Eleições estaduais no Tocantins em 1988

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
1986 Brasil 1990
Eleições estaduais no  Tocantins em 1988
15 de novembro de 1988
(Turno único)
Siqueira Campos (cropped).jpg José Joaquim de Sá Freire Alvim IBGE.jpg
Candidato Siqueira Campos José Freire
Partido PDC PMDB
Natural de Crato, CE Arraias, TO
Vice Darci Coelho Brito Miranda
Votos 163.819 84.926
Porcentagem 62,49% 32,40%


Brasão do Tocantins.svg
Governador do Tocantins

Titular
Henrique Santillo (como governador de Goiás)
PMDB

As eleições estaduais no Tocantins em 1988 ocorreram em 15 de novembro, dia das eleições municipais realizadas em 24 estados e nos territórios federais do Amapá e Roraima.[nota 1] Foram eleitos o governador Siqueira Campos, o vice-governador Darci Coelho, os senadores Moisés Abrão, Carlos Patrocínio e Antônio Luiz Maia, oito deputados federais e vinte e quatro estaduais sob a égide da nova Constituição[1] que fixou os limites territoriais do estado, a respectiva estrutura administrativa e as regras para as eleições. Os votos foram totalizados em Goiânia e a posse do governador, vice-governador e deputados estaduais eleitos teve lugar no Ginásio Costa Júnior em Miracema do Tocantins e os demais parlamentares foram empossados no Congresso Nacional.[2][3][4]

Desde a Independência do Brasil o estado do Tocantins buscava a emancipação política, mas as condições para tal só ganharam relevo ante os conflitos fundiários na região do Bico do Papagaio e foram agravadas pelo combate travado nos anos 1960 e 1970 pela Guerrilha do Araguaia contra o Regime Militar de 1964. Na Nova República o Congresso Nacional aprovou duas propostas de criação do estado do Tocantins, uma de Siqueira Campos e outra do senador Benedito Ferreira (PDS-GO) que, no entanto, acabariam vetadas pelo presidente José Sarney em abril e dezembro de 1985, respectivamente, porém a Constituinte reverteu essa decisão via Carta Magna.[1]

Cearense de Crato, o agropecuarista e industrial José Wilson Siqueira Campos estreou na política em 1964 como vereador em Colinas do Tocantins chegando a presidir a Câmara Municipal. Membro da ARENA, foi eleito deputado federal por Goiás em 1970, 1974 e primeiro suplente em 1978.[5][2] Efetivado após a morte de José de Assis,[nota 2] migrou para o PDS com o retorno do pluripartidarismo em 1980. Reeleito em 1982, votou contra a Emenda Dante de Oliveira em 1984 e escolheu Paulo Maluf no Colégio Eleitoral em 1985.[6][7] Reeleito via PDC em 1986, atuou mais uma vez em favor da criação do Tocantins, causa afinal vitoriosa em 1988, ano em que foi eleito o primeiro governador do novo estado.[8][nota 3]

O vice-governador é Darci Coelho, advogado vindo da cidade maranhense de Porto Franco e que se formou na Universidade Federal de Goiás em 1965 sendo professor da respectiva instituição. Prestou serviços ao Poder Judiciário como promotor de justiça em Goianésia e juiz de direito em Carmo do Rio Verde, Iporá e Inhumas.[9] Procurador da República no Ministério Público Federal e integrante do Tribunal Regional Eleitoral de Goiás, foi também juiz federal em Goiânia. Membro da Academia Tocantinense de Letras, quando de sua eleição era o presidente estadual do PFL sendo este seu primeiro mandato político.[10]

Resultado das eleições para governador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral de Goiás e a Assembleia Legislativa do Tocantins foram apurados 262.144 votos nominais (73,09%), 81.052 votos em branco (22,60%) e 15.475 votos nulos (4,31%), resultando no comparecimento de 358.671 eleitores.[11][12]

Candidato a governador do estado
Candidato a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Siqueira Campos
PDC
Darci Coelho
PFL
17
União do Tocantins
(PDC, PFL, PTB, PDT, PSDB, PL, PDS, PCdoB)
163.819
62,49%
José Freire
PMDB
Brito Miranda
PMDB
15
PMDB (sem coligação)
84.926
32,40%
Osvaldo de Alencar Rocha
PT
Rose Milhomem
PT
13
PT (sem coligação)
13.399
5,11%
  Eleito

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral de Goiás e os anais do Senado Federal foram apurados 652.331 votos nominais.[11][13][14][15]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Moisés Abrão[nota 4]
PDC
[nota 5]
PDC
171
União do Tocantins
(PDC, PFL, PTB, PDT, PSDB, PL, PDS, PCdoB)
130.118
19,95%
Carlos Patrocínio[nota 4]
PTB
[nota 5]
PTB
141
União do Tocantins
(PDC, PFL, PTB, PDT, PSDB, PL, PDS, PCdoB)
128.943
19,77%
Antônio Luiz Maia[nota 4]
PDT
[nota 5]
PDT
121
União do Tocantins
(PDC, PFL, PTB, PDT, PSDB, PL, PDS, PCdoB)
122.541
18,78%
Totó Cavalcante
PMDB
-
PMDB
-
PMDB (sem coligação)
88.930
13,63%
Hagaús Araújo
PMDB
-
PMDB
-
PMDB (sem coligação)
84.527
12,96%
Derval de Paiva
PMDB
-
PMDB
-
PMDB (sem coligação)
79.766
12,23%
Tereza Ribeiro de Souza
PT
-
PT
-
PT (sem coligação)
6.744
1,03%
Arlete Francisca Rodrigues
PT
-
PT
-
PT (sem coligação)
5.488
0,84%
Sebastião Luiz Vasconcelos
PT
-
PT
-
PT (sem coligação)
5.274
0,81%
  Eleitos

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[11][16][17]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Eduardo Siqueira Campos PDC 24.721 Campinas  São Paulo
Freire Júnior PMDB 15.930 Goiânia  Goiás
Moisés Avelino PMDB 15.619 Santa Filomena  Piauí
Paulo Sidney PMDB 14.758 Inhumas  Goiás
Ary Valadão PDS 11.486 Anicuns  Goiás
Leomar Quintanilha[nota 6] PDC 9.778 Goiânia  Goiás
Paulo Mourão PDS 9.556 Cristalândia  Tocantins
Edmundo Galdino PSDB 9.444 Araguaína  Tocantins

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo 24 cadeiras na Assembleia Legislativa do Tocantins.[11][18]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Raimundo Boi PDC 7.025 Miracema do Tocantins  Tocantins
Everaldo Barros PDC 4.552
Paulino Bertoldo PDC 4.423
Merval Pimenta PMDB 4.407 Ponte Alta do Tocantins  Tocantins
Raul Filho PFL 4.375 Gilbués  Piauí
Francisco Sales PDC 4.366
Gerival Aires PMDB 4.008
Joaquim Balduíno PMDB 3.915
Luiz Tolentino PDC 3.885
Lindolfo Campelo PDC 3.802 Filadélfia  Tocantins
Antônio Jorge Godinho PDC 3.784 Taguatinga  Tocantins
Izidório Oliveira PMDB 3.718 Taguatinga  Tocantins
João Renildo PFL 3.698 Araguatins  Tocantins
Nezinho Alencar PMDB 3.685 Filadélfia  Tocantins
Pedro Braga PMDB 3.632 Araguaína  Tocantins
Iron Marques PMDB 3.533
Baylon Pedreira PMDB 3.523
Uiatan Cavalcante PMDB 3.313
Jurandi Oliveira PDC 2.753
Joaquim Machado Filho PDC 2.738
Carlos Barcelos PDS 2.733
Mascarenhas de Moraes[nota 7] PFL 2.670
Vicente Confessor PFL 2.621
Jesus Torres PDS 2.530

Eleições municipais[editar | editar código-fonte]

Além de eleger o governador a coligação "União do Tocantins" fez os três senadores e ocupou mais de 60% das vagas para deputado federal. Na mesma oportunidade foram eleitos 63 prefeitos e 581 vereadores[19] e em 16 de abril de 1989 houve eleições municipais no recriado município de Pequizeiro[nota 8] e em dezessete municípios recém-instalados.[nota 9]

Notas

  1. Não houve pleito municipal no Distrito Federal e no território federal de Fernando de Noronha.
  2. Vítima de um acidente de avião em Iturama (MG) em 14 de outubro de 1979.
  3. Para assumir o governo tocantinense, Siqueira Campos renunciou ao mandato de deputado federal em favor de Tarzan de Castro.
  4. a b c Devido ao princípio da concomitância eleitoral, os senadores mais votados teriam seis anos de mandato a se encerrarem após 1994 e o senador menos votado teria dois anos de mandato a se encerrarem após 1990.
  5. a b c A Constituição (Art. 46 § 3º) diz que cada senador seria eleito com dois suplentes, entretanto não dispomos dessas informações até o momento.
  6. Nomeado secretário de Educação do Tocantins, foi substituído por Alziro Gomes.
  7. Homônimo do marechal Mascarenhas de Moraes.
  8. Criado pela Lei estadual nº 4.595 de 1º de janeiro de 1963 e extinto pela Lei estadual nº 8.809 de 14 de maio de 1980, sendo reemancipado pela Lei estadual nº 10.397 de 30 de dezembro de 1987.
  9. Tais municípios foram: Aliança do Tocantins, Aparecida do Rio Negro, Barrolândia, Bernardo Sayão, Buriti do Tocantins, Caseara, Combinado, Divinópolis do Tocantins, Goianorte, Marianópolis do Tocantins, Nova Rosalândia, Porto Alegre do Tocantins, Praia Norte, Sampaio, Santa Rosa do Tocantins, Santa Teresa do Tocantins, São Valério.

Referências

  1. a b «BRASIL. Presidência da República: Constituição de 1988». Consultado em 15 de dezembro de 2019 
  2. a b «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 15 de dezembro de 2019 
  3. Na política, a força da UDR (online). O Estado de S. Paulo, São Paulo (SP), 01/11/1988. Geral, p. 40. Página visitada em 8 de junho de 2012.
  4. Siqueira toma posse no governo de Tocantins (online). Folha de S.Paulo, São Paulo (SP), 02/01/1989. Página visitada em 27 de maio de 2013.
  5. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Siqueira Campos». Consultado em 13 de agosto de 2015 
  6. A nação frustrada! Apesar da maioria de 298 votos, faltaram 22 para aprovar diretas (online). Folha de S.Paulo, São Paulo (SP), 26/04/1984. Capa. Página visitada em 15 de dezembro de 2019.
  7. Sai de São Paulo o voto para a vitória da Aliança (online). Folha de S.Paulo, São Paulo (SP), 16/01/1985. Primeiro caderno, p. 06. Página visitada em 15 de dezembro de 2019.
  8. «Biografia de Siqueira Campos no CPDOC/FGV». Consultado em 15 de dezembro de 2019 
  9. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Darci Coelho». Consultado em 14 de agosto de 2015 
  10. «Biografia de Darci Coelho no CPDOC/FGV». Consultado em 16 de dezembro de 2019 
  11. a b c d «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral de Goiás». Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  12. «Assembleia Legislativa do Tocantins». Consultado em 16 de dezembro de 2019 
  13. «BRASIL. Senado Federal: Anais da República». Consultado em 12 de agosto de 2015 
  14. PMDB lança Freire em Paraíso, no Tocantins (online). Correio Braziliense, Brasília (DF), 12/10/1988. Política, p. 06. Página visitada em 16 de dezembro de 2019.
  15. MORGADO, Valdir. Amplo apoio deixa Siqueira tranquilo (online). Correio Braziliense, Brasília (DF), 12/10/1988. Política, p. 03. Página visitada em 17 de dezembro de 2019.
  16. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 10 de abril de 2017. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  17. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 10 de abril de 2017 
  18. «TOCANTINS. Assembleia Legislativa: Primeira Legislatura». Consultado em 16 de dezembro de 2019 
  19. Duas cédulas nas eleições do Tocantins (online). O Estado de S. Paulo, São Paulo (SP), 01/11/1988. Página visitada em 8 de junho de 2012.