Vanderlei Macris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vanderlei Macris
Deputado Federal por  São Paulo
Período 1° - 1 de fevereiro de 2007
até 31 de janeiro de 2011
2° - 14 de agosto de 2012
até 31 de Dezembro de 2014
3° - 1 de Janeiro de 2015
até a atualidade
Deputado Estadual de São Paulo
Período 1° - 1974 até 1978
2° - 1978 até 1982
3° - 1982 até 1986
4° - 1986 até 1990
5° - 1994 até 1998
6° - 1998 até 2002
7° - 2002 até 2006
Vereador de Americana
Período 1972 até 1974
Dados pessoais
Nascimento 20 de maio de 1950 (67 anos)
Americana, SP
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Laura Tuckmantel Macris
Pai: Ivo Macris
Alma mater Universidade Metodista de Piracicaba
Partido PSDB (1988—presente)
PMDB (19781988)
MDB (19701978)
Profissão Advogado, Político
Website Website oficial

Vanderlei Macris (Americana, 20 de maio de 1955) é um advogado e político brasileiro, filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) em seu terceiro mandato como deputado federal por São Paulo. A partir de 1974, Macris foi eleito para sete mandatos consecutivos como deputado estadual por São Paulo.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Com mais de 40 anos de vida pública, o deputado federal Vanderlei Macris, ainda jovem, com 22 anos, iniciou sua história na política, eleito vereador na cidade de Americana. Macris exerceu o mandato por dois anos e, em 1974, decidiu sair candidato a uma vaga na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Foi eleito deputado estadual com 24.296 votos. Em 1980, foi aprovada a lei 2.446, de sua autoria, que protege a bacia dos Rios Piracicaba e Mogi Guaçu, mais conhecida como Lei Macris. Outros projetos importantes do deputado também se tornaram lei, como a criação da Comissão de Fiscalização e Controle da Assembleia Legislativa; a regulamentação dos rodeios; e a criação do Polo Tecnológico das Indústrias Têxteis e de Confecção.[carece de fontes?]

Em 1979, foi eleito Líder da Oposição na Assembleia Legislativa. Macris participou ativamente da fundação do PSDB com Fernando Henrique Cardoso, Franco Montoro, Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin.

Em 1999, foi eleito presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo. Macris foi autor do Fórum São Paulo Século XXI, que discutiu o futuro de São Paulo e culminou com a criação do IPRS (Índice Paulista de Responsabilidade Social), referência no planejamento de políticas publicas. Foi escolhido pelo governador Geraldo Alckmin para ser líder de seu governo na Assembleia de 2002 a 2005.

Em 2006, foi eleito deputado Federal pelo PSDB-SP, ingressando no Congresso Nacional.[2]

Macris foi autor do requerimento que culminou na CPI do Sistema de Tráfego Aéreo, ação que pôs às claras a triste realidade do setor aéreo no país. Atuou em discussões sobre projetos importantes para nosso país, como o Trem de Alta Velocidade, ainda não implantado. Foi vice-presidente da CPI sobre Crianças Desaparecidas, que buscou soluções para este problema tão grave no país.

Coordenador por São Paulo da Frente Parlamentar Têxtil Nacional, Macris participou de debates e alertou sobre a preocupação com preservação da produção têxtil brasileira em relação ao baixo custo dos produtos asiáticos.

Cauê Macris, seu filho, foi eleito deputado estadual com 64.412 votos, com apenas 27 anos. Paralelo a isto, Macris lutou pela reeleição e assumiu seu 10º mandato como deputado.

Neste segundo mandato como deputado federal, Macris viu concretizar um projeto importante que apresentou em defesa dos idosos. Em junho, foi sancionado pela então presidente Dilma Roussef o projeto de Lei de sua autoria que determina 3% das residências de programas habitacionais públicos aos idosos. O Projeto de Lei Nº 129/2007, convertido na Lei Nº 12.418/2011, vem a cumprir “um preceito básico da Constituição Federal, dos direitos sociais e dos direitos da família”.[3]

A Revista Veja, na edição do dia 28 de dezembro de 2011, destacou Vanderlei Macris como 24º melhor deputado do país num ranking que avaliou os 513 parlamentares da Câmara dos Deputados com melhor atuação naquele ano.

Macris foi membro da CPMI do Cachoeira, coordenou a bancada paulista no projeto que definiu o Voto Aberto no Congresso Nacional e foi autor e relator da Comissão Especial que estudou os malefícios sobre o consumo excessivo de Bebidas Alcoólicas no Brasil.

Atualmente Vanderlei Macrisé o 1º vice-líder do PSDB na Câmara dos Deputados e membro das comissões permanentes de Fiscalização Financeira e Controle e de Viação e Transportes da Câmara.

Posicionamentos[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2010, votou a favor da Lei da Ficha Limpa, projeto de lei de iniciativa popular.[4]

Em abril de 2016, votou pela admissibilidade do processo de impeachment de Dilma Rousseff.[5]

Em novembro de 2016, Macris se posicionou contrário à anistia do caixa 2. Para Macris, a intenção era dar uma solução rápida para um problema que está sendo avaliado com cuidado na comissão. “Estamos fazendo trabalho sério, aprofundando debate sobre isso com juristas", destacou.[6]

Votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos[7] e da Reforma Trabalhista.[7] [8] Em agosto de 2017 votou a favor do processo em que se pedia abertura de investigação do então presidente Michel Temer.[7][9]

Desempenho em eleições[editar | editar código-fonte]

Ano Eleição Coligação Partido Candidato a Votos Votos em Americana Resultado
1974 Estadual de São Paulo MDB MDB Deputado Estadual 24.296 (59º) 13.873 (1º) Eleito[10]
1978 Estadual de São Paulo MDB MDB Deputado Estadual 58.384 (8º) 24.975 (1º) Eleito[10]
1982 Estadual de São Paulo PMDB PMDB Deputado Estadual 70.917 (12º) 21.787 (1º) Eleito[10]
1986 Estadual de São Paulo PMDB PMDB Deputado Estadual 66.262 (9º) 19.720 (1º) Eleito[10]
1994 Estadual de São Paulo PSDB PSDB Deputado Estadual 21.651 (102º) 9.573 (2º) Suplente[10]
1998 Estadual de São Paulo PTB, PSD, PSDB PSDB Deputado Estadual 70.917 (17º) 38.668 (1º) Eleito[11]
2002 Estadual de São Paulo PFL, PSD, PSDB PSDB Deputado Estadual 104.223 (22º) 43.323 (1º) Eleito[11]
2006 Estadual de São Paulo PFL, PSDB PSDB Deputado Federal 142.510 (29º) 33.974 (1º) Eleito[11]
2010 Estadual de São Paulo PPS, DEM, PSDB PSDB Deputado Federal 111.531 (56º) 38.166 (1º) Suplente[11]
2014 Estadual de São Paulo PSDB, DEM, PPS PSDB Deputado Federal 148.499 (30º) 38.838 (1º) Eleito[11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. «Deputado VANDERLEI MACRIS». Câmara dos Deputados. Consultado em 24 de novembro de 2016 
  2. «Apuração - São Paulo - Deputado Federal». Eleições 2006. Uol 
  3. «Sacilotto pede estudos para parceria na construção de moradias para pessoas da melhor idade». Câmara Americana. 4 de outubro de 2011. Consultado em 24 de novembro de 2016 
  4. «Quem aprovou o ficha limpa: veja como os deputados votaram». Congresso em Foco. Uol. Consultado em 24 de novembro de 2016 
  5. Mapa do Impeachment. Vem Pra Rua http://mapa.vemprarua.net/sp/deputado-vanderlei-macris.html. Consultado em 24 de novembro de 2016  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  6. «Tentativa de votar proposta sobre caixa dois é alvo de críticas em comissão especial». Câmara dos Deputados. Consultado em 24 de novembro de 2016 
  7. a b c G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  8. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  9. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  10. a b c d e «Histórico». Seade. 2 de outubro de 2016. Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  11. a b c d e «Vanderlei Macris». Seade. 2 de outubro de 2016. Consultado em 3 de fevereiro de 2017