Tanabi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Tanabe.
Município de Tanabi
Bandeira de Tanabi
Brasão de Tanabi
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 4 de julho
Fundação 1882 (135 anos)
Gentílico tanabiense
Lema Semper Fluit Flumen Papilionum (traduzido do latim, "Sempre Corre o Rio das Borboletas")
Prefeito(a) Norair Cassiano da Silveira ([PSB])
Localização
Localização de Tanabi
Localização de Tanabi em São Paulo
Tanabi está localizado em: Brasil
Tanabi
Localização de Tanabi no Brasil
20° 37' 33" S 49° 38' 56" O20° 37' 33" S 49° 38' 56" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião São José do Rio Preto IBGE/2008[1]
Microrregião São José do Rio Preto IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Bálsamo, Mirassolândia, Cosmorama, Palestina, Sebastianópolis do Sul e Monte Aprazível
Distância até a capital 477 km
Características geográficas
Área 745,8 km² [2]
População 24 055 hab. Censo IBGE/2010[2]
Densidade 32,25 hab./km²
Altitude 518 m
Clima tropical semiúmido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,792 elevado PNUD/2000[3]
PIB R$ 296 018 mil IBGE/2009[4]
PIB per capita R$ 12 037,64 IBGE/2009[4]
Página oficial

Tanabi é um município da Mesorregião de São José do Rio Preto, no estado de São Paulo, no Brasil. Possui uma população de 24 055 habitantes (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2010) e área de 745,8 quilômetros quadrados.[2] Localiza-se a 477 quilômetros da cidade de São Paulo.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Tanabi" é derivado do guarani antigo tanambi, que significa "borboleta".[5]

História[editar | editar código-fonte]

Tanabi foi fundada em 4 de julho de 1882. No local onde hoje é a Praça Stélio Machado Loureiro, antes chamada "24 de Outubro", o terreno fora convenientemente montado e, da clareira aberta na mata em volta, divulgava-se, ao fundo, a choça onde Joaquim Francisco de Andrade (Joaquim Chico), remanescente da tribo dos Caiapós, desde 1860 comerciava produtos da terra e mercadorias que trazia de longe.

Junto à confluência dos rios Jataí e do Mangue, ou Bacuri, repontavam raras choupanas onde viviam pacatos roceiros. Confiaram, a mestre Bento Perez de Souza, um carapina de truz, a incumbência de lavrar o madeiro roliço e transformá-lo em símbolo de suas aspirações religiosas, o qual foi, para todos os efeitos, considerado marco de fundação. Na data epigrafada, num meio-dia estival, lá estavam os moradores reunidos e irmanados por um só desejo – conduzir, em procissão, o pesado lenho de rija aroeira.

Feito isto, postaram-no para descanso ao lado de profunda escavação recém-aberta na terra vermelha e dadivosa. Entre vivas e rojões, salvas de garrucha e gritos de alegria, é alçado o majestoso cruzeiro que, paulatinamente, toma posição vertical; seus braços sagrados, onde se divisam os instrumentos de suplício a recordar a divina imolação, proclamam, altissonantes, que, na zona pioneira do Estado, mais uma citânia surgia, citânia que, desde então, batizaram com o expressivo topônimo "Jataí".

Logo após, junto ao emblema da fé, num altar improvisado, todo enfeitado de flores silvestres, ajoelharam-se todos, contritos e piedosos, como convém às almas simples, a rezar o terço tradicional do interior brasileiro. E a tradição guardou o nome dos que tomaram parte nesse ato de e civismo: o alferes Polenice Celeri, Leonildo Bataglia, João Barboza do Amaral, Hilário de Souza Rozendo, Agostinho Pereira, Manuel Francisco de Silva, Joaquim Euzébio, Joaquim Francisco de Andrade (Joaquim Chico, considerado o fundador), além do artista anônimo que, a golpes de enxó, lavrou o rijo cerne, transformando-o em objeto de culto e de veneração.

Erguida a cruz, cuidaram, logo, os moradores do Jataí de construir uma igreja em homenagem à padroeira escolhida – Nossa Senhora da Conceição. E foi essa rústica ermida de palha que deu o nome ao lugar então conhecido por "Capela do Jataí" e que, nove anos mais tarde, em 1891, foi substituída pela igreja feita de tijolos e telha vã, demolida em 1932/33.

Em 1906, o povoado foi elevado à condição de distrito pertencente ao município de São José do Rio Preto com o nome de "Tanabi". Em 1924, o distrito foi elevado à condição de município, separando-se de São José do Rio Preto.[6]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 20°37'35" Sul e a uma longitude 49°38'57" Oeste, estando a uma altitude de 518 metros.

Economia[editar | editar código-fonte]

Tanabi é um município que tem grande força na indústria, destacando-se principalmente na produção de alumínio, móveis e calçados, conta também com uma usina que produz açúcar e álcool. Além da indústria, a pecuária, a agricultura e o comércio movimentam a economia do município. Tanabi conta com várias agências bancárias como Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco e Banco Santander.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

  • SP-320 Rodovia Euclides da Cunha
  • SP-377 Rodovia Deputado Bady Bassitt

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010:

População total: 24 055[2]

  • Urbana: 21 735
  • Rural: 2 320
  • Homens: 12 042[7]
  • Mulheres: 12 013

Densidade demográfica (hab./km²): 32,25

Taxa de alfabetização: 93,0%[8]

Administração[editar | editar código-fonte]

Esportes[editar | editar código-fonte]

A cidade possui um arena chamado Estádio Municipal Alberto Victolo.

Em abril de 2012, o jogador Túlio Maravilha, ex-Botafogo do Rio de Janeiro e Seleção Brasileira de Futebol, transferiu-se para o Tanabi Esporte Clube, em busca do 1000º gol na carreira.[9]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Tanabi

Luan atualmente no Grêmio também se destacou pelo índio do Noroeste em 2012

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Hino de Tanabi

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. a b c d «Censo Populacional 2010» (PDF). Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 15 de julho de 2010 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2005-2009» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 21 dez. 2011 
  5. NAVARRO, E. A. Dicionário de Tupi Antigo: a Língua Indígena Clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 600.
  6. Site de Tanabi. Disponível em http://www.sitedetanabi.com.br/?gatghes1s6ssrr-historia-de-tanabi-sp.html. Acesso em 4 de dezembro de 2015.
  7. «SIDRA IBGE - Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo». IBGE. Consultado em 25 de agosto de 2011 
  8. «Taxa de Alfabetização 2010» (zip). Censo 2010 IBGE: Indicadores Sociais Municipais. IBGE.gov.br. Consultado em 23 de janeiro de 2012 
  9. «Túlio Maravilha vai assinar com o Tanabi». Placar.abril.com.br. Consultado em 13 de maio de 2012