Roberto Ramires
PRP
João Duarte
PHS
441
Unidos por São Paulo
(PHS, PRP)
118.758
0,63%
Ana Luiza Gomes
PSTU
Anízio Batista
PSOL
Wilson Aparecido Ribeiro
PSTU
161
Frente de esquerda
(PSOL, PSTU)
101.131
0,53%
Ricardo Flaquer
PRTB
Felipe Flaquer
PRTB
Gilberto Carlos Ferreira
PRTB
281
PRTB (sem coligação)
14.833
0,08%
Edmilson Costa
PCB
Fernando Zingra
PCB
César Mangolin
PCB
210
PCB (sem coligação)
12.102
0,06%
Juraci Baena Garcia
PCO
Afonso Teixeira Filho
PCO
Cláudio Roberto Vieira
PCO
290
PCO (sem coligação)
zero
zero
Kaká Werá[nota 8]
PV
Jean Nascimento
PV
Luiz Carlos da Silva Bosio
PV
430
PV (sem coligação)
zero
zero
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

Composição da representação de São Paulo na Câmara dos Deputados eleita em 2014:
  PSDB: 14 assentos
  PT: 10 assentos
  PRB: 8 assentos
  PR: 6 assentos
  DEM: 4 assentos
  PSB: 4 assentos
  PSD: 4 assentos
  PSC: 3 assentos
  PP: 3 assentos
  PV: 3 assentos
  PPS: 2 assentos
  PMDB: 2 assentos
  PTB: 2 assentos
  Outros: 5 assentos

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[56][3][47][57] O quociente eleitoral da eleição para deputado federal nesta eleição foi de 299.943 votos. Com isso, as votações obtidas por Celso Russomanno e Tiririca garantiram a eleição de outros seis deputados federais, sendo quatro do PRB e dois do PR.[58]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Celso Russomanno PRB 1.524.361 7,17% São Paulo  São Paulo
Tiririca PR 1.016.796 4,78% Itapipoca  Ceará
Marco Feliciano PSC 398.087 1,87% Orlândia  São Paulo
Bruno Covas[nota 9] PSDB 352.708 1,66% São Paulo  São Paulo
Rodrigo Garcia DEM 336.151 1,58% Tanabi  São Paulo
Carlos Sampaio PSDB 295.623 1,39% Campinas  São Paulo
Duarte Nogueira[nota 10] PSDB 254.051 1,19% Ribeirão Preto  São Paulo
Paulo Maluf[nota 11] PP 250.296 1,18% São Paulo  São Paulo
Ricardo Tripoli PSDB 233.806 1,10% São Paulo  São Paulo
Samuel Moreira PSDB 227.210 1,07% Governador Valadares  Minas Gerais
Paulinho da Força SD 227.186 1,07% Porecatu  Paraná
Baleia Rossi PMDB 208.352 0,98% São Paulo  São Paulo
Eduardo Cury PSDB 185.638 0,87% São José dos Campos  São Paulo
Márcio Alvino PR 179.950 0,85% São Paulo  São Paulo
Major Olímpio PDT 179.196 0,84% Presidente Venceslau  São Paulo
Jorge Tadeu Mudalen DEM 178.771 0,84% Guarulhos  São Paulo
Bruna Furlan PSDB 178.606 0,84% São Paulo  São Paulo
Luíza Erundina PSB 177.279 0,83% Uiraúna  Paraíba
Vítor Lippi PSDB 176.153 0,83% Sorocaba  São Paulo
Sílvio Torres PSDB 175.310 0,82% São José do Rio Pardo  São Paulo
Andrés Sanchez PT 169.834 0,80% Limeira  São Paulo
Ivan Valente PSOL 168.928 0,79% São Paulo  São Paulo
Miguel Haddad PSDB 168.278 0,79% Jundiaí  São Paulo
Alex Manente PPS 164.760 0,77% São Bernardo do Campo  São Paulo
Jefferson Campos PSD 161.790 0,76% Ourinhos  São Paulo
Guilherme Mussi PP 156.297 0,73% Curitiba  Paraná
Arnaldo Jardim PPS 155.278 0,73% Altinópolis  São Paulo
Mara Gabrilli PSDB 155.143 0,73% São Paulo  São Paulo
José Olímpio PP 154.597 0,73% São Paulo  São Paulo
Vanderlei Macris PSDB 148.449 0,70% Americana  São Paulo
Carlos Zarattini PT 138.286 0,65% São Paulo  São Paulo
Antônio Bulhões PRB 137.939 0,65% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Arlindo Chinaglia PT 135.772 0,64% Serra Azul  São Paulo
Eli Corrêa Filho DEM 134.138 0,63% São Paulo  São Paulo
Roberto Alves PRB 130.516 0,61% Taubaté  São Paulo
Ana Perugini PT 121.681 0,58% Cariacica  Espírito Santo
Gilberto Nascimento PSC 120.044 0,57% São Paulo  São Paulo
Vicente Cândido PT 117.652 0,56% Bom Jesus do Galho  Minas Gerais
João Paulo Papa PSDB 117.590 0,56% Santos  São Paulo
Milton Monti PR 115.942 0,55% São Manuel  São Paulo
Floriano Pesaro PSDB 113.949 0,54% São Paulo  São Paulo
Ricardo Izar PSD 113.547 0,54% São Paulo  São Paulo
Arnaldo Faria de Sá PTB 112.940 0,54% São Paulo  São Paulo
Edinho Araújo PMDB 112.780 0,54% Santa Fé do Sul  São Paulo
Nelson Marquezelli PTB 112.711 0,54% Pirassununga  São Paulo
Paulo Teixeira PT 111.301 0,53% Águas da Prata  São Paulo
Paulo Freire PR 111.300 0,53% São Paulo  São Paulo
Alexandre Leite DEM 109.708 0,52% São Paulo  São Paulo
Evandro Gussi PV 109.591 0,52% Presidente Prudente  São Paulo
Luiz Lauro Filho PSB 105.247 0,50% Campinas  São Paulo
Keiko Ota PSB 102.963 0,49% Olímpia  São Paulo
Nilto Tatto PT 101.196 0,48% Frederico Westphalen  Rio Grande do Sul
Herculano Passos PSD 92.583 0,44% Itu  São Paulo
Antônio Goulart PSD 92.546 0,44% Vargem Bonita  Minas Gerais
Orlando Silva PCdoB 90.641 0,43% Salvador Bahia Bahia
Flávio Augusto da Silva PSB 90.437 0,43% Guaratinguetá  São Paulo
Vicente Paulo da Silva PT 89.001 0,42% Santa Cruz  Rio Grande do Norte
Renata Abreu PTN 86.647 0,41% São Paulo  São Paulo
Valmir Prascidelli PT 84.419 0,40% Osasco  São Paulo
José Mentor PT 82.368 0,39% Santa Isabel  São Paulo
Eduardo Bolsonaro PSC 82.224 0,39% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Vinicius Carvalho PRB 80.643 0,38% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Roberto de Lucena PV 67.191 0,32% Santa Isabel  São Paulo
Sinval Malheiros PV 59.362 0,28% São Paulo  São Paulo
Capitão Augusto PR 46.905 0,22% Ourinhos  São Paulo
Sérgio Reis PRB 45.330 0,22% São Paulo  São Paulo
Miguel Lombardi PR 32.080 0,15% Limeira  São Paulo
Beto Mansur PRB 31.301 0,15% São Vicente  São Paulo
Marcelo Squassoni PRB 30.315 0,14% São Paulo  São Paulo
Fausto Pinato PRB 22.097 0,11% Fernandópolis  São Paulo

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Composição da Assembleia Legislativa de São Paulo eleita em 2014:
  PSDB: 22 assentos
  PT: 15 assentos
  DEM: 8 assentos
  PV: 6 assentos
  PSB: 6 assentos
  PMDB: 5 assentos
  PRB: 4 assentos
  PSD: 4 assentos
  PR: 3 assentos
  PSC: 3 assentos
  PPS: 3 assentos
  PP: 2 assentos
  PTB: 2 assentos
  PCdoB: 2 assentos
  PEN: 2 assentos
  PSOL: 2 assentos
  Outros: 5 assentos

Foram escolhidos 94 deputados estaduais para a Assembleia Legislativa de São Paulo.[1][3][47][nota 12]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Fernando Capez PSDB 306.268 1,47% São Paulo  São Paulo
Coronel Telhada PSDB 254.074 1,22% São Paulo  São Paulo
Orlando Morando[nota 13] PSDB 237.020 1,14% São Bernardo do Campo  São Paulo
Roberto Tripoli PV 232.467 1,12% São Paulo  São Paulo
Delegado Olim PP 195.932 0,94% São Paulo  São Paulo
Barros Munhoz PSDB 194.938 0,94% São Paulo  São Paulo
Campos Machado PTB 192.369 0,93% Cerqueira César  São Paulo
Feliciano Nahimy Filho PEN 188.898 0,91% Campinas  São Paulo
Jorge Wilson PRB 180.419 0,86% Bauru  São Paulo
Mauro Bragato PSDB 175.839 0,84% Promissão  São Paulo
Edmir Chedid DEM 167.909 0,80% Campinas  São Paulo
Carlos Giannazi PSOL 164.929 0,79% São Paulo  São Paulo
André do Prado PR 164.589 0,79% Guararema  São Paulo
Pedro Tobias PSDB 164.261 0,79% Bekarzla Líbano
Rodrigo Moraes PSC 153.740 0,74% Itu  São Paulo
Analice Fernandes PSDB 151.407 0,73% Jales  São Paulo
Luiz Fernando Machado[nota 14] PSDB 148.614 0,71% Patos de Minas  Minas Gerais
Milton Leite DEM 142.566 0,70% São Paulo  São Paulo
Hélio Nishimoto PSDB 137.249 0,67% Presidente Prudente  São Paulo
Roberto Morais PPS 133.578 0,65% Charqueada  São Paulo
Rogério Nogueira DEM 132.571 0,65% Indaiatuba  São Paulo
André Soares DEM 127.373 0,62% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Carlos Bezerra Júnior PSDB 125.290 0,61% São Paulo  São Paulo
Caio França PSB 123.138 0,60% Santos  São Paulo
Reinaldo Alguz PV 122.900 0,60% Tupã  São Paulo
Roberto Engler PSDB 122.544 0,60% São Paulo  São Paulo
Cauê Macris PSDB 121.700 0,59% Americana  São Paulo
Rafael Silva PDT 121.271 0,59% Jardinópolis  São Paulo
Maria Lúcia Amary PSDB 120.308 0,59% São Paulo  São Paulo
Vaz de Lima PSDB 113.422 0,55% Fernandópolis  São Paulo
Carlos Cezar PSB 112.409 0,55% Maria Helena  Paraná
Enio Tatto PT 108.135 0,55% Pitangui  São Paulo
Gil Lancaster DEM 107.841 0,53% Piracuruca  Piauí
Edson Giriboni PV 105.969 0,52% Itapetininga  São Paulo
Marcos Neves[nota 15] PV 105.849 0,52% São Paulo  São Paulo
Cezinha de Madureira DEM 105.521 0,51% Ipiaú Bahia Bahia
Jorge Caruso PMDB 104.354 0,51% São Paulo  São Paulo
Alencar Santana Braga PT 103.234 0,50% São Paulo  São Paulo
Gilmaci Santos PRB 103.127 0,50% Dourados  Mato Grosso do Sul
Luiz Fernando Teixeira PT 102.905 0,50% Águas da Prata  São Paulo
Célia Leão PSDB 101.660 0,50% São Paulo  São Paulo
Marta Costa PSD 101.544 0,50% São Paulo  São Paulo
Itamar Borges PMDB 99.558 0,49% Santa Fé do Sul  São Paulo
Carlão Pignatari PSDB 97.444 0,48% Votuporanga  São Paulo
Sebastião Santos PRB 95.325 0,46% Santo André  São Paulo
Teonilio Barba PT 95.156 0,46% Água Boa  Minas Gerais
Ângelo Perugini[nota 16] PT 94.174 0,45% Jacutinga  Minas Gerais
Roberto Massafera PSDB 93.255 0,45% Araraquara  São Paulo
Milton Vieira[nota 17] PSD 92.987 0,45% São Paulo  São Paulo
Aldo Demarchi DEM 92.775 0,45% Rio Claro  São Paulo
Rita Passos PSD 92.390 0,45% Indaiatuba  São Paulo
Celino Cardoso PSDB 92.352 0,45% Terra Rica  Paraná
Luiz Carlos Gondim SD 88.703 0,43% Fortaleza  Ceará
Fernando Cury PPS 85.925 0,42% Botucatu  São Paulo
Marcos Martins PT 83.879 0,41% Mandaguari  Paraná
Wellington Moura PRB 83.479 0,41% Santos  São Paulo
José Afonso Lobato PV 81.837 0,40% Redenção da Serra  São Paulo
Davi Zaia PPS 80.951 0,39% Cordeirópolis  São Paulo
Welson Gasparini PSDB 80.567 0,39% Batatais  São Paulo
Ramalho da Construção PSDB 80.344 0,39% Conceição  Paraíba
Celso Nascimento PSC 79.447 0,39% Bauru  São Paulo
Abelardo Camarinha PSB 79.325 0,39% Santa Cruz do Rio Pardo  São Paulo
Estevam Galvão DEM 79.016 0,39% Garça  São Paulo
Luiz Turco PT 78.670 0,38% São Paulo  São Paulo
Orlando Bolçone PSB 76.909 0,38% Palestina  São Paulo
Marcos Zerbini PSDB 76.895 0,38% São Paulo  São Paulo
Celso Giglio PSDB 76.471 0,37% Campinas  São Paulo
Chico Sardelli PV 75.680 0,37% Americana  São Paulo
José Américo Dias PT 74.726 0,36% Castilho  São Paulo
João Paulo Rillo PT 72.884 0,36% São José do Rio Preto  São Paulo
Roque Barbiere PTB 72.512 0,35% Coroados  São Paulo
Ana do Carmo PT 72.238 0,35% São Paulo  São Paulo
Léo Oliveira PMDB 72.154 0,35% Barrinha  São Paulo
Leci Brandão PCdoB 71.136 0,35% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Márcia Lia PT 70.945 0,35% Araraquara  São Paulo
Márcio Camargo PSC 69.624 0,34% Cotia  São Paulo
Jooji Hato PMDB 67.125 0,33% São Paulo  São Paulo
Coronel Camilo PSD 64.448 0,31% Ferraz de Vasconcelos  São Paulo
Edson Tomazini PSB 64.164 0,31% Santo Anastácio  São Paulo
Beth Sahão PT 63.172 0,31% Urupês  São Paulo
Atila Jacomussi[nota 18] PCdoB 62.856 0,31% Mauá  São Paulo
Auriel Brito Leal PT 62.009 0,30% São Paulo  São Paulo
Geraldo Cruz PT 60.103 0,29% Olho d'Água  Paraíba
Carlos Neder PT 59.990 0,29% Campo Grande  Mato Grosso do Sul
Marcos Damásio PR 59.368 0,29% São Paulo  São Paulo
Antônio Salim Curiati PP 55.189 0,27% Avaré  São Paulo
Cássio Navarro PMDB 50.093 0,24% Mauá  São Paulo
Raul Marcelo PSOL 47.923 0,23% São Pedro do Turvo  São Paulo
Adilson Rossi PSB 47.428 0,23% Itatiba  São Paulo
Igor Soares[nota 19] PTN 46.785 0,23% Curitiba  Paraná
Ricardo Madalena PR 45.771 0,22% Santa Cruz do Rio Pardo  São Paulo
Paulo Corrêa Júnior PEN 38.489 0,19% Santos  São Paulo
Girlênio Oliveira PSL 34.953 0,17% São Paulo  São Paulo
Clélia Gomes PHS 25.306 0,12% São Paulo  São Paulo

Notas

  1. A posse dos parlamentares eleitos ocorreria em 1º de fevereiro de 2015 para os deputados federais e em 15 de março de 2015 para os estaduais.
  2. Teve sua candidatura indeferida e deixou de aparecer nas pesquisas de intenções de voto em 26 de setembro.
  3. O recorde de seis vitórias consecutivas do PSDB é seguido de perto pelos cinco êxitos do PT no Acre sendo que Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão e Paraíba já foram governados por partidos que venceram ao menos quatro eleições consecutivas na luta pelo executivo estadual.
  4. Os únicos a superar três mandatos como governadores em seus estados são Siqueira Campos, Marconi Perillo e Amazonino Mendes, eleitos por quatro vezes cada respectivamente no Tocantins, Goiás e Amazonas.
  5. José Serra era candidato a vice-prefeito na chapa de Franco Montoro, mas como o titular renunciou por motivos de saúde o PSDB trocou o cabeça de chapa.
  6. Salvo indicação em contrário, os candidatos assinalados com a expressão "zero" tiveram o registro indeferido (negado) pelo juiz e recorreram à instância superior, mas esta confirmou a sentença antes proferida.
  7. Homônimo do Barão de Amaraji.
  8. Substituto de Hélio Amorim de Oliveira cuja candidatura também fora indeferida.
  9. Eleito vice-prefeito de São Paulo em 2016, renunciou ao mandato parlamentar em prol de Mendes Thame.
  10. Eleito prefeito de Ribeirão Preto em 2016, renunciou ao mandato parlamentar em prol de Lobbe Neto.
  11. Condenado pela Justiça, Paulo Maluf assumiu graças a um veredicto do Tribunal Superior Eleitoral no qual a condenação por improbidade administrativa não se enquadra nas hipóteses de inelegibilidade da Lei da Ficha Limpa e assim Walter Ihoshi foi realocado como suplente.
  12. A relação dos noventa e quatro deputados estaduais de São Paulo aqui disponível é a mesma do TSE após o julgamento dos recursos impetrados à Justiça Eleitoral ao fim do pleito. Por isso não constam aqui os nomes de Edson Ferrarini e Alexandre Pereira da Silva, dados como eleitos num primeiro instante.
  13. Eleito Prefeito de São Bernardo do Campo em 2016, substituido por Gilmar Gimenes.
  14. Eleito Prefeito de Jundiaí em 2016, substituido por Marco Antonio Vinholi.
  15. Eleito Prefeito de Carapicuiba em 2016, substituido por Ulysses Tassinari.
  16. Eleito prefeito de Hortolândia em 2016, substituido por José Zico Prado.
  17. Homônimo do lutador Milton Vieira.
  18. Eleito Prefeito de Mauá em 2016, substituido por Jose Roberto Aprillanti Junior do Partido Socialista Brasileiro.
  19. Eleito Prefeito de Itapevi em 2016, substituido por Pedro Massami Kikudome.

Referências

  1. a b c d «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  2. «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1988». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  3. a b c «BRASIL. Presidência da República. Lei nº. 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  4. «Alckmin venceria até Lula na disputa pelo governo paulista». Folha de S. Paulo. 10 de junho de 2013. Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  5. «Em SP, Alckmin tem 43%, Skaf, 19%, e Kassab, 8%, diz Datafolha». G1. 2 de dezembro de 2013. Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  6. a b Ricardo Mendonça (7 de junho de 2014). «Geraldo Alckmin mantém o favoritismo em São Paulo». Folha de S. Paulo. Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  7. a b SP 247 (9 de julho de 2014). «VERITÁ/247: ALCKMIN VENCE EM SP COM 56,4% DOS VOTOS». SP 247. Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  8. a b G1 (17 de julho de 2014). «Em SP, Alckmin tem 54%, Skaf, 16%, e Padilha, 4%, aponta Datafolha». Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  9. a b G1 (30 de julho de 2014). «Alckmin tem 50%, Skaf, 11%, e Padilha, 5%, aponta Ibope». Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  10. Ricardo Mendonça (15 de agosto de 2014). «Com 55%, Alckmin é líder isolado em disputa inalterada em SP». Folha de S.Paulo. Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  11. G1 (26 de agosto de 2014). «Alckmin tem 50%, Skaf, 20%, e Padilha, 5%, aponta Ibope». G1. Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  12. G1 (2 de setembro de 2014). «Alckmin tem 47%, Skaf, 23%, e Padilha, 7%, aponta Ibope». G1. Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  13. G1 (4 de setembro de 2014). «Alckmin tem 53%, Skaf, 22%, e Padilha, 7%, aponta Datafolha». G1. Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  14. G1 (9 de setembro de 2014). «Alckmin tem 48%, Skaf, 18%, e Padilha, 8%, aponta Ibope». G1. Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  15. G1 (10 de setembro de 2014). «Alckmin tem 49%, Skaf, 22%, e Padilha, 9%, aponta Datafolha». G1. Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  16. G1 (23 de setembro de 2014). «Alckmin tem 49%, Skaf, 17%, e Padilha, 8%, aponta Ibope». G1. Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  17. G1 (26 de setembro de 2014). «Alckmin tem 51%, Skaf, 22%, e Padilha, 9%, aponta Datafolha». G1. Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  18. «Alckmin tem 45%, Skaf, 19%, e Padilha, 11%, aponta Ibope». G1. 30 de setembro de 2014. Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  19. «Alckmin tem 49%, Skaf, 23%, e Padilha, 10%, aponta Datafolha». G1. 1 de outubro de 2014. Consultado em 1 de outubro de 2014. 
  20. «Alckmin tem 50%, Skaf, 22%, e Padilha, 11%, aponta Datafolha». G1. 2 de outubro de 2014. Consultado em 2 de outubro de 2014. 
  21. G1 (4 de outubro de 2014). «Datafolha, votos válidos: Alckmin tem 59%, Skaf, 24%, e Padilha, 13%». G1. Consultado em 4 de outubro de 2014. 
  22. G1 (4 de outubro de 2014). «Datafolha, votos válidos: Ibope, votos válidos: Alckmin tem 57%, Skaf, 24%, e Padilha, 14%». G1. Consultado em 4 de outubro de 2014. 
  23. «Serra tem 33%, Suplicy, 30%, e Kassab, 7%, aponta Datafolha». G1. 16 de agosto de 2014. Consultado em 16 de agosto de 2014. 
  24. G1 (26 de agosto de 2014). «Serra tem 33%, Suplicy, 24%, e Kassab, 7%, diz Ibope». G1. Consultado em 26 de agosto de 2014. 
  25. G1 (2 de setembro de 2014). «Serra tem 33%, Suplicy, 28%, e Kassab, 8%, aponta Ibope». G1. Consultado em 2 de setembro de 2014. 
  26. G1 (4 de setembro de 2014). «Serra tem 35%, Suplicy, 32%, e Kassab, 8%, aponta Datafolha». G1. Consultado em 4 de setembro de 2014. 
  27. G1 (9 de setembro de 2014). «Serra tem 33%, Suplicy, 27%, Kassab, 7%, aponta Ibope». G1. Consultado em 9 de setembro de 2014. 
  28. G1 (11 de setembro de 2014). «Serra tem 34%, Suplicy, 31%, e Kassab, 9%, aponta Datafolha». G1. Consultado em 13 de setembro de 2014. 
  29. G1 (23 de setembro de 2014). «Serra tem 34%, Suplicy, 25%, Kassab, 5%, aponta Ibope». G1. Consultado em 23 de setembro de 2014. 
  30. G1 (26 de setembro de 2014). «Serra tem 37%, Suplicy, 30%, Kassab, 10%, aponta Datafolha». G1. Consultado em 26 de setembro de 2014. 
  31. G1 (1 de outubro de 2014). «Serra tem 39%, Suplicy, 30%, e Kassab, 9%, aponta Datafolha». G1. Consultado em 1 de outubro de 2014. 
  32. «Serra tem 39%, Suplicy, 33%, e Kassab, 8%, aponta Datafolha». G1. 2 de outubro de 2014. Consultado em 2 de outubro de 2014. 
  33. «Datafolha, votos válidos: Serra tem 50%, Suplicy, 37%, e Kassab, 9%». G1. 4 de outubro de 2014. Consultado em 4 de outubro de 2014. 
  34. «Ibope, votos válidos: Serra tem 48%, Suplicy, 36%, e Kassab, 9%». G1. 4 de outubro de 2014. Consultado em 4 de outubro de 2014. 
  35. «Alckmin não participará do debate na Band». Band.com.br. 23 de agosto de 2014. Consultado em 24 de agosto de 2014. 
  36. «Band realiza debate em SP hoje, às 22h». Band.com.br. 23 de agosto de 2014. Consultado em 23 de agosto de 2014. 
  37. «Candidatos ao governo de São Paulo participaram do debate do SBT». SBT.com.br. 26 de agosto de 2014. Consultado em 27 de agosto de 2014. 
  38. «Candidatos chegam para o debate da Record em SP». R7. 26 de setembro de 2014. Consultado em 26 de setembro de 2014. 
  39. «Candidatos ao governo de SP comparam propostas na Globo». G1. 1 de outubro de 2014. Consultado em 1 de outubro de 2014. 
  40. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Geraldo Alckmin». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  41. Novo partido faz encontro e formaliza hoje sua criação (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 25/06/1988. Política, p. A-5. Página visitada em 7 de novembro de 2017.
  42. a b «Governistas tentaram evitar implosão (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 30/09/1992. Brasil, p. 1-8.». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  43. De olho em 2010, Serra dá a Alckmin secretaria em SP (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 20/01/2009. Brasil, p. A-4. Página visitada em 7 de novembro de 2017.
  44. «Geraldo Alckmin é eleito governador de SP (G1 eleições 2010)». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  45. «UOL eleições 2014: Alckmin é reeleito e garante 6º mandato consecutivo do PSDB em SP». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  46. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Márcio França». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  47. a b c d «G1 eleições 2014: apuração dos votos em São Paulo». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  48. Chapa de esquerda sai vencedora nas eleições para presidência da UNE (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 30/07/1963. Primeiro caderno, p. 03. Página visitada em 7 de novembro de 2017.
  49. «CPDOC – A trajetória política de João Goulart: biografia de José Serra». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  50. Montoro desiste da candidatura; substituto sai na próxima semana (online). Folha de S. Paulo, 19/08/1988. Política, p. A-4. Página visitada em 7 de novembro de 2017.
  51. Serra cede e vai disputar a prefeitura (online). Folha de S. Paulo, 01/09/1988. Capa. Página visitada em 7 de novembro de 2017.
  52. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado José Serra». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  53. «Senado Federal do Brasil: senador José Serra». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  54. «José Serra (PSDB), ministro das Relações Exteriores do governo Temer (g1.globo.com)». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  55. «Serra (PSDB) vence e tira Suplicy (PT) do Senado depois de 24 anos seguidos». Uol. 5 de outubro de 2014. Consultado em 11 de janeiro de 2018. 
  56. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  57. «Congresso em Foco: Justiça eleitoral troca quatro deputados eleitos». Consultado em 7 de novembro de 2017. 
  58. Roney Domingos (6 de outubro de 2014). «Câmara terá 4 deputados 'puxados' por Russomano e dois por Tiririca». G1. Consultado em 11 de janeiro de 2018.