Curt Meyer-Clason

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Curt Meyer-Clason
Nascimento 19 de setembro de 1910
Ludwigsburg
Morte 13 de janeiro de 2012 (101 anos)
Munique
Nacionalidade Alemão
Cidadania Alemanha
Alma mater
  • Eberhard-Ludwigs-Gymnasium
Ocupação Escritor e tradutor
Prêmios
Empregador Goethe-Institut

Curt Meyer-Clason (Ludwigsburg, 19 de setembro de 1910 - Munique, 13 de janeiro de 2012) foi um escritor e tradutor alemão.[1][2][3] É conhecido por ter sido tradutor de Guimarães Rosa.

Breve biografia[editar | editar código-fonte]

Curt Meyer-Clason estudou comércio no ginásio na Alemanha.

Inicialmente ele trabalhou empregado neste campo na cidade independente de Bremen, passando a atuar, a partir de 1936, como comerciante independente na Argentina e no Brasil. Em 1942, foi preso pela polícia política do Rio Grande do Sul, acusado de espionagem para o III Reich. Ficou preso por cinco anos no Instituto Penal Cândido Mendes, na Ilha Grande.[4]. Foi na prisão que Meyer-Clason conheceu a literatura, incentivado por um companheiro de cela.[5]

Meyer-Clason só começou a traduzir depois que regressou à Alemanha, em 1954, quando já era um homem de meia-idade. De volta a seu país, atuou como editor em Munique, na Baviera. A partir dos anos '60 Curt Meyer-Clason aumentou consideravelmente a sua dedicação à tradução de autores de língua portuguesa, castelhana, e de autores da América Latina. Meyer-Clason traduziu para o alemão alguns dos mais importantes autores brasileiros, como Machado de Assis, Jorge Amado, Clarice Lispector, João Ubaldo Ribeiro, Carlos Drummond de Andrade, Gerardo Mello Mourão[6] e João Cabral de Melo Neto.[7]

Ficou especialmente conhecido como tradutor de João Guimarães Rosa. São dele as versões em alemão para Grande Sertão: Veredas, Primeiras Estórias, Sagarana e Corpo de Baile. As cartas trocadas por ambos entre 1958 e 1967 foram lançadas em livro em 2003.[8]

Meyer-Clason foi líder do Goethe-Institut em Lisboa, Portugal, de 1969 a 1976.

Morreu aos 101 anos em Munique.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Literatura alemana actual, Asunción 1969
  • Erstens die Freiheit, Wuppertal 1978
  • Portugiesische Tagebücher, Königstein/Ts. 1979
  • Äquator, Bergisch Gladbach 1986
  • Unterwegs, Bergisch Gladbach 1989
  • Die Menschen sterben nicht, sie werden verzaubert, München [u. a.] 1990
  • Die große Insel, Reicheneck 1995
  • Der Unbekannte, München 1999
  • Bin gleich wieder da, Weitra 2000

Editor[editar | editar código-fonte]

  • Die Reiher und andere brasilianische Erzählungen, Herrenalb/Schwarzwald 1967
  • Der weiße Sturm und andere argentinische Erzählungen, Tübingen [u. a.] 1969 (zusammen mit Wilhelm Anton Oerley)
  • Der Gott der Seefahrer und andere portugiesische Erzählungen, Tübingen [u. a.] 1972
  • Brasilianische Poesie des 20. Jahrhunderts, München 1975
  • Portugal: Lied der Revolution, München 1975
  • Unsere Freunde, die Diktatoren, München 1980
  • Lateinamerikaner über Europa, Frankfurt am Main 1987
  • Lyrik aus Lateinamerika, München 1988
  • Portugiesische Erzählungen des zwanzigsten Jahrhunderts, Freiburg 1988
  • Portugiesische Lyrik des 20. Jahrhunderts, München 1993
  • Die Lehre der Fremde - die Leere des Fremden, Tübingen 1997
  • Modernismo brasileiro und die brasilianische Lyrik der Gegenwart, Berlin 1997

Traduções[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Curt Meyer-Clason
  2. Obituário, Süddeutsche Zeitung. Acesso em 21 de janeiro 2012
  3. «Curt Meyer-Clason: a história do tradutor de Guimarães Rosa, que ficou cinco anos preso no Brasil». Revista Bula. 12 de maio de 2021. Consultado em 11 de fevereiro de 2022 
  4. Perazzo, Priscila Ferreira (1999). O Perigo Alemão e a Repressão Policial no Estado Novo. São Paulo: Arquivo do Estado 
  5. «O Jagunço de Munique» 
  6. «O Espião e o Poeta». Folha de S.Paulo. Num primeiro momento, avalia Hilton, tais células eram capitaneadas por alemães vivendo em solo nacional. O caso mais célebre é o de Curt Meyer-Clason, preso em 1942. No cárcere da Ilha Grande, apaixona-se pela literatura brasileira, tornando-se mais tarde seu embaixador oficial na Alemanha, traduzindo uma gama de autores nacionais, incluindo aí Grande sertão: veredas. De Gerardo, que Meyer-Clason possivelmente conheceu na ilha, traduziu O valete de espadas. 
  7. «A morte do tradutor de Guimarães Rosa para o alemão, por Edgar Weizel». Consultado em 2 de abril de 2012. Arquivado do original em 5 de março de 2016 
  8. Rosa, João Guimarães (2003). João Guimarães Rosa: correspondência com seu tradutor alemão Curt Meyer-Clason. Rio de Janeiro e Belo Horizonte: Nova Fronteira / UFMG 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Georges Raeders
Olivenkranz.png Sócio correspondente da ABL - cadeira 11
1981 — atualidade
Sucedido por