Guilherme Mussi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guilherme Mussi
Guilherme Mussi Ferreira
Deputado federal por São Paulo
Período 1 de fevereiro de 2011
até atualidade
Dados pessoais
Nascimento 14 de outubro de 1982 (35 anos)
Curitiba, PR
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Liliane Mussi Ferreira
Pai: Carlos Henrique da Silva Ferreira
Partido PP (2013—presente)[1]
PSD (20112013)[2]
PV (20092011)
Profissão Administrador de empresas, político
Website Website oficial

Guilherme Mussi Ferreira (Curitiba, 14 de outubro de 1982) é um político brasileiro, atualmente filiado ao Partido Progressista (PP), sendo deputado federal por São Paulo pela segunda vez, recentemente Mussi teve mais de 156 mil votos e foi reeleito deputado federal pelo Estado de São Paulo.

Filiado ao Partido Verde (PV), Mussi foi eleito deputado federal por São Paulo em 2010 com 98.702 votos.[3] Em 2011, Mussi deixou o PV e se filiou ao Partido Social Democrático (PSD).[2] Em 2013, Mussi deixou o PSD para ingressar ao Partido Progressista (PP).[1]

Mussi foi casado com Luciana Tranchesi e já namorou Carolina Magalhães, neta de Antônio Carlos Magalhães.[1]Casou-se, em cerimônia discreta, com Rebeca Abravanel, filha do apresentador e empresário Silvio Santos. O casal se separou em maio de 2016.

Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[4] Já durante o Governo Michel Temer, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[4] Em agosto de 2017 votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do então presidente Michel Temer, ajudando a arquivar a denúncia do Ministério Público Federal.[4][5]Na sessão do dia 25 de outubro de 2017, a deputada, mais uma vez, votou contra o prosseguimento da investigação do então presidente Michel Temer, acusado pelos crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa. O resultado da votação livrou o Michel Temer de uma investigação por parte do Supremo Tribunal Federal (STF).[6]

De acordo com o site Métropoles, Guilherme Mussi era, em 20 de novembro, o deputado federal que mais havia faltado ao trabalho em 2017, com 35 faltas não justificadas e 12 justificadas, comparecendo a apenas uma sessão no mês de novembro. O seu número de faltas sem justificativa é correspondente a 34% do total de sessões realizadas ao longo do ano.[7]

Referências

  1. a b c «Deputado Mussi: rompimento com Kassab e neta de ACM». Veja São Paulo. 12 de julho de 2013. Consultado em 2 de novembro de 2013 
  2. a b Roxo, Sérgio (1 de julho de 2011). «Dos 15 parlamentares do PV, apenas um está disposto a seguir a ex-senadora Marina Silva». O Globo. Consultado em 2 de novembro de 2013 
  3. «Guilherme Mussi (2010)». Consultado em 2 de novembro de 2013 
  4. a b c G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  5. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  6. «Como votou cada deputado sobre a 2ª denúncia contra Temer». Terra 
  7. Liana Costa (20 de novembro de 2017). «Saiba quais foram os deputados que mais faltaram ao trabalho em 2017». Consultado em 20 de novembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]