José Joaquim Ferreira de Moura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Joaquim Ferreira de Moura

José Joaquim Ferreira de Moura (Vila Nova de Foz Coa, 17761829) foi um magistrado, diplomata e político que fez parte da Junta Provisional do Governo Supremo do Reino que se seguiu à Revolução Liberal do Porto e das Cortes Constituintes de 1821.[1] Membro da loja maçónica Fortaleza (1820).[2] Foi pai de João António Lobo de Moura, 1.º visconde de Moura.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Depois de exercer as funções de farmacêutico formou-se bacharel em leis pela Universidade de Coimbra.

Foi juiz de fora de Pinhel e de Aldeia Galega. Em 1808, quando era juiz de fora em Aldeia Galega, traduziu para a língua portuguesa, por ordem do general Jean-Andoche Junot, o Código civil de Napoleão.

Foi demitido das suas funções de magistrado judicial, passando então a trabalhar como advogado em Vila Nova de Foz Coa.

Foi vogal da Junta Provisional do Governo Supremo do Reino em 1820-1821.[3]

Foi deputado às cortes constituintes de 1821, aliado de Manuel Fernandes Tomás, com quem fundou o periódico O Independente.

Exilou-se para Inglaterra em 1823, onde colaborou na edição do periódico Padre Amaro.

Regressou a Portugal em 1826, falecendo em 1829.

Notas

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.