Paulo Skaf

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Question book-4.svg
Este artigo ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde maio de 2015). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Paulo Skaf
Paulo Skaf em julho de 2014
Presidente do CIESP São Paulo
Período 2007até a atualidade
Antecessor(a) Cláudio Vaz
Sucessor(a) -
Presidente da FIESP São Paulo
Período 27 de setembro de 2004até a atualidade
Antecessor(a) Horácio Lafer Piva
Sucessor(a) -
Dados pessoais
Nascimento 7 de agosto de 1955 (62 anos)
São Paulo, SP  Brasil
Nacionalidade brasileiro
Cônjuge Luzia Helena Junqueira Pamplona de Menezes Skaf
Partido PSB (2009–2011)
PMDB (2011–presente)
Profissão Empresário
Administrador
Industrial
Político

Paulo Antônio Skaf (São Paulo, 7 de agosto de 1955) é um empresário e político brasileiro, filiado ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB)[1].

Skaf é o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), do Serviço Social da Indústria (Sesi-SP), do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai-SP), do Instituto Roberto Simonsen (IRS) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/SP). É também o 1º vice-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI)[2]. Sempre foi atuante em entidades empresariais da indústria, como a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem do Estado de São Paulo (Sinditêxtil) e a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT). Foi membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) da presidência da República[3].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Infância e formação[editar | editar código-fonte]

Paulo Skaf nasceu no bairro paulistano Vila Mariana, filho do imigrante libanês e proeminente empresário do ramo têxtil Antoine Skaf e de Clotilde Habeyche Skaf. Iniciou seus estudos no Colégio Elvira Brandão, concluiu o segundo grau no Colégio Santo Américo.[4].

Ainda adolescente começou a trabalhar com o pai, mas logo seu espírito empreendedor fez com que trilhasse seu próprio caminho. Dedicado ao ramo têxtil, suas fábricas de médio porte tinham sede na Zona Leste. Anos depois, centralizou as fábricas em sede única na cidade de Pindamonhangaba, no Vale do Paraíba[5].

Durante 22 anos dedicou-se ao setor têxtil, no início junto com o pai e depois por seu próprio caminho. Suas fábricas, de médio porte, eram descentralizadas - uma no Ipiranga, outra na Mooca e mais uma no Belenzinho. Como pensava em unificar a sede das empresas, e houve uma oportunidade de compra de um terreno na entrada de Pindamonhangaba, transferiu a sede delas bem como a sua própria família para lá[6].

Com a entrada dos produtos coreanos no Brasil e a queda de competitividade dos produtos de suas empresas, sentiu que era necessário tomar uma medida drástica e redirecionar seus negócios para outro ramo. Voltou-se para o setor industrial de construção para investimento.

Ter atividades na área imobiliária disponibilizou-lhe tempo para dedicar-se a uma outra arte de que também gostava muito: a política[7].

Carreira empresarial[editar | editar código-fonte]

Paulo, além dos negócios empresariais, destacou-se por sua liderança e inovação como dirigente de entidades do setor, como o Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem do Estado de São Paulo (Sinditêxtil) e da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), por dois mandatos, onde desenvolveu importante trabalho na indústria de moda[4].

Em 27 de setembro de 2004 foi eleito, em primeiro mandato, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, do Ciesp, do Sesi-SP, do Senai-SP e do Instituto Roberto Simonsen (IRS). Em 2011, por ampla maioria, foi eleito para um segundo mandato de mais quatro anos.[8]

Na FIESP, sua gestão foi marcada por conquistas que buscam o crescimento sustentável do Brasil. O foco sempre foi lutar e obter as reformas estruturais capazes de oferecer à sociedade serviços públicos com qualidade, em especial nas áreas da educação, saúde e segurança. Assim, à frente da instituição, Skaf inovou com medidas como a implantação da educação em tempo integral e a articulação do ensino médio com o técnico. Atualmente, o Sesi-SP é a maior rede de ensino privado do país. Em 2013, foi contabilizado 1,2 milhão de matrículas no Senai-SP e 150 mil no ensino regular do Sesi-SP.

Atuou também no sentido de desonerar impostos, desburocratizar processos, aumentar investimentos na infraestrutura e ampliar mercados externos. Criou a política da “diplomacia empresarial”, ajudando a formação de recursos humanos qualificados para operar no setor privado em temas internacionais e micro e pequenas empresas a atuar no comércio exterior, contribuindo de forma decisiva para o fortalecimento da inserção internacional do Brasil[7].

Outro ponto marcante da sua trajetória foi o combate à CPMF. Instituída como taxação provisória a partir de 1997, o imposto foi abolido somente em 2007 após acirrada disputa no Senado

Em São Paulo, Paulo veio a trabalhar arduamente para que o tema fosse debatido nos órgãos especializados dos setores empresariais e nos meios de comunicação. Na madrugada do dia 13 de dezembro de 2007, Skaf pôde comemorar o fim da CPMF, decisão do Senado para que a lei que determinava o fim do imposto em 31 de dezembro de 2007 e que impedia sua recriação em 2008 fosse cumprida. Em nota oficial da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Skaf disse que, com a derrota do governo, "quem venceu foi o Brasil.". 

Foi também durante a sua gestão que a FIESP liderou a campanha para aprovação de duas conquistas de peso: a criação da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa e a desoneração de impostos sobre produtos derivados da farinha de trigo, o que acarretou a diminuição do preço de itens como pães e macarrão.

A desoneração de impostos sobre a cesta básica foi uma reivindicação feita pela FIESP em 2008. Depois de quatro anos de luta, o governo Federal aprovou a MP que reduz o Pis e o Cofins e elimina o IPI, tornando os alimentos mais baratos.

Em 2009, uma de suas ações mais bem-sucedidas foi ter pressionado os bancos públicos a reduzirem em até 30% os spreads, facilitando o crédito e, assim, gerando emprego e produção. Outro destaque foi a liderança da FIESP na defesa do recebimento, pelos exportadores, dos créditos referentes ao ressarcimento legal do IPI previsto nas vendas ao Exterior.

Em 2011 foi lançada a campanha Energia a Preço Justo, com o objetivo de mobilizar a população na luta contra a renovação sem licitação das concessões das empresas de energia elétrica que já estavam vencidas. O resultado foi o desconto médio de 20% nas contas de todos os brasileiros, anunciado pelo governo federal em 2013. Essa conquista gerou economia de cerca de R$ 30 bilhões por ano.

No período de junho de 2011 a abril de 2012, a FIESP promoveu forte mobilização junto ao governo para que a MP pelo fim da Guerra dos Portos, Resolução 72, fosse aprovada pelo Senado Federal. Essa MP propunha o cancelamento de incentivos fiscais a produtos importados por meio de descontos do Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS), pondo fim à chamada Guerra dos Portos. A mobilização teve pleno êxito com a aprovação da Resolução 72, em abril de 2012.

Outra conquista importante para a indústria foi a desoneração da folha de pagamento. Após dois anos de luta, foi sancionada em 2013 a lei que desonera a tributação de contribuição previdenciária patronal de determinados setores, calculada sobre a folha de salários, o que gera menos pressão nos custos de quem produz e mais empregos para quem trabalha.

Em 2013, a FIESP fez campanha pela aprovação da MP dos Portos, que prevê a modernização das instalações portuárias, estimulando a concorrência e movimentando cargas com menor preço[7].

Também em 2013, a FIESP e o CIESP conseguiram evitar o aumento abusivo do IPTU de em média 55% nas residências e 88% no comércio na cidade de São Paulo, o qual estava muito acima do reajuste dos trabalhadores no período, com uma liminar impetrada na Justiça. Assim, a prefeitura paulistana só pôde corrigir o IPTU pela inflação anual[9].

Carreira política[editar | editar código-fonte]

A vida pública de Paulo remonta aos anos 70 quando, ainda jovem, decidiu ingressar no CPOR[10]. “Minha vocação sempre foi a de servir o Brasil.[11], disse, certa vez, em entrevista. Assim, além dos negócios, Skaf destacou-se pela sua liderança como dirigente de entidades do setor, como o Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem do Estado de São Paulo (Sinditêxtil) e a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT).

Em 27 de setembro de 2004, Paulo assumiu a Presidência da FIESP. Assumiu também o CIESP, o SESI–SP, o SENAI–SP e o Instituto Roberto Simonsen (IRS), além de ser o primeiro vice-presidente da CNI. Também foi um membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) da Presidência da República[12].

Na FIESP, a sua gestão adotou medidas como a implantação da educação em tempo integral[13] e a articulação do ensino médio com o técnico[14]. Este ano de 2015, o Sesi é a maior rede de ensino privado do País. Em 2009, foi contabilizado 1,2 milhão de matrículas no Senai-SP e 120 mil no ensino regular do Sesi-SP[15]. Afora isso, Skaf também atuou no sentido de desonerar impostos[16], desburocratizar processos, aumentar investimentos na infraestrutura, ampliar mercados externos (criou a “Diplomacia Empresarial”).

Em 30 de setembro de 2009, Paulo filiou-se ao PSB[17], e nas eleições de 2010, candidatou-se pelo PSB a governador de São Paulo. Apesar da legenda socialista, Skaf apresentava propostas como a cobrança de mensalidades nas universidades públicas estaduais[18]. Foi o 4º colocado com 1.038.430 votos (4,56% dos válidos), atrás de Geraldo Alckmin (PSDB) – o 1º colocado e eleito já no 1º turno com 11.519.314 votos (50,63% dos válidos) –, de Aloizio Mercadante (PT) – o 2º colocado com 8.016.866 votos (35,23% dos válidos) – e de Celso Russomano (PP) – o 3º colocado com 1.233.897 votos (5,42% dos válidos).

Após convite de Michel Temer, Paulo deixou o PSB no início de 2011 e filiou-se ao PMDB[19][20] pelo qual foi novamente candidato ao governo de São Paulo em 2014, obtendo o 2º lugar com 4.594.708 votos (21,53% dos válidos) – atrás apenas do candidato à reeleição Geraldo Alckmin (PSDB), que obteve 12.230.807 votos (57,31% dos válidos).

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Em 1978, Paulo conheceu Luzia Helena Pamplona de Menezes, com quem se casou no mesmo ano e com a qual tem cinco filhos: Paulo, André, Raphael, Gabriel e Antoine bem como três netos[21].

Honrarias[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2013, Paulo, então como presidente da FIESP, recebeu o Colar do Mérito Judiciário do Tribunal de Justiça do Estado (TJ-SP)[22].

Em maio de 2014, Paulo recebeu a Medalha 9 de Julho na Câmara de Araçatuba. A honraria foi concedida pelos investimentos da Fiesp em escolas do SESI na cidade.[23]

Paulo já recebeu inúmeras medalhas, comendas e condecorações, tais como a Ordem do Rio Branco; a Ordem Nacional ao Mérito, da República da Colômbia; a Ordem Al Mérito por Servicios Distinguidos, da República do Peru; a Ordem do Mérito Militar, do Exército; a Ordem do Mérito Naval, da Marinha; a Ordem do Mérito Aeronáutico, da Aeronáutica e a Ordem do Mérito Anhanguera, do governo de Goiás bem como mais do que 50 títulos de cidadania concedidos pelas Câmaras de Vereadores de municípios de diversas regiões paulistas[24].

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Como um pré-candidato ao governo estadual[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2014, Paulo sofreu acusações de autopromoção, conforme denúncia[25].

Paulo teria cometido um erro ao dirigir-se diretamente aos contribuintes, em tom evidente de campanha. Não escondeu que seria candidato ao governo estadual em outubro e, portanto, ficaria claro o interesse pessoal e de promoção da imagem na tentativa de colher dividendos nas urnas, ainda conforme a denúncia[26].

Citação em 2017 como um possível beneficiário de caixa dois[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2017, o nome de Paulo é[27] citado por Emílio Odebrecht em ação de colaboração premiada como envolvido em esquema de caixa dois junto ao seu marqueteiro eleitoral de 2014 Duda Mendonça [1].


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «PMDB oficializa Paulo Skaf como candidato ao governo de São Paulo - Política - iG». Último Segundo. Consultado em 31 de março de 2016 
  2. «"PMDB oficializa Paulo Skaf como candidato ao governo de São Paulo"». Ultimo Segundo. Consultado em 18 de agosto de 2014 
  3. «"Paulo Skaf é elei como presidente do SEBRAE-SP». 'SEBRAE-SP. Consultado em 28 de novembro de 2014 
  4. a b Ultimo Segundo. «"Os 60 mais poderosos Paulo Skaf"». iG. Consultado em 21 de março de 2014 
  5. Justiça Eleitoral (agosto de 2014). «informações Paulo Skaf». Eleições 2014 
  6. terra (outubro 2014). «Família Skaf». Terra 
  7. a b c «Paulo Skaf tem interesse em disputar governo de São Paulo em». O Jornal do Estado. 1 de novembro de 2012. Consultado em 18 de março de 2016 
  8. Elaine Cotta (25 de agosto de 2004). «Pela 1ª vez na história, Fiesp e Ciesp vão ter presidentes diferentes Presidência FIESP». Folha de S.Paulo. Consultado em 18 de março de 2016 
  9. http://spnoticias.com.br/?p=10177
  10. http://www.cporsp.ensino.eb.br/
  11. http://www.revistaviverde.com.br/edicao/005edicao.pdf
  12. http://www.cdes.gov.br/galeria_conselho/2010/
  13. http://www.dgabc.com.br/News/5751805/escolas-do-sesi-terao-periodo-integral-a-partir-de-2011.aspx
  14. http://www.fiesp.com.br/sindicato/sindicarnes_08/noticias/2011/04/paulo-skaf-reeleito.ntc
  15. http://www.sesisp.org.br/educacaoquetransforma/numeros.asp
  16. http://g1.globo.com/Noticias/Economia_Negocios/0,,AA1261533-9356,00.html
  17. «Paulo Skaf filia-se ao PSB». G1. 30 de setembro de 2009. Consultado em 2 de novembro de 2014 
  18. http://www.jornaldocampus.usp.br/index.php/2010/09/entrevista-paulo-skaf-mensalidade-ensino-publico-gratuito/
  19. http://noticias.r7.com/brasil/noticias/michel-temer-diz-que-skaf-fara-parte-da-cupula-do-pmdb-20110513.html
  20. Eduardo Bresciani (11 de maio de 2011). «Skaf se filia ao PMDB na presença de Chalita e Marta». UOL. Consultado em 2 de novembro de 2014 
  21. «"Estrutura da CNI"». CNI. Consultado em 18 de agosto de 2014 
  22. «Presidente da APMP prestigia de honraria a Paulo Skaf». Associação Paulista do Ministério Público. 22 de agosto de 2014. Consultado em 12 de dezembro de 2014 
  23. Angelo Cardoso (15 de maio de 2014). «Paulo Skaf recebe homenagem e faz pré-campanha ao governo». Ata News. Consultado em 12 de dezembro de 2014 
  24. «Paulo Skaf será homenageado com Título de Cidadão Itapevense». Câmara Municipal de Itapeva-SP. 14 de fevereiro de 2012. Consultado em 12 de dezembro de 2014 
  25. «PSDB questiona uso da Fiesp por Skaf em propaganda». Folha de S.Paulo. 3 de fevereiro de 2015. Consultado em 13 de maio de 2015. Cópia arquivada em 13 de maio de 2015 
  26. «PSDB denuncia Paulo Skaf na Justiça por propaganda antecipada». Terra Magazine. Conjuntura Online. 21 de janeiro de 2015. Consultado em 13 de maio de 2015. Cópia arquivada em 13 de maio de 2015 
  27. «Duda Mendonça procurou Emílio Odebrecht para cobrar dívida de campanha de Paulo Skaf». Estadão conteúdo. R7. 14 de abril de 2017. Consultado em 14 de abril de 2017. Cópia arquivada em 14 de abril de 2017