Januário da Cunha Barbosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Januário da Cunha Barbosa (S. A. Sisson).

Januário da Cunha Barbosa (Rio de Janeiro, 10 de julho de 1780 — Rio de Janeiro, 22 de fevereiro de 1846) foi um orador sacro, historiador, jornalista, poeta, biógrafo e político de muita importância no Primeiro Reinado.

Nomeado cônego da Capela Real por D. Pedro I em 1825, entrou para a maçonaria, onde foi eleito orador em 1822. Teve atuação destacada no processo da Independência, sendo um dos editores do jornal Revérbero Constitucional Fluminense, juntamente do Gonçalves Ledo.

Com o marechal Raimundo José da Cunha Matos, foi um dos fundadores do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, oficialmente fundado em 21 de outubro de 1838, do qual se tornou Secretário Perpétuo. Publicou, entre 1829 e 1832, uma das primeiras antologias poética brasileiras intitulada "Parnaso Brasileiro". Contribuiu assiduamente com biografias, necrológios e estudos para a Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro - IHGB. Apoiou e incentivou a obra do historiador brasileiro Francisco Adolfo Varnhagen.

Foi ainda diretor da Biblioteca Nacional.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • GUIMARÃES, Lúcia Maria Paschoal. Debaixo da Imediata Proteção de Sua Majestade Imperial o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1838-1889). Rio de Janeiro, R.IHGB, 156(388) 459-613, jul.set., 1995.
  • GUIMARÃES, Manoel Luís Salgado. Nação e civilização nos trópicos: O IHGB e o projeto de uma História Nacional. Rio de Janeiro, Estudos Históricos 1(1) 1988 , 5-27.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.