Eleições estaduais em São Paulo em 1986

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
1982 Brasil 1990
Eleições estaduais em  São Paulo em 1986
15 de novembro de 1986
(Turno único)
Orestes Quércia em Avaré 310806 REFON.jpg Antônio Ermírio de Morais.jpg
Candidato Orestes Quércia Antônio Ermírio de Moraes
Partido PMDB PTB
Natural de Pedregulho, SP São Paulo, SP
Vice Almino Afonso Faria Lima
Votos 5.578.795 3.675.176
Porcentagem 40,78% 26,86%


Brasão do estado de São Paulo.svg
Governador de São Paulo

As eleições estaduais em São Paulo em 1986 aconteceram em 15 de novembro como parte das eleições gerais no Distrito Federal, em 23 estados e nos territórios federais do Amapá e Roraima. Foram eleitos o governador Orestes Quércia, o vice-governador Almino Afonso, os senadores Mário Covas e Fernando Henrique Cardoso, além de 60 deputados federais e 84 estaduais na última eleição para governador onde não vigiam os dois turnos.[1][2][3][nota 1]

Nascido em Pedregulho, Orestes Quércia formou-se advogado pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas e nesta cidade foi jornalista e administrador de empresas antes de firmar-se como empresário. Sua vida política começou no PL ao se eleger vereador de Campinas em 1962 e durante o Regime Militar de 1964 entrou no MDB e elegeu-se deputado estadual em 1966, prefeito de Campinas em 1968 e senador em 1974 impedindo a reeleição de Carvalho Pinto, que começou a disputa como favorito.[4] Em 1980 ingressou no PMDB e lançou-se candidato a governador de São Paulo mantendo essa postura até que aceitou ser vice-governador de Franco Montoro em 1982 numa união vitoriosa[5] e chegou ao governo estadual em 1986 após triunfar numa campanha marcada inicialmente pela polarização entre Antônio Ermírio de Moraes e Paulo Maluf.[6][7][8]

Para vice-governador foi eleito Almino Afonso, advogado formado na Universidade de São Paulo e nascido em Humaitá. Eleito deputado federal pelo Amazonas em 1958 e 1962, foi ministro do Trabalho no governo João Goulart e por isso foi cassado e exilado pelos militares sob a égide do Ato Institucional Número Um. Após viver em diferentes países da América do Sul voltou ao Brasil em 1976 e após três anos ingressou no MDB.[9] Voltou à política como candidato a senador numa sublegenda do PMDB em 1982 e ao fim da apuração foi reposicionado como primeiro suplente de Severo Gomes e no ano seguinte foi nomeado secretário dos Negócios Metropolitanos do governo Franco Montoro.[10]

O senador eleito com maior votação foi o engenheiro civil Mário Covas. Natural de Santos e formado pela Universidade de São Paulo, foi secretário municipal de Obras em sua cidade natal onde, em 1961, perdeu a eleição para prefeito. Membro do PST, foi eleito deputado federal em 1962 e após a vitória do Regime Militar de 1964 foi reeleito em 1966 via MDB, no entanto foi alvo do Ato Institucional Número Cinco em 1969 e permaneceu cassado por dez anos, época em que trabalhou na iniciativa privada. Finda a sua punição foi eleito presidente do diretório estadual do MDB. Reeleito deputado federal via PMDB em 1982, licenciou-se para assumir a Secretaria dos Transportes do governo Franco Montoro, cargo ao qual renunciou ao ser nomeado prefeito de São Paulo em 10 de maio de 1983[11] sendo eleito senador em 1986.[12][13]

Natural do Rio de Janeiro, o sociólogo Fernando Henrique Cardoso formou-se pela Universidade de São Paulo. Professor da instituição, nela obteve o Doutorado em Ciências Sociais em 1961.[14] Dois anos depois fez pós-graduação na Universidade de Paris. Contemporâneo de Florestan Fernandes e Alain Touraine, foi exilado à época do Regime Militar de 1964 e assim trabalhou para a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe em Santiago.[15] Aposentado por força do Ato Institucional Número Cinco em 1968, empenhou-se na criação do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento e a seguir lecionou no Chile, Estados Unidos, França, México, Reino Unido e Suíça.[15] Filho de Leônidas Cardoso, foi candidato a senador numa sublegenda do MDB em 1978 e mesmo derrotado tornou-se suplente de Franco Montoro, a quem seguiu na filiação ao PMDB. Efetivado quando o titular venceu a eleição para o governo paulista em 1982, Fernando Henrique Cardoso foi eleito presidente da Associação Internacional de Sociologia no ano em questão e foi derrotado por Jânio Quadros na eleição para prefeito de São Paulo em 1985, porém reelegeu-se senador em 1986.[14][nota 2][16]

A votação dada à chapa majoritária do PMDB permitiu que ele conquistasse vinte e oito cadeiras (47%) em disputa para deputado federal e trinta e sete (44%) para deputado estadual, números que só não foram maiores diante da recusa do partido em fazer coligações. Dentre os deputados federais eleitos estavam Ulysses Guimarães, que na legislatura empossada em 1º de fevereiro de 1987 acumulou a presidência do PMDB, da Câmara dos Deputados e da Assembleia Nacional Constituinte responsável pela Constituição de 1988 e ocupou a presidência da República como substituto constitucional de José Sarney. Entretanto a condição de deputado federal mais votado em todo o país ficou dividida entre Luiz Inácio Lula da Silva, em termos de votação nominal, e Ottomar Pinto, pelo critério proporcional, este último eleito em Roraima.[1]

Embora comandasse politicamente o estado, o governador Orestes Quércia enfrentou uma dissidência que resultou na criação do PSDB, partido de Franco Montoro, Fernando Henrique Cardoso e de três futuros governadores: Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra. Com isso houve uma separação formal entre o quercismo e seus rivais internos.[17]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Os dados apresentados a seguir são oriundos do Tribunal Superior Eleitoral e os mesmos asseveram que foram apurados 13.681.642 votos nominais além de 1.282.989 de votos em branco e 487.877 de votos nulos, totalizando 15.452.508 eleitores.[1]

Imagem Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador(a) Número Coligação Votação Percentual
Orestes Quércia em Avaré 310806 REFON.jpg Orestes Quércia
PMDB
Almino Afonso
PMDB
15
PMDB (sem coligação)
5.578.795
40,78%
Antônio Ermírio de Morais.jpg Antônio Ermírio de Moraes
PTB
José Roberto Faria Lima
PTB
14
União Liberal Trabalhista Social
(PTB, PL, PSC)
3.675.176
26,86%
Paulo Maluf.jpg Paulo Maluf
PDS
Reynaldo de Barros
PFL
11
União Popular
(PDS, PFL, PDC, PPB, PMB, PND)
2.668.425
19,50%
Eduardo suplicy senado 2010.jpg Eduardo Suplicy
PT
Paulo Otavio de Azevedo Júnior
PT
13
PT (sem coligação)
1.508.589
11,03%
Replace this image male.png Teotônio Simões
PH
Humberto Talarico de Souza
PH
19
PH (sem coligação)
250.657
1,83%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Os dados apresentados a seguir são oriundos do Tribunal Superior Eleitoral que apurou 23.751.679 votos nominais além de 5.951.805 de votos em branco e 1.201.532 de votos nulos, o que resulta num total de 30.905.016 eleitores, número que corresponde ao dobro do verificado na eleição para governador pois eram duas as vagas em disputa para senador.[1]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Mário Covas
PMDB
Marcos Mendonça
PMDB
Eduardo Gozzi
PMDB
151
PMDB (sem coligação)
7.785.667
32,78%
Fernando Henrique Cardoso
PMDB
Eva Blay
PMDB
Marcelo Xavier
PMDB
152
PMDB (sem coligação)
6.223.995
26,20%
Hélio Bicudo
PT
Guilherme Simões Gomes
PT
Nelson Campanholo
PT
131
PT (sem coligação)
2.456.837
10,34%
José Maria Marin
PFL
Edevaldo Alves da SIlva[nota 3]
PFL
Fernando Maluf
PDS
111
União Popular
(PDS, PFL, PDC, PPB, PMB, PND)
2.256.142
9,50%
Jacó Bittar
PT
Lélia Abramo
PT
Gilberto Costa
PT
132
PT (sem coligação)
1.747.423
7,36%
Fábio Meireles
PDS
Nelson do Carmo[nota 3]
PDS
Celso Kassab
PDC
112
União Popular
(PDS, PFL, PDC, PPB, PMB, PND)
1.285.885
5,41%
Antonio Duarte Nogueira
PTB
João Baptista Barreto
PTB
Jaqueline Araújo
PSC
141
União Liberal Trabalhista Social
(PTB, PL, PSC)
784.885
3,30%
Fernando Vergueiro
PL
Alberto Lopes
PL
Agnaldo Pereira
PSC
222
União Liberal Trabalhista Social
(PTB, PL, PSC)
379.285
1,60%
Sílvia Luiza Borini
PH
José Geraldo Cordini
PH
Francisco Corrêa
PH
191
PH (sem coligação)
230.169
0,97%
Adalberto Camargo
PPB
Paula Coelho[nota 3]
PPB
Francisco Magro
PPB
161
União Popular
(PDS, PFL, PDC, PPB, PMB, PND)
181.989
0,77%
Luiz Jaime Faria
PH
Luiz Carlos Mello
PH
André Pantaleão
PH
192
PH (sem coligação)
159.878
0,67%
Eusébio Rocha
PDT
Luiz Clementino Prodi
PDT
Célia Lima
PDT
121
PDT (sem coligação)
144.042
0,61%
Egisto Domenicali
PMC
Miriam da Conceição
PMC
César Augusto Alves
PCN
181
Ação Comunitária (PMC, PCN)
115.482
0,49%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[18] Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[19] Os números dos candidatos foram identificados com base em pesquisas feitas no Acervo da Imprensa Oficial do estado de São Paulo.[20]

Números Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
1371 Luiz Inácio Lula da Silva PT 651.763 4,22% Caetés  Pernambuco
1521 Ulysses Guimarães PMDB 590.873 3,82% Itirapina  São Paulo
2222 Afif Domingos PL 508.931 3,29% São Paulo  São Paulo
1576 José Serra PMDB 160.868 1,04% São Paulo  São Paulo
1475 Francisco Rossi[nota 4] PTB 141.862 0,92% Caçapava  São Paulo
1590 José Carlos Grecco PMDB 135.136 0,87% Mauá  São Paulo
1540 Geraldo Alckmin PMDB 125.127 0,81% Pindamonhangaba  São Paulo
1451 Arnaldo Faria de Sá PTB 115.469 0,75% São Paulo  São Paulo
1561 Theodoro Mendes PMDB 114.141 0,74% Sorocaba  São Paulo
1525 Francisco Amaral PMDB 112.701 0,73% Campinas  São Paulo
1586 João Cunha PMDB 106.946 0,69% Ribeirão Preto  São Paulo
1572 Robson Marinho PMDB 105.996 0,69% Belo Horizonte  Minas Gerais
2550 Fausto Rocha PFL 90.850 0,59% São Paulo  São Paulo
1161 Cunha Bueno PDS 89.335 0,58% São Paulo  São Paulo
1111 Arnold Fioravante PDS 87.212 0,56% Piracicaba  São Paulo
1559 Ralph Biasi[nota 5] PMDB 84.263 0,55% Americana  São Paulo
1577 João Herrmann PMDB 78.996 0,51% Campinas  São Paulo
1516 Tidei de Lima PMDB 77.156 0,50% Bauru  São Paulo
1550 Roberto Cardoso Alves[nota 5] PMDB 77.146 0,50% Aparecida  São Paulo
1529 Gerson Marcondes PMDB 76.777 0,50% São Paulo  São Paulo
1191 Antônio Delfim Neto PDS 76.342 0,49% São Paulo  São Paulo
1588 Koyu Iha PMDB 73.424 0,48% Santos  São Paulo
1717 José Maria Eymael PDC 72.132 0,47% Porto Alegre  Rio Grande do Sul
1504 Caio Pompeu de Toledo PMDB 69.535 0,45% São Paulo  São Paulo
1503 Samir Achôa PMDB 68.220 0,44% Vera Cruz  São Paulo
1509 Antônio Perosa PMDB 65.179 0,42% Urupês  São Paulo
1332 Plínio de Arruda Sampaio PT 63.899 0,41% São Paulo  São Paulo
1522 Felipe Cheidde[nota 6] PMDB 62.050 0,40% Fernão  São Paulo
2506 Agripino de Oliveira Lima PFL 61.497 0,40% Lençóis Paulista  São Paulo
1594 Bete Mendes[nota 5] PMDB 58.019 0,38% Santos  São Paulo
2526 Ricardo Izar PFL 55.327 0,36% São Paulo  São Paulo
1552 Airton Sandoval PMDB 54.391 0,35% Itirapuã  São Paulo
1578 Paulo Zarzur PMDB 54.194 0,35% São Paulo  São Paulo
1514 Del Bosco Amaral PMDB 53.730 0,35% Santos  São Paulo
1570 Doreto Campanari PMDB 52.960 0,34% Marília  São Paulo
1220 Ademar de Barros Filho PDT 51.082 0,33% São Paulo  São Paulo
1542 Manoel Moreira PMDB 51.028 0,33% Vitorino Freire  Maranhão
1315 Luiz Gushiken PT 50.580 0,33% Osvaldo Cruz  São Paulo
2520 José Camargo PFL 50.463 0,33% São Roque  São Paulo
1350 Florestan Fernandes PT 50.024 0,32% São Paulo  São Paulo
1425 Jayme Paliarin PTB 48.327 0,31% Espírito Santo do Pinhal  São Paulo
1258 Nelson Seixas PDT 47.978 0,31% São José do Rio Preto  São Paulo
1596 João Rezek PMDB 47.418 0,31% Araçatuba  São Paulo
1515 Fernando Gasparian PMDB 46.576 0,30% São Paulo  São Paulo
2511 Jorge Maluly Neto PFL 46.400 0,30% Fartura  São Paulo
1566 Fábio Feldmann PMDB 46.183 0,30% São Paulo  São Paulo
2545 Mendes Thame PFL 45.631 0,30% Piracicaba  São Paulo
1188 Antônio Salim Curiati PDS 44.771 0,29% Avaré  São Paulo
1546 Roberto Rollemberg[nota 5] PMDB 44.531 0,29% Campinas  São Paulo
1492 Joaquim Bevilacqua[nota 4] PTB 43.442 0,28% São José dos Campos  São Paulo
1460 José Egreja PTB 41.131 0,27% Timburi  São Paulo
1421 Gastone Righi PTB 40.010 0,26% Santos  São Paulo
1443 Mendes Botelho PTB 38.223 0,25% Brasília de Minas  Minas Gerais
2002 Dirce Tutu Quadros PSC 34.228 0,22% São Paulo  São Paulo
1321 Eduardo Jorge[nota 7] PT 32.022 0,21% Salvador Bahia Bahia
1415 Solon Borges dos Reis PTB 28.579 0,18% Casa Branca  São Paulo
1313 José Genoino PT 28.054 0,18% Quixeramobim  Ceará
1468 Farabulini Junior PTB 27.765 0,18% São Paulo  São Paulo
1333 Irma Passoni PT 22.166 0,14% Concórdia  Santa Catarina
1382 Gumercindo Milhomem PT 20.066 0,13% Imperatriz  Maranhão

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo 84 vagas na Assembleia Legislativa de São Paulo, sendo que os números dos candidatos foram identificados com base em pesquisas feitas no Acervo da Imprensa Oficial do estado de São Paulo.[21][1][20]

Números Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
11111 Afanásio Jazadji PDS 558.138 3.61% São Paulo  São Paulo
15208 Luiz Carlos Santos PMDB 114.583 0,74% Araxá  Minas Gerais
15211 Jurandyr Paixão Filho PMDB 101.866 0,66% Cunha  São Paulo
15115 Wagner Rossi PMDB 83.100 0,54% São Paulo  São Paulo
25235 Edson Ferrarini PFL 80.914 0,52% São Paulo  São Paulo
15234 Ary Kara PMDB 78.560 0,51% Neves Paulista  São Paulo
15185 Edinho Araújo PMDB 78.008 0,50% Santa Fé do Sul  São Paulo
15132 Carlos Apolinário PMDB 66.344 0,43% São Paulo  São Paulo
15202 Vanderlei Macris PMDB 66.262 0,43% Americana  São Paulo
15125 Mauro Bragato PMDB 65.018 0,42% Promissão  São Paulo
15219 Aloysio Nunes PMDB 64.311 0,42% São José do Rio Preto  São Paulo
11277 Osvaldo Bettio PDS 61.734 0,40% Promissão  São Paulo
15182 Getúlio Hanashiro PMDB 61.409 0,40% Itariri  São Paulo
15240 Ruth Escobar PMDB 61.124 0,40% Campanhã  Portugal
15285 Luís Francisco da Silva PMDB 60.354 0,39% Pirassununga  São Paulo
15124 Roberto Purini PMDB 60.305 0,39% Poloni  São Paulo
15181 Waldyr Alceu Trigo PMDB 59.094 0,38% Sertãozinho  São Paulo
15199 Nelson Nicolau PMDB 58.467 0,38% São João da Boa Vista  São Paulo
15232 Adilson Monteiro Alves PMDB 57.800 0,37% São Paulo  São Paulo
15121 Tonico Ramos PMDB 56.757 0,37% Mococa  São Paulo
15297 Nefi Tales PMDB 55.544 0,36% Guaíra  São Paulo
15116 Arnaldo Jardim PMDB 52.806 0,34% Altinópolis  São Paulo
15222 Fernando Leça PMDB 52.621 0,34% Bragança Paulista  São Paulo
11211 Erasmo Dias PDS 51.794 0,34% Paraguaçu Paulista  São Paulo
15200 Luiz Lauro Ferreira PMDB 51.035 0,33% Monte Belo  Minas Gerais
15172 Dalla Pria PMDB 51.013 0,33% Quatá  São Paulo
15146 Rubens Lara PMDB 50.717 0,33% São Paulo  São Paulo
15139 João Bastos Soares PMDB 50,215 0,32% Lavrinhas  São Paulo
15161 Luiz Máximo PMDB 48.403 0,31% Jacareí  São Paulo
15229 Tonca Falseti PMDB 47.647 0,31% Bariri  São Paulo
15249 Victor Sapienza PMDB 47.434 0,31% São Paulo  São Paulo
22222 Eduardo Bittencourt PL 46.969 0,30% São Paulo  São Paulo
25125 Artur Alves Pinto PFL 46.691 0,30% São Paulo  São Paulo
15111 Eni Galante PMDB 46.542 0,30% Niterói  Rio de Janeiro
15114 Jorge Tadeu Mudalen PMDB 45.308 0,29% Guarulhos  São Paulo
15173 Guiomar Namo de Melo PMDB 41.267 0,27% São Paulo  São Paulo
15213 Milton José Baldochi PMDB 41.251 0,27% São José da Bela Vista  São Paulo
15158 Walter Mendes PMDB 40.697 0,26% Cesário Lange  São Paulo
14169 Barros Munhoz PTB 40.449 0,26% São Paulo  São Paulo
25290 Jairo Matos PFL 39.801 0,26% Piracicaba  São Paulo
14281 Maurício Sandoval Ribeiro PTB 38.967 0,25% Franca  São Paulo
15112 Lobbe Neto PMDB 38.404 0,25% São Paulo  São Paulo
14101 Fauze Carlos PTB 38.238 0,25% Catiguá  São Paulo
13165 José Cicote PT 37.865 0,25% Poloni  São Paulo
15166 Laércio Pinto da Cunha PMDB 37.789 0,24% São José dos Campos  São Paulo
15105 Randal Juliano Garcia PMDB 37.283 0,24% Jundiaí  São Paulo
15261 Erci Ayala PMDB 37.176 0,24% Tambaú  São Paulo
14250 Osvaldo Sbeghen PTB 36.758 0,24% Mineiros do Tietê  São Paulo
15110 Sebastião Bognar PMDB 35.858 0,23% Álvaro de Carvalho  São Paulo
13280 Luíza Erundina[nota 8] PT 35.622 0,23% Uiraúna  Paraíba
11244 Marcelino Romano Machado PDS 35.615 0,23% Ribeirão Preto  São Paulo
14171 Daniel Marins Alessi PTB 35.120 0,23% São Paulo  São Paulo
25155 Corauci Sobrinho PFL 34.820 0,23% Ribeirão Preto  São Paulo
14111 Fernando Silveira PTB 33.406 0,22% Amargosa Bahia Bahia
14179 José Wilson Toni PTB 33.118 0,21% Ribeirão Preto  São Paulo
25232 Waldemar Matos Silveira PFL 31.450 0,20% Limeira  São Paulo
14161 Tadashi Kuriki PTB 30,564 0,20% General Salgado  São Paulo
13234 Telma de Souza PT 28.615 0,19% Santos  São Paulo
14200 Wadih Helu PTB 28.060 0,18% Tatuí  São Paulo
14187 Luíz Tortorello[nota 8] PTB 28.009 0,18% Matão  São Paulo
11101 Sylvio Martini PDS 27.751 0,18% Araraquara  São Paulo
11138 Conte Lopes PDS 26.945 0,17% São Paulo  São Paulo
25118 Nabi Abi Chedid PFL 26.899 0,17% Ramarith Líbano
14222 Vicente Botta PTB 26.366 0,17% São Carlos  São Paulo
11222 Amaral Furlan PDS 25.455 0,16% Sertãozinho  São Paulo
14141 Moisés Lipnik PTB 25.399 0,16% Cali  Colômbia
25113 João do Pulo PFL 24.815 0,16% Pindamonhangaba  São Paulo
14113 Israel Zekcer PTB 24.236 0.16% São Paulo  São Paulo
13268 José Dirceu PT 23.990 0,16% Passa Quatro  Minas Gerais
11192 Maurício Najar PDS 23.696 0,15% Mogi das Cruzes  São Paulo
13185 Ivan Valente PT 23.184 0,15% São Paulo  São Paulo
11115 Paulo Osório Silveira Bueno PDS 23.117 0,15% São Paulo  São Paulo
25288 José Coimbra PFL 22.701 0,15% Coxim  Mato Grosso do Sul
11204 Hatiro Shimomoto PDS 22.431 0,15% São Paulo  São Paulo
11196 Abdo Antônio Hadade PDS 22.191 0,14% São Paulo  São Paulo
25161 Ivan Espíndola de Ávila PFL 21.830 0,14% Santos  São Paulo
12190 Miguel Martini PDT 21.302 0,14% Mogi Guaçu  São Paulo
13288 Roberto Gouveia Nascimento PT 21.184 0,14% Ituiutaba  Minas Gerais
13155 Antônio Lucas Buzato PT 20.266 0,13% José Bonifácio  São Paulo
13130 Clara Ant PT 19.925 0,13% La Paz  Bolívia
12127 Hilkias de Oliveira PDT 19.407 0,13% Uchoa  São Paulo
13146 Expedito Soares Batista PT 19.375 0,13% Diamantina  Minas Gerais
13183 José Machado PT 19.238 0,12% Tanabi  São Paulo
12196 Antônio Calixto PDT 14.469 0,09% Altinópolis  São Paulo

Notas

  1. O Distrito Federal elegeu três senadores e oito deputados federais de acordo com a Emenda Constitucional 25 de 15/05/1985 enquanto os territórios federais elegeram quatro deputados federais cada de acordo com a Emenda Constitucional nº 22 de 29/06/1982, sendo que em Fernando de Noronha não houve escolha de representantes.
  2. O decreto-lei que regulava a vigência da sublegenda dizia que os candidatos a senador não eleitos seriam considerados suplentes do eleito de acordo com a ordem decrescente de votação.
  3. a b c A legislação permitia a cada partido ou coligação o uso das sublegendas na eleição para senador e assim a União Popular lançou uma tríade sendo que Edevaldo Alves da Silva, Nelson do Carmo e Sebastião de Paula Coelho retiraram suas candidaturas antes do pleito.
  4. a b Em 1988 Francisco Rossi foi eleito prefeito de Osasco e deu lugar a Aristides Cunha enquanto Joaquim Bevilacqua foi eleito prefeito de São José dos Campos e deu lugar a Leonel Júlio.
  5. a b c d A bancada do PMDB sofreu alterações com as escolhas de Bete Mendes à Secretaria de Cultura, Ralph Biasi à Secretaria de Ciência e Tecnologia e de Roberto Rollemberg à Secretaria de Governo por decisão do governador Orestes Quércia, sendo que Ralph Biasi foi ministro da Ciência e Tecnologia do presidente José Sarney, que nomeou Roberto Cardoso Alves ministro da Indústria e Comércio e depois ministro da Ciência e Tecnologia. Entre idas e vindas foram convocados Antônio Tito Costa, Francisco Dias, José Yunes e Michel Temer.
  6. Teve o mandato cassado em 31 de maio de 1989 por excesso de faltas sendo efetivado Hélio Rosas, antes substituto de Bete Mendes.
  7. Secretário municipal de Saúde de São Paulo na administração Luiza Erundina, foi substituído por Ernesto Gradella e Luiz Eduardo Greenhalgh.
  8. a b Em 1988 Luiza Erundina foi eleita prefeita de São Paulo e Luíz Tortorello foi eleito prefeito de São Caetano do Sul.

Referências

  1. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 18 de outubro de 2017. 
  2. «BRASIL. Presidência da República: Emenda Constitucional 25 de 15/05/1985». Consultado em 18 de outubro de 2017. 
  3. «BRASIL. Presidência da República: Emenda Constitucional 22 de 29/06/1982». Consultado em 18 de outubro de 2017. 
  4. «Senado Federal do Brasil: senador Orestes Quércia». Consultado em 18 de outubro de 2017. 
  5. Quércia diz que será um "reforço" (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 22/06/1982. Nacional, p. 05. Página visitada em 18 de outubro de 2017.
  6. Vice-governador iniciou escalada à candidatura do partido em 1982 (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 06/07/1986. Nacional, p. 08. Página visitada em 19 de outubro de 2017.
  7. Quércia já é o novo governador; Ermínio fica em 2º. (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 16/11/1986. Política, p. A-6. Página visitada em 23 de outubro de 2017.
  8. «Morre em São Paulo o ex-governador Orestes Quércia (g1.globo.com)». Consultado em 18 de outubro de 2017. 
  9. «CPDOC – A trajetória política de João Goulart: biografia de Almino Afonso». Consultado em 18 de outubro de 2017. 
  10. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Almino Afonso». Consultado em 18 de outubro de 2017. 
  11. Covas assume e promete seguir lutando por diretas (online). Folha de S. Paulo, 11/05/1983. Página visitada em 18 de outubro de 2013.
  12. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Mário Covas». Consultado em 18 de outubro de 2017. 
  13. «Senado Federal do Brasil: senador Mário Covas». Consultado em 18 de outubro de 2017. 
  14. a b «Senado Federal do Brasil: senador Fernando Henrique Cardoso». Consultado em 19 de outubro de 2017. 
  15. a b «CPDOC – Memória das Ciências Sociais no Brasil: biografia de Fernando Henrique Cardoso». Consultado em 19 de outubro de 2017. 
  16. «BRASIL. Presidência da República: Decreto-lei nº 1.541 de 14/04/1977». Consultado em 19 de outubro de 2017. 
  17. Novo partido nasce sem nome (online). O Estado de S. Paulo, São Paulo (SP), 25/06/1988. Geral, p. 04. Página visitada em 20 de outubro de 2017.
  18. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 18 de outubro de 2017. 
  19. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 18 de outubro de 2017. 
  20. a b «Acervo da Imprensa Oficial do estado de São Paulo» (PDF). Consultado em 18 de outubro de 2017. 
  21. «Banco de dados da Assembleia Legislativa de São Paulo». Consultado em 21 de outubro de 2013.