Arnaldo Saraiva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde abril de 2014)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Arnaldo Saraiva
Nascimento 1939 (79 anos)
Casegas, Portugal
Nacionalidade português
Ocupação Poeta, ensaísta, tradutor e cronista
Prémios Prémio Seiva (2017) Letras
Género literário Poesia, ensaio, conto
Magnum opus Eugénio de Andrade

Arnaldo Saraiva (Covilhã, Casegas, 1939) é um poeta, ensaísta, tradutor e cronista português. Recebeu o Prémio Seiva (2017) na área de Letras.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Arnaldo Saraiva é professor universitário, investigador científico e literário, ensaísta, cronista e poeta.

Licenciado em Filologia Românica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, doutorou-se na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, onde exerceu a função de docente de Estudos Brasileiros e Africanos. Foi leitor de Língua e Literatura Portuguesa e Brasileira na Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara (EUA) e professor convidado da Universidade de Paris III (Sorbonne Nouvelle). Fez estudos superiores no Rio de Janeiro, onde preparou a tese "Carlos Drummond de Andrade: do Berço ao Livro". Em Paris fez estudos sob orientação de Roland Barthes, A. J. Greimas e Gérad Genette, fez também estudos superiores em Urbino.

Foi dirigente da Cooperativa Árvore e do Boavista Futebol Clube.

Colaborador da Radiotelevisão Portuguesa, da Radiodifusão Portuguesa (Antena1) e de várias publicações portuguesas e estrangeiras. Colaborador da Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura. Fundador do Centro de Estudos Pessoanos, co-dirigindo a revista Persona e o jornal O Boavista do qual foi fundador.

Está representado na Antologia dos Poetas Brasileiros - Fase Moderna, de Manuel Bandeira e Walmir Ayala e na Antologia da Novíssima Poesia Portuguesa, de Maria Alberta Menéres e E. M. de Melo e Castro.

Arnaldo Saraiva foi distinguindo com o Prémio Seiva (2017) na área das Letras. A Companhia de Teatro Seiva Trupe distinguiu ainda, nesta 11.ª edição, o pintor Jorge Pinheiro (Artes) e a patologista Fátima Carneiro (Ciências).[1]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • ae (poemas 1959-66) (1967);
  • Carlos Drummond de Andrade: do Berço ao Livro (1968) (tese de Licenciatura
  • Encontros Des Encontros (1973);
  • Os Hinos Nacionais (1973);
  • Mário Cláudio - um Verão Assim, com um estudo de Arnaldo Saraiva (1974);
  • Um texto assim: estudo sobre a narrativa Um Verão assim de Mário Cláudio (1974);
  • Bilinguismo e literatura (1975);
  • Literatura marginalizada (1975);
  • Correspondência Inédita de Mário de Sá-Carneiro a Fernando Pessoa (1980);
  • Fernando Pessoa e Jorge de Sena (198?)
  • Literatura marginalizada : novos ensaios (1980);
  • In (poemas) (1983);
  • Para a história da leitura de Rilke em Portugal e no Brasil (1984);
  • O modernismo brasileiro e o modernismo português : subsídios para o seu estudo e para a história das suas relações (1985) (tese de Doutoramento)
  • O Modernismo Brasileiro e o Modernismo Português (3 vols.) (1986);
  • Um Nome para o Seu Filho e para a sua Filha seguido de Os Escritores e os Nomes (1986)
  • Eugénio de Andrade (1987);
  • Literatura brasileira II : história, programa, conteúdos, métodos e bibliografia (1992) (relatório apresentado nas provas de Agregação do 2º Grupo (Línguas e Literaturas) da Faculdade de Letras do Porto)
  • O Livro dos Títulos (1992);
  • Bacoco é Bacoco seus Bacocos (1995);
  • Introdução à Poesia de Eugénio de Andrade (1995);
  • Fernando Pessoa Poeta-Tradutor de Poetas (1996);
  • O Sotaque do Porto (1996);
  • Conversas com Escritores Brasileiros (2000);
  • Modernismo Brasileiro e Modernismo Português (2004);
  • Folhetos de Cordel e Outros da minha Colecção (2006).

Referências

  1. Agência Lusa (13 de junho de 2017). «Prémio Seiva Trupe distingue Jorge Pinheiro, Fátima Carneiro e Arnaldo Saraiva». Diário de Notícias. p. 1,2. Consultado em 10 de janeiro de 2017. 
Precedido por
Luciana Stegagno Picchio
Olivenkranz.png Sócio correspondente da ABL - cadeira 6
2008 — atualidade
Sucedido por
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.