Antonio Bulhões

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Antonio Bulhões
Antonio Carlos Martins de Bulhões
Deputado federal de  São Paulo
Período 1° - 1 de fevereiro de 2007 até 31 de janeiro de 2011
2° - 1 de fevereiro de 2011 até 31 de Janeiro de 2019
Dados pessoais
Nascimento 5 de maio de 1968 (51 anos)[1]
Rio de Janeiro, RJ[1]
Partido PRB (2009—presente)
[1]
Religião Protestante (Neopentecostal)
Profissão Bispo neopentecostal,[1] apresentador de televisão
Website Sítio oficial

Antonio Carlos Martins de Bulhões (Rio de Janeiro, 5 de maio de 1968) é um bispo neopentecostal e político brasileiro, ligado à Igreja Universal do Reino de Deus e filiado ao Partido Republicano Brasileiro (PRB), em seu terceiro mandato como deputado federal por São Paulo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Por nove anos, Bulhões apresentou o programa Fala que Eu Te Escuto, na Rede Record, além do Retrato de Família, na Record News.[2]

Entre 7 de fevereiro de 2012 e 1 de fevereiro de 2013, Bulhões foi o líder do Partido Republicano Brasileiro (PRB) na Câmara.[1]

Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[3] Já durante o Governo Michel Temer, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[3] Em abril de 2017 foi favorável à Reforma Trabalhista.[3] [4] Em agosto de 2017 votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do então presidente Michel Temer, suspendendo a denúncia do Ministério Público Federal.[5][6]Na sessão do dia 25 de outubro de 2017, o deputado, mais uma vez, votou contra o prosseguimento da investigação do então presidente Michel Temer, acusado pelos crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa. O resultado da votação suspendeu a denúncia por parte do Supremo Tribunal Federal (STF)[7].

Referências

  1. a b c d e «ANTONIO BULHÕES - PRB/SP». Câmara dos Deputados do Brasil. Consultado em 12 de julho de 2013 
  2. «Biografia». Consultado em 12 de julho de 2013 
  3. a b c G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  4. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  5. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome G1 até o final do mandato do Presidente Temer- como votou
  6. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  7. «Como votou cada deputado sobre a 2ª denúncia contra Temer». Terra 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]