Cortes Gerais e Extraordinárias da Nação Portuguesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

As Cortes Gerais e Extraordinárias da Nação Portuguesa, também frequentemente designadas por Soberano Congresso e conhecidas na historiografia portuguesa como Cortes Constituintes de 1820 ou Cortes Constituintes Vintistas, foram o primeiro parlamento português no sentido moderno do conceito. A sua base estava, em grande parte, idealizada nas antigas Cortes Gerais, só que o sistema de votação para designar os seus delegados agora era diferente, e não estariam mais separados os três tradicionais estamentos feudais (Clero, Nobreza e Povo).

Criado na sequência da Revolução Liberal do Porto para elaborar e aprovar uma constituição para Portugal, os trabalhos parlamentares deste órgão decorreram entre 24 de Janeiro de 1821 e 4 de Novembro de 1822 no Palácio das Necessidades, em Lisboa. Das suas sessões saíram profundas alterações ao regime político português e foram iniciadas reformas que teriam no século seguinte um enorme impacto sociopolítico. Os trabalhos das Cortes Constituintes culminaram com a aprovação da Constituição Portuguesa de 1822.

Origem[editar | editar código-fonte]

O governo instalado após a Revolução do Porto, a Junta Provisional do Governo Supremo do Reino, decidiu convocar cortes, para o que a 1 de Setembro de 1820 mandou constituir uma comissão preparatória. A Comissão publicou a 22 de Novembro daquele ano as Instruções para eleição de deputados às Cortes, as quais se realizaram em Dezembro de 1820.

O método escolhido pela Comissão para designar os representantes da nação foi o sistema eleitoral consagrado na Constituição de Cádis de 1812, apenas com algumas adaptações à realidade portuguesa. Consistia num complexo sufrágio indirecto através da formação de juntas eleitorais de paróquia, de comarca e de província. Os cidadãos do sexo masculino maiores de 25 anos (nalguns casos maiores de 21 anos) com emprego, ofício ou ocupação útil, elegiam grandes eleitores que, por sua vez, escolhiam os eleitores de comarca. Estes reuniam-se na capital da província e elegiam os deputados às cortes constituintes, os quais não podiam ser menores de 25 anos, à razão de um por cada 30 000 habitantes.

Apesar da complexidade e da inexperiência, o intrincado processo das primeiras eleições portuguesas ficou concluído no dia de Natal de 1820, com deputados eleitos na maioria das províncias. Os restantes foram sendo eleitos nos meses imediatos.

Palácio das Necessidades, sede das Cortes Constituintes de 1820.

A reunião instituidora das Cortes Gerais, Extraordinárias e Constituintes da Nação Portuguesa, também designadas por Soberano Congresso, ocorreu a 24 de Janeiro de 1821 no Palácio das Necessidades.

O Soberano Congresso aprovou a 9 de Março de 1821, menos de três meses após a sua reunião constitutiva, as "Bases da Constituição", documento que foi jurado por D. João VI de Portugal a 4 de Julho imediato, logo após o seu regresso do Brasil.

A partir das Bases da Constituição juradas pelo rei, as Cortes elaboraram e aprovaram a primeira Constituição portuguesa, a qual foi aprovada a 30 de Setembro de 1822, tendo as Cortes Gerais, Extraordinárias e Constituintes da Nação Portuguesa reunido pela última vez a 4 de Novembro de 1822. A Constituição Política da Monarquia Portuguesa de 1822, apesar de ter vigorado por períodos curtos, transformou-se num documento inspirador do liberalismo português, com reflexos que percorreram todo o período da Monarquia Constitucional Portuguesa e influenciaram mesmo a primeira constituição republicana de Portugal, aprovada quase um século depois.

Deputados[editar | editar código-fonte]

Foram os seguintes os deputados que participaram nos debates:[1]

Reino do Algarve[editar | editar código-fonte]

  • Manoel José Placido da Sylva Negrão.
  • José Vaz Velho.
  • Jeronymo José Carneiro.

Província do Minho[editar | editar código-fonte]

  • Francisco Wanzeller.
  • Antonio Pereira.
  • José Maria Xavier de Araujo.
  • Francisco Xavier Calheiros.
  • João de Sousa Pinto de Magalhães.
  • José Ferreira Borges.
  • Rodrigo Ribeiro Telles da Sylva.
  • João Baptista Felgueiras.
  • Basilio Alberto de Sousa.
  • Arcebispo da Bahia.
  • João Pereira da Sylva.
  • José Joaquim Rodrigues de Bastos.
  • Joaquim José dos Santos Pinheira.
  • Antonio Ribeiro da Costa.
  • Manoel Martins Couto.

Província de Traz-os-Montes[editar | editar código-fonte]

  • Bernardo Corrêa de Castro e Sepulveda.
  • Manoel Gonçalves de Miranda.
  • Antonio Lobo de Barbosa Teixeira Ferreira Girão.

Província da Beira[editar | editar código-fonte]

  • José Maria de Sousa e Almeida.
  • José de Gouvêa Osorio.
  • Antonio Pinheiro d'Azevedo e Sylva.
  • Barão de Molellos.
  • José Pedro da Costa Ribeiro Teixeira.
  • José de Mello de Castro e Abreu.
  • Bispo de Lamego.
  • João de Figueiredo.
  • José Joaquim de Faria.
  • José Ribeiro Saraiva.
  • Antonio José Ferreira de Sousa.
  • Pedro José Lopes d'Almeida.
  • Manoel Fernandes Thomaz.
  • José Joaquim Ferreira de Moura.
  • Antonio Maria Osorio Cabral.
  • Thomé Rodrigues Sobral.
  • Manoel de Serpa Machado.

Província de Alentejo[editar | editar código-fonte]

  • Carlos Honorio de Gouvêa Durão.
  • João Vicente da Sylva.
  • Joaquim Annes de Carvalho.
  • João Rodrigues de Brito.
  • José Victorino Barreto Feyo.
  • Ignacio da Costa Brandão.
  • José Antonio da Rosa.

Província da Estremadura[editar | editar código-fonte]

  • Bento Pereira do Carmo.
  • Francisco de Lemos Bittencourt.
  • Agostinho José Freire.
  • Luiz Antonio Rebello da Sylva.
  • Alvaro Xavier da Fonseca Coutinho e Povoas.
  • Luiz Monteiro.
  • João Alexandrino de Sousa Queiroga.
  • Felix Avelar Brotero.
  • Hermano José Braancamp do Sobral.
  • Francisco Antonio dos Santos.
  • Henrique Xavier Baeta.
  • José Ferrão de Mendonça e Sousa.
  • João Maria Soares Castello Branco.
  • Francisco de Paula Travassos.
  • Manoel Agostinho Madeira Torres.
  • Manoel Antonio de Carvalho.
  • Francisco Xavier Monteiro.
  • Manoel Borges Carneiro.
  • José Carlos Coelho Carneiro Pacheco.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. Debates - catálogo.