Joaquim Gonçalves Ledo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joaquim Gonçalves Ledo
Nascimento 11 de dezembro de 1781
Cachoeiras de Macacu
Morte 9 de maio de 1847 (65 anos)
Sumidouro
Cidadania Brasil
Ocupação jornalista, político
Causa da morte ataque cardíaco

Joaquim Gonçalves Ledo (Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 1781 — Fazenda do Sumidouro, Cachoeiras de Macacu, 19 de maio de 1847) foi um jornalista e político brasileiro.[1][2]

O primogênito do comerciante Antônio Gonçalves Ledo e de D. Maria dos Reis Ledo, era irmão de Custódio Gonçalves Ledo. Aos 14 anos, mudou-se do Brasil para estudar em Portugal e entrou na Maçonaria.[1]

Retornou ao Rio de Janeiro em 1808 para assumir os negócios da família. Continuou na Maçonaria e ingressou na política, lutando a favor da independência. Tornou-se adversário de José Bonifácio de Andrada e Silva em ambas áreas.[3]

Em 15 de setembro de 1821, fundou o Revérbero Constitucional Fluminense em parceria com Januário da Cunha Barbosa.[4] Considerado um dos articuladores da Independência do Brasil, foi um dos responsáveis pelo Dia do Fico e pela convocação da Assembleia Constituinte de 1822.[5]

Joaquim Gonçalves Ledo, por Ettore Ximenes. Monumento à Independência, São Paulo.

Casou-se com Ana Carolina de Araújo em 1833.[2] Ledo foi procurador e deputado provincial do Rio de Janeiro até 1834, quando abandonou a política e a maçonaria para viver em sua fazenda em Cachoeiras de Macacu, onde morreu aos 66 anos de ataque cardíaco.[6]

Início da vida[editar | editar código-fonte]

Nascimento[editar | editar código-fonte]

Joaquim Gonçalves Ledo nasceu em 11 de dezembro de 1781 no Rio de Janeiro. Era filho primogênito do comerciante Antônio Gonçalves Ledo e de D. Maria dos Reis Ledo. Joaquim era irmão de Custódio Gonçalves Ledo, médico formado em Londres.[1]

Formação[editar | editar código-fonte]

Em 1795, foi para Portugal terminar os estudos e cursar Direito na Universidade de Coimbra. O contexto era de efervescência revolucionária e o estudante, patriota e idealista, absorveu as ideias liberais e tornou-se maçom.[1]

Devido à morte prematura de seu pai, Ledo retornou ao Brasil em 1808. Diante das dificuldades financeiras, o jovem precisou interromper a universidade e assumir os negócios da família.[7]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Maçonaria[editar | editar código-fonte]

Ledo continuou a estudar no Rio de Janeiro. Apesar de não ter concluído a sua formação, era considerado advogado por defender vários pleitos com sucesso.[3]

Ajudou a fundar e dirigir a loja maçônica Comércio e Artes em 1815 e o Clube Recreativo e Cultural da Guarda Velha em 1818, com o objetivo de atrair aliados a favor da independência brasileira.[8] No mesmo ano, um alvará decretou o fim das atividades da Maçonaria, o fechamento do clube secreto e a prisão de seus membros por conspiração política. Em um decreto posterior, Dom João VI declarou perdão a Ledo.[9]

Em 1820 passou a servir como oficial-mor na Contadoria do Arsenal de Guerra. Aceitou o emprego que lhe pagava o modesto salário de 33 mil réis mensais por patriotismo: propagar as ideias liberais entre os militares graduados e levá-los a Maçonaria.[10]

Articulador da Independência do Brasil[editar | editar código-fonte]

Enquanto Gonçalves Ledo chefiava, no Rio de Janeiro, a conspiração que visava tornar o Brasil independente de Portugal, José Bonifácio, em São Paulo, não tinha o menor interesse no movimento separatista. Os liberais, comandados por Ledo, uniram-se ao Partido Brasileiro para buscar a independência, mas também a democratização da sociedade brasileira.[11]

Em 1821, as Cortes Gerais e Extraordinárias da Nação Portuguesa ordenavam o retorno de Dom Pedro de Alcântara à Europa como medida a reação dos liberais. Em resposta, Ledo foi um dos responsáveis pelo movimento que reuniu assinaturas a favor da permanência do príncipe. No intitulado Dia do Fico, Dom Pedro I decretou sua permanência no Brasil, contrariando as ordens de Portugal.[6][12]

Entretanto quem se destacou foi seu adversário José Bonifácio, nomeado ministro do Reino e dos Estrangeiros. Enquanto isso, Gonçalves Ledo fez-se jornalista e fundou o Revérbero Constitucional Fluminense com Januário da Cunha Barbosa em 15 de setembro de 1821.[13] O jornal tornou-se o "clarim das liberdades nacionais", portal-voz da campanha pela Independência do Brasil, combatendo os interesses dinásticos portugueses e reivindicando a constituição de um governo liberal.[14] De acordo com Nicola Aslan, Ledo se declarava patriota e liberal enquanto Bonifácio mantinha seus laços e interesses com Portugal e a monarquia absolutista.[15]

Para resistir às ameaças de recolonização, um Conselho de Procuradores Gerais das Províncias do Brasil foi convocado em 16 de fevereiro de 1822. Nesta ocasião, Gonçalves Ledo propôs a convocação de uma Assembleia Constituinte. O príncipe português acatou a sugestão do patriota em junho quando também o nomeou Procurador da província do Rio de Janeiro e Conselheiro do governo.[6][16] José Bonifácio foi obrigado a aceitá-la, mas sugeriu a eleição indireta, que prevaleceu contra a vontade de Ledo e dos liberais radicais, que defendiam a eleição direta dos constituintes.

O liberal redigiu o "Manifesto dos Brasileiros" em agosto convocando os brasileiros a se unirem e a lutarem pela emancipação política do país: "Não ouça entre vós, outro grito que não seja união! Do Amazonas ao Prata não retumbe outro eco que não seja  – Independência! Formem todas as nossas províncias o feixe misterioso, que nenhuma força pode quebrar".[17] Em 7 de setembro de 1822, Dom Pedro I rompeu definitivamente os vínculos com Portugal e proclamou a Independência do Brasil. O príncipe foi aclamado Imperador Constitucional do Brasil no dia 12 de outubro.[18]

Visando fortalecer um dos instrumentos de defesa da Pátria, Gonçalves Ledo e o ministro da Guerra Luís Pereira da Nóbrega propuseram um plano para a organização das Forças Armadas do Brasil, aprovado pelo Imperador em 1823.[19]

Em carta à José Clemente Pereira, Ledo explica que "a Independência de um povo não pode ser feita por um homem só. É obra da opinião pública que é soberana, que é invencível quando lateja a consciência nacional na ânsia da liberdade, aniquilando déspotas e troianos".[20]

Exílio[editar | editar código-fonte]

O partido liberal fluminense foi acusado de republicano e Ledo foi ameaçado de morte por Bonifácio. Perseguido por seus capangas, o patriota se vestiu de mulher e se escondeu na fazenda do Barão de São Gonçalo, em Niterói.[21] Com a ajuda de Lourenço Westin, embarcou disfarçado de frade em um navio mercantil sueco para Buenos Aires.[22] Na capital da Argentina, ainda sofreu com calúnias e foi considerado fugitivo.[23] Como o governo não lhe forneceu nenhum subsídio para a sua manutenção, hospedou-se na casa de seu amigo José Rodrigues Braga e trabalhou para garantir o seu sustento. Em outubro de 1823, a injustiça das acusações tornou-se evidente e o Tribunal da Relação do Rio de Janeiro absolveu o liberal por falta de provas. Ledo retornou livre ao Brasil em 21 de novembro.[24]

Política[editar | editar código-fonte]

Gonçalves Ledo foi eleito Deputado da Assembleia Provincial do Rio de Janeiro em 21 de setembro de 1822, porém a cadeira foi inicialmente ocupada pelo seu suplente, Martim Francisco. O liberal somente assumiu o cargo em 6 de maio de 1826 quando houve a reabertura da Assembleia .[25]

Aos 45 anos, o fluminense que tanto lutou pela emancipação nacional, alcançou uma posição de independência em seus pronunciamentos na Assembleia Legislativa. Sua intervenção nos debates parlamentares era oportuna e não tinha o ímpeto juvenil que o distinguiu entre 1821 e 1822. Durante sua permanência no cargo, Ledo analisou diversos relatórios e entre eles publicou o "Parecer da Comissão de Fazenda da Câmara dos Deputados à Assembleia Geral do Império do Brasil" nos anais do Congresso.[26]

Em 1827, Dom Pedro I abriu a sessão legislativa com uma Fala do Trono. Nessa ocasião, o patriota foi nomeado membro da comissão especial que elaborava a resposta da Assembleia e assumiu a responsabilidade em 1828. No mesmo ano, Ledo foi convidado a ser Ministro mas recusou alegando se achar incapaz de encarar o peso e as dificuldades de tal função. Apesar disso, foi reeleito Deputado geral da Assembleia Provincial do Rio de Janeiro em 1830.[26]

Foi agraciado dignatário da Imperial Ordem do Cruzeiro e da Imperial Ordem de Nosso Senhor Jesus Cristo por Dom Pedro I, mas recusou a Imperial Ordem da Rosa e o título de Marquês. Sobre sua atuação política, Gonçalves Ledo foi descrito por Otávio Tarquínio de Sousa como "figura turva" e "muito comunicativo e alegre" por Afonso de Taunay.[16]

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Em 1831, Ledo retornou suas atividades maçônicas e fundou três lojas: Educação e Moral, Reunião Brasileira e Amor à Pátria.[27] Redigiu a sua autobiografia e memórias do seu tempo, documentos que fazem parte da história da Independência.[28]

Casou-se com Ana Carolina de Araújo em 1833. Cansado, abandonou a política e a maçonaria em 1834 para dedicar-se a agricultura em sua Fazenda do Sumidouro, no município de Cachoeiras de Macacu, Rio de Janeiro. Ledo teve um ataque cardíaco aos 66 anos e morreu em 19 de maio de 1847.[2][6]

"Antipatizado pelos políticos, Joaquim Gonçalves Ledo sofreu longo e rigoroso ostracismo que a recordação de seus enormes serviços à causa da independência e o seu arroubado patriotismo deveria ter pelo menos mitigado. Viu-se no fim da vida repudiado pelos partidos. Inteligência de escol faltou-lhe para quiçá o equilíbrio das qualidades, para se tornar um dos dominadores da cena política do seu tempo; era por demais arrebatado e impetuoso, dizem-no os contemporâneos".[29]

Legado[editar | editar código-fonte]

De acordo com Nicola Aslan, Joaquim Gonçalves Ledo trabalhava em prol de seus ideais liberais e não por ambicionar cargos, títulos ou honrarias de qualquer espécie. A carta publicada pelo fluminense em 1828 confirma seu espírito entusiasta: "Não vivo para sugar o Tesouro como os Andradas fizeram e fazem. Nunca fui pesado ao meu país e dele jamais recebi pelos meus serviços, pois sempre o servi abnegadamente, recusando qualquer recompensa material".[20][30]

Existem rumores de que ele incinerou seu acervo de documentos relacionados a sua participação na Independência do Brasil. Mesmo assim, a história mostrou a grande importância de Joaquim Gonçalves Ledo e, Afonso de Taunay, acredita que ele foi o "principal arauto e articulador da Independência brasileira".[17][25]

"Poucos homens públicos, em nosso país, tiveram o relevo e a notoriedade de Joaquim Gonçalves Ledo, o grande e implacável inimigo de José Bonifácio; aquele que foi o verdadeiro patriarca da nossa independência".[31]

Títulos e honras[editar | editar código-fonte]

1822:

1826-1834:

Homenagens

Referências

  1. a b c d ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 33 
  2. a b c MACIEL, Auryno (1923). Gonçalves Ledo: o homem da Independência. Maceió: Editora Fonseca. pp. p. 92 
  3. a b MACIEL, Auryno (1923). Gonçalves Ledo: o homem da Independência. Maceió: Editora Fonseca. pp. p. 43 
  4. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 90 
  5. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 70 
  6. a b c d UOL Educação.
  7. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 34 
  8. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 50–52 
  9. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 63 
  10. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 38 
  11. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 77 
  12. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 104–105 
  13. FLEIUSS, Max (1930). Páginas de história. Rio de Janeiro: Editora Imprensa Nacional. pp. p. 236 
  14. CINTRA, Assis (1923). No limiar da história. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves. pp. p. 84–85 
  15. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 36 
  16. a b c ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 585–586 
  17. a b BREFE, Ana Cláudia Fonseca (2005). O Museu Paulista: Affonso de Taunay e a memória nacional, 1917-1945. São Paulo: Editora Unesp. pp. p. 124 
  18. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 170–177 
  19. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 262–263 
  20. a b CINTRA, Assis (1923). No limiar da história. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves. pp. p. 88–89 
  21. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 386 
  22. VILAR, Gilberto (2004). Frei Caneca: gesta da liberdade, 1779-1825. Rio de Janeiro: Editora Mauad X. pp. p. 83 
  23. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 407 
  24. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 479–481 
  25. a b ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 482 
  26. a b ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 485–488 
  27. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 599 
  28. ASLAN, Nicola (1975). Biografia de Joaquim Gonçalves Ledo. Rio de Janeiro: Editora Maçônica. pp. p. 520 
  29. TAUNAY, Affonso d'Escragnolle (1922). Grandes vultos da Independência brasileira. São Paulo: Companhia Melhoramentos de São Paulo. pp. p. 49 
  30. FLEIUSS, Max (1930). Páginas de história. Rio de Janeiro: Editora Imprensa Nacional. pp. p. 243–244 
  31. MUNIZ, Heitor (1929). No tempo da monarquia. São Paulo: Editora Nacional. pp. p. 38 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Olivenkranz.png Correspondente da ABL - Patrono da cadeira 15
Sucedido por
José Echegaray